E AÍ, QUER SER MEU AMIGO?

Tenho poucos, mas grandes, enormes amigos.

Amizade não é uma confraternização de fim de tarde num Happy hour onde cada um come seu amendoim, bebe sua cerveja e vai pra casa sem ao menos saber se o cara que tava sentado do seu lado tem problemas na vida.

Amigos são aqueles das frases piegas, batidas da internet. Aquele que senta quieto do seu lado, e mesmo assim te faz uma cia gigantesca. É muito difícil encontrar gente assim. Eu sou cético ao conhecer pessoas. Fico ressabiado. Dificilmente me abro logo no inicio da amizade. Como já disse um dia, aquela pessoa que te conhece há duas horas e quer ser seu amigo de berçário, hummm, soa falso.

Amizades são cultivadas lentamente, com pequenas doses de paciência, muita dedicação e perseverança por que afinal não é fácil conviver com a personalidade distinta de cada um.
Tenho amigos de longas datas. Daquele tempo onde se era inocente de verdade. Onde rir era obrigação o tempo todo, por que a vida era simples, sem ônus. O duro de crescer é isso, perder a infantilidade por obrigação. Convenhamos que é ridículo um cara maduro portar-se como criança e não ser chamado de idiota, mas pior é ser amargurado, sem humor e chato.
Perder a infantilidade não quer dizer perder a criança que fica guardada dentro da gente. Quero envelhecer com o mesmo humor que tenho hoje e sempre tive, acompanhado dos meus amigos que basta um olhar pra compreenderem a piada. Isso é conectividade com o outro, poder rir, saber do assunto sem que a pessoa abra a boca, e posso dizer uma coisa: tenho amigos assim. Eles me conhecem e eu os conheço...de verdade.

Já há cinco anos perambulo pelos blogs desse mundão de internet. Alguns sumiram, outros eu perdi o interesse. No inicio quando descobri esse universo só encontrava blogs “diários” que contavam cada segundo da vida infeliz do dono. Isso foi me deixando enjoado e migrei para outros mais divertidos. Com o tempo, encontrei pessoas incríveis que jamais teria oportunidade de conhecer. Pessoas que se mantem virtuais, até por uma questão de localização e falta de uma oportunidade concreta de vê-las pessoalmente. Até já conheci gente que não existia. Por anos conversei com alguém que na verdade era outra pessoa. Mas aí, cada louco com sua mania. 

Sou observador do comportamento humano, já disse isso zilhões de vezes, e nesses anos todos fiquei perspicaz e pouco me engano com o caráter das pessoas. E assim analiso alguns dos meus companheiros de blog. Seria injusto mencionar uns e deixar outros de lado, isso criaria saia justa, e por fim ficarei eu antipatizado. Então pra que não haja problemas vou falar de um só, que demorei muito a conectar, não o conheço pessoalmente, mas sei que 90% das pessoas que o conhecem o adoram. O Paulo Braccini.

Não to puxando o saco, alias, não é característico da minha personalidade isso, mas quando pensei em falar de amizade hoje e abri meu blog, lembrei dele. As pessoas que o seguem o veneram. Eu demorei um tempão para fazer amizade. Via comentários dele em todos os blogs, e ele nunca ia ao meu. Assim foi durante um tempão. Certa dor de cotovelo por ele não falar comigo. Mas dei o primeiro passo e deixei um comentário la. Daí em diante viramos amigos de jardim de infância...rs rs rs. Não conheço o Paulo, li quase o seu blog todo, e concluo ser ele uma das pessoas mais transparentes e afáveis desse universo virtual. Muitos convivem com ele, viajaram e o receberam em suas cidades. O Paulo é o tipo de ser humano solidário, pode até não ser por ações ( coisa que duvido, por que gente como ele faz), mas é a pessoa que leva a palavra, no momento certo, na hora necessária. Esse é o dom de poucos.

Hoje eu sei que ter amigos, dos quais nunca se viu o rosto é possível. A evolução dos hábitos e a utilização da internet nas nossas vidas está aí, e não muda mais. Basta estar aberto a amizades concretas.

Bom fim de semana a todos.

15 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Querido amigo! Não sei o q comentar aqui agora! Vou ser sincero! Chorei ...

beijo grande ...

ps: a única coisa q preciso registrar aqui ... vc é um doce de pessoa ... #fato

Cesinha disse...

Comigo é assim: eu conheci o Bratz faz um mês. Daqui a pouco estaremos mijando de porta aberta um na casa do outro... entende?

E, acredite, somos diferentes e na diferença nos fazemos entender...

Eu espero por mais pessoas assim...

Beijão

Vinicius.C disse...

Muito bom estar aqui e ver o carinho ao amigo Paulo.

Gosto da sinceridade que o Paulo demonstra ter com ele mesmo sendo assim todos que o conhecem seja virtual ou não sabem que esse é original.

Foi um prazer estar aqui!

Deixo o convite para que venha conhecer o Alma. Abraços!!

::::FER:::: disse...

Sobre gente que não existe, já aconteceu comigo, conversei durante muito tempo com uma pessoa que não existia, descobri que ela copiava o blog de uma outra pessoa, até que a "original" descobriu, daí a falsa revelou-se e foi um papelão, um gorila. Eu atraio gente legal mesmo que eu descubra que ela não é verdadeira, comigo todos são simpáticos. Tem uma blogueira que eu acompanhava fervorosamente, que num post fiz um comentário contra a opinião dela, e foi um choque, ver o comportamento dela me ridicularizando em seu blog, por eu ter discordado da opinião dela, pedi perdão, mesmo entendendo que eu queria dizer o que pensava, ela me respondeu no meu buteco mando "eu", não vim falar das flores e sim mergulhar em seus espinhos. Ok.

Sobre o Paulo , ah o Paulo é um eterno romântico, uma pessoa que eu gostaria de ter no meu convívio.


:::FER:::

::::FER:::: disse...

*** hahaha que ironia, a ultima blogueira que eu mencionei esta no seu blogroll. #cremdeuspai

Ro Fers disse...

Ótima colocação sobre amizade....
Realmente o Paulo é um cara admirável, apesar de não conhecê-lo, sinto que ele tem uma energia vibrante...
Abraços

O Guri disse...

Bem, como disse lá no Bratz, não dei muito crédito a você quando ouvi falar sobre você há algum tempo. E de certa forma não esperava um texto assim seu, acho que te coloquei num estereótipo.

Fi mal, desculpa?

Junnior disse...

Tenho um sentimento parecido com relação ao Bratz.
São muitos os adjetivos legais que me vêm à mente quando penso nele. Não poderia citar agora o mais característico. Talvez seja amistoso. Há pessoas que são cercadas de muros por todos os lados. O Bratz não possui sequer um tijolo ao seu redor.
Não posso afirmar, mas creio que se um dia precisar de um favor dele não irei me desapontar.

Fernando Munhoz disse...

Todo mundo ama o Bratz! Um amigo e tanto! ---Nossa olha eu aqui invadindo seu blog...--- Mas pelo Bratz tudo é válido. Uma belíssima homenagem a essa figura tão querida!

Beijão.

Alysson Serrão disse...

Que bonito!

Alysson Serrão disse...

Que bonito!!! Não acreditava em amizades virtuais...até o presente instante!

Vinicius Valente disse...

Olá, Jamal!!

Caí de paraquedas aqui em seu blog e, de certa forma, me identifiquei muito com seus pensamentos e formas de escrever.

Achei interessantíssimo esse seu post mais recente! Não conheço o Bratz, mas tenho um amigo que também se chama Vinicius, e somos quase irmãos, de tanta sintonia e consideração que temos um pelo outro. Talvez ainda tenhamos mais sintonia e harmonia do que dois irmãos biológicos rs E isso, sem nunca termos nos visto. ele mora no PR, eu aqui em SP... E não preciso conhecê-lo pessoalmente para ter certeza de que ele é um amigo que levarei par ao resto da vida e que posso confiar e contar para tudo o que for preciso.

Eu supervalorizo as amizades, pois elas são umas das poucas coisas na nossa vida que a gente pode, de fato, escolher...

Abração!

Agora, vou ler mais de seu blog... rs

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

voltando para agradecer a todos pelo carinho e consideração ... beijão a todos, principalmente ao amiguinho do jardim de infância ...

railer disse...

eu tento. hehe

sério, tem vários blogs que eu visito que nunca deixaram um comentário sequer no meu. mas eu vou tentando, quem sabe faz algum efeito.

amizade mesmo é via de mão dupla e eu acredito em amizades que surgem no meio virtual. tenho amigos assim, aliás, ja fiz amigos trocando cartas!

abraços, rafael.

Angelo Augusto Paula disse...

Que coisa bacana poder ler sobre a amizade e todos os clichês que fazem dela única! Grande retórica!
Grande abraço!