A ESTRELA DALVA

Meu post de hoje é dedicado a dois personagens da cultura brasileira que pouco conhecia: Dalva de Oliveira e Herivelto Martins, brilhantemente homenageados pela Globo na semana passada.
Enquanto pensava para escrever esse texto, surgiu a dúvida se queria falar das personalidades reais, ou da interpretação minuciosa e rica de Adriana Esteves.
Gosto de teledramaturgia, nunca escondi isso de ninguém, muito menos no blog, e o que vi semana passada (acho formidável uma minissérie de 5 capítulos) foi algo que só nos áureos tempos de Boni na Globo se via.
Tudo, da cenografia a voz, do figurino a luz, impecavelmente cuidados.
Fabio Assunção no meu parecer sempre foi um “galãnzinho” mediano, de interpretações previsíveis, mas a direção de Denis Carvalho e o esforço do ator em representar fielmente Herivelto Martins, pode sim arrancar aplausos meus.


Mas nada se compara a Adriana Esteves, e sua Dalva de Oliveira passional, mãe, artista e grande estrela da musica popular brasileira. Para alguém recém saída de um seriado ridículo como o Toma Lá da Cá, com uma personagem pobre, no contexto geral, encarar o desafio que lhe impuseram e brilhar, é algo para quem tem talento, de sobra.
Consegui acompanhar os 5 capítulos na integra, e a cada dia a história seguia com uma vertente que hora nos emocionava, outras nos fazia rir. Alguns podem dizer que o ultimo capitulo na sexta feira beirou a mexicanice por ser altamente emocional, mas creio que não poderiam ter escolhido um desfecho mais apropriado para uma história tão escandalosa como as dos dois, sem que nos instantes finais nos fizessem chorar.
Essas produções é que nos orgulham por sermos os melhores a produzir teledramaturgia no hemisfério sul, alias, a Globo, por que nos últimos tempos a Record que caminhava tão bem, voltou ao posto de estagiária de artes dramáticas e as demais emissoras, bem, sem comentário.


“ Dalva e Herivelto, uma canção de amor”, é o tipo de programa que não será reprisado nunca, pelo próprio formato com que foi produzido. Teremos talvez um DVD futuramente. Surpreendente para mim foi gostar de uma história tão distante dos nossos dias, tão anos 30 e 40. Apesar de respeitar os artistas da era de ouro do radio no país, pouco me atraia ouvi-los, e no fim das contas me peguei cantarolando musicas que talvez estivessem no subconsciente, cantadas pelos pais e avós na minha infância.
A Adriana Esteves todo meu apresso, e as honras de grande dama da TV brasileira. A Fabio Assunção os parabéns pela volta por cima. A Denis Carvalho um reverencia pelo talento de construir tão bem a história junto de Maria Adelaide Amaral. A Rede Globo, o obrigado por nos presentear com algo tão primoroso logo no início do ano.

É isso...boa semana a todos.

4 comentários:

.M disse...

Óbvio que eu também não perdi nenhum capítulo. E me emocionei, xinguei Herivelto, quis ser Dalva e Lourdes ao mesmo tempo. Incrível a interpretação de ambos e, mais do que isso, incrível o retrato da sociedade que, em tempos modernos, pouco mudou. Só a máscara caiu um pouquinho.

Beijocas.

Susyanne Alves disse...

Olá Rafael.
Feliz ano novo!

Assisti Dalva e herivelto também.
Adoro histórias contadas com maestria.
Adriana Esteves de fato arrasou.
Foi engraçado ver nomes do passado sendo rememorados como Dercy e Grande Otelo.
Muito bom!

Bjs

M. disse...

Não sou de acompanhar novelas nem miniséries, mas por estar de férias acabei acompanhando esta série e também adorei. A Adriana Esteves foi fantástica no papel de Dalva. Até nas cenas onde aparecia cantando, nem parecia dublagem, ela fez muito, muito bem.

Quanto á reprises... é pra essas horas que tem YouTube. Até que saia o DVD.

Abraço!

Serginho Tavares disse...

o pouco que vi gostei muito
maravilhoso na medida certa
parabéns a todos e a você pelo texto