COTIDIANO

Todo dia ela faz
Tudo sempre igua
lMe sacodeÀs seis horas da manhã
Me sorri um sorriso pontual
E me beija com a boca
De hortelã...

Vinha para o trabalho dia desses e escutei essa conhecida musica de autoria de Chico Buarque ( na voz de Seu Jorge) e fiquei pensando no conteudo da letra. Não dá pra entender se ele está enfadonho com o cotidiano, com a mulher ou até gosta disso tudo.
Cotidiano pra mim que sou um aquariano é morte. A rotina me desgasta mais do que se todos os dias algo inesperado venha acontecer, mesmo que não seja tão interessante.
A sensação ultimamente é que o tempo passa em frações de segundo. Eu saio para o almoço e volto como se passassem alguns minutos apenas. Vou para casa no fim do dia, e a mesma sensação me pega quando volto no dia seguinte. Olho minha mesa, meu computador e parece que entre a saída e chegada não houve uma noite inteira.
Isso se deve, acredito, ao fato da rotina ter me pego nessa altura da vida. Levantar, banho, café, escritório, almoço nos mesmos lugares, sair, casa, jantar, leitura, dormir...e tudo de novo.
Gostava quando era mais jovem. Mesmo tendo pouco o que fazer, as preocupações também eram minimas, então sobrava mais tempo pra conhecer o mundo. Hoje eu já o conheço. Não me surpreendo mais com nada, nem com pessoas. A idéia que tenho que todo mundo é igual, mesmos interesses, mesmas maldades. O ser humano só muda de rosto.

Todo dia ela diz
Que é pr'eu me cuidar
E essas coisas que diz
Toda mulher
Diz que está me esperando
Pr'o jantar
E me beija com a boca
De café...

Sinto isso nas pessoas casadas também. Parece que o mundo estacionou. As pessoas só falam de crise, de falta de dinheiro. Não tenho mais aqueles amigos que jogavam baralho, brincavam de imagem & ação, sentavam pra jogar conversa fora. Sabe aquelas coisas bobas que te fazem rir, que deixam as horas passarem sem que se perceba. Então, onde foi parar isso?
Há uma carencia de atenção mutua. Ninguém parece se importar com o outro. Cada um ta vivendo sua vida, e querendo mais que os outros fiquem nos seus cantos, e não tragam mais problemas para seu mundo.

Todo dia eu só penso
Em poder parar
Meio-dia eu só penso
Em dizer não
Depois penso na vidaPrá levar
E me calo com a boca
De feijão...
O trabalho anda enfadonho, sair não é mais tão interessante. Rs rs rs...será o prenuncio da velhice...rs rs rs. Acho que não, apenas precisando reciclar a vida. Ter outros interesses.

Seis da tarde
Como era de se esperar
Ela pega
E me espera no portão
Diz que está muito louca
Prá beijar
E me beija com a boca
De paixão...

Toda noite ela diz
Pr'eu não me afastar
Meia-noite ela jura eterno amor
E me aperta pr'eu quase sufocar
E me morde com a boca de pavor...

Pois é. Continuo sem entender o cara da musica. Afinal ele tá de saco cheio por que a vida é sempre igual, tá enjoado da mulher, por isso discursa sobre ela, ou simplesmente não tem opções?
Seja lá o que for, o mundo real ta muito parecido.
Abraço a todos.

3 comentários:

Gustavo disse...

Adoooooooooro ler seus posts.

Como sempre elegante assim como Obama.

Não poderia concordar mais com você, odeio uma rotina tbm, apesar de estar de volta a minha tbm, mesmas caras, mesmos lugares... ngm merece.
Mas faço o meu possivel.

Mas em relação as pessoas, não sei, realmente ainda brinco de imagem e ação(bebado claro rsrs) e adoro jogar conversa fora, é muito bom, sou o melhor em jogar conversa fora aqui no meu trabalho adoooooooro Perigon, porque demoro muito para retornar a minha mesa.

Mas o cotidiano é isso, infelizmente é uma roda gigante que muitas vezes não saí do lugar, apesar de tentarmos sempre fazer coisas diferentes e nos manter nesta coisa de fazer coisas diferentes só que no fundo o cotidiano é o mesmo e a rotina as vezes vem como um acompanhamento sem preço e que está grudado ao cotidiano.

Nossa pensei demais acho... quer saber vou até postar nu meu Bróguí tbm... para fugir da rotina!

Bjundáááá

Jarbas disse...

rotina me stressa!

Mike disse...

Nossa, tenho uma interpretação completamente diferente da música...

Primeiro, essa é uma das minhas músicas favoritas porque o começo dela lembra MUITO a minha rotina de jovem com a minha mãe... todo dia ela faz tudo sempre igual, me sacode as seis horas da manhã, me sorri um sorriso pontual e me beija com a boca de hortelã...

Igual minha mãe... Claro que acaba no beija com a boca de café, o resto eu não pratico com a minha mãe.

Segundo, a música faz parte de um movimento literário chamado de construcionismo do grande poeta Mário Chamie... Chico Buarque é o expoente máximo da música dessa vertente literária, pois bem...

Entendo que ele quer mostrar que, APESAR DE PARECER ROTINA, a vida dele de rotina não tem nada, porque ele convive com uma MULHER que muda o tempo todo... repara na letra da música...

Isso é o construcionismo, é usar a mesma ritmica e numero de palavras para dizer algo que APARENTEMENTE é semelhante e repetitivo, mas que na verdade, é completamente diferente...

Aliás, a minha música favorita do Chico é Construção... que tem esse nome por causa do construcionismo... lá você entende o movimento literário só ouvindo a música...

É ótimo!