A DOCE VIDA DE UM DONO DE CASA!!!

Existem coisas que a gente não aprende nunca morando sozinho, porque obvio, é você que tem que resolver. Algumas dessas coisas se solucionam ligando pra mãe, mas quando bate a vergonha (por que mãe adora falar com aquele ar de que você não tem condições de manter uma casa) a gente corre para a ferramenta mais incrível de todas nesse mundo: o Google.

Ter que perguntar pra mãe qual é a melhor marca de sabão em pó é tão humilhante quanto uma criança de seis anos te dar uma surra num vídeo game. A gente se sente inútil, por que as coisas são tão obvias, mas a mente masculina imbecilizada não capta.
SABÃO EM PÓ INDICADO POR UM PAI!!!

Não adianta me ensinar a dobrar camiseta, eu não aprendo. Se o fizer e colocar na gaveta, tenho a absoluta certeza que quando vesti-la haverá um vinco que nem ferro de passar removerá, por isso penduro tudo no cabide, e aquelas mais velhinhas, vão sim pra gaveta, mas socadas, e tornar-se-ão pijamas.

Lençol com elástico é o maior dos dramas. Louvo o criador dessa roupa de cama (nome ridículo esse) por que levantar de manhã e perceber que a cama continua lisinha não tem preço. Mas lavar, e dobrar são dois problemas distintos. Pendura-lo no varal é um parto, por que fica tudo esgrouvinhado. Guardar então...HA HÁ HÁ....onde? Como? Se aquilo é uma massa de tecidos que não se sabe onde começa e termina. De novo, vai pra gaveta socado, amontoado e tchau.
Isso é mentira....MENTIRAAAAAA!!!

Eu cozinho, então aqueles quesitos humilhantes sobre uma casa que você é obrigado a perguntar a progenitora são compensados com dicas de uma cozinha moderna que ela desconhece. Aí a superioridade vence a cara de reprovação da mãe que te olha pensando: esse ainda acha que consegue morar sozinho.
Poeira definitivamente é um ser vivo que odeia você e a vassoura. Tentar remove-las é impossível, por que varre de um lado e quando percebe, correram tudo pra outro, e o pior, pra debaixo dos moveis. Então a tecnologia do aspirador de pó é importantíssima pra que vive “alone”. Inclusive pra matar barata, elas não sobrevivem a um chupão de aspirador de pó...fica a dica.

Seja lá qual for à receita que venha a fazer vinda de alguém da família, ao ser perguntado se deu certo, responda: Nossa ficou muito bom, uma delicia, acertei direitinho. Fiz pouco, da próxima vez levo um pouco pra você experimentar!!!! Mesmo que tudo tenha ficado um lixo, grudento, sem sabor, se humilhar mostrando a incapacidade de dar continuidade as receitas de família não pode. No futuro isso se volta contra você.
ESSE CHANTILI TA COM UMA CARA DELICIOSA!!!

E o pior de tudo quando se mora sozinho já há um tempo é ter que responder as perguntas das tias velhas. Já aconteceu de ir na casa de uma dessas e na porta ser questionado pela prima solteirona: nossa, você emagreceu, o que houve? Logo em seguida, a tia dizer: olha só, engordou hein...ta comendo muito!!! E por ultimo a outra tia: esse aí não muda nunca, sempre o mesmo corpo!!!! Cacilda, decidam: to gordo, magro, ou zumbi? E além de tudo a pergunta básica das tias velhas: e você quando casa? Aquele apartamento bonito precisa de uma dona.

Caso sim tia, no dia que aquele seu filho pilantra arrumar um emprego, seu neto drogado abandonar o vicio, a sua filha aqui sentada cuidando de você sexagenária e virgem dar pro primeiro que aparecer, e você conter os seus gases e segurar a urina, por que tá um cheiro de mijo nessa casa insuportável!!!!
SOLUÇÃO PARA AQUELA PRIMA DESTITUÍDA DE CASAMENTO!

Enfim, a gente nunca cresce, e sempre somos vistos pelos olhares carinhosos dos familiares como uma criança incapaz de tomar decisões, de morar só sem explodir por que deixou o gás aberto uma manhã toda.

Abração a todos e ótimo fim de semana.


AHHHHHH !!! INOCÊNCIA!!!!

Antigamente ( palavra ótima para designar o passado) a inocência era tão diferente, tão pura que as crianças demoravam a entender que haviam saído de um estagio infantil e já esboçavam sinais de uma vida adolescente, e em breve madura. Pelinhos no corpo assustavam!!!

Fui criado dentro de padrões onde o infante era poupado das agressividades da vida. Uma mãe zelosa quanto ao amadurecimento dos filhos e  por ela tínhamos ficado todos os três  dentro de casa, sob a mira do seu olhar e debaixo das asas protetoras. Isso impediu muito que amadurecêssemos cedo. Mas a visão inocente sobre o mundo demorou em ruir, pelo menos em mim, o caçula.


Via artistas como George Michael, Freddy Mercury com aqueles trejeitos tão caracteristicamente gays, mas na época éramos absortos a essas convenções. No máximo víamos um parente solteirão e algumas tias maldosas dizendo: fulano é estranho, nossa, sei lá, eu acho que sim. Sempre subentendidos. Crianças, não participavam de rodinhas onde havia assuntos sérios.

Hoje uma criança de seis anos, no inicio da sua vida consciente já se senta no sofá e dialoga com adultos sobre assuntos proibidos no passado. Isso é uma evolução? Não sei, só acho que se perde a inocência cedo demais. Não é internet, não são amigos de rua, nem escola, e sim uma vontade absurda de ser adulto.

Ainda não me conformo com menininhas periguetes de nove anos usando sutiã e indo maquiadas para escola, meninos achando que suas ereções aos sete anos podem fazer dele um latim lover mirim.

Fala-se de sexo abertamente, ótimo, assim tabus são deixados de lado. Hoje não é mais pecado (ou continua sendo e o povo não está nem ai) ver pornografia, se tocar na adolescência. Meninas são orientadas e estimuladas a se conhecerem, coisa que mães castigavam no passado quando percebiam que as meninas estavam despertando para o sexo. O resultado são mulheres bem resolvidas, até demais, por que evoluíram e sabem o que querem e quem querem aos seus lados, mas os homens retroagiram e se sentem indefesos diante de uma mulher que o convida para a cama, invertendo o papel da conquista. Isso se chama Medo!

A inocência acabou, por isso quando encontro alguém com pureza de alma, que não vê maldade nas coisas, quero ter como amigo(a). Hoje é possível e crível um homem ser amigo de uma mulher, e não digo que um deles seja gay, por isso da certo. Não, homens podem sim, ter amizade com uma mulher, sem que haja interesses escusos, intenções maculosas na relação.

Muitas vezes me cansa olhar o mundo de hoje. Eu que nasci numa época onde se era permitido à infância me sinto exausto diante de tantas informações, de comportamentos tão dispares daqueles que fui moldado a aceitar. Pois bem, a evolução chegou, estamos passando por um período de transição da humanidade? Belezas...só me deem uma boa poltrona, uma coca cola gelada, e me deixem assistir de camarote. Quando tudo se resolver, me chamem, e entreguem a chave do mundo novo.

Boa quarta feira a todos...abraços.

NÃO ACREDITO NO SEU TALENTO!!!!

Geralmente uso o blog pra falar bem de personalidades que eu admiro no meio artístico. Imagino a dificuldade de pessoas expostas à mídia para serem sempre corretas e não dar vexame ( como Cristiane Torloni e sua fala arrastada no Rock in Rio) ou mesmo Vanusa e seu Hino Nacional pra pilequeiros. Por isso acredito que quando se sai na chuva, é inevitável se molhar, e celebridades tem obrigação de se comportarem, ou paguem o preço.

Existem poucas pessoas a quem tenho antipatia gratuita. Mara Maravilha é um dos meus desafetos, mas como não a vejo nunca, perdoo sua existência artística. Agora nada se compara a antipatia, ao nojo, asco, repulsa que tenho pela senhora Carolina Dieckmann.

Fina Estampa vinha bem, com pitorescos personagens criados por Agnaldo Silva até a entrada da insuportável Carolina. Confesso que perdi o tesão na novela.

Não conheço alguém que seja fã da atriz, muito menos vejo a mídia badalar a “simpática celebridade”. As fotos tiradas para sites e revistas mostram sempre uma cara emburrada, poses obrigadas e um mau humor visível. Então pergunto, se é pra ser assim, por que não compra um sitio e vai criar galinhas?

Carolina Dieckmann está longe de ser uma boa atriz, como outras de sua geração, visto Alinne Morais, Thais Araújo, Leandra Leal etc. Sua imagem não soa crível no vídeo. Por mais que se esforce não convence. Bonita, não posso negar que seja, mas minha antipatia é tanta que isso passa despercebido.

É uma atriz de única atuação. Fala-se dela como uma profissional de talento, mas a única coisa que ficou guardada é sua cabeça sendo raspada ao som de Lara Fabian numa melosa novela de Manoel Carlos. De lá pra cá tudo o que fez: vilã ou mocinha soou pretencioso demais.

Declarou que não deixa os filhos assistirem TV aberta. Duramente criticada por Walcyr Carrasco que se sentiu obviamente ultrajado, sendo um autor de novelas, local onde ela ganha seu pão de cada dia, desdenhou e continuou de nariz em pé. Portanto não entendo qual é dessa garota. Quer ser atriz, então esbanje talento como Torloni, Angela Vieira. Quer ser metida, seja, mas tenha talento como Carolina Ferraz. Agora ser um profissional abaixo da média e mesmo assim bancar estrela, pô, se enxerga fia!!!

Pra mim já deu de Teodora em Fina Estampa. Como Silvio de Abreu (apesar de negar os rumores) matou o personagem de Carolina por que dava queda de ibope, sugiro a Agnaldo que passe a faca em Teodora, e a mande para o céu dos personagens (ou o inferno, quem sabe).

Tá ai....#morreteodora.....que o Twitter tenha força pra isso...rs rs rs

Abração e boa terça a todos.

UM DIA EU VI.....

Um dia, num festival de teatro em campinas, sentei na primeira fila, por que havia comprado ingressos antecipadamente, sem ao menos saber o conteúdo das peças, apenas por que gostava de teatro, e assim teria oportunidade de confortavelmente desfrutar dos textos.

No primeiro dia, cheguei , sentei-me e esperei, com a meia luz o ator do dia começar.

Era Paulo Autran com seu monologo “ Quadrante”.

Fui conduzido a um mundo, através daquela voz serena, leve, nunca antes visitado. Uma viagem ao passado, aos bons costumes da infância, e depois jogado de volta a realidade. Uma hora e meia do melhor teatro que vi na vida.

Nunca mais esqueci Paulo Autran. Um pouco depois tive a honra de conhecê-lo pessoalmente. Estudava cenografia na época, e fui conduzido pelo professor ao seu camarim onde nos recebeu, eu e mais 2 alunos com uma gentileza inexistente nos atores de hoje.

Sua voz ecoa, ainda na mente declamando Casimiro de Abreu em “Meus Oito Anos”. Infelizmente não há gravação disponível disso, mas há publicado abaixo o poema de Vinicius de Morais, intitulado “Poema Enjoadinho”, que tenho certeza, aqueles que não ligaram o nome ao texto, saberão agora do que se trata.


ROCK IN RIO SÓ NA TV

Não sou claustrofóbico, mas tenho certo pânico de lugares onde não há fuga. Talvez por isso evite de ir em grandes aglomerações. Não sei me virar sozinho num local assim.

Rock in Rio começa hoje e a quantidade de gente me assusta. Pensar naquela plateia de cem mil pessoas por dia, pulando, gritando, urinando nos pés um dos outros me da pânico. Se pudesse assistir aos shows de um mega camarote, de frente para palco, onde cada metro quadrado fosse ocupado só por uma pessoa, tava dentro.

Curto ver esse tipo de evento, acho fenomenal a organização disso, e o melhor, a concentração de tantas estrelas num mesmo lugar. Reunir Kate Perry e Rihanna num mesmo palco mesmo que não sejam juntas é algo extraordinário, mesmo não sendo fã de nenhuma das duas, alias, até curto uma ou outra musica, mas não me abalo para vê-las.

Aos que irão desfrutar desse mega evento, cuidado, não tente abordar celebridades, elas podem decepciona-los, né Carolina Dieckmann?

 Nem abuse demais por que seu pai pode estar vendo e leva-la pra casa antes mesmo da festa começar.
Mas se você não pode ir, tranquilo, ponha o som das melhores bandas no seu ipod e dance, mesmo que sozinho, cante, mesmo que ninguém o ouça...
Não consumam nada ilícito, por que não haverá nada pior do que pagar um mico passando mal em cadeia nacional, então, muita agua, filtro solar e barrinhas de cereais....
E felicidades a quem for ver o Rock in Rio...que seja um sucesso!!!
abração a todos e ótimo fim de semana....

RAZÃO X FELICIDADE

Hoje não iria posta, mas recebi esse texto por e-mail e achei interessante. Raramente eu copio alguma coisa que leio, mas achei pertinente dividir isso. O texto é pequeno e vale a reflexão.


[...Oito da noite, numa avenida movimentada. O casal já está atrasado para jantar na casa de uns amigos. O endereço é novo e ela consultou no mapa antes de sairem. Ele conduz o carro. Ela orienta e pede para que vire, na próxima rua, à esquerda. Ele tem certeza de que é à direita. Discutem. Percebendo que além de atrasados, poderiam ficar mal-humorados, ela deixa que ele decida. Ele vira à direita e percebe, então, que estava errado. Embora com dificuldade, admite que insistiu no caminho errado, enquanto faz o retorno. Ela sorri e diz que não há nenhum problema se chegarem alguns minutos atrasados. 

Mas ele ainda quer saber: 
- Se tinha tanta certeza de que eu estava indo pelo caminho errado, devia ter insistido um pouco mais... 
E ela diz: 
- Entre ter razão e ser feliz, prefiro ser feliz. Estávamos à beira de uma discussão, se eu insistisse mais, teríamos estragado a noite!...]


Esta  pequena história foi contada por uma empresária, durante uma palestra sobre simplicidade no mundo do trabalho. Ela usou a cena para ilustrar quanta energia nós gastamos apenas para demonstrar que temos razão, independentemente, de tê-la ou não.

"Nunca se justifique: os amigos não precisam e os inimigos não acreditam".


Eu já decidi... não estou nem aí pra razão, EU QUERO SER FELIZ e você?

Boa quinta feira a todos....abraços.

CUIDANDO DA PRÓPRIA VIDA

Antônio Pedro todos os dias quando chegava para o almoço ouvia Vilma reclamar da vizinha:

- Essa Dona Clotilde é muito porca. Veja como as roupas que ela pendura no varal são amareladas. Se for pra lavar, que o faça direito.

Antônio Pedro balançava a cabeça e calado comia sua refeição.

A cena se repetia semana após semana e Vilma indignada com o descaso da vizinha que segundo ela tratava a família com desdém, fazendo-os vestirem roupas mal lavadas, proferia injurias através da janela da cozinha.

Um belo dia, já cansado de ouvir a esposa, Antônio Pedro aproximou-se da esposa e disse:
- Vilma, a roupa de Dona Clotilde é muito bem lavada, se limpasse os vidros da cozinha, tenho certeza que enxergaria o quanto aquela roupa está branca.

Quando se tem teto de vidro, quando se olha o próprio rabo, umbigo, ou seja, lá o que for, cala-se imediatamente, porque não há nesse mundo alguém que possa atirar a primeira pedra, seja qual for a circunstancia.

Que as pessoas sejam menos “Vilma”...

Feliz dia da Paz a todos nós. Que a primavera traga além de belos filhotinhos por aí muita paz a todos nós.

Abração e boa quarta feira.


QUANTO PESA A PAIXÃO?

Por que as pessoas falam tanto em paixão? Dão explicações poéticas sobre o que é se apaixonar, sobre o furor, borboletas no estomago, calafrios intensos. E esquecem que a onda, o tsunami da paixão quando vem, inevitavelmente devasta.

Paixões duram segundos, dias, meses, e podem acabar da mesma forma que começaram. Por isso sempre tive pra mim que amar uma pessoa aos poucos é mais fácil e duradouro do que procurar paixões.

Paixões cegam. Defeitos e desvios de personalidade se camuflam sob a paixão. Quando vem a tona, desmoronam o castelo criado sobre a pessoa e muitas vezes as tornam odiadas. A decepção de quem está apaixonado é muito mais cruel.

Quando se ama aos poucos, se enxerga defeitos, se entende as fraquezas e intensifica o “gostar” de uma forma mais madura, menos visceral. Assim o respeito caminha lado a lado com o descobrir-se. Entender o ser humano é mais fascinante do que vendar os olhos e achar que tudo é perfeito, simplesmente porque o frio na barriga tirou-lhe o folego diante do ser desejado(a).

Mesmo assim acredito que a paixão tem que brotar em cada um de nós, pelo menos uma vez na vida. O mesmo que andar de montanha russa, um dia você tem que experimentar pra saber como é, ter a sensação, mesmo morrendo de medo. Passar pela vida sem provar o doce veneno da paixão, é o mesmo que nunca provar de uma barra de chocolate. Mas achar que relacionamentos são feitos apenas de paixão, e correr atrás disso consecutivamente, é uma ânsia nunca superada e um vicio que faz de solitários ambulantes buscadores de “algo” nunca alcançado. Quanto mais se santifica a paixão, menos se acha o que procura.

Amor é consequência da paixão? Em alguns casos (poucos) sim, para aquelas pessoas pacientes que entendem o ser humano sem ideologias. Pra esses o amor nasceu de uma paixão. Mas digo que conhecer alguém aos poucos e desfrutar da descoberta diária é muito mais certeiro, um alvo mais atingível do que esperar por uma avassaladora paixão atirando flechas no escuro.

Não sou um descrente das paixões. De forma alguma! Até acredito que seja o combustível que move a humanidade, mas fugaz como é, faz sofrer muito mais aos que se permitem amar. Isso é um ponto de vista que jovens não entendem. Explicar para um(a) adolescente que a paixão é passageira no meio de um sofrimento mortal é gritar no vazio. Não há ninguém para ouvi-lo.

Sofre-se por paixão, idealiza-se demais. Na maioria das vezes sobram cacos, decepções e amargura. Sugiro amarem mais, do que se apaixonarem. Algumas pessoas me compreenderão, outras dirão que isso é frustração.  Nada disso. Apenas a visão racional daquilo que todo e qualquer individuo, seja da idade, crença, sexo, apologia, procura.

Quem ama não mata. Quem se apaixona sim.

Abração a todos...ótima terça feira.

TIOZINHOS E TIAZINHAS DESPUDORADOS

Hoje a idade é o que menos importa quando se conhece alguém para amizade ou relacionamento intimo. A maioria das pessoas se cuida e aparentemente escondem os anos avançados através de uma boa roupa ou de tratamentos estéticos.

Mas há sempre aquele tiozinho e aquela véia que não se enxergam. Conheço centenas deles...rs. Minha irmã tem uma tia, apelidada de “porpeta” que está lá com seus sessenta e poucos anos, mas não encara a idade, veste e  se comporta como minha sobrinha de dezesseis anos. Usa minissaia com aquelas perninhas de siriema, bunda amarrada ( sabe aquela bunda que pessoa costura ali, bem onde todo mundo está pensando e depois puxa pela frente, e fica parecendo um urso, então, essa bunda). Não precisa nem falar do pescoço, o entregador de idade...rs. Tudo isso não seria visível, e nem perceptível se ela não desse em cima de garotos, achando que está podendo, e tendo a certeza de que eles a desejam. Ahhhh...pô véia, se enxerga. Não vou comentar do corte cabelo que usa, porque seria mais um post, só pra isso.

O segundo caso que mais extrapola era de um véio que trabalhava comigo. Já beirando o setenta anos, hoje ta com muito mais, acredito na casa dos oitenta. Mas naquela época achava-se o “comedor”, e se sentia no direito de cantar descaradamente todas as meninas da empresa. Na cara dura. Uma das funcionarias, uma cinquentona solteira, tinha verdadeiro pavor dele. Sempre que entrava em sua sala, ficava de pé conversando e alisando a sua “bengalinha”. Por isso seu apelido passou a ser “pistolinha”. Mas não da pra dar explicações maiores, porque tornaria o texto pornográfico perto das barbaridades que ele contava, ou tentava fazer com as mulheres. E pela idade todo mundo o tratava com delicadeza, mas na verdade ele queria mesmo era dar um créuuuu....em todas elas. Cabelo a Silvio Santos, ponte móvel aparecendo, com uma falha na lateral, calça jeans justinha e sapato social. Esse era o perfil.

E tem também aquelas tias sem noção. Quando era moleque às vezes jogava baralho em casa com meus pais e uma turma de amigos. Eram doze pessoas a mesa, e sempre calhava da mãe de um amigo sentar-se do meu lado. Não dava quinze minutos e a tia começava a pegar na minha perna. Cada vez que ela ficava fora do jogo a sua mão subia mais. Chegava ao cumulo de roçar...ali mesmo...rs rs rs. Mas era mãe de um amigo, e na minha idade a enxergava como uma velha, afinal era amiga da minha mãe.

Todo mundo tem direito a ter suas aventuras, romances e se sentir jovem, em qualquer fase da vida, mas é necessário o bom senso para não cair no ridículo. Susanas Vieiras estão às pencas por aí. Se querem dar a cara a tapa, então aguentem o tranco do murro, por que algumas pessoas não batem em gente assim, espancam. E isso podemos comprovar nos sites de fofoca, criticas impublicáveis a esses tipos exóticos. Né Gretchen!!!!

Boa semana a todos, com um bom nível de desconfiometro e um grau de bom gosto...para não ser a chacota da molecada quando se passa na rua.

Abração.

TOMAR UM PORRE

"Eu não estava bêbado!!!!" 

Cara como não? você entrou no armário berrando 'DANE-SE, TÔ INDO PRA NÁRNIA'”...isso é estar bêbado!!!

Continuando a semana de “terapia” no blog...rs, vou falar sobre a questão “nunca ter tomado um porre”.

Não é nenhum tipo de preconceito, muito menos uma questão religiosa, e sim um problema vindo la da infância.
Nos meus sete anos de idade, houve um surto de Hepatite daquela fraquinha que não sei a nomenclatura, no bairro onde morava. Muitas pessoas foram contaminadas, e eu obviamente também. Passei um mês sob cuidados médicos até descobrirem a causa de vômitos constantes. Nada parava no estomago até mesmo uma bala era regurgitada. Semanas desse suplicio para uma criança da minha idade na época era um calvário terrível, por que não podia brincar na rua, não podia ir a escola. Passava dias e dias deitado no sofá, sendo carregado pro quarto a noite.

Diziam que qualquer movimento brusco desmanchava o fígado matando instantaneamente a pessoa. Verdade? Não sei. Apenas tivemos relatos de um pedreiro que também estava com Hepatite e morreu ao picaretar uma calçada.

Desde então existe certo trauma em passar mal do estomago ou fígado. Por isso a inerente possibilidade de tomar um porre e ter náuseas e vômitos, já transforma a situação num pânico descontrolado. Por isso não tenho o habito da bebida, algumas vezes claro, uma caipirinha, um vinho branco, cai bem. Vodca e vinho tinto vai direto pro fígado, e ele me avisa: ohhh mermão, segura a onda aí!!!

Até um tempo atrás as pessoas olhavam torto para quem não bebia, fazendo-nos sentir um alienado no mundo, um nerd, um incapaz de socializar. Eu nunca me importei com isso, e hoje o amigo que não bebe é valorizado, por que com a lei seca, é sempre ele que leva o povo pra casa...rs.

Mas a bebida em si não me agrada o paladar. Cerveja, por mais que digam, que clamem ser uma delicia, para mim é sempre o gosto de uma agua que lavou arroz. Whisky, Conhaque, e outras de teor alcoólico mais forte, é intolerável ao meu gosto. Então, pra que insistir? Não vou ser mais ou menos legal não bebendo. Não descrimino quem o faça, apenas não me importune, por que a paciência com bêbados é mínima, e muito menos vomite em mim.

E por ultimo uma passagem que ocorreu há séculos. O primeiro namorado da minha irmã certo dia tomou um pileque horrível, daqueles que da coma alcoólico. Não o levamos para o hospital. Pelo contrario, ficou em casa, meio que delirando. Sentado de um lado minha irmã, do outro eu. A cada resmungo era a vez de um de nós descer a mão na cara dele. Ficamos assim por algum tempo revezando, uma bofetada de um lado, outra de outro...rs. No dia seguinte ele reclamou de dor de estomago, cabeça e bochechas...rs rs rs.
 bêbado não tem amigos...fato!!!!

Abração a todos, e ótimo fim de semana.

COMPLEXO DE SANDY

A psiquiatria, a psicologia explicam os vários complexos que existem por aí, o de Peter Pan, de Cinderela, de Édipo, etc. Eu sofro de complexo de Sandy.

Desde pequeno as pessoas (mais as mulheres) me veem com aquele olhar que se resume numa expressão tosca “ahhh cute cute”...Quando pequeno, era bochechinha, e depois Rafinha e bla bla bla, sempre diminutivos. Quando fiquei adolescente o complexo de Sandy continuou a me perseguir. Mas deixa explicar o que isso significa, se é quem já não entenderam:

Complexo de Sandy no meu ponto de vista se resume naquele individuo 100% correto, indelével, irrepreensível, intocável, moralmente construído por uma educação sem direito a erros. No meu caso, vários aspectos culminam para que as pessoas me achem um bom moço. Uma disputa no passado por um lugar ao sol na família, em embates com a figura de um irmão mais velho “perfeito” aos olhos dos pais, a educação religiosa (católica) e outros fatores que decidiram para o mundo que sou um cara “certinho”.
PRIMEIRA COMUNHÃO. DEPOIS DISSO, ME ACHARAM SANTO!!!

Um dia escutei da mãe de uma amiga de faculdade: ahhh, você é um príncipe, o genro que toda mãe quer!!! Tive o ímpeto de dizer: Dona, príncipe o caralho, meu nome agora é Ze Pequeno...Não que eu queira ser considerado um marginal, canalha, amoral. Apenas me enxerguem como um cara que erra. Assim não criam expectativas e não me odeiam quando não as alcanço.

Escrevo esse post por que ao falar sobre como agiria caso fosse mulher num texto da semana passada, algumas pessoas comentaram que sou muito bonzinho, que ser uma periguete não era verossímil. Rs, gente...também quero ser um devasso, pô!!!!

Vou fazer comercial de cerveja semi nu, vou dar entrevistas bombásticas na playboy, vou fazer calendário em poses eróticas...rs rs rs...quem sabe assim me achem mais “normal”.

O problema de ser considerado um cara “perfeito”, e não sou nem um pouco, se me conhecessem melhor, obriga a manter sempre uma postura reta, preocupado com o que pensam e acham a meu respeito. Com uma personalidade critica como a minha ( autocritica a mil ) ter essa preocupação é estressante. O bom que pelos menos depois de certa idade a autoestima impera, por que se dependesse da opinião alheia viveria numa caixa de papelão vendo o mundo por uma fresta. Ao mesmo tempo em que as pessoas te olham com olhares meigos, te colocam lá no fiofó do tatu com comentários jocosos. E hoje não ligo a mínima para o que pensam, mas até um passado recente isso me torturava.

Erro como todo mundo, falo muito palavrão, tenho defeitos, mas a única coisa que não abro mão, é de ser gentil com os outros, e talvez isso passe a imagem de “bom moço”, por que sigo a premissa de não fazer para o outro o que não quero pra mim. Educação e cordialidade devia ser obrigatório na conduta de todo ser humano, e não ser visto como algo abjeto, transformando quem o tem em “ET” da sociedade.

Um dia faço um post com tantos palavrões e termos chulos, que provocarei náusea em quem ler...rs rs rs rs...Até parece!!!

Abração e boa quarta a todos.

OLHA MEUS MÚSCULOS!!!!

A vaidade masculina é centenas de vezes mais exacerbada que a da mulher quando o individuo se torna um “obcecado” pelo corpo.

Quer uma situação ridícula? O cara começa fazer academia, seja na idade que for. Um mês de malhação no mesmo treino que a vovozinha faz para não ter artrose e ele se sente “o forte”.  Começa a usar camisetas “mamãe sou gostoso”, tira centenas de fotos na frente do espelho e joga nas redes sociais. Aquelas poses viradinha pra murchar a barriga e flexionar o bíceps. Patético, pobre, ridículo!!!!

Não sou um cara desleixado, pelo contrário, tenho a vaidade normal pra manter uma boa aparência. Cabelo bem cortado, barba aparada no pescoço ( por que uso a minha por fazer), roupas condizentes com minha idade e tipo físico.

Já discorri sobre esse assunto por aqui, da forma como os “caras” se tornam patéticos com a aparecia. O caso de celebridades como o Xororó por exemplo. Sábado vi sua participação no Altas Horas e me espantei como ele está uma tia velha, uma professora primária da década de 80, uma gueixa!!! Branco, repuxado, com o cabelo preto como as asas da graúna. Envelhecer bem é muito melhor do que se deformar com procedimentos estéticos. Francisco Cuoco, Tarcísio Meira, podem não ter mais o viço da juventude e estarem marcados pelo tempo no rosto, mas suas feições permaneceram intactas, e ver o envelhecimento natural é muito mais gratificante do que olhar para o Zezé de Camargo sabendo que tem 50 anos, e enxergar um garoto de 20, com camisetas justas e cabelo arrepiado. Isso é tão ridículo quanto o irmão dele se dizer “Hetero”.

Muitas vezes é necessário que alguém chegue num individuo assim e mostre o bom senso, porque pode ser que a tenha perdido há muito tempo, talvez em algum peeling de diamante que fez no passado (busquei no google isso...rs).

Sejamos coerentes com a idade e com o que mostramos para o mundo. Fotos de exposição do corpo são totalmente desnecessárias, para homens e mulheres. Mesmo que o físico seja perfeito, um bom grau de nível é interessante para que os amigos não sejam agredidos com isso. Fotos sem roupa em sites de relacionamento, tem uma característica no meu ponto de vista...caça!


E para aqueles que sentiram-se ofendidos com esse texto, não to nem ai. E também não adianta me xingarem de feio...rs, porque tenho espelho, sobrancelha feita, lente de contato verde, megahair com franja, prótese de peitoral e bíceps, e meu abdomem pode lavar uma tina enorme de roupa....

Percebam como é ridículo um individuo com todas essas características...

Abraço a todos e ótima quarta feira.

O MEU ATROPELAMENTO

Estava na 3° série do primário, devia ter uns 8 anos na época, mas nesse período era um menino mirrado, bem magrinho e branco, leitoso, até meio cor de rosa de tão claro, e ia para escola levado por minha mãe que a vida toda teve pânico em largar os filhos sozinhos, por ela, estávamos todos morando na mesma casa como as famílias Muçulmanas.

Numa bela manhã, já atrasado para escola (sempre odiei chegar atrasado, mas minha mão não entendia isso) fomos correndo, ela dirigindo mal como sempre, costurando o transito e eu pregado no banco de olhos arregalados.  O uniforme da escola era um avental branco com brasão no boldo esquerdo sobre o coração....rs.
EU, O BURRICO, E UMA ALMA PENADA!!!

Chegamos, paramos e eu desci. Quando fui atravessar a rua (de acesso ao portão principal do colégio) uma perua kombi virou e freou sobre o corpinho esquelético do garotinho aqui. O carro não fez nada demais além de passar com a roda sobre os dedos do meu pé, mas o grito alarmante da minha mãe me jogou pra trás onde sujei o avental na roda de um outro veiculo estacionado caracterizando uma violência (que não havia acontecido) de um atropelamento.

Gritos de desespero, e alunos saindo pra fora da escola, por que o Rafinha tinha sido atropelado. Quem ouvia a confusão, achava que encontraria um cadáver estirado e esmigalhado. Minha mãe agarrou o motorista pelo colarinho e desceu o braço no cara completando a cena de baixaria que já se iniciara com os gritos de “você atropelou meu filho”.

A diretora da escola, uma figura que eu morria de medo, pegou-me pela mão e levou para a sala dela. Não sabia se ficava com mais medo do que havia acontecido, ou daquela mulher gigante que eu temia como a morte. Sentei pequenininho numa poltrona gigante e fiquei ali, pálido, até que o furdunço acabasse. Não havia acontecido nada, nada, nada. Estava intacto, mas tremendo, pelo susto, e pelo medo daquela mulher. Minha mãe foi embora sem nem saber onde eu estava. Alias, ninguém pensou em me levar pra um hospital. Poxa, vai que eu estava com hemorragia interna!!!

Por anos, tive problema para atravessar rua. Sempre o fazia na faixa de pedestre, e quando não tinha uma, ficava um tempo parado. Um certo trauma. Há um amigo que se gaba dizendo que me ensinou a atravessar ruas, já com 27 anos de idade. Mentira, mas deixa ele acreditar..rs.

Certos acontecimentos da infância, quando você não tem domínio total da situação, geram traumas pro resto da vida. E pra concluir, a diretora gigante, não me deixou ir pra aula aquele dia. Fiquei em observação na sala dela, fazendo lição sozinho, como se estivesse de castigo. No fim do período, ela me deu um estojo com 36 canetinhas, o que se compararia a ganhar um iPad hoje.

Abração e ótima semana a todos

COMO É SER O OUTRO

Outro dia conversando com uma amiga de longa data, falávamos como é ser homem e mulher, vendo os prós e contras, no que ela afirmou que o seu grande desejo era ser homem para poder urinar em qualquer lugar, em pé, sem problemas, por que sofria em ter que se equilibrar em banheiros fétidos de boates ou seja lá onde a sua bexiga insistia em dar sinais de exaustão. Nessa fiquei pensando, o que eu gostaria de ter, ser ou fazer se fosse mulher. Faça um exercício contrario você que lê o blog, e pense, se fosse do sexo oposto, o que mais te agradaria. Se fosse mulher teria:

- um cachorro colorido na infância. Um poodle verde, cor de rosa ou algo parecido;

- seria uma menininha safada, e pegaria o garotinho mais tímido da escola. Ia fazer um bem tremendo pra ele no futuro;

- gostaria que alguém me explicasse com bastante antecedência o que seria “ficar menstruada” pra não passar por um momento de descoberta angustiante;

- perderia a virgindade com o primeiro namorado. Começar cedo é bom, quando se chega a vida adulta, aproveita-se melhor o que “ ela” tem de bom;

- namoraria brancos, japoneses, negros, índios, estrangeiros, e todo tipo de pessoa. Bom saber como funciona cada raça;

- Seria uma biscate. Teria namorados, amantes, e qualquer um que me cantasse eu sairia. Acho muito bom mulheres biscates...rs rs rs.

- Usaria calcinha minúscula com calça branca, só pro povo assobiar quando passasse na frente de uma obra;

- Teria um cabelão comprido, para andar balançando como comercial de shampoo;

- Sairia na porrada com qualquer menina que desse em cima de quem eu estivesse namorando;

- Teria um monte de sapatos, como Imelda Marcos. Isso, percebo, é sinal de poder entre as mulheres;

- Me formaria em uma boa faculdade e viraria uma executiva de sucesso;

- Casaria depois de ter gandaiado muito, com um bom homem;

- Teria vários filhos e manteria o corpo;

- Iria na festa de 10 anos de formada com um belo vestido justo, carregando o marido rico, os filhos e daria risada das amigas que ficaram barangas;

- Ajudaria os filhos e seria uma boa mãe, levando-os para conhecer a vida, nas fases certas, para que nunca tivessem traumas ou recalques do passado;

- Implicaria com todas as namoradas que os filhos escolhessem;

- Seria uma boa avó, jovem, enxuta, mas nunca querendo competir com a neta mais velha;

- Seria fiel a quem escolhi para a vida, e do seu lado envelheceria;

- Morreria ao seu lado, numa manhã de sol brilhante, dormindo, para que ninguém tivesse o trauma de me ver hospitalizada, definhando. Morreria sorrindo, pela linda vida que tive.

abração a todos e ótimo fim de semana

O SER HUMANO É VINGATIVO!!!!

É cômico ver como as pessoas são sedentas de vingança. Havia um quadro no antigo TV pirata, ambientado na idade média que um personagem sem amigos ( chamado Elesbão) a todo instante dizia: tenho sede de vingança!!!!

O capitulo de Fina Estampa nesta ultima quarta feira, feriado insosso da pátria, bateu o seu primeiro recorde de audiência mostrando a cena em que Griselda ( Lilia Cabral) desmascara o próprio filho Antenor (Caio Castro) em sua mal sucedida tentativa de apresentar uma mãe falsa. Diga-se de passagem, uma cena muito bem construída, com um leve toque de humor vindo de Ângela Vieira e um embate de titãs de Cristiane Torloni e Lilia Cabral. Momento depois foi a vez de Adriana Birolli e o ataque histérico de uma Patricinha enganada, com direito a escorregadinha básica atras da porta.

Mas a questão da vingança ta incutida em todos os seres humanos. Por melhor que sejam os filhos, tenho certeza que varias mães sentiram-se vingadas por Griselda, na surra bem dada no filho mentiroso. Assim justificando como a grande audiência do capitulo, onde o povo vibrou. Por que isso? Que vontade é essa de sentir-se vingado?

A desforra é sempre o suco de frutas docinho que o ser humano toma para seu bem estar pessoal. O ego infla, a autoestima alimenta-se e tudo parece um mar de rosas. Talvez aquele bullying da infância, que cada vez mais chego à conclusão ser útil em alguns casos, mas assunto pra outro post, todos tem essa necessidade. Corrupção do governo, chefes tiranos, traição de quem se gosta, tudo isso está ali guardadinho dentro de cada um, e mesmo que a coragem para vingança não exista, o deleite de ver alguém faze-lo é imenso.

Confesso que já me vinguei em algumas ocasiões, e posso até afirmar, foram “doces vinganças” e a sensação é um êxtase, quase um clímax sexual...rs rs rs...Não sou perigoso, mas sou do tipo que diz: Não mexe com que tá quieto!!!!

Abração e ótima quinta feira com cara de segunda.

O DIA MAIS COMEMORADO DO ANO

Hoje quero um post cheio de luxuria, com movimentos sensuais da pélvis, por que é dia do sexo. E como o mundo gira em torno desse assunto, e não me venham com churulmelas dizendo que isso não é verdade, por que posso afirmar que todo e qualquer ser humano pensa nisso varias vezes por dia, a não ser que tome inibidores sexuais, ou já tenha morrido pra vida, nesse caso, se enterra múmia, que o mundo é feito de perversão, sacanagem e muita, muita orgia...rs rs rs.

Mas para quem achou que ia dar relatos da minha vida sexual, ah há....enganou-se, vou relatar historias bizarras a respeito do tema como por exemplo o padre que ia fazer salada de batatas:

1 - Uma batata e grandes prejuízos

Um padre britânico foi atendido em um hospital após uma batata “acidentalmente” ter penetrado em seu reto. O clérigo, de 50 anos, disse que estava pendurando uma cortina nu quando, acidentalmente, caiu na mesa da cozinha onde tinham algumas batatas.

Trudi Watson, que atendeu o homem não identificado, disse: “Ele explicou tudo, mas sinceramente… quem no seu perfeito juízo penduraria cortinas nu?”

O homem sofreu uma delicada cirurgia para remover o objeto, afirmando sempre que tudo não passou de um acidente e não um experimento sexual mal sucedido.



2 - Marquei com uma gata dela ir em casa a tarde, porque meus pais não estariam relata Jobilson, 22 anos. A casa ficaria vazia e podíamos aproveitar. Quando estávamos nos amassos fortes e já começando os finalmentes, toca a campainha. Ela me segurou dizendo que não atendesse. Mas era tanta insistência, que meio que broxando e fui ver quem era. Entrou pai, mãe, tio, tia, vizinho, pastor e mais uma dúzia de pessoas para um culto evangélico. Eu la só de cueca com cara de tonto. Pedi licença e fui pro quarto. Não conseguimos fazer mais nada, ficamos os dois sentados na cama ouvindo as orações e escutando o povo recebendo a unção divina.

3 - Uma vez recebi uma gostosa em casa para uma transa que agendamos pela internet. Ela não era bonita, até ai tudo bem. O problema maior é que tinha um baita mau hálito, conta Rodrigo, 27 anos. Fizemos o que foi combinado, mas a todo o momento que ela vinha pra cima tentar beijar, eu me contorcia e evitava o beijo. Quando foi embora, mandei um torpedo para um amigo contando: ela veio aqui, mas não deu pra beijar véio, a mina tinha escovado o dente com agua de bueiro. O problema foi que na ânsia de contar pro amigo, mandei o torpedo pra ela, que mal tinha chagado na rua. Ela voltou e ficou apertando a campainha e esmurrando a porta de casa por um tempão. Apaguei as luzes e fingi que não tinha ninguém. No dia seguinte havia milhões de mensagens malcriadas dela no meu e-mail. Fazer o que né?
4 - Já namorava há um bom tempo e percebi que minha namorada estava esfriando no sexo, conta Lizandro, 32 anos. Uma tarde, estávamos nos beijando ardentemente e eu já bastante excitado quando ela vira e fala: acho que agora não quero, prefiro que você só me abrace, me abrace apetado, bem forte. O queeeee? Respondi. Ela falou meio chorosa: você não sabe se conectar com minhas necessidades emocionais como mulher. Ok, fiquei quieto. Três dias depois estava me conectando com outra gata, que tinha a sintonia igualzinha a minha. A ex? deve estará abraçada a algum coala por ai...não quer abraço? Então, pega um bichinho que curta isso.

E por ultimo peço que visitem o blog de um amigo que estreia hoje, com um texto relacionado ao dia do sexo. Psicólogo, sarcastico, cheio de histórias pra contar. Deem uma força a um novo blogueiro e visitem-no.

http://meumbigoeeu.blogspot.com/

Abraço a todos e muita libertinagem pra hoje...rs

FILHOS ESPECIAIS


Sei que é muito difícil para os pais admitirem que os filhos possam ter problemas mentais. Todo e qualquer casal quando determina a hora certa de reproduzirem esperam que seus rebentos sejam saudáveis, inteligentes, e que o mundo se orgulhe deles. Mas nem sempre é assim, não sei a porcentagem, mas há uma grande parcela de crianças que nascem com problemas, muitas vezes imperceptíveis por toda a vida, ou outras que a ignorância dos pais acentua em todo o desenvolvimento dos pequenos.


Conheço inúmeros casos de negligencia de pais em relação aos problemas apresentados pelas crianças na infância. Um dos casos conhecidos foi a total apatia de uma mãe, que mesmo sabendo que a criança sofreu falta de oxigenação no parto, fez questão de bater no peito dizendo ser ele um garoto “normal”. Isso ele era mesmo, não lhe faltava nenhum membro, mas sim a capacidade de se desenvolver como uma criança da sua díade. O Resultado é um adulto com sérios problemas comportamentais  e um retardamento acentuado.

Outro ser ignorante, se recusou acreditar no exame do pezinho quando diagnosticado alteração em seu bebê. Aí eu pergunto: para que fazer o exame se os pais não acreditam no resultado? A conclusão de que havia algo foi diagnosticado na segunda coleta de sangue do pé, com resultado igual, e mais uma vez a abominável mãe negou-se acreditar. Nesse momento também pergunto: onde estão às pessoas de bom senso para dar um chacoalhão nesse individuo? A consequência disso é um adulto com limitações de inteligência, ou como diziam antigamente, um “simprão”. O garoto é atrasado, visivelmente carrega característica de alguma síndrome ignorada na infância. No fim das contas o único a sofrer com isso é pobrezinho, que serve de chacota por onde passa.

O terceiro caso também é de uma mãe cretina, que tendo problemas por ser “prima” do marido negou-se a acreditar que a filha tinha um coagulo congênito na cabeça, o qual carregou por toda uma vida. Já na fase adulta, apresentou problemas de aprendizado, de relacionamento, e assim sendo foi vitima de uma mãe obcecada em provar pro mundo que a menina era “normal”, fazendo-a passar por humilhações e situações constrangedoras. No fim das contas, o coagulo rompe-se deixando-a com sequelas gravíssimas de um AVC. Assim mesmo a ignorância da mãe (de família de posses) mascarou tudo e continuou acreditando que a menina não tinha nada, mas escondeu da família, dos amigos. Mesmo estando imóvel, sem articular um dedinho da mão ouvia-se a mãe dizer que não tinha nada, apenas uma depressão. Morreu sem ajuda medica, sem ter direito a escolher o que queria pra sua vida, por que desde cedo foi castrada, amordaçada por uma mãe louca.

Penso que é complicado assumir para a sociedade um filho com síndromes ou doenças mentais, mas é necessário que os pais enfrentem isso, pelo bem da criança, para que não vivam a margem de tudo. Interagir é necessário, para que se dê aos pequenos uma vida digna.

Não sei como agiria se tivesse um filho com problemas especiais, apenas que não o esconderia, jamais.

Abraço a todos e ótima semana com feriado.