VELHINHOS MALCRIADOS


Sou o que mais respeita idosos entre meus amigos e familiares, por que sempre tive paciência com a terceira idade, mas ultimamente tenho cruzado com “velhos” tão arrogantes e chatos que minha vontade era sair no braço com eles.

Não acho que chegar a velhice é o mesmo que ganhar um cartão fidelidade da “verdade absoluta”. Aquele que da direito ao idoso de falar o que pensa, tomar a frente nos lugares públicos ou simplesmente achar que nós (mais novos) devamos simplesmente evaporar para que eles possam existir.

Não me conformo como os homens idosos tornam-se arrogantes. Eu sempre dou a frente nos locais onde não há filas para eles ou quando o acesso é complicado, mas não me venha bancar folgadão, por que ai faço o véio ficar em pé, esperando a vez dele. Tudo é uma questão de educação. Acredito que por estarem na idade avançada, tem a obrigação de serem cordiais ( o mesmo se aplica a gente feia. É feio, então tem a obrigação de ser legal, como já disse uma vez por aqui). E também não entendo por que se tornam agressivos. Hoje pela manhã um véio me fechou no transito e obviamente buzinei para que ele se atentasse de que estava fazendo cagada. Me xingou, me mandou pra aquele lugar. Quando emparelhei o carro, era um senhor minúsculo dentro do carro, daqueles que dirigem grudados no volante de bigode, aparentando ser da geração de Santos Dumont. Ia devolver os impropérios, mas resolvi ficar quieto e segui em frente. Não gostaria que alguém xingasse meu pai, mesmo ele errando.

Outro dia estava numa feira de artesanato aqui em Campinas (algo típico da cidade) onde há varias barracas de comidas caseiras, muito boas. Pois bem, estava parado na banca do pastel, já era tarde, a mocinha estava cansada, e uma velha cretina se metendo na frente de todo mundo (ela deveria por ordem de chegada ser a ultima da fila), mas sacou do seu cartão velhice e pôs-se a falar e criticar tudo. Meu, tem 10 barracas de pastel, vai comer em outra e para de ser chata. Quase me voltei pra ela e disse a frase do “Terça Insana”: Prefiro ter um filho viado, que um filho velha!!!!

Não gosto de pessoas arrogantes, sejam elas da idade que for. Adoro aqueles velhinhos engraçados, fanfarrões que sempre tem uma palavra de amizade, e um belo e largo sorriso no rosto, esses me cativam, e sou capaz de passar horas conversando com eles. Sou dos que gostam de velhos e crianças (que na minha cabeça são iguais, e merecem todo meu respeito).

Não pouso de bom samaritano dizendo essas coisas, por que quando me afrontam, xingo de forma até preconceituosa. Claro que jamais repetiria em voz alto e aqui em publico, mas minha paciência ( apesar de ser a minha maior virtude) também tem limites. E não é apenas com estranhos, por que quando pai e mãe passam do ponto, levam broncas como criança pequena.

Sempre que passava por uma avenida movimentada daqui de Campinas, via uma velhinha sentada a meio fio vendendo rosas. Aquela imagem me destroçava. Não havia uma única vez que a visse e a garganta se fechava com um nó. Onde estavam familiares, filhos que deixavam aquela senhora ali, tão velhinha exposta ao sol do dia inteiro? Sempre tive a sensação de que um dia iria tira-la dali, mas acho que não deu tempo, de uns anos pra cá ela não fica mais por lá. Penso que alguém possa ter feito por ela aquilo que eu não fiz.

Isso me perturba, apesar de não ter medo de envelhecer. Será que um dia alguém vai me olhar com pena? Não gostaria. Quereria eu olhar para os jovens e dizer, tenho pena de sua ignorância.

Boa semana a todos. Abraços.

9 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Querido, arrogância é uma coisa detestável mesmo em qualquer ser ... eu como já sou velhinho já faço bom uso de meus privilégios [rs] mas acho q não sou arrogante ... pelo menos acho ... preciso encontrar com vc na fila do caixa de banco ou na pastelaria da feira para vc me avaliar ... kkkkkkkk

Sampa: Chegamos dia 15 e ficamos até o dia 21/08 ... marcado só teatro para assistir Priscila no sábado e no domingo qdo vamos ver Boca de Ouro. Claro q nos entremeios muitos passeios ... encontro com a galera ainda não definido dia e hora ... adoraria poder encontrar com vc e o Marco ... se voces forem a Sampa ótimo se não puderem vou ver com Elian e AD um tempo para irmos a Campinas ...

bjão querido ...

Solange disse...

caramba...
só hoje eu vi a foto de entrada do teu blog...o voo do pássaro..amei!!

concordo com vc..
já não se fazem velhos como antigamente..

e

fique certo de que quando estivermos velhos, mesmo legais, fanfarrões, bonzinhos, antenados com o tempo,seremos olhados com pena sim.

porque mesmo nós, quando ajudamos, ouvimos as histórias contadas por eles (mil vezes), damos prioridade em certas coisas, carinho e atenção, muitas vezes é por pena..concorda?

bjs.Sol

Marcos disse...

Eu vi no Rio de Janeiro os velhinhos mais folgados do mundo, cortam a fila, falam alto e se você fala algo eles são surdos.

Claro que você deve ter perseguido esse velhinho que te fechou a frente, agora imagine se você leva uma multa por causa dele, o que você faria??? Nossa nem quero pensar.

Eu também quero envelhecer com dignidade, respeito aos outros e poder ficar em filas sem ter que furar, mas se essa prerrogativa é deles, devem fazer uso.

Eu sempre tive muita pena de idosos, muito mais do que criança carente, porque a velhice só aumenta as limitações, a criança ainda tem a possibilidade da juventude ajudá-la.

Abraços e vamos combinar com o Bratz

PORAQUIESO disse...

Oi ... Um dia todos chegaremos a terceira idade. Espera-se que sejamos tratados com dignidade e não com o sentimento de pena. Abraços !!!

Freddie Butterman disse...

Meditei muito no que você fala sobre ter "dó" dos velhinhos, pois sinto a mesma coisa quando vejo algo parecido e senti também pela “velhinha das rosas”.

Ainda sim, acredito que a arrogância vem da idade da alma, e não do RG, tem gente que já nasce com mil anos de alma, o que é uma pena...

Bom mesmo é encontrar pessoas com almas joviais - não importa a idade.

Abraços!

Mr. TV disse...

Caramba! Adorei o texto, mesmo!

Cesinha disse...

Eu tenho o maior carinho com as pessoas de mais idade, pois são as que mais precisam de atenção. Mais ainda que as crianças, pois já não possuem a plasticidade necessária. Mas, dos arrogantes (e aí não importa a idade) quero é distância! Ótimo texto, meu amigo...

Beijos.

Albuq disse...

A arrogância é chato em qualquer idade. Me dou bem com os extremos da idade, mas arrogância é algo difícil de tolerar em qualquer idade.

Margot disse...

Sempre convivi com pessoas de idade e hoje, mais ainda. Minha mãe tem 95 anos.
Trabalhei no comercio por muitos anos e convivi com diversos tipos de idosos. Arrogância existe, claro, mas a idade tende a deixar-nos mais mansos, a pensar mais. Esses casos a que vc se refere, creio, serem exceções.
Como sou bem geniosa, espero, quando, e se, ficar velha não ser taxada de "malcriada e arrogante". Rezo e me esforço pra isso.
Acima de tudo, os respeito. A vida da maioria, não foi fácil e acho mais fácil, eu mudar ou ceder... que eles. Alguns direitos, são conquistas.... privilégios merecidos.
abraços Fael