AMOR É SINÔNIMO DE RESPEITO


Nas ultimas semanas executo uma tarefa peculiar como forma de respeito pela mãe de um amigo meu. Foi casada por 52 anos com o seu primeiro e único amor. Uma relação de mais de 60 anos. Incrível imaginar que alguém possa viver ao lado de outra por mais de meio século e ter o mesmo e intenso amor sem que nada abalasse os alicerces dessa união. Há dez anos, marcados no ultimo dia 6 de agosto o seu companheiro partiu. Daí em diante passou a escrever em versos e prosas a sua dor (que é  justamente o que estou digitalizando), sua solidão e a esperança de reencontra-lo um dia em outro plano.


Sabemos, eu e todos que me leem que não curto poesia. Não pelo gênero, mas por muitas vezes não compreende-las. Mas quando se lê algo escrito por quem convive contigo, é diferente. A cada palavra, verso expressado nas linhas eu imagino o instante e o que se passava com ela. Em alguns momentos preciso parar e deixar a tarefa de lado por uns dias, por que me deprime algumas passagens. Se eu que sou apenas um conhecido (adotado pela família...rs) sinto a garganta apertar, imagino os filhos lendo alguns desses trechos. Mas a finalidade dessa compilação se resultará num belo livro. Estou cá organizando essa coletiva de versos e futuramente quem sabe mostro a vocês o resultado.

O que se aprende com histórias desse tipo? Afirmo que muito!!!
A primeira grande lição retirada destes textos está baseada no amor. Não naquele amor que as pessoas dizem facilmente até para um pacote de biscoitos, mas o amor combinado com respeito, admiração, confiança. Amar alguém não é apenas dividir um espaço nesse mundo, é seguir construindo, lado a lado, sem buscar subterfúgios para que pedras atrapalhem a caminhada. A missão é retirar do caminho do outro os obstáculos e não cria-los para dificultar a trajetória e com isso poder justificar seus próprios erros.

Existem pessoas que não sabem amar. Mesmo que o relacionamento esteja tranquilo, os problemas resolvidos, a vida seguindo calmamente num ritmo de conquistas a dois, a pessoa ( seja quem for do casal) procura desesperadamente uma forma de minar a felicidade. Procura subterfúgios para jogar uma pá de cal sobre tudo que se construiu até então. Já vi varias vezes isso acontecendo, e o pior, não se dão conta de que a cada abalo desses, novas fissuras surgem no alicerce. Um dia tudo vem ao chão.

A segunda lição está baseada no compromisso com a fé. Uma crença inabalada no poder de algo superior que dá alento no desespero, que conforta quando não cessam as lagrimas. Por vezes vejo nas palavras dela uma suplica pelo amparo de Deus, e em seguida percebo que as linhas se tornam mais afáveis e animadas. Incrivelmente e notadamente se vê a interseção de alguém naqueles momentos. E o tempo, senhor de tudo ameniza a dor, por que no passar dos anos as linhas também se tornaram menos sofridas.

Separei um dos poemas e pode parecer brincadeira, mas eu que sempre clamo não ler poesia, hoje estou postando uma. Isso é pra se ter noção que a gente pode sim, mudar de opinião, por que não vale a pena seguir a vida com um cabresto nos impedindo a visão do mundo. Quem sabe um dia até mesmo eu escreverei poesias...rs.

Sem limites


Agora que você foi embora,
E a espera para vê-lo é quimera:
Fico pensando nos tempos de outrora,
Quando em seus braços envolvida,
Num abraço quente e um instante
Tão doce e puro amor sentia.
Quase eterno! E me perdia...

Como éramos felizes,
Eu bem sabia!
Hoje o mesmo amor daqueles dias,
Flui constante em meu peito em noite fria.
Embora só, com esta lembrança viva,
Somos eternos nesta e noutra vida!

Bernardeth Andrino


Ótima semana a todos.

7 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

tb não sou muito fã de poemas, sob a mesma perspectiva q vc coloca ... mas a toda emoção transmitida por palavras me cala fundo e mexe comigo ... lindo lindo ...

bjão

Nanda disse...

Olá Rafael
Bonito o seu gesto de auxiliar sua "família do coração"!
Nos dias de hoje a banalização do que se entende por amor é tanta, como você mesmo disse.
Falar de amor me comove muito, de qualquer forma que seja, ainda mais um amor desses, que se mantem vivo apesar da distância material... Parabéns a essa sua amiga pela coragem de transformar em palavras o grande sentimento que a toma.

Abraço

Albuq disse...

Oi Rafael!
Ler uma poesia, como tão bem você falou, de amores vividos são tão intensos que nos fazem refletir muito. Belo texto!

Cores da Crise de meia idade! disse...

Poesia é uma das poucas formas de se escrever e transmitir um sentimento!
Essa transmissão acontece mais rápida quando se conhece o poeta ou quando , de alguma forma, o poema fala de um sentimento que já é conhecido!
Voce conhece o amor , Rafael, caso contrário não teria sido "atingido" por esse poema e a história desse casal tão lindo ( e que devem ter batalhado uma guerra maravilhosa na manutenção desse amor)
Abraço

Fernanda disse...

Curti seu blog e estou seguindo... se quiser, dê uma conheça o meu:

www.brisaetempestade.blogspot.com

Fred disse...

Nossa... bacana, rapaz! Tanto o poema quanto tua escrita... curti!
E assim ó... eu recuso qualquer "terrorismo" na minha vida... então digamos que do "imbróglio" restou uma relação de respeito. Até pq minhas novas escolhas foram bem radicais, nzé? Hehehe! Hugz, querido!

Marcos disse...

Rafael realmente seu carinho em digitalizar aquelas linhas que uma senhora de 82 anos escreveu, vezes deitada, outras na sala, na cozinha. De manhã, tarde, noite e madrugada, com sorriso ou lágrimas nos olhos.

Recordando, vivendo ou revivendo um grande amor que queira nosso destino de vida seja continuado em onde ninguem sabe explicar.

Abç e obrigado.