JUVENTUDE EMBRIAGADA

Sou um sujeito tolerante. Paciência é minha principal virtude, e modéstia, todos sabem é meu carro chefe, minha comissão de frente...kkkkkkkkkkkkk.

Algumas coisas me incomodam nas pessoas e quando passo por períodos de introspecção consigo enxergar melhor aquilo que me incomoda nos outros. Claro que não sou um déspota de querer que as pessoas mudem por minha causa, mas essas acentuações dos defeitos alheios me fazem repensar um monte de coisas.

Já fui moleque, já bebi (apesar de nunca ter tomado um porre), já fumei, não experimentei maconha por que não quis, por achar que fedia bosta queimada, e ter a certeza que o gosto era igual. Não sou careta, cada um faz com a sua vida o que bem entender. Mas os jovens em geral me surpreendem pela falta de perspectivas hoje em dia.

Quando saio, ou quando saia, era basicamente para encontrar os amigos, paquerar, e nunca tendo como principal objetivo a “bebida”. O que percebo na maioria dos adolescentes e pós-adolescentes é a importância que a álcool tem nas suas vidas. Vejo os comentários de garotos (amigos na faixa de 18 a 25 anos) no facebook e twitter. Não há aquele agendamento de balada como na minha época, que o povo se reunia pra pura diversão. Eles comentam apenas, da cerveja, da bebida, do porre, das baixarias causadas pelo excesso de álcool.

Não sou careta, não sou hipócrita de me fazer de santo. Nada disso, apenas acredito que a forma de se divertir da garotada mudou. Se não há bebida, não há diversão. Se não enche a cara, não é homem. O que temos é um bando de adolescentes alcoólatras, sim por que é isso que essa geração é, em 80% dos casos. É pesado dizer isso, sim é. Mas quando vejo que um menino de 20 anos, não passa um dia da semana sem tomar uma cerveja, isso pra mim é vicio. Se aos fins de semana se intensifica o consumo, é pior, é dependência crônica.

Aliados a bebida, que não se resume apenas a cerveja, vem o cigarro, consumido desenfreadamente, e as drogas sintéticas que a molecada adora. Dia desses vi um rapaz no facebook reclamando de ter tido uma amnesia após consumir uma única cerveja. Algo foi colocado em sua bebida, e então percebemos quão vulneráveis estão os jovens. Os que se dizem expertos, os sabichões que pegam a mulherada, e se sentem “oh fodão” por que conseguiram sair com uma coroa 46 anos (como costumam dizer) ao chegarem nos 30 anos terão o que pra almejar na vida. Por que no meu entendimento, quanto mais se expõe a situações vexatórias por causa da bebida, menores as chances de arrumar um relacionamento descente, com uma pessoa que queira não somente um copo de vodca e alguém que pague o motel.

Não enxergo mérito em saber beber. Eu nunca soube, por isso não bebo muito. Acredito que depois de uma determinada idade tudo passa a ter um peso diferente. Fumar na adolescência é sinal de status, é ter um certo charme, sexy apple. Beber, ter carro, um cartão de crédito mesmo que seja dado pelo pai, é infinitamente “poderoso”, mas cá pra nós, quantos jovens tem esse privilégio hoje em dia. Quantos moleques podem sair e gastar R$ 200,00 numa balada todo fim de semana? Cria-se uma geração que não pensa no futuro. Fazem faculdade, mas não tem determinação do que realmente querem. Existe uma liberdade problemática nos dias de hoje. Pais compreensivos demais, escolas que fecham os olhos, universidades que tem alunos como gado no pasto, quanto mais, melhor, mesmo que o pasto esteja escasso.
Não vou mencionar o perigo que é álcool x volante. Não preciso ser redundante num assunto que sabemos bem em qual fim se chega.

Me irrita ver a molecada só falando de bebida. Pô, cadê a diversão, o prazer de encontrar os amigos, a risada solta, sem pretensões? Isso me incomoda, e garanto, quando estou perto de um jovem assim, o espaço fica pequeno pra nós dois.

Abração e boa terça a todos.

15 comentários:

André Mans disse...

cleycianne agradece
e eu concordo.

Karina disse...

Acho que além do perigoso modismo, beber ou utilizar entorpecentes reflete a necessidade de fuga de muitos, que não querem sentir dor, sofrer, como se pudessem passar ilesos pela vida. Também acho triste o quadro atual da juventude, até porque sempre achei que podemos ficar extasiados fazendo outras coisas, como dançar a noite inteira, surfar ou qualquer outra coisa. Mas para mim a maior responsabilidade pode ser atribuída a uma parcela dos pais, pois essa parcela é que vem provocando a falta de respeito na relação entre professor e aluno. Enfim, hoje você arrumou um assunto pra lá de complexo, hein? rs
Um beijo, Karina.

Paulo Braccini disse...

assino em baixo ... odeio falta de moderação ... acho q estou muito velho e chato ... rs

bjux

;-)

Inside Me disse...

eita jamal, todos temos um lado meio tosco. kkkkkkkkkk meio capeta, meio tonto, meio tudo, omiii, cada coisa... bjs

Heron disse...

Juntar a galera e se divertir, achando que o mundo vai acabar, às vezes faz parte.

Mas fazer do álcool uma desculpa para dar boas risadas, aí meu amigo, é dar tirar no pé.

Abraço.

Albuq disse...

Oi Rafa!

Lendo teu texto lembrei do caso do carnaval 2010 aqui em João Pessoa. As blitz com bafômetro estavam em todos os lugares e os jovens 'indignados', acredita? Eles ainda acham errado a fiscalização, agora um danado desse bebe, provoca acidente e além de morrer ainda mata os outros.
Eu gosto de um choppinho, não posso negar, mas, volto de táxi, bebo e não dou trabalho a ninguém, agora putz o cara mal chega nos 15 já quer fazer tumulto, aí é fogo!

bjssssssss adorei o texto!

Marcos Pinheiro disse...

orgulho em ser careta! não bebo, não fumo, mas fodo. RÁÁ!

Sandra disse...

O q acho mais triste é que muitos dos jovens de hoje, que gostam desse tipo de diversão, serão os alcoolatras de amanhã, o alccol é uma droga, que não distroi apenas quem dele faz uso, mas a familia inteira a sua volta.
Bem sou suspeita para falar sobre bebidas alcoolicas... sou totalmente contra, ja vi muitos estragos nas pessoas que amo causados pelo alcoolismo.

gostei do texto.

Dama de Cinzas disse...

Eu me sentiria muito hipócrita se condenasse esses jovens, até porque fui uma jovem assim, enfiada em álcool e drogas... Mas reconheço que não é legal, tanto não é que hoje em dia não estou mais nessa... Acho que é destrutivo, acho que traz realmente muitos prejuízos. Melhor não ter que passar por isso para reconhecer mais tarde que não valia a pena.

Querido, do meu coração, não quis te jogar as feras no meu blog... ehehe... Achei só que não se importaria em ser um exemplo que estimulasse outros blogueiros a dizer o que pensavam. E na verdade foi o que aconteceu, por causa do seu exemplo muitos confessaram que não seguiram as postagens, e tal... Se em algum momento me passasse pela mente que isso pudesse te causar um mal estar eu não teria feito... Desculpa, tá? Conversamos melhor no msn!

Beijocas

Edilson Cravo disse...

Os excessos é que fazem mal. Abraços e linda semana.

•*♥*• Sanzinha •*♥*• disse...

O espaço fica pequeno entre mim e bêbados de qualquer idade. ABOMINO.
Pronto. Falei.

Lobo disse...

Eu já vi a evolução de uma pessoa desde "Não bebo e tenho raiva de quem bebe" até "Hoje eu tô precisando encher a cara". E sinceramente, não entendo qual a necessidade de sair para beber necessariamente. Cria-se uma dependência do álcool para se divertir, que depois a pessoa não consegue se disvencilhar...

Abração Rafa!

Sandes disse...

Pôxa rafael, acho que somos irmãos gêmeos separados na hora do parto. Putz... Excelentes post e posto de vista! Achava que só eu pensava assim...

o Humberto disse...

Meu querido, noção e respeito não foram valores repassados à galera dessa geração. Nem a noção de respeito próprio, então, na ânsia de parecer bacana, neguinho se estrepa sem dó. É osso.

railer disse...

cara, isso é foda mesmo e também me incomoda. eu sempre pratiquei esportes e, por isso, nunca fui muito fã de bebida, já que diminuía meu rendimento. acho uma pena essa geração que tem o cérebro mergulhado em cerveja.