UM OLHO QUE TUDO VÊ

Uma vez falei de verrugas aqui no blog causando estranhamento...então hoje vou mais fundo, vou falar de “olho de peixe”....kkkkkkkkkkkkkk....

Na verdade vou contar do meu olho de peixe.

Quando era moleque, uns 7 ou 8 anos, apareceu um bendito de um negócio desses no calcanhar direito. Não sei de onde vem nem pra onde vão essas coisas estranhas, e confesso que na época minha mãe nem se preocupou em dizer assim: deixa levar esse guri num dermatologista pra ver como tira isso.

Mesmo que ela quisesse eu não ia. Havia presenciado uma sessão de tortura com minha avó numa clinica, onde ela retirou dois desses da palma da mão. Terrível. Então me deixa com o olho de peixe que tudo bem...não me importo.

Mas aquilo incomodava. Quando corria de tênis a fricção machucava. Na escola batia com o calcanhar na cadeira e doía. E assim foi indo. Aquela coisa nojenta presa em mim. Aquele olho que tudo via, preso no calcanhar.

Não adiantava reclamar, por que se o fizesse, ou era tortura, ou uma pomadas de acido que corroeriam até os ossos da minha canela magrinha.

E aí como não tem jeito você acaba se adaptando e para uma criança é mais fácil. Por que depois de um tempo aquilo passa a fazer parte da sua vida e felizmente se esquece.

Certo dia estou eu participado de uma brincadeira comum da minha infância que se chamava “mamãe da rua”, que consistia em grupos ficarem de cada lado nas calçadas dentro de um espaço limitado onde a tarefa era atravessar para o outro lado sem ser agarrado por que estava na rua. Quando de repente deu-se o inesperado.

Minha irmã era a chefa da turma e eu sendo o caçula da casa não podia ser tocado por ninguém nas brincadeiras, como diziam, eu era café com leite....rs rs rs. Ela brinca comigo que fui café com leite até os dezoito anos...rs.

Enfim, eu batia em todo mundo que tentava me puxar pra rua, mas ninguém encostava a mão em mim. E tinha uma menininha insuportável daquelas que parecem pinto louco de galinheiro que corre de um lado pro outro sem noção de espaço, que trombou comigo fazendo com ambos caíssemos pra trás. Beleza, criança é de borracha mesmo, nada aconteceu.

Daqui a pouco todo mundo começou e me olhar com pânico, por que havia uma poça de sangue por onde eu passava. Minha irmã me acudiu e vazou comigo pra dentro de casa.
Eu, magrinho, branquelo e medroso, quase entrei em choque vendo aquele monte de sangue.

Após ser acudido pelas mulheres histéricas de casa, percebeu-se que meu “olho de peixe” havia sido arrancado inteiro, pela raiz. Aquela menininha cretina pisou com o seu tamanco de madeira no meu calcanhar sem que percebesse e extirpou meu irmão gêmeo fossilizado do calcanhar. Nunca mais nasceu nada. Sangrei litros, mas aquilo desapareceu. Uma semana depois, tudo cicatrizado e eu podendo correr de tênis a vontade, por que não havia mais empecilhos nos pés, me fez um garoto feliz!

Hoje não ouço mais falar que existam “olhos de peixe”. Acho que entraram em extinção.

Boa terça a todos...Abração

11 comentários:

F. disse...

Com ou se espinha de peixe, vc é o máximo!
Ah! fico tão feliz por seu cliente não ter te deixado em casa, só assim temos a oportunidade de ver dois textos seus, num dia só!
Ótimo feriado pessoa linda!
E já te disse antes, mas tenho que falar de novo: casa comigo??rs

Lila disse...

Sempre deliciosos seus posts, menino...mesmo qdo fala de um troço tão dolorido...pasme, tb tive um...heheh
Feriado cheinho de coisas boas, vizinho.

Bjs meus !

F. disse...

Ops!! Espinha não..olho de peixe...rs!
A menina aqui tem problema! Perdão

Anônimo disse...

Rafa ( olha a intimidade da garota)...rs
Me diz uma comunidade do orkut, que parece muito com você? ( sem ser, eu já tive um olho de peixe...rs)

Maria Ribeiro disse...

Jamal: te deixo um beijo, pois não conhecendo as histórias populares do Brasil, não sou capaz de te comentar, com honestidade,
BEIJO DE
LUSIBERO

A Existência Segundo Rosi F. disse...

Ai,que nojo...kkkkkkkkkkkk...nunca vi isso,nem ouvi falar.Não se preocupe não sou alienígena,apesar de as vezes querer ser abduzida,rsrsrsrsrsrsrs...agora fiquei curiosa,vou procurar mais informações sobre essa coisa...

Andrea Pagano disse...

Ah então vc anda arrebatando corações???
rsrsrs
Ah eu não ando vendo também não os olhos de peixe, também já tive no dedo do pé, é feio não?
Mas relamente não me lembro da história de vida dele não...rsrsrs
Vc e sua história, muito criativo, sempre!
Bjs e bom feriado...
*Bom ter chovido não é Rafa? Aqui as meninas estavam respirando a base de inalador e vaporizador...
*Bom para filmes, cobertor e pipocas...rsrs

Andrea Pagano disse...

Ah, esqueci de perguntar: Porque não vai mais no blog??
Tá fazendo greve???
Ou vc, como o Marcos, também não consegue ver quando eu posto???
Ai ai ai...
Bjs

Luna Sanchez disse...

"E então, anos mais tarde, o Rafa encontrou a garotinha 'pinto louco de galinheiro' em um bar, e ela já não parecia nada insuportável. Reconheceu-a pelo sorriso sapeca que continuava o mesmo e puxou assunto de forma inusitada :

Rafa : - Obrigado por ter me livrado do olho de peixe!

Garota 'pinto louco' : - O que?

Rafa : - Tu pisou em mim com aquele tamanco de madeira cafona, me fez sangrar horrores, mas me salvou do olho de peixe, lembra?

Garota 'pinto louco' : - Aaaaaahhhh, sim, agora tô lembrando...tu é o café com leite!

E assim os dois emendaram um papo animado e resolveram pedir mais dois chopps."

Ehehehehehe

Beijo,

ℓυηα

Três Egos disse...

uhuhauhuhauha...
odeio essas raxas. aposto que ela se tornou aquelas raxas que ficam tribêbadas nas baladas e vão empurrando todo mundo. até encontrar uma bixa vingativa (eu mismo) e dar um cutucão para ela cair de cara no chão... uhauhauhauhuha...

enfim, como o assunto é o tal olho de peixe... rs... eu acho que tive um, mas não sei se era, minha mãe dizia que era, ams não era nada grande e ficava no meu dedo do meio da mão direita. nem me incomodava e desapareceu sabe deus lá quando e para onde. só sei que até hoje eu tenho uma aflição nesta região... rsrs...

abraço!

ah... quase ia esquecendo... deixei um selinho lá no meu blog para vc...

flw!

Gera Souza disse...

Raxei com seu texto! Hehehehe
Também viajei nele... me recordei dos tempos de infância e da "mamãe da rua"...
Temos alguma coisa em comum.. eu também fui "café com leite" rsrsrsrs

Nunca tive "olho de peixe", mas já tive "bicho de pé" kkkkk

*ps encontrei seu texto lá na sua pagina do G+

Abração