UM BOM FILME



Finalmente assisti “ A Origem” (Inception) – filme tão comentado nos últimos tempos e que confesso a curiosidade era pouca.
Mas preciso me redimir por que alem de uma ótima produção, ao estilo Matrix, Show de Truman e outros que mostram uma realidade virtual “A Origem” traz Leonardo Di Caprio, sóbrio, maduro, e com excelente desempenho.

Não nego que o roteiro seja complexo, e necessita de uma atenção extra para vagar pela loucura que propôs o diretor. No inicio há um tédio, o pensamento de “que filme chato”, mas aos poucos a história vai ganhando novos personagens e a trama vai crescendo e tomando uma proporção que nos aflige nos deixa tensos, de olhos presos e adrenalina a mil.

Mas a constatação maior alem do cuidado com cenografia, edição e escolha de elenco é ver um Leonardo di Caprio adulto, amadurecido, sem aquela carinha de modelo de revista “capricho”, muito longe do Jack de Titanic, e outros filmes comerciais feitos para adolescentes.

Leonardo caminha para se tornar um grande nome de Hollywood, daqueles que ao ser mencionado já nos fazem querer assistir pela garantia do sucesso. Basta apenas não se deixar enganar por roteiros fracos e comandar a carreira assim como faz Robert De Niro, que sabemos valer a pena o ingresso, mesmo que por uma participação pequena.

Desde “ Os infiltrados” já notava uma mudança de expressões em Di Caprio. As sobrancelhas levemente arqueadas dando o aspecto bravo, concentrado, já chamava atenção. Quando há o close no seu rosto, percebe-se claramente que o menino de capa de revista já é um homem, e o talento aflorou, assim como em Brad Pitt, Antonio Banderas e Keanu Reeves outros galãs que arrancavam gritos histéricos das fãs e souberam conduzir a carreira com escolhas acertadas que geram milhões de dólares para seus produtores. Sempre o achei fraco, aquém do que propunham para ele. Muitas vezes se percebia que a escolha era feita pelo nome do que pelo personagem, visto Titanic (como exemplo novamente) que exigia mais força física para pular de um lado a outro do que interpretação.

“A Origem” no final vale muito pela atuação de Leonardo que dá credibilidade ao personagem, que é o centro da trama principal e das secundarias. Um novelo de linha que se embaraça e nos faz achar que não terá solução. O fim, esse só assistindo para concluir.

Boa quinta-feria...abraço a todos

4 comentários:

Rafael disse...

Não é de hoje que considero Leonardo Dicaprio um bom ator, a diferença é que agora ele perdeu a cara de capa da capricho e as pessoas começam a lhe dar mais crédito.
Conta muito também que ele vem fazendo boas escolhas quando o assunto é escolher os projetos em que trabalha, depois de fazer "prenda-me se for capaz" ele parece que viu o resultado de atrelar seu nome a um bom filme, sem que isso queira dizer um filme cult.

Edu disse...

Adorei o filme! O melhor do ano sem dúvida (thus far...). E tomara que o Leozinho siga realmente escolhendo roteiros bons, porque em seus dois primeiros filmes ele já mostrava todo o potencial!

Agora... Keanu Reeves é o maior Botox do cinema! A cara não muda, a voz não muda... Mas eu gostcho! :-)

F. disse...

'... enquanto houver você do outro lado, aqui do outro eu consigo me orientar. '
( O teatro mágico)

Andrea Pagano disse...

Rafa,
Existe um preconceito em relação à atores bonitos não serem bom atores...Assim como as atrizes, carregam esse estigma.
O Leonardo di Cáprio e o Brad Pitt, parecem que agora ao envelhecerem, estão conseguindo que pessoas os vejam com mais respeito.
Eu gosto de ambos, sempre gostei e particularmente não me atraem como homens, mas bons atores sim!
Adoreio o trabalho do Di Caprio em A Ilha do Medo e do Bad Pritt no Estranho caso de Benjamim...
Vou assistir a criação quando tiver em DVD, atualmente cinema ainda não dá...rrsrsr
Gosto demais das suas críticas!
* Ok, espero que vá mesmo ao blog, gosto demais de ler seus comentários!!!