A VOZ DO SILENCIO

O silencio é uma arma sofisticada que poucos conseguem obter ao longo da vida. Uma forma indelével de se impor aos outros sem conflito.

Mas afinal de contas, calar-se é certo?

Para uma pessoa que dá bom dia a cavalo como eu, o silencio se faz difícil, complicado e muitas vezes impossível. Ser expansivo, falante nos traz diversos dissabores, por que controlar a língua é algo que só se faz depois de feita a bobagem.

Bem aventurado o silencio, por que nos faz sábios!!!

Concordo, por que quanto mais se ouve, e menos se fala, mais senhor dos atos ficamos. Minha avó sempre dizia uma frase: Caveira, quem te matou? A língua.

O silencio na hora certa nos salva de situações constrangedoras, evita que fiquemos expostos desnecessariamente. O silencio quando acompanhado da indiferença, é a combinação perfeita, o casamento certo, mas pra isso, só buscando a sabedoria de um Dalai Lama...rs

Interpreto o silencio de formas diferentes dependendo do ângulo ou da pessoa envolvida. Calar-se como fiz muitas vezes para evitar uma briga domestica, obrigado por uma figura paterna autoritária, foi primordial para que tivesse o bom senso de não me meter em encrencas gratuitas. A idade também está ligada a isso, quanto mais se cria juízo, se amadurece menos tem vontade de criar conflitos. Alguma teoria oriental deve explicar isso.

Mas também há aquele silencio de resignação, onde a pessoa não tem forças para brigar, para impor-se. Vive-se subjugado. Péssimo.

Tem o silencio que guarda segredos, aquele que é a chave da caixa de pandora. Uma vez aberta ele se vai e viva-se com o que dali saiu.

Há o silencio que irrita. Aquele das pessoas que não se importam com o mundo, que pouco influencia nas decisões. Talvez esse seja o silencio covarde. Ou quem sabe o silencio egoísta. Pra que me envolver em algo que não me trará lucro?

E existe por fim aquele silencio sofrido, cheio de palavras guardadas, de vontades reprimidas. Esse silencio pode no fim dizer: eu te amo.



Bom fim de semana a todos....

6 comentários:

Dona Pimenta disse...

Ai, ai, viu?? "Bem aventurados" os que sabem a hr de falar e calar.
Já dizia Clarice Lispector: "Ouve-me, ouve o meu silêncio. O que falo nunca é o que falo e sim outra coisa. Capta essa outra coisa de que na verdade falo porque eu mesma não posso."
Adorei seu texto!
Bjssss e ótimo findis.

Rabisco disse...

Para mim, o verdadeiro silêncio é aquele que existe dentro de nós.
Podemos "falar pelos cotovelos", dar de nós todo o som do mundo e mais algum mas, por dentro, bem, por dentro podemos ser o mais silencioso dos seres.

É verdade! Um dia vou querer saber de onde vem essa tal história da carochinha!

Abraço grande

http://www.rabiscosincertossaltoemceuaberto.blogspot.com/

Lobo disse...

Sou fã do silêncio, em qualquer situação. Até porque nem é necessário som para se comunicar :p

O silêncio tem toda uma sensação especial... e como faz falta. Os zumbidos que escuto dia e noite que falem por mim.

Solange disse...

o silêncio, pra mim, só o da morte..
e mesmo assim, a lápide fala tanto, em tão pouco..

bjs.Sol


(gostei daqui)

Ana Paula disse...

Coragem!!!hahahaha Quase que me abstenho, de tanta vontade que me deu de ficar calada hahahaha
Mas não resistí a o dito final...
Te amo. Adoooro a sensibilidade humana.Acho chic hehehe

S2

Wilson e Sanzinha disse...

Bom dia, Rafa!

Nosso antigo blog – Nuestro Cielo – infelizmente foi invadido e completamente excluído, o que nos obrigou a criar outro novamente.
Pedimos desculpas pela confusão. 
Aqui está o link do novo blog:

http://nuestrociello.blogspot.com

Esperamos poder nos encontrar por lá novamente.

Beijos carinhosos!

Wilson e Sanzinha