MULHER DE AÇO

Alguns acontecimentos abalam a estrutura de toda uma família, mexem de forma considerável com o dia a dia de todos nós.

Já vivi problemas de saúde em casa, digo dentro de casa mesmo, com familiares que convivem da hora de acordar ao momento de dormir, e o ritmo de uma doença mexe com psicológico e emocional de todo mundo. Quem passou por isso sabe como é difícil.

Aqui no blog falo de mim, conto histórias engraçadas passadas com meus familiares, mas nunca estendo aos problemas da vida, que nos assolam de surpresa, ou que envolvam terceiros. Uma pequena sobrinha, filha da minha irmã, foi diagnosticada com diabetes do tipo 1 no inicio de janeiro. Uma taxa altíssima de 600 quando descoberta. Quem entende da disfunção, sabe o grau de perigo que corria. Tem apenas 9 anos.

Isso abalou e nos tirou do eixo. Quando falo nós, me refiro a toda a família, principalmente a mãe ( no caso, minha irmã). Até compreender do que se trata, entrar numa rotina de dietas, insulinas, picadas nos dedo varias vezes ao dia, é complicado e desgastante.

Porem, minha irmã é zelosa e conseguiu rapidamente reverter o quadro, com rigorosa dieta em horários estabelecidos que não passam 1 minuto sequer. Quando se trata de ter rotina, ela é militar. E hoje, quase um mês após descobrirmos a disfunção (diabetes não é doença) a menina está completamente equilibrada, com taxas que são normais dentro do quadro de um paciente diabético. Mas as seringas de insulina terão que ser uma parte da vida daqui pra frente, até que os médicos finalmente anunciem a cura.

Nesse interim , no dia que a pequena passou mal e o medico diagnosticou,  minha irmã sem querer, sem entender, passou a ter uma dor no pé esquerdo. Deixou de lado essa dor, o inchaço para se dedicar ao tratamento emergencial da pequena. Aos poucos, com a tranquilidade voltando foi sentindo cada dia mais a dor, que chegou a um ponto insuportável. Simplificando os fatos, foi ao medico e constatou que o pé está quebrado.

Resolvi contar esse fato apenas para exemplificar como uma mãe frente ao problema de um filho, esquece completamente de si, do corpo, e sublima tudo em prol do bem estar dos seus. O medico que a atendeu disse que se fosse homem estaria berrando de dor. Por mais de vinte dias permaneceu com o pé quebrado, e só agora está tratando do “seu” problema.

Algumas pessoas podem achar que isso é um relaxo, uma descrença, mas eu afirmo que não. Conhecendo minha irmã, sei que ela abdicou do seu bem estar àquela que precisava de mais atenção. Vem-me a cabeça histórias de mães que erguem carros no muque pra tirar os filhos debaixo.

Agora está tudo bem, com ambas.

Abração a todos e ótima semana.

6 comentários:

Solange disse...

é fato o que vc diz aqui..
toda atenção, reflexos, alertas, estavam voltados para a filha..
então o "pé quebrado" disse: vai, eu espero..
lindo o post de hj meu querido..
e diabetes realmente, quando controlada não apresenta maiores problemas..
absolutamente em tudo temos que ter controle nesta vida..
e assim vamos seguindo, com a ajuda de Deus..sempre.

bjs.Sol

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

são pequenos detalhes q fazem muita diferença ... eu faço auto-exame todos os dias ... meio neurótico mas tem dado certo para mim ...

melhoras para ela e q tudo esteja bem logo ...

bjão querido

Prisioneiro 0001 disse...

Minha mãe descobriu faz pouco tempo q tem tb...
Tá controlando, mas as mudanças foram complicadas.

Espero q tudo esteja bem.
;)

Dona Pimenta disse...

Fael,
É isso mesmo... No meu caso, eu tenho um "pai-super-mãe" que tb faria qq coisa por qualquer uma de suas filhas, e como sempre, abdica de várias coisas para zelar por nós, etc. Quando alguma de nós está mal, ele fica um "caco". Corre com a gente, tudo, mas o sofrimento dele é demais.
Muita força aí para vcs, e fica tranquilo, tudo vai continuar dando certo. Sua pequena sobrinha loguinho estará curada.
Mil bjs, Gi

Maria das Graças disse...

Oi,
Jamal, obrigada pela visita. Que post lindo. Abala a estrutura de tds mesmo. Entendo sua irmã... Além de estar de Parabéns. Seu post mostra muita coisa legal. As crianças, sofrem um bocado com essas dietas, mas se as mãe não forem com sua irmã, a situação fica pior.
Melhoras para ela.

bj

Karina disse...

Espero que a diabetes de sua sobrinha continue sob controle e que sua irmã melhore. Acredito piamente nessa questão que você falou sobre o zelo da mãe, que esquece de si própria para cuidar da prole. Outro dia estava lendo sobre os efeitos da maternidade sobre os pais: enquanto o pai tem um aumento no número de neurônios, a mãe tem um acréscimo na massa cinzenta, que a torna capaz, inclusive, de antever os perigos que rondam seus filhos. Acho que isso ajuda mais ainda a explicar porque sua irmã nem havia se dado conta do pé quebrado... Bjs.