EXISTE VIDA ALEM DA JUVENTUDE


As pessoas acreditam que viver cem anos em um é o certo para se ter histórias e clamar aos ventos que “eu vivi a vida”. Pode até ser, num determinado ponto de vista, mas para mim a coisa é diferente.

Hoje os jovens descobrem a vida muito cedo. Meninas perdem a virgindade ainda segurando Barbies nas mãos. Garotos querem colocar em pratica aquilo que veem na internet, nos sites de pornografia ainda com os joysticks do vídeo game do lado. Garotas assumem suas sexualidades para a família nos jantares de formatura do ginásio e meninos saem do armário e dormem com seus namorados em casa já na primeira comunhão.

Sabe o que será dessa geração daqui trinta anos? Um bando de pessoas amarguradas, sem nada mais para descobrirem da vida. Tudo o que poderia ser fantasia foi realizado no passado. Aos vinte anos muitos jovens já tiveram experiências que eu com o dobro da idade ainda calculo no caderninho se será possível. Experiências demais quando se é imaturo não são experiências, são apenas flertes com o roteiro da vida. Não digam que um jovem tem cabeça suficiente aos 19 anos por que isso não é verdade. Só começamos a ser realmente pessoas de proposito quando nos aproximamos dos 30 anos.

Não é ruim, de forma alguma a inconsequência dos atos antes dessa idade. Claro que não precisam abusar da sorte e tornarem-se babacas de plantão. As medidas para o “viver intensamente” tem que ser dosadas a cada ano de vida, a cada experiência nova. Uma equação que fará do jovem um adulto tranquilo, cheio de ambições e metas. Viver todas as possibilidades antes disso, é jogar fora oportunidades de crescimento.

Não se cresce por que fez sexo com cinco pessoas diferentes numa semana. Para as meninas isso é sinônimo de biscatice, para os rapazes é uma forma de não se apegar a relacionamentos e para gays, só promiscuidade. Imagine como serão aos trinta e tantos anos se aos quatorze ou quinze começaram nesse ritmo.

Outro dia li num blog de uma garota de vinte e sete anos que ela estava desiludida com os homens por que já vinha de um vigésimo relacionamento errado. Pô, se a garota com essa idade já teve 20 relacionamentos, contando os caras com quem ela apenas transou e nada mais, acaba dando uma media de homens demais para uma única menina namoradeira. Isso por baixo, por que sei que outras garotas já passaram desse numero. Não é uma critica ao modo de vida, desde que assuma que será infrutífero e que um dia pagará a conta por isso.

Descobrir o mundo lentamente é o que há de mais interessante para um jovem. Quando estudava via a meninas da turma debulhando-se em lagrimas pelos namorados que as deixavam, na semana seguinte já engatavam com outro. Nunca entendi essa formula que algumas mulheres têm de não conseguirem ficar sem homem ou envolvidas num relacionamento. Sempre digo e estou certo na minha convicção, se existe um curso superior de arrumar marido, esse é o de Arquitetura e Urbanismo. Elas ingressam na faculdade já em busca de casamento ao se formarem.

Não sou careta, ou sou. Não sou retrógrado, ou quem sabe seja. Mas minhas perspectivas para as novas gerações não são tão boas, se continuarem nesse ritmo intenso de beijarem 10 numa noite e transarem com vários num mesmo mês, estarão fadadas aos ansiolíticos e antidepressivos por toda a avida a adulta. Único modo de amenizar (segundo os consumidores) a solidão interna. Um pouco de pudor e recato não faz mal a ninguém, e nisso, garotos e garotas deveriam pensar bem.

Dizer-se cansado da vida e dos relacionamentos aos 21 anos é algo a ser analisado. Os mistérios da vida a dois já foram revelados? Por que a cada pessoa que você conhece há uma nova história a ser construída, mesmo que não de certo. Quando se esgota cedo demais as possibilidades e se decifra todo tipo de parceiro(a) aí não sobra nada mais do que lixo a vasculhar. Não existe dedo podre, existe a ansiedade de querer alguém. Ficar sozinho(a) faz bem em muitas circunstancias.

A velha e boa frase: “antes só do que mal acompanhado” é verdadeira e absoluta.

Boa quarta feira a todos.

7 comentários:

Oda Moura disse...

Eu sou a favor das pessoas poderem ser quem são desde cedo. Por exemplo, sair do armário na adolescência. O problema não é esse, e sim o restante. Nenhum adolescente tem conhecimento suficiente pra isso. Mas quem vai ajudar eles se nem a família concorda?
A par disso, eu sou contra como as coisas acontecem tão rápido na adolescência por causa dessa falta de conhecimento e diálogo. Cada coisa tem seu tempo. Com exceção da fantasia, que na minha opinião tem que ser eterna.

Tenho 21 anos e comparando com a galera da minha idade, me sinto super careta em vários aspectos. Minha concepção de "viver intensamente" é outra.

Oda Moura disse...

Mentira, tenho 22! HAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHA
(tinha esquecido)

RAFAEL disse...

kkkkkkkkkk...1 ano faz gde diferença nessa época!!! rs..

abração Oda

Albuq disse...

Eu sou das antigas, não nego! Gosto de namoro, paquera e conhecer. Sinto, todos os dias, que nasci na época errada. Quando vejo situações assim, respeito, mas sinceramente não entendo. É correr demais para ter experiência sem beleza, sem capricho. Talvez eu seja pessoa de alma envelhecida, quem sabe?! kkk

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

eu sempre fui meio q "retardado" nestas coisas ... rs ... minha vida sexual e afetiva de verdade só começou aos 24 anos ... mas tb tirei o atraso depois ... kkkkkkkkkkkk

bjão

AD disse...

viver intensamente eh procurar novas sensacoes e a quantidade de sexo nao eh sinonimo disso, pois se revela inevutavelmente mais do mesmo.

O Mutante disse...

É minha 1º vez aqui no seu blog e é agradável encontrar outros "caretas", como eu!!!
Um abraço desde Portugal.
;)