E AÍ, VAMOS BATER UM PAPO?

Engraçado o habito que certas pessoas têm sem se darem conta.

Não sou uma pessoa chata, nem nojenta, nem antisocial, nada disso, mas tem certas coisas que me irritam profundamente.

Não puxe papo comigo em fila, por favor. Hoje com o advento do iPod, a gente pode ser absorto a qualquer assunto de fila, que aquelas pessoas mais “simpáticas” te obrigam a compartilhar. Sabe, aquela tia que fala olhando pro alto, com ninguém, esperando que você pesque e inicie um assunto. Não....comigo não. Finjo que sou surdo e mudo.

Pessoas que pegam enquanto falam. Putz, como isso me incomoda. Algumas penduram em você e te chacoalham dependendo da intensidade do assunto. Parece que querem que você compreenda o que estão falando na marra. Ah para oh!!!

Há aquelas que dão tapa, te agridem enquanto conversam. Você conta algo engraçado e ela te da umas porradas. Tinha uma amiga aqui em Campinas que é assim. Você ta falando e ela te dando tapa no braço, murro no peito, apertões, beliscões. Imagina só que casou com um cara gigante, gordo, que bebe muito, e no aniversario de uma conhecida minha ao cumprimentá-la, caiu sobre a aniversariante no meio da festa.

Agora, quando falamos deles, dizemos, a mulher que bate, e o homem que derruba aniversariante...rs.

Falar perto demais também me incomoda. Aquela pessoa que te faz de microfone de radio. Parece que quer cantar na sua cabeça. Você vai arquejando pra trás e ela vindo em cima. Afasta e ela em cima. Até que chega um momento que não há pra onde ir, e a pessoa te prensa. Ai filhão, só resta sorrir e relaxar...rs
Pior que todas essas é aquela que cospe. Ao chegar perto você já identifica a bába no canto da boca. A pessoa estilo “Frajola” ou “Patolino”, que te cobre de perdigoto enquanto conversa. Geralmente as pessoas que colocam prótese dentária correm esse risco, mas aí não é culpa delas, é só uma questão de adaptação. Ficam com aquele sorriso de 55 dentes na parte de cima. Meio que falando fôfô. Assim, personagem da fuga das galinhas. Lembro que minha mãe quando trocou sua prótese ficou parecendo um poodle empalhado que o Tom Cavalcante segurava quando tinha o personagem Ivonete recebe, no seu programa da Globo. O cachorro tinha uma dentição assim saltada. O apelido dela em casa ficou Ivonete um tempão.
Lembro do meu pai contando que quando jovem tinha um amigo que perdeu um dos braços num acidente. Encarou a deficiência e bola pra frente. O duro era que o rapaz muito divertido e chegado numa pinguinha, quando se animava mandava ver com o toquinho no povo. Falava e batia com o pedacinho de braço nas costas, na cabeça de quem estivesse por perto. Eu cheguei a conhecer esse sujeito, ele era a cara do Jerry Lewis.

Mal hálito eu não vou comentar...isso é grave...caso de medicina...rs

Mas há aquelas que gostam de conversar a mesa depois determinada a refeição. Aí ficam como galinhas, ciscando e comendo migalhinhas de pão, casquinhas, e tudo que estiver sobre a toalha. Meio nojento isso.

Mas olha, não sou implicante. É apenas uma questão de observação...rs

Abração e ótimo fim de semana a todos.

25 comentários:

Fernanda Huppert disse...

Rafael...disse no outro comentário, que você tirou né??rsrs

[Tinha o video do Zezé sobre o seu priminho fôfô!rsrs]...que você me lembra em suas narrativas o Jabor, não tenho dúvida...você deveria é ter uma coluna em um Jornal...com certeza seria um sucesso.,li outros textos teus e me diverti aqui, e também me surpreendi com algumas coisas que desconhecia.Muito legal mesmo!

Abraços.

Serginho Tavares disse...

o pior é achar alguém que não faça alguma dessas coisas e se tem já é visto como O CHATO!

abração

Visão disse...

Eu gosto de conversar, mas o toque me irrita. Fato! Vem uma vontade louca de fugir.
Quando vou ao centro ou algum lugar sempre coloco o ipod no último volume e saio dignamente pelas ruas da cidade, com a certeza que mesmo que alguém me grite, eu não vou esboçar reação, graças ao meu silenciador de pessoas: ipod.

Marcos disse...

Olha rafa, eu ri muito com seu post, porque eu sou extremamente implicante com quem fala pegando em você, soltando perdigoto, mal hálito e um tipo também dificil é aquela pessoa que repete sempre a ultima palavra que você esta falando.

Dá como se fosse uma microfonia, você não fala o final da frase para que ela termine....

Muito bom seu post!

Abçs

Dama de Cinzas disse...

Putz! Quando eu encontrar contigo tenho que me policiar muito... ahahaha... Imagina se tu fosse implicante... ahahah

Bem... confesso que muitas das coisas que vc falou me irritam tb...rs... Gente que me pega, que me cutuca enquanto fala, que fala muito perto. E mau hálito realmente e o fim de tudo! Dá vontade de pedir licença e sair...

Beijocas

Andrea Pagano disse...

KKKKKKKKK, vc e suas histórias hilárias...

Eu também vou ficar me policiando perto de vc, porque já percebi que vc é super observador...e sei lá, a gente faz às vezes algumas coisas, que nem percebe...

Olha nada disso citado, porque também odeio que me peguem ou me batam, mesmo que por alegria, estusiasmo ..toc..sei lá...

Até na hora de saudar, vir com aqueles beijos molhados no meu rosto, ou a mão suada na minha ..tenho muito horror à isso!

Bjs, ótimo fds para vc também!

Ana disse...

Báh Guri se tu é implicante... tô contigo e não abro kkkkkk
Odeio isso tudo que tu falou, a mãe do meu padrasto deixou meu braço roxo uma vez pois que dei a liberdade de uma conversa de dez minutos a muié num parava mais de cutuca eu! kkkkkkk
E eu cortava o assunto, e nada... ela continuava... e eu nem prestava atenção só pensava... G-zuiz!Quando esse inferno vai acabar!!! kkkkkkk
Hoje ela aparece na esquina eu já estou em baixo da cama.
Mas enfim, adorei seu post, seu blog

Abços Bom final de semana pra ti também!

Flavio Ferrari disse...

Eu tinha escapado até a última ... mas devo confessar que sou conhecido como "o draga" pelo hábito de comer tudo que sobrou na mesa ...
Recomendo que mantenha distância dos chilenos ... a noção de espaço pessoal deles é diferente da nossa ... uns 30cm a menos durante a conversa.

Três Egos disse...

Ah não, mal hálito e cuspida não dá! Tenho nojo, credo! hehehehe...

Comigo, eu odeio que falem comigo quando estou no banheiro, não importa o q eu estiver fazendo, nem que eu esteja lavando minhas mãos, mas falou comigo no banheiro fica sem resposta.

Uma coisa q não suporto tb é quando a pessoa começa a conversar e vai para outro cômodo esperando que eu grite tb. Ah não! Eu não falo alto nunca e odeio isto! Fica sem resposta também e é capaz de ouvir uma boa bronca do tipo: "Se vc vai para a cozinha então não fale comigo, ok? Fale qdo voltar de lá, POR FAVOR!". Sempre no mesmo tom de voz, pq eu não falo alto e tenho até vergonha alheia qdo falam mto alto perto de mim, principalmente em restaurantes. rs

E fique despreocupado com o tamanho dos comentários. Curto bastante seus comentários, um dos meus preferidos... rs.

Abraço! Bom fds!

Karina disse...

Dá para incluir aquele colega que todo dia bate ponto na sua sala só para reclamar da mesma coisa? Ou aquelas pessoas super arrogantes que vem com aquelas piadinhas infames e vc é quase obrigada a achar graça? E aquelas pessoas que são fanáticas por UM ASSUNTO apenas e acham que tem que ter toda a sua atenção? Estou começando a achar que eu sou a implicante... he he Bjs, Karina.

Edu disse...

Descobri! Você é o Seinfeld!!!

Ana Wants Revenge disse...

no aviao pra mim eh o pior! pq nao tem pra onde correr... afe!

beijoooo
.
.
.

Ana Wants Revenge disse...

pq eu nao tava te seguindo?
agora to viu!
beijooo
.
.
.

Inside Me disse...

gente chata é epidemia: fato, kkkkkkkkk
mas vale apena fingir de vez em qd q num ouvimos nada, hehehehhe xeruuuuuuuuu

jefhcardoso disse...

Rafael, as filas possuem estes lances mesmo e as pessoas variam entre estes que são ‘mais interativos’ e os ‘agentes passivos do dialogo’. Você foi muito feliz em sua sátira, porém, muita gente deve ter se enquadrado. (sorrio). Ah, geralmente o cara que fala muito perto, tipo nos fazendo de microfone, também pega na gente e não raro dá tapas e cospe quando fala. Cara, você não é implicante, você é mesmo observador, e muito humano quando poupa os protetizados (exceto a sua mãe, que não poupou, é claro).
Mandou bem, brother. Parabéns! Abraço!

.•*♥*•.¸¸.• Sanzinha •.¸¸.•*♥*•. disse...

Hey, menino!
Fazia um tempinho q eu não aparecia por aqui. Botei a leitura em dia. Eu também odeio gente que fala pegando em mim. Eu sempre digo: "Eu ouço bem sem vc precisar me tocar, fica tranquilo".
Mas olha, o post sobre Aparecida do Norte... eu e Ilo estamos com dor na barriga de tanto que rimos!
Gargalhamos deaaaaaiiiissss! E estamos rindo até agora... kkkkkkkkkkkk.

Beijão, Rafael!

[Farelos e Sílabas] disse...

===

Ah, os chatos. Aqui vou chamar “inconvenientes”. Não, talvez sejam “sem noção”. Peraí. Eles nem sequer pensam nada disso. Seguem atravessando convenções e qualquer discernimento das coisas. Acham natural, por isso [se] atropelam.

Não, mudei de ideia. Não irei comentar mais nada. Lendo teu texto, as letras me inspiram sorrisos. As palavras também fazem clap-clap-clap quando há onomatopéia solta pelo ar...

===

Fabrício Santiago disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do Blog do Jefh. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

João Fco. Viégas disse...

O engraçado é que ninguém que lê o post se identifica com o lado de lá!! - hehehe - também não vou ser eu!
Sinestésia pra mim é doença - hehehe - , não preciso ser tocado pra ouvir!
Mas em geral dou um perdido e não esquento muito!
Também não gosto muito de pessoas que escrevem enchendo de 'hehehe', coisa chata, mas eu faço! - hehehe

Abs!

Lobo Cinzento disse...

Quer me matar de ódio? Eu num ônibus, absorto na minha paz tentando desligar, e a pessoa do meu lado vem tentar puxar assunto. Não uma, nem duas, mas várias vezes. E começa a monologar, mesmo comigo não dando uma gota de atenção. Vontade de pegar minha mochila e cacetar a pessoa até ficar quieta!

Fico puto mesmo! ahauaahauhau

Abraços Rafael!

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Ô povo chato....ahahaha

Maravilhoso domingo.

Rebeca

-

Robson Schneider disse...

Gente que conversa pegando me dá angustia e uma vontade doida de sair correndo...


Ps: esse comentario acima é mesmo pra qualquer blog, ele não desiste kkkkkk

@philipsouza disse...

Affe, concordo com vc, odeio as pessoas que não se tocam e começam de sentar murros, ou cuspir na sua cara e mesmo vc nao entendo tem q fingir....

hahahhaaha

abraço

jefhcardoso disse...

Rafael, do seu comentário em meu blog: muito bom cara! (rindo muito). Até pagode... (rindo mais). E nem discordo. Se os pagodeiros forem muito fracos, do tipo sem criatividade e chorões, eu ficarei zuando os caras ao pé do ouvido dela e, o sorriso dela já valeria o ingresso. Abraço amigo, e venha mais vezes, por gentileza!

Abraço do Jefh que volta com tempo pra ler a nova do Jamal.

Petro disse...

Rafael, gostei deste post, fez-me rir e lembrar também de alguns fatos. Em filas, por exemplo, não gosto quando estou lendo e a pessoa atrás fica estica o pescoço para ver e ler também. Já fechei livro na cara. rsrsrs. Mas hoje tenho mais cautela... a leitura salva, essa é minha religião agora. rsrsrs
Um xero!