MEU PRIMEIRO JANTAR DE AÇÃO DE GRAÇAS

No ultimo deia 25 comemorou-se o thanksgiving ( dia de ação de graças) em algumas igrejas evangélicas que tem fundamentos na cultura americana. A igreja Metodista é uma das que na ultima quinta feira do mês de novembro celebrou a data com um jantar regado a orações e peru. Não me perguntem o que significa disso tudo, por que não saberei explicar.

Sou católico por criação. Cresci oprimido pelas ordens do papa, mas depois de me tornar adulto, o catolicismo ficou só na categoria religiosa a qual pertenço nesse país, segundo o senso. Não frequento mais igreja, por que não acredito em padres. Bem, esse assunto é profundo demais pra discursar nesse post. Um dia desses falo sobre religião, com mais propriedade.

Fui convidado a participar do meu primeiro jantar de Ação de Graças na Igreja Metodista central de Campinas, há uns 7 anos atrás. Não precisava contribuir com nada, apenas comparecer. Claro que tudo isso tinha um custo, mas me foi poupado à contribuição. A mãe do Marcão (me convidou) e arcou com tudo. Ela é uma senhora extremamente influente na igreja. O marido, já falecido foi Bispo. Algo que a igreja católica não compreende bem por que tem centenas deles, vestidinhos de roxo e balançando suas bolsinhas flamejantes nas celebrações. Mas para os metodistas o Bispo é mais que um dos pilares da igreja, é um cargo importantíssimo, por que são em numero reduzido, e um colegiado é que os nomeia, após muita discussão, e sua missão é bem mais séria do que dos católicos.

Para ser gentil, disse a mãe do Marcão que eu levaria o peru a igreja, assim poupava esforços, já que havia certa complicação e alguns desencontros para concluir a tarefa. E assim o fiz.

A igreja fica no centro de Campinas, em frente à sede dos bombeiros, numa rua íngreme onde fica também a catedral que abriga à padroeira. Concluindo, uma das ruas mais movimentadas da cidade, com transito de pessoas e carros, intenso.

Parei meu carro muito longe, no estacionamento da empresa do Marcão, e fui com o peru de uma tonelada a pé por aquela pirambeira. Quando estava próximo, a uns cem metros, já cansado, ofegante e com um braço maior que outro, por que o peso do peru encompridou uns 10 cms o braço direito, a sacolinha arrebentou na parte de baixo e o lindo peru desceu rolando rua abaixo, pela sarjeta.

Essas coisas acontecem com uma rapidez tão grande que quando se tenta impedir já é tarde. Eu, que sou uma pessoa que detesta exposição desnecessária tive que correr atrás de um peru fujão no meio de dezenas de pessoas que paravam pra olhar. E o pior que o maldito pegou uma velocidade que eu não conseguia alcançar. Não é como bola de futebol que você pisa em cima e chuta. Não dava, o ordinário do peru não parava e também não houve uma alma generosa que o fez. O povo adora assistir o mico alheio.

Quando consegui freá-lo, já havia descido mais de um quarteirão. Como a sacolinha arrebentou, fiz cara de que nem era comigo, catei o bicho congelado, coloquei embaixo do braço e fui embora rua acima, com cara de : Que foi, Vai encarar?

Não adianta fazer pose quando você está ferrado. Não fui humilde de parar e pedir uma sacola nova em alguma loja, simplesmente enfiei o bicho no sovaco e fui. Cheguei pior do que antes a igreja. Estava sem folego, com o braço e a lateral do corpo gangrenado por conta do gelo. Entreguei a mocinha simpática e fui embora, como se nada tivesse acontecido, acenando com a mão por que a outra já precisava ser amputada.

À noite, me deliciei com um ótimo peru, feito pelas cozinheiras da igreja. Foi ótimo o jantar, muito alegre e festivo. Ao tentar se servir de um pouco mais de peru, a irmã do Marcão foi impedida, por que alegaram que tinha muita gente e que ela estava comendo demais. Após toda aquela epopeia do Peru, com uma farta mesa de carnes, a miserável da moça que estava servindo negou um pedaço a mais. Deu vontade de ir lá, catar à moça nojenta e chuchar a cara dela na travessa de Peru.

Se tem coisa que detesto, é gente que miguela comida!!!!

Abração a todos.

13 comentários:

Karina disse...

Fiquei só imaginando a cena do peru rolando ladeira abaixo e vc atrás dele...ha ha ha Eu tô aqui rindo, mas se isso tivesse acontecido comigo, eu teria ficado num mau humor daqueles, que se encostar dá choque. Também não suporto quem fica regulando a comida. Aqui na empresa tem uma garota que faz isso com a peãozada, o que me deixa chateada, porque não se justifica, já que a empresa de alimentação não é dela e a comida não é boa. Um beijo, Karina.

Edu disse...

Peru temperado com asfalto e/ou concreto de calçada deve terum gostinho bom mesmo!! :-)

Pena que não tinha celular com câmera e youtube na época, né??

Paulo Braccini disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk ...

Já peguei PERU de todo jeito mas com molho de sovaco nunca ... rs

Me explica uma coisa ... pq a primeira coisa q te veio à cabeça para ofertar foi um Peru? eim?

Coisas de beeeeeeeeee ... rs

;-)

•*♥*• Sanzinha •*♥*• disse...

Kkkkkkkkkkkkkkkk

"Rafael e o resgate do peru"! Tô dizendo que vc deveria ter um quadro num programa de televisão!

Eu estou no trabalho e não consigo parar de gargalhar. Daqui a pouco virão aqui pra saber o que está acontecendo... kkkkkkkkkkkkk

Quando eu dava aula, fiz vários jantares de Thanksgiving com meus alunos, pra ensinar também sobre a cultura. :)

Adorei o post, Rafael!
Só podia ser vc mesmo... rs

Beijão!

Mauri Boffil disse...

hahahahahahahaha, ai!
eu tb detesto gente que raciona a comida nas festas

Cris disse...

Tá vendo? Isso que dá comer bicho. bem feito....rs
Se fosse uma ceia vegetariana, o máximo do mico que vc poderia pagar era sair correndo atrás de uma abóbora ou alface !!!!!!!!

A natureza se vingando...hahahaha
Adorei!

vc tem certeza que esse seu amigo Marcão é mesmo seu amigo?..........kkkkkkkkkkkkkkkk

Brincadeirinha!

Acho que o pessoal "regulou" o peru´porque sabiam que "aquele" lá era o que havia andado ladeira abaixo e depois "gentilmente" colocado para descongelar no seu suor..kkkkkkkkkkkkkkk
Estavam evitando uma indigestão ( to rindo aqui).

Da próxima vez diz que vc leva o vinho e embala a garrafa em caixa de isopor....rs

Beijos onze anos !

Cris disse...

Só estou escrevendo porque é a hora do almoço dos pedreiros.....rs

Luana Conti disse...

"Deu vontade de ir lá, catar à moça nojenta e chuchar a cara dela na travessa de Peru."

hahahahahahahahha
ri muuuito!

Adorei a tua forma de escrever, descontraída, mas inteligente...Quase um Luís Fernando Veríssimo, e típico aquariano, voltarei.


Abraço.

Carla Farinazzi disse...

Rafa,

Estou eu a gargalhar grandão, até agora!!!!!!! Cara, essa história me fez dar MUUUUUIIITA risada. Fiquei imaginando tudo, e ri muitíssimo. Sorte que deixei pra ler seu post aqui em casa, e não no serviço, kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Ninguém ia entender.

Putz, odeio gente que minguela comida, também!!! Façameofavor!

Post demais de bom, meu!!

Beijos

Carla

Le Voyeur disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
ri dmais agora gente...
nunca participei de jantar de açao de graças. fico so na vontade. e tb queria entender tdo isso...

bjs do voy

S.A.M disse...

A fuligem do asfalto dá aquele sabor ímpar ao prato né?
haha

Ri muito com esse acidente, achei que era só eu que destruia eventos e reuniões! kkkkk

Atitude: substantivo feminino. disse...

kkkkk essa do peru fujão foi tudo.
Uma vez, numa churrascaria, o garçon veio trazer a sobremesa e deixou o pudim cair dentro do decote do vestido da minha prima. Não preciso nem dizer que passamos mal de rir daquela situação e do garçon, coitado, mega sem graça!!!

Nessas horas o jeito é assumir a cara de biscoito Trakinas e seguir em frente, fazer o que..

Marcos disse...

Rafa, Ri muito agora ao lembrar dessa epopéia... olha que você não riu na época, mas nós sim!! Hoje já consegui rir do assunto...

A Miserável do Peru queria fazer uma quentinha pra levar pra casa....

Adorei o coment, "peru com molho de sovaco..." KKKKKKKKKKK

A cena de vc correndo a José Paulino atrás do Peru não me sai da cabeça KKKKKKK.

Abçs