BIPOLARIDADE OU FALTA DE EDUCAÇÃO?

Não escondo nunca que tenho preferencia por pessoas bem humoradas. Algumas claro tem o mesmo ritmo que o meu, então aquela sinergia que só no olhar você entende a piada é o que mais me agrada entre os que conheço.

Mas o que me incomoda em determinadas pessoas é o tipo “falo a verdade, doa a quem doer”. Não serei redundante sobre a questão “verdades”, por que já falei exaustivamente aqui sobre esse assunto. Pessoas assim acham que o mundo deve girar em torno delas por que a amizade que “empresta” (egoístas demais pra se doarem) é o suficiente para que qualquer um em volta levem as flechadas de boca fechada.

Vejo nesses indivíduos uma infelicidade congênita. Fazem de tudo para parecerem legais, mas a qualquer instante te atacam desnecessariamente. Não é bipolaridade, é falta de educação e respeito pelo próximo. Ninguém acorda com uma placa na testa escrito: Não brinque comigo, estou de mau humor.

Quando você chega e faz uma brincadeira, por que obvio, há intimidade pra isso, recebe uma patada gratuita é desgastante. Não, esse tipo não me agrada. Pessoas assim deviam se fechar em casa e viverem sozinhas por que o mundo não tem culpa das frustrações. E não há nada pior do que descarregar nos outros as mazelas infelizes da vida.

Não há ser humano que passe ileso pelo mundo sem problemas, até o maior dos bilionários tem problemas. Então compartilhar com os mais próximos o que ocorre de grave na vida é uma coisa, por que sempre há uma alma amiga pra dar bons conselhos, ou tentar levantar o astral. Mas magoar a quem só tem intenção de ajudar, aí é complicado. Preferível que não haja amizade.

E de gente assim o mundo se recheia. Infelizmente não há ajuda pra esse tipo. Por que acreditam estarem certos. Aí acompanhado da pata gigante que atinge a todos, vem a arrogância, a soberba, e a ideia que são bonito(a) e por isso podem atingir que está por perto. O que não sabem é que beleza tem prazo de validade, mas educação e gentileza não. Quando se conquista pessoas com delicadeza, imediatamente se firmam amizades que são quase como pactos de sangue. Quando se é legal, bonzinho, os outros te ajudam com prazer.

Mudar um infeliz congênito é quase impossível. Ele destrói amizades, relacionamentos, e tudo em sua volta. A conclusão que se tira é que estará sempre só, isolado, por que aquela pseudofelicidade que demonstrava com alguns é na verdade mentirosa. Sorrisos forçados, brincadeiras pensadas, e no final patada, patada e mais patada.

Eu tenho paciência quase ilimitada. Poucas vezes algo ou alguém me tira do serio. Sempre digo que compreendo o ser humano, mas me cansa dar murro em ponta de faca. Quer ser meu amigo, então não me atinja com flechadas quando o coração está aberto. Se tem uma coisa que detesto é a sensação de magoa, por ter tido boa intenção e ser correspondido com agressividade.

Assim caminha a humanidade, aprendendo a cada dia...rs

Abração e ótima terça feira a todos.

14 comentários:

•*♥*• Sanzinha •*♥*• disse...

Vc se esqueceu de dizer que a maioria das pessoas que age assim, na verdade o fazem por inveja. Não têm a disposição/simpatia/educação ou qualquer outra coisa que o outro tem e por isso cai de pancada em cima.
Gente pequena e de mente torpe é que age com grosseria o tempo todo.

Gostei do post, Escritor! ;)

Beijo de nega maluca!

Edu disse...

É chato mesmo. Também chato aqueles amigos que só brincam brincam brincam sem parar um minuto pra um papo não necessariamente "cabeça" mas "normal". Hmmm... espero não ser um desses. Nah, acho que não.

Marcia disse...

Ecaa, odeio egocêntricos, egoistas, bipolares e nojentos de todo gênero. Já escrevi coisas parecidas. Eu quando estou mal, me coloco reclusa até passar.

Beijos amigo, ótima semana cheia de boas cias para vc!

Paulo Braccini disse...

tudo tem a sua exata medida e sua exata hora ... uma questão de bom senso ... no mais é só uma questão de perspicácia e estamos conversado ... tudo flui legal ...

Lobo disse...

É por isso que eu gosto das pessoas mal-humoradas. Essas já andam com as placas de "cuidado" estampadas na testa XD.

Cris disse...

Oi meu Queridooooooooooooooooo !
Eu vim aqui só pra te ver....kkkkkk

Saudades de ler gente que sabe escrever e do que escrever. Saudades de gente que fala de forma genérica e menos de si. Que olha o outro da mesma forma que se olha e por isso se ve capaz de julgar ou ser julgado sem problema algum. Essa sua liberdade de SER é alguma coisa de linda. Não perca nunca. Parece fácil, né? Não é !

Quando to de mau com o mundo eu vou pra toca. Já te disse isso. A vida me ensinou que não adianta tentar mudar os outros e descontar em quem não tem nada a ver é tolice em dobro. Gasto de energia que não converterá em nenhum bem; então...quando estou mal, estou machucada por qq razão eu fico na minha e espero meu vendaval pessoal passar. Caso contrário eu acabaria com um, pq vou te dizer: cada uma que aparece que eu penso que depois disso nada de mais bizarro ou grave ou patético ou ridículo ou amoral poderá acontecer!
É foda!....

Vim aqui também pra dizer que não abandonei as crianças....kkkkkkkkk Diz pra elas que a mãe delas anda numa vida meio louca, meio cá e meio lá e os animais me chamam e eu vou e vou e vou.....rs

Rafa, algumas pessoas que encontrei no meu blog, desde lá dos Rascunhos foram um encontro que deveria ser considerado crime....kkkkkkkkkk Outros, passaram e passam sem mudar nada. Vc, como a Amapola e recentemente o Humberto foram encontros preciosos.

Seu blog, conhecer cada vez mais um pouquinho de vc e entender uma coisinha aqui, outra ali dessa sua alma livre, sem compromisso, sem carta marcada e sem blefes é um prazer imenso.

Um beijo grande pra vc e nas crianças....kkkkkkkkkkkkkkk

Alexandre Felipe disse...

Algumas pessoas tem q entenser q a gente tem q dominar os problemas e não deixar o problema dominar a gente... e o mais importante: NINGUÉM TEM A VER COM O Q VC TÁ PASSANDO, então seja no mínimo educado...

Agora "... não me atinja com flechadas qdo meu coração está aberto", ficou bonito hein!!! Aposto que leu em algum lugar e fez de tudo pra ela se encaixar no seu texto...rs

Abraços

Alexandre
http://soupretomassoulimpinho.blogspot.com/

o Humberto disse...

**Mas o que me incomoda em determinadas pessoas é o tipo “falo a verdade, doa a quem doer”. **

Esse vai pro Facebook agora! Perfeito, perfeito.




P.S.: CRIS, vc tá sumida! Pq seu blog não tá abrindo?

Papai Urso disse...

Bipolar é um conceito tão novo! Acho q o povo tá usando como desculpa p/ falta d educação mesmo! Lembro dos termos 'estressado' e 'deprimido', hj todos banalizam geral: se tristes, dizem-se deprimidos (nada a ver#1), se em dias d cão, dizem-se estressados (nada a ver#2). Bipolar não destrata ninguem pode ter certeza, sou bipolar d carteirinha e digo: qd se está alegre a gente só fala um pouco mais, e quando se está triste, a gente fica sarcástico (visão ácida, escrota da vida), mas nada a ver com grosseria, como vc bem colocou. Tudo vira desculpa p/ soltar pela boca aquilo do q o coração tá cheio (coisas boas ou más).

Fernanda disse...

Ô Rafa, não pude deixar de pensar: quem que te levou a escrever isso? hahahaha ;-)
bjs, saudade, seu cachorro

Dama de Cinzas disse...

Posts como esse sempre me faz lembrar de quanto gosto dos seus textos... rs

Realmente pessoas do tipo "falo a verdade doa a quem doer" são insuportáveis. Temos que filtrar o que vamos dizer. Claro que tem dias que deixamos nosso mal humor transparece, somos até grosseiros com as pessoas. Mas isso tem que ser dias isolados e não uma constante.

Tenho um parente muito próximo que sempre disse que dizia todas as verdades na cara da pessoa. Hoje em dia está sozinho, esse é o final de pessoas assim. Até porque essas pessoas, geralmente, são as que tem o pior caráter... rs

Beijocas

byClaudioCHS disse...

Infelizmente, é a dura realidade... é comum uma palavra ter seu verdadeiro sentido alterado pelo uso popular através de décadas e décadas, de gerações e gerações, mas, no caso do termo "bipolar", essa palavra pode ser considerada um fenômeno a parte, pois nem mesmo nasceu e já está sendo utilizada como "coringa" para justificar diversas atitudes, dentro de todo o contexto considerado normal e até ao mais absurdo. E é lógico que, quem dera, todos os "sem educação" realmente fossem doentes, pois neste caso as ofensas doeriam menos.

Bom, não posso mudar esse quadro, mas, deixo aqui, pelo menos, minha humilde contribuição, dois textos escritos no pólo depressivo com uma pitada de pânico, para aqueles que tiverem a curiosidade de sentir na pele ao menos um pouquinho do que é ser um (verdadeiro) bipolar (é aconselhável ingerir-se um anti-depressivo pelo menos uma hora antes de ler os textos, mesmo que você não sofra deste mal). Bye.

byClaudioCHS disse...

QUAL DE MIM SOU EU...?

Aqui, o poeta
não é simplesmente
um gênio do conhecimento
dos sentimentos humanos
Na verdade
não há gênio
(e nem conhecimento)
o que se passa
é que não passo
a palavra
a personagens,
nem empresto a voz
a ilustres heterônimos:
dividem-se, em mim,
dois pólos
que não se comunicam
não dividem o espaço
Cada um,
a seu tempo
preenche-o completamente
assenhoream-se
dominam-no
como se não tivera
outro dono
são pólos inconciliáveis
incomunicáveis
incompatíveis de gênio
senhores de si
e as vezes de mim
me confundem
são cheios de razões
não sei o que sou
são parasitas
alimentam-se
da minha consciência
e só percebo
que não são eu
quando se vão.
Mas... alternam-se
tão rapidamente
que nem tenho tempo
de ser eu mesmo
Eu? Desculpem-me:
quem sou eu?
Não sei...
Só sei que não sou eles
(mas também não sou eu...)
pois no curto espaço
de tempo
em que se ausentam
sou apenas
o vácuo,
vazio absoluto
Deus, olha pra mim...
e cura-me
antes que julguem-me
e condenem-me
porque
ninguém
irá
exorcizar
o que não são
possessões
mas dualidades:
euforia e medo...

http://progcomdoisneuronios.blogspot.com

.

byClaudioCHS disse...

Medo...
Vontade de dar um grito,
ou calar-se para sempre
De ficar parado, ou correr
De não ter existido
ou deixar de existir (morrer)
Não há razão quando a mente não funciona
(redundante, não?)
Vão extinguindo-se as questões
mesmo sem respostas
Perde-se, neste estágio,
a vontade de saber.
O futuro é como o presente:
É coisa nenhuma, é lugar nenhum.
Morreu a curiosidade
Morreu o sabor
Morreu o paladar
parece que a vida está vencida
Tenho medo de não ter mais medo.
Queria encontrar minhas convicções...
Deus está em um lugar firme, inabalável,
não pode ser tocado pela nossa falta de confiança
Até porque, na verdade, confio nele
O problema é que já não confio em mim mesmo
Não existe equilíbrio para mentes sem governo
A química disfarça, retarda a degradação
mas não cura a mente completamente
e não existem, em Deus, obrigações:
já nos deu a vida, o que não é pouco,
a chuva, o ar, os dias e noites
Curar está nele, mas, apenas retardaria a morte
já que seremos vencidos pelo tempo
(este é o destino dos homens)
e seremos ceifados num dia que não sabemos
num instante que mira nossa vida
e corre rápido ao nosso encontro lentamente
(ou rasteja lento ao nosso encontro rapidamente?)
Sei lá...
Mas não sei se quero estar aqui
para assistir o meu fim
Queria estar enclausurado, escondido...
As amizades que restam vão se extinguindo
e os que insistem na proximidade
são os mesmos que insistirão na distância,
o máximo de distância possível.
A vida continua o seu ciclo
É necessário bom senso
não caia uma árvore velha, podre, sobre as que ainda estão nascendo.
Os que querem morrer deixem em paz os que vão vivendo
Os que querem viver deixem em paz os que vão morrendo
Eu disse bom senso?
Ora, em estado de pânico não se encontra bom senso
nem princípios, nem razão, nem discernimento,
nem força alguma
Torna-se um alvo fácil
condenável pelos que estão em são juízo
E questionam: onde está sua fé?
e respondo: ela estava aqui agora mesmo...
ela não se extingui, mas parece que as vezes se esconde de mim...
o problema é que, quando a mente está sem governo
(falo de um homem enfermo)
é como um caminhão que perde o freio
descendo a serra do mar...
perde-se o contato com a fé e com tudo o que há...
e por alguns instantes (angustiantes)
não encontramos apoio, nem arrimo, nem chão, nem parede, nem mão...
ah... quem dera, quem dera...
que a mão de Deus me sustente neste instante...
em que viver é tão ou mais difícil que conjulgar todos os verbos...
porque sou, neste momento
a pessoa menos confiável para cuidar de mim mesmo...
tenho medo, medo...
medo de perder o medo
de sair da vida pela porta de saída...
medo de perder o medo
de apertar o botão "Desliga"...

http://progcomdoisneuronios.blogspot.com

.