“ Como se diz: EU TE AMO”.

Sou arroz de festa, sou carne de vaca, sou multidão, sou povo. Por isso quando vejo alguma coisa que a massa está fazendo também quero. Menos dançar axé, isso não, de jeito nenhum.

Passei no blog da She (Cantinho She) pra agradecer o carinho dela comigo no blog e deparei com uma postagem coletiva com o titulo “ Como é que se diz: EU TE AMO”.

Resolvi dar a minha contribuição e impressão sobre o assunto. Dificilmente falaria disso de graça, do nada. Só tendo a inspiração vinda de outro blog para que despertar essa vontade. Então vamos lá.

Minha criação foi um tanto “seca” por parte dos pais e afins. Nunca tivemos o contato físico do beijo, do abraço afetuoso, daquele carinho e afeto do toque. Nem por isso digo que tenha faltado amor por parte deles. Então quando você cresce, abre a portinha do castelo e sai dali de dentro, se depara com tantas situações diferentes do seu cotidiano que num primeiro momento assusta.

Dizer “Eu te amo” na minha concepção é o mais alto nível de entrega que alguém pode ter com outra pessoa. Infelizmente banalizaram a frase e se diz “eu te amo” até para um sorvete do McDonald´s que escorre pelo braço derretido.

Amar é sublime, é passar daquela agitação da Paixão para um sentimento puro, de compreensão, de aceitação do outro com todos os seus defeitos e qualidades. Muitas vezes quando se codifica alguém a paixão acaba antes mesmo de se tornar amor. Amar não é gostar do chulé do outro, é comprar um desodorante para os pés e entregar sem alarde, apenas com um gesto delicado de querer o “bem” dele.

Poucas vezes na minha vida disse “Eu te amo” para alguém. Posso contar nos dedos. Infelizmente tenho esse defeito. Talvez um medo de ficar fragilizado após a constatação de que amor foi declarado. Mas nem por isso deixo de expor o sentimento. A frase em si é mais difícil de ser dita.

Hoje quando alguém me abraça, respondo de forma mais afetuosa. Anos atrás me sentia estranho quase incomodado. Reflexo de uma formação sem contato físico. Isso é tão presente hoje, que minhas sobrinhas, abraço e beijo. Mas não digo “eu te amo”. Rs

A dificuldade, de forma alguma é por ser homem. Não tenho essas convenções de que não posso chorar, não posso expor sentimentos. Acho que já ficou claro por aqui. Percebo que aos poucos o blog tem tomando um rumo diferente do que o proposto há 3 anos quando o criei. Falo mais da minha vida pessoal hoje, do que anos atrás. Não quero transforma-lo em diário, por isso falo de assuntos sobre o meu ponto de vista, mas me reservo a não falar da vida pessoal cotidiana.

Mesmo não tendo essa facilidade de dizer que amo, ainda assim acho errado que o digam a qualquer um no dia seguinte de se conhecerem. O momento certo deve ser especial, para que a frase seja marcada, pontuada , e perpetuada na memoria.

Por isso acho estranho que pessoas se amem tanto, se declarem a todo instante e num determinado momento da vida esse amor acabe do nada. Puxa, em anos de convivência, é impossível que o amor vá embora. Você pode não querer mais como companheiro, mas deixar de amar ao ponto de despreza-lo é injustificável. Alguém que dividiu histórias, cama, problemas e felicidades é impossível ser atirada ao limbo e do nada partir pra outra. Sou da opinião que os casamentos acabem quando não se tem mais a boa convivência, por que todos merecem ser felizes, mas o respeito e o amor por aquela pessoa tem que continuar, de forma diferente, mas permaneça.

Gostava das figurinhas do “Amar é” por que ali mostravam o quanto se abdica de prazeres pessoais em prol do outro. Uma divisão, assim que tem que ser o amor, sem que ambos percam a suas identidades pessoais.

Amo minha família, e pra eles dedico parte do meu mundo. Amo meus amigos, por que também tem uma fatia desse universo que construí. Amo pessoas que não estão mais comigo, que se foram. Um amor que se confunde com saudade. Amo também pessoas que não fazem mais parte da minha vida, que me deixaram...rs rs rs...sei la por que, eu que sou tão legal...rs rs rs. Mas tenho profundo carinho por quem se aproxima e me conquista. Um dia amarei essas pessoas também, por que sei que para meu respeito o segundo passo é amar.

Boa sexta feira a todos. Ótimo fim de semana.

Ps.: I Love You...rs rs rs.

24 comentários:

RICARDO disse...

Por favor, urgente!
hoje todos os jornais estão divulgado MAIS UM ataque na região da Paulista, na Frei Caneca, um skinhead com soco inglês…
E estamos perdendo feio lá no site do Conselho Regional de Psicologia de Santa Catariana, a maioria na enquete é contra a PL 122/2006. Eu fico me perguntando do que essa gente tem medo. Quem puder, entra lá e vote “SIM”, por favor..
http://www.crpsc.org.b
Outra coisa, nem sei se gostam do Jabor nestas bandas, mas o que ele falou e como falou hoje, em nossa defesa, em “Covardes atacam homossexuais corajosos” merece emoção e aplausos. Ouçam no link abaixo:
http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/arnaldo-jabor/2010/12/10/COVARDES-ATACAM-NOS-HOMOSSEXUAIS-CORAJOSOS-A-POPRIA-MISERIA-SEXUAL.htm?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter
Obrigado!
Ricardo Aguieiras
aguieiras2002@yahoo.com.br

Cantinho She disse...

Ei Rafael... kkkkk Obaaaaaa!!! Ficou ótimo o post, fora que eu sempre me divirto contigo, né?! Adorei!
Infelizmente as pessoas realmente banalizaram o amor, lamentável, hoje o "eu te amo" está mais presente até do que um "por favor", "obrigada", "com licença", enfim...
Bacana que o meu post te inspirou pra fazer esse post tão legal e com as suas características, adorei!
Beijo, beijo!
She

Karina disse...

Outro dia li um texto da Martha Medeiros que falava sobre a questão do término de um relacionamento e como o outro que desiste pode ser tão cruel, ao falar, ao terminar, que tem "carinho" pelo "abandonado". Mesmo compreendendo a sua assertiva de que é difícil entender como é que alguém que passa anos ao lado do outro simplesmente deixe de amar de uma hora para outra (eu me fiz esta pergunta inúmeras vezes), não deixo de concordar com aquela autora em relação à crueldade de tal atitude. Ou seja, talvez possa se pensar que seja melhor uma declaração de "desamor" para que as coisas não fiquem tão ruins para quem fica. Em relação à declaração em si, compartilho da ideia de que ela deva apenas ser falada para o outro quando se há a certeza do sentimento, mas o desafio passa a ser fazê-lo apenas no momento em que ter o outro não seja a sua única razão de felicidade, até porque para amarmos bem não podemos nos abandonar. Um beijo, Karina.

Paulo Braccini disse...

Rafael, hoje com este seu post e seu coment la no blog eu tenho certeza ... somos parceiros desde os tempos do jardim da infância.

Temos uma percepção deste sentimento agudamente semelhante.
Temos uma maneira própria de manifestação de nossos afetos altamente convergentes.
Temos nossos processos de crescimento e formação afetiva quase idênticos.
Li e reli este post. Ele é como um espelho onde eu me vejo refletido com uma nitidez espantosa.

"Minha criação foi um tanto “seca” por parte dos pais e afins. Nunca tivemos ... Nem por isso digo que tenha faltado amor por parte deles. ... você cresce, abre a portinha do castelo e sai dali de dentro, se depara com tantas situações diferentes do seu cotidiano que num primeiro momento assusta."

"Dizer “Eu te amo” é o mais alto nível de entrega ..."

"Amar é sublime, é passar daquela agitação da Paixão para um sentimento puro, de compreensão, de aceitação do outro com todos os seus defeitos e qualidades..."

"Poucas vezes disse “Eu te amo” para alguém. Talvez um medo de ficar fragilizado após a constatação de que amor foi declarado. Mas nem por isso deixo de expor o sentimento..."

"Amo o Wander. Amo minha família, Amo meus amigos, Amo pessoas que não estão mais comigo, Amo também pessoas que não fazem mais parte da minha vida, e tenho profundo carinho por quem se aproxima e me conquista. Um dia amarei essas pessoas também, por que sei que para meu respeito o segundo passo é amar."

Eu já estou quase te amando!

bjux

;-)

Três Egos disse...

Li em outro blog esses dias sobre o mesmo tempo ou algo parecido. Realmente amar se tornou algo tão banalizado, não gosto. Também poucas vezes falei eu te amo para alguém. Amar não é qualquer coisa, você não ama alguém só porque sorri para ela. Há algo muito mais espirituoso em amar, algo muito mais especial. Belo post.

Abraço!

maurício é muito grande, mas tá valendo... hehehehehe

Mylla Galvão disse...

Eu só digo Eu te amo, qdo amo de verdade...

Mas realmente... banalizaram essa frase!

ótimo post!

Bom fds!!!

bjo

Marcio JR disse...

olá, Rafael.

Tenho acompanhado a blogagem coletiva, e me divirto com as diferentes opiniões que cada um expressa.

Das muitas que lí hoje, a sua foi uma que se expressou mais "secamente", porém você utilizou uma forma singular de escrever. E te garanto que me enxerguei no seu texto, e muito. Fui criado da mesma forma, sem contato físico ou maiores proximidades, mas sempre num ambiente amoroso.

Cresci e fiz diferente com meu filho. Coisas da vida. Mas a questão do amor e de falar "eu te amo", vai muito além de simples palavras. Amar depende de cumplicidade e compartilhamento. E se não houver renúncia, as palavras "eu te amo" perdem completamente o sentido.

Outra coisa. Sua definição dos aquarianos ficou perfeita. Sou um deles, e posso te afirmar que muito do que li no seu perfil eu vejo em mim.

Permissão para seguir teu blog. Você escreve muito bem e tem um estilo diferenciado, o que é muito bom.

Abraços.

Marcio

HSLO disse...

dizer eu te amo, significa amar de verdade.

abraços
de luz e paz

Dêco disse...

Eu cresci em uma família que preserva o toque, o carinho, o amor. Cresci cheio disso, e aprendi cedo a dizer "eu te amo" a quem eu amo de verdade. E sai naturalmente, como um bom dia. Quando nos falamos ao telefone, quando nos despedimos, sempre a última frase é "eu te amo".
Não sou de conhecer hoje e amanhã estar amando, mas com o tempo, se o amor vier, falo sem constrangimento e falo com verdade. Falo porque gosto de fazer saber, quer seja por gestos ou palavras o quanto o outro significa para mim.
Esse problema com meu primo não vai diminuir o meu amor por ele, será o mesmo, a diferença é que ele não desfrutará de minha companhia diária como de costume. Até a mágoa passar.
Bom fds Rafa.

Edilson Cravo disse...

Infelizmente como quase todas as coisas foram banalizadas (inclusive o amor). Acho superválido que todos nós possamos não apenas dizer mas tb sentí-lo e vivenciá-lo ( não há nada mais sublime na vida). Lindo fim de semana. Obrigado pelas palavras carinhosas no Lua.

Cris disse...

Li e vou mandar meu comentário via email....rs

Viu só? Algumas coisas eu não abro ! Bicho de toca é uma merda...rs

Beijos

Cris disse...

Xiiiiiiiiiiiiii, não tenho seu email....rs!

Cocada.g disse...

Ola amigo, primeira vez por aqui!

Concordo com o que vc diz. O AMOR ja esta banalizado, dizer eu te amo hj em dia parece tão banal e simples. Mas isso nao tira o fato de que quando vc ouve isso de outra pessoa de forma sincera se torna o momento mais feliz do seu mundo!

abraços!

Paula Barros disse...

Rafael, essa do sorvete escorrendo no braço e do chulé, dei boas risadas.

Seu post fez me lembrar de mim, e este é um tema que tenho pensado desde setembro para cá. Vi numa parede em Évora-Portugal a frase - Eu te amo. Fotografei. Mas não sei escrever nada com ela, e fiquei pensando desta minha dificuldade de dizer "Eu te amo". E talvez tenha dificuldade de sentir.

Me encaixo em seu texto em vários momentos, da criação, da forma de expressar os sentimentos, do abraço, e hoje gosto de abraçar envolvendo o outro, e detesto tapinhas nas costas, e isso sinto como uma grande evolução.

Para minha filha eu digo Eu te amo muitas vezes.

abraço.

Olha, não acha teu caderninho que fala dos rabiscos não, se você me desvenda o que será de mim. Deixa eu sem me conhecer, e desenhando rabiscos, e fotografando paredes de Eu te amo....rsrsrs

Dama de Cinzas disse...

Sim! Seus posts ultimamente tem sido mais pessoais, eu gosto disso, se bem que seja mais difícil para a gente fazer esse tipo de post, requer buscar palavras certas para se expressar melhor. Sei disso por conta do Confissões Ácidas, os posts de lá demoram ser elaborados, já do outro blog, sai rapidinho... eheheh

Bem... Eu já estou ficando chata com esse bla bla bla de que somos parecidos, tudo que você escreve parece que foi eu que escrevi. Mas o que posso eu fazer se cada vez que leio um post seu é essa a sensação que fica em mim? rsrs

Eu também tive muito pouco contato físico de afeto com meus pais, foi duro pra mim vencer essa barreira nos relacionamentos amorosos. Mas hoje até que sou bem afetuosa, abraço todo mundo e falo para quem gosto, que gosto da pessoa.

Por outro lado não banalizo o "eu te amo" de forma alguma. Eu já fiz um post sobre isso! O texto inclusive foi inspirado numa pessoa que diz "eu te amo" com a mesma facilidade que respira. E isso me dá uma agonia profunda! Também tenho dificuldades para dizer "eu te amo", muita por sinal, mas digo facilmente que gosto de alguém. Mas tem uma sutil diferença entre as duas frases...rs

E sobre casais que dizem se amar e de uma hora pra outra se separam e viram inimigos? Eu lido com isso no meu trabalho, mas nunca me acostumo. Fico sempre pensando no porquê de duas pessoas que viveram juntas, dividiram as dificuldades da vida, as alegrias, e de uma hora para outra passarem a se odiar.

Sempre tentei manter um mínimo de amizade com meus ex, mas confesso que não é uma coisa fácil!Mas eu tento baseado exatamente nesse raciocínio.

Beijocas

Albuq disse...

Oi Rafael,

andei sumida no corre-corre de final de período. Hoje voltei a ativa e quando cheguei aqui... ahhhh me deliciei, que texto legal... e muito vivo, verdadeiro.
Concordo com você que o 'eu te amo' ao longo do tempo ficou extremamente banalizado, e também concordo que dizer isso é algo difícil prá mim, por que isso é chegar no topo.

Adorei! bjs

Lobo disse...

Rafa!

Muita gente a minha volta gosta de soltar "eu te amo" a disparate. Para mim, a expressão em si perdeu a força totalmente. Me dizer eu te amo e nada é a mesma coisa, o que vale pra mim são as atitudes. Essas sim, mostram alguma coisa...

Abração!

Enrique Coimbra disse...

Eu não gosto de dizer "eu te amo". Não sei, nunca traduz o que eu sinto. Na verdade, eu tenho uma opinião loooouca sobre o que é amor. Tá, nem tão louca. A verdade é que ela é sólida pra mim. E é o que é. De qualquer maneira, o intento é o que dita. Eu acho assim.

Lua Nova disse...

Também não sou muito grudenta e sou um pouco econômica em carinhos, mas não tenho dificuldades de dizer "eu te amo" pra quem eu amo. To falando do amor que já ultrapassou a paixão. Afinal, na paixão, fugimos à todas as regras.
Talvez vc tenha dificuldades em falar "eu te amo", mas nos posts te sinto uma pessoa de sensibilidade incomum, emotivo e que tem muita empatia à dor alheia. Não acredito que seja só uma impressão.

Gostei muito do post, gostei muito de ler os comentários que suscitou e de conhecer as pessoas um pouco mais.

Deixa eu te contar: já li tanta coisa do Paulo Braccini esses dias que to me sentindo sua amiga pessoal... rsrrsrs

Rafael, beijokas!

Olavo disse...

A banalidade do eu te amo..ficou pesada demais...a palavra ficou tão corriqueira que nem sabemos mais quando amamos de verdade..rs..acho.
Abraços otima semana

Luck® disse...

Pois é, Jamal...

E a gente que não se cuide e, logo-logo, de tanto banalizar conceitos ao bel-prazer (Bel-prazer ou será preguiça... Imprecisão do pensar?)vai se perder, se dissolver na mediocridade.

Tenho a impressão de que a gente vai se tornando, perigosamente, personagem de um ser que não tem muito a ver com a própria essência, mas, por outro lado, personagem dos anseios que o mundo tem.

"Preciso do 'look' da Beyoncé"; "Preciso do tesão do Dom Juan"; "Preciso de um IPOD"; "Preciso ser amigo do chefe"; "Preciso de boas relações (por interesse) sociais"; "Preciso perder 12 quilos em uma semana"; "Preciso saber quem saiu da Fazenda e qual era o segredo do Gerson"; "Preciso de 1000 amigos nos dois perfis do Orkut - e o dobro disso no Facebook, Twitter, etc".

"Preciso de um namorado no Inverno; 'Beijar muuuuuito' no Verão"; "Preciso dizer 'eu te amo' e 'Amo muito tudo isso' até quando a casquinha derrete pelo braço".

"Preciso do MBA"; "Preciso..."

Precisamos é cuidar do que está sobrando da gente, reaprendendo o valor das palavras desgastadas; Querer mais o Bem do que querer "se dar bem".

Talvez quando a gente souber diferenciar o que quer a nossa personagem e o que realmente se quer, separando "aparência/ conveniência" da realidade (que nem sempre atende ao que é "preciso"), a gente diga "eu te amo" quando... Amar.

Atitude: substantivo feminino. disse...

Eu não sei o que a maioria das pessoas quer dizer quando diz que ama.
Não sei mesmo, não tô sendo irônica.
É um sentimento estranho, sem definição..ninguém sabe ao certo o que é, só sabe que é assim.
Indefinido, talvez.
Por isso digo muito pouco tbm.

•*♥*• Sanzinha •*♥*• disse...

Eu sempre digo "eu te amo". Não tenho dificuldades pra isso. Mas também não saio dizendo por aí a torto e a direito. Digo que amo, sim... frequentemente... mas só digo se eu realmente amo. :)

Thaís disse...

Olá ,

Achei só agora esse post e nem mesmo tenho o hábito de ler blogs.

Sabe, lendo percebi como a maioria das pessoas vieram dessa geração "seca". Isso contribui para dificultar minha espressão de carinho durante meus relacionamentos. Eu queria ter aprendido dizer eu te amo, para um amor eterno, mesmo que seja dito apenas uma vez.

Hoje aos 28, tenho duas meninas. Percebo que conheci o amor em uma versão fortalacida e mágica. Pela manhã, a noite, no meio da tarde também, por telefone eu falo: mamãe te ama, minha flor. E quando falo, eu sinto florzinhas e coraçõezinhos saindo da minha boca. Essa versão do amor insdiscutivel, é incondicional...

Obs.: adorei o trecho que desconhece como as pessoas afastam, afinal vc é tão legal,kkkkk.