MINHA TV BRASILEIRA

Acredito ser um pleonasmo vicioso contar como surgiu a TV. Seria chover no molhado. Então ao invés de mencionar a criação e a inauguração desse nosso querido veículo de entretenimento e informação, falarei da minha memória televisiva, da minha modesta opinião do que se criou nesses anos todos em que tenho consciência televisiva.

Minha primeira imagem de TV data de 1980. Marília Gabriela nas manhãs de segunda a sexta apresentando “TV MULHER”. Talvez uma revolução no cotidiano feminino do país. Me lembro de assistir por que minha mãe não perdia um programa. Uma versão antiga do que Ana Maria Braga faz hoje, mas de uma forma mais informativa. Não existia tanta futilidade. Não havia a apelação de um boneco tolo dividindo o espaço. A bancada do programa contava com a presença de jornalistas como Ney Gonçalves Dias, Xênia, Marta Suplicy, o cartunista Enfil, Clodovil e outros que ajudaram Marília Gabriela a ser uma das figuras mais dinâmicas da televisão na época. Ela desde então dava credibilidade a um horário que só donas de casa e crianças assistiam, e fazia da informação da prestação de serviço o carro chefe da Rede Globo.


Desde cedo fui uma criança fascinada por TV. Nunca me obrigaram a sentar em frente ao aparelho e ali ficar por que não havia nada mais interessante pra fazer. Ficava por que adorava tudo o que ali passava. Na época existiam poucos canais e as programações eram quase que artesanais.

Concomitante a TV Mulher criou-se o Balão Mágico, e então eu, no fim da minha infância e inicio da pré-adolescência, vi Simony surgir como uma criança precoce, cheia de talento e carisma. Mas como muitas crianças não conseguem sucesso na vida adulta, prefiro guardar a lembrança dela banguelinha no idos de 1983.


A TV cultura me entretinha com dois programas lendários. Daniel Azulai ao qual nutria uma certa antipatia. Não ia com a cara dele, mas assistia. Mas havia também o “Bambalalão”, tão precário de cenários, brincadeiras e tudo mais que era encantador. Gigi Anheli era uma doce jovem que comandava um grupo de crianças no que seria mais tarde o modelo que Xuxa seguiria na sua estréia na TV Manchete. Havia também o Professor Parapopó, e suas invenções que claro, não deixava de testá-las, alem das dobraduras que Silvana Teixeira nos ensinava. Uma marcante presença na infância de muita gente.

Quando Xuxa surgiu, grosseira na TV Manchete, eu já vivia a adolescência, e não olhava mais os programas infantis com os mesmos olhos. Os interesses já eram outros, e me lembro bem de aproveitar a ausência dos pais e assistir escondido nas noites de sexta-feira, já na madrugada, “Sala Especial”, exibido pela Record, sem nem ter idéia de que um dia Edir Macedo seria seu proprietário.

Sala Especial apresentava filmes denominados de “Pornochanchadas”, com atrizes que não faço idéia por onde andam hoje como Zilda Mayo, Nicole Puzzi, Aldine Muller, Helena Ramos e tantas outras que povoaram minha memória erótica adolescente. Era um misto de medo e descoberta. Meus pais não faziam idéia que assistia algo tão depravado...rs, e se soubessem, garanto que seria um escândalo.


O cinema nacional desta época se misturava a pornochanchada. Não há um liame que os defina, tanto que atores consagrados como Tarcisio Meira, Vera Fisher, Sônia Braga, faziam filmes com cunho erótico tanto quanto David Cardoso, Nuno Leal Maia, considerados atores de segunda linha.

Nessa fase negra do cinema, ou digamos de produções apelativas, foi que conheci a obra de Nelson Rodrigues. Seus textos considerados “pornográficos” foram explorados ao extremo, mas também posso afirmar que foi uma fase sem hipocrisia, apesar de não sermos ainda um país totalmente democratico, e viver o fantasma da ditadura batendo a porta de todo mundo.

A TV começava a ter um lado B, uma produção de segunda linha, já que a Rede Globo despontava com sucessos em várias vertentes e aplicava o famoso “ padrão globo de produção”. As demais se esforçavam para criar programações que chamassem atenção, e então que surgiram os programas de auditório, que roubavam a cena durante a semana. Mas isso, é assunto para amanhã.

Boa segunda a todos, boa semana.

11 comentários:

Lobo Cinzento disse...

Eu só lembro dos desenhos da manchete ahauahauahauahau

Tv só me chamou muito a atenção na infância. Depois de um certo tempo nada mais me cativava...

Saulo Taveira disse...

Que delícia, me fez pensar em minha época de criança também. Peguei alguns desses programas e sinto uma falta, uma nostalgia gigante. Volto amanhã pra me deliciar mais um pouco e curtir esse sentimento gostoso.

Beijão. Bom dia!

Lua Nova disse...

Muito bom esse retrospecto à partir da sua descoberta da TV.
Você escreve muito bem, mas acho que já sabe disso.
Estava com saudades daqui e de vc. Adorei a foto nova. Vc tá lindinho.
Beijokas e apareça. Amanhã venho ler a 2ª parte.
Uma deliciosa semana.

Mundo do Gê disse...

Rafael,
Muito boa sua retrospectiva, tbm tive minha infância embalada pelo Balão Mágico, que época boa...

Abraço! valeu por me remeter à tão boas lembanças...Tenha uma boa semana!

Luciano disse...

Eu também sou um dos filhos da TV. Mas sou do tempo da TV preto e branco. Da época que a gente voltava correndo da escola para ver Zás-Trás, programa vespertino com a Márcia Cardeal. Saudade não tem idade...
Abraço,
Muque de Peão

Dama de Cinzas disse...

Oi querido! Obrigada pelo seu carinho la no seu comentário no meu blog!

Eu também sempre gostei muito de TV e até hoje gosto! Eu era uma criança que trocava brincadeira pra ver os desenhos animados da minha preferência, depois vieram as novelas, e adulta eu vejo de tudo, desde documentários, séries, jornalismo, até a tão popular novela das oito que agora é as nove... eheheh

Beijocas

Marcia disse...

Amoreco, tb amava o Balão Mágico e daquela época guardo ainda a lembrança do "Globinho" com a apresentadora Paula Saldanha, passava 7h da manhã...rss antes da escola, as atrações eram o Mundo Animal, Familia Barbapapa, e os desenhos de massinha, do Miu e Mau hehheheh, lembra desses? Minha cara!

Beijo e ótima semana!
Ma

Marcos disse...

Olha quantas lembranças da Tv. Eu também amo TV e amava assistir TV. Eu vivia na frente da TV na realidade ela servia para me fazer viajar e voar dentro das programações.

Eu vivi um momento anterior a esse seu na tv, que era muito bom...

Abçs

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Que texto bom, Rafael.
Eu me lembro tb de tudo isso. A Marta Suplicy que começava a falar de sexo e a mulherada vendo, toda constrangida (mas prestando uma atenção) na sala. O fim da Tupi e o começo do SBT, a Xênia dando o maior esporro na mulherada toda tarde na Bandeirantes rs.
Curti Balão Mágico tb. Mas achava a Xuxa um XACO seja na Manchete ou na Globo rs.

E a tv Cultura, numa fase muito boa. Gostava do Bambalalão.

Trabalhei na TV Manchete uns bons anos... até a falência da emissora.
E lembro da Sala especial, a molecada toda vendo tudo escondido.
rs

boas lembranças
abraços

Arsênico disse...

Primeira cena televisiva que me lembro... foram as chamadas de estreia do programa da Xuxa já na TV Globo... em que eu deixava tudo o que estava fazendo pra correr pra frente da TV...

Também nunca fui obrigado a sentar em frente ao aparelho... sempre fiz com muito gosto... aliás... me formei em Rádio e TV...

***

aBraços!


;-)

Marcio Nicolau disse...

Voltei pra dizer que gostei muito da série sobre a TV e acabei descobrindo alguns blogues interessantes que você segue e eu também seguirei.

Um abraço.