PERDOEM A RAINHA, ELA NÃO FEZ POR MAL...

Há que nos convençamos que Xuxa não é e nem nunca foi uma atriz pornográfica. Sim, é necessário dar a ela as desculpas necessárias por um mal entendido de 30 e poucos anos. Li e recomendo esse texto: http://www.brasilpost.com.br/max-milliano-melo/o-porno-da-xuxa_b_5378418.html .

Nunca me dei conta e nem parei para pensar na barbárie que a imprensa marrom, no caso brasileiro a “imprensa parda” por que aqui ninguém se considera mulato, moreno, pardo. É necessário tomar cuidado com palavras politicamente incorretas para designar a raça negra ou seus descendentes diretos e miscigenados, que como tantos outros estão ávidos e atentos a qualquer palavra torta para gritarem ao mundo o quanto são discriminados, enfim não é esse o caso, e sim os anos apregoados a Xuxa como uma pedófila que seduziu um garoto em 1982 ( digamos 1979 ou 80 quando o filme foi rodado) no insosso “amor, estranho amor”.

Como bem diz o texto que li, o filme não é da Xuxa, em momento algum ela é tida como protagonista, e sim Vera Fisher, que na época estava no auge da beleza e fama. Era um filme comercial para mostrar os dois grandes nomes da década, Tarcísio Meira e Vera. Pois bem, quando Xuxa se torna rainha dos baixinhos, dão a ela erroneamente destaque na produção causando um frison que mais chamou atenção para o filme fraco de Wlater Hugo khouri  do que pelo conteúdo verdadeiro. Realmente Xuxa “não” faz sexo com um menino de 12 anos. Levando em consideração a sociedade da época, isso não seria tão estranho, já que os pais levavam seus meninos a prostibulos no primeiro sinal de pelo pubiano.

Ninguém nunca disse a Marília Pera que era uma devassa por ter amamentado Pixote no filme de mesmo nome na produção de Hector Babenco. Parece que passa despercebido. Ahhh, Marília tinha uma figura materna? Sim, sim. Desculpas esfarrapadas surgirão. Não recrimino, nem a ela, muito menos a Xuxa, por que como dizem: pela arte vale tudo.

O cinema nacional da década de 70 e 80 é pura putaria gratuita. Macularam a obra de Nelson Rodrigues em filmes sem nexo, com elevado teor sexual. Em Os Sete Gatinhos, Regina Casé corre nua em volta de uma piscina gritando para o companheiro de cena que ele era brocha. Sonia Braga ( a maior piranha do cinema dessa época – com personagens, não a pessoa da atriz, deixemos claro), fez sexo em praias, obras  em A Dama do Lotação, foi adultera em Dona flor e seus dois Maridos, Gabriela Cravo e Canela e protagonizou uma das cenas mais nojentas do cinema ( na minha visão da época) onde faz sexo oral no ator Cesar Pereio e daí em diante o espaço aqui não permite comentar. Mesmo assim assisti tudo o que foi produzido na época até as pornochanchadas que passava na Record de sexta na madrugada com o titulo: Sala Especial.

Não cresci corrompido por isso, muito menos abalado moralmente. Também nunca fui fã de Xuxa, não gosto e nem desgosto, apenas não me importo tanto  com o que acontece a Rainha dos Baixinho. Mas não posso deixar de opinar nessa questão por que certo deputado “evangélico” a desrespeitou em plenário na Comissão de Direitos Humanos trazendo a tona essa imbecil história de pedofilia. Lembrando que Xuxa era também menor de idade, então não há crime, dentro da lei, acredito. Mas independente disso, a hipocrisia evangélica está tomado rumos totalitários, fascista e perigoso. Todos nós que não seguimos a idolatria cristã dos evangélicos somos a encarnação do diabo. Não há ( tirando magia negra) religião que evoque tanto o demônio como eles. Não há senso de humos, não há respeito por outras crenças, não há por parte deles tolerância. E sabemos que a falta de tolerância leva a guerra, a conflitos, ignorância e histeria coletiva.

Marcelo Adnet numa sátira engraçadíssima do seriado Frends, trocou o titulo por “C.R.E.N.T.E.S” e foi enxovalhado nas redes sociais acusado de desrespeito. Não houve um mínimo de falta de respeito no quadro e sim uma visão cômica que em momento algum mexeu com Deus ou algum símbolo Cristão.  Isso causou ira nos seguidores evangélicos, mas em momento algum eles discutiram ou apoiaram Espiritas que também ( no mesmo programa) foram ironizados por piadinhas inocentes.

O Brasil é um pais carente de cultura, de educação e o pior, não sabe ler e interpretar textos. Hoje estamos vivendo uma democracia fajuta, censurada pela corja que governa. Já somos tolhidos na forma de nos expressarmos. Tudo ofende o negro, o gay, o índio, o evangélico, a arara azul, o boto cor de rosa, a formiga saúva do Pantanal, a Capivara bonitinha da lagoa do Taquaral em Campinas, a Geyse Arruda, a Cuca e qualquer um que se melindra com palavras sem cunho ofensivo algum. As únicas que nunca abrem a boca para reclamarem de serem insultadas são as Putas, que todos os dias lhes apregoam filhos que não lhes são de direito.

Menos Hipocrisia, e mais atenção. Cansado disso já!

A Xuxa, todo meu respeito e desculpas se um dia achei que era culpada pelo crime que nunca cometeu.

Abraço a todos e ótima semana

10 comentários:

Ludmilla Russo disse...

Muito bom o texto, Rafa!!
Beijos!!

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Permito-me discordar de alguns pontos do seu texto amigo ... talvez por uma questão de gosto mas o cinema nacional só salva mesmo por suas produções dos anos 70 e 80, levando à tela obras primas de Nelson Rodrigues ... podem até serem um tanto qto pesados para nossa cultura hipócrita mas retratam as verdades escondidas sob os tapetes de nossa sociedade ...
Qto à XUXA quem é esta "senhora"? Não suporta esta mulher q ao lado dos Hulks e Didis da vida se vangloriam de serem os salvadores da humanidade ... são ridículos ...
Não aprovo, no entanto a atitude do parlamentar ... até pq, só dele ser evangélico já o tenho na conta dos podres do mundo ...

Dih Melo disse...

Concordo com você gostei muito do seu texto, esse nojento desse pastor não passa de um podre, hipócrita com bem disse o "Bratz". Além disso é tão ignorante que nem sabe a diferença entre pornografia e pornochanchada. Quanto a ditadura, intolerância evangélica estou de pleno acordo! Eles me assustam cada vez mais, já a cada dia aumenta a quantidade de seguidores que parecem mais ter passado por lavagem cerebral do que se convertido a uma religião!É bom que se diga, tb não sou e nunca fui fã de Xuxa, Abraços!

Gera Souza disse...

Nossa cultura é totalmente hipócrita! Todos se sentem ofendidos por tudo!
Cuidado que daqui ha pouco vão censurar os blogs...rsrsrsrsrs

Mônica C. disse...

Pior é que essa gente enche a boca pra falar dos "pecados" alheios e depois se faz de surda quando os seus vêm a público... Quantos padres suspeitos de pedofilia foram efetivamente julgados e condenados? Volta e meia, algum pastor é acusado de enriquecimento ilícito, abuso sexual contra fiéis e sabe-se lá mais o quê... Mas a respeito desses e de outros crimes, tanto católicos quanto evangélicos simplesmente se recusam a falar. Até parece que não é com eles, que essas coisas nunca aconteceram, que é mera invenção da mídia. Apelam sempre à velha estratégia de varrer o lixo pra debaixo do tapete e depois sair gritando que o vizinho é porco.

Antonio de Castro disse...

admito que já fui muito fã quando criança, mas hoje penso um pouco nela mais ou menos como penso no Huck aí que o Bratz comentou. não tanto quanto, mais parecido.

mas eu tô contigo qd vc diz que usam esse filme pra avacalhar ela em tudo. a mulher tem expressão social e direito a se pronunciar sem ter que se calar por causa de uma decisão artística que fez quando tinha 17 anos de idade.

sobre os evangélicos, prefiro não comentar.

Dernier Évolo disse...

Ai ai , o que falar deste post? Eu gostei e li até o final. Foi um belo desabafo e concordei com tudo.

FOXX disse...

De fato, era um filme, pelo amor de Deus, deviam criticar o fato dela nunca ter sido uma atriz que valesse a pena. Isso sim era uma crítica certa a se fazer.

Dama de Cinzas disse...

Gostei bastante do post, achei bastante coerente.

Beijocas

Rafael Nicola disse...

Adorei o texto. Xô hipocrisia.