Bate, espanca, surra, que a gente gosta!!!

O assunto do momento é a surra que a personagem Melissa (Christiane Torloni) deu em Yvone ( Letícia Sabatella) na ultima sexta feira no capítulo de Caminhos da Índia.
Confesso que achei um tanto exagerada a cena, repleta de sangue, chacoalhões de cabeça e um final típico de rodeio, com Melissa sobre Yvone estapeando-a como se cavalgasse um touro. Em alguns momentos parecia o pessoal do Casseta e Planeta sacudindo aqueles bonecos no ar.
Antigamente os autores criavam um clima tão insuportável em relação ao vilão que quando o mocinho da história se vingava, era como se o sol aparecesse após intermináveis dias de chuva. O telespectador se sentia vingado de tudo o que a vida lhes causava de dor.
Quando Maria de Fátima ( Gloria Pires) apanhou de Raquel ( Regina Duarte) em Vale Tudo em 1988, o Brasil sentiu um alivio, sentiu-se vingado, por que Maria de Fátima era a personificação do mal que afligia o povo, da elite que passava o pobre para trás, do “dar um jeitinho”, e se sair bem em tudo.
O gosto pela vingança do mocinho, hoje não tem mais tanta graça. O excesso de “vilanias” reais que vemos nos telejornais, a impunidade política e social, acaba por nos deixar sem esse gosto doce, da vingança alheia.
Em 1988, parece que éramos mais inocentes. Talvez fossemos mesmo. Hoje a velocidade de informações nos deixa muito apáticos em relação a justiça. Não comemoramos mais as vitórias, nem achamos sensacional o bandido ir para cadeia. Perdeu-se o paladar por essas conquistas.
Eu continuo gostando de novelas, achando o produto mais interessante que a TV brasileira produz. Mas é tão notória a mudança, que também não sinto mais tanto prazer em assisti-las como antes. Leio sobre futuras produções, e me empolgo, por que gosto de saber como funciona a Pré-produção, a escalação de atores, e fico entusiasmado esperando a estréia, aí...acaba o encanto. O ibope muda o sentido da história.
Digo sempre que Janete Clair escrevia novelas que valiam a pena. O SBT compra os direitos do texto dela, e acaba com a história, detona tudo, transfrma uma obra de arte em lixo. Nem a sensibilidade de analisar que o titulo não cabe para a TV de hoje eles tiveram. Não consigo ver uma novela ser interessante com o titulo”vende-se um véu de noiva”. Isso funcionava no rádio, na década de 60, não na Tv de hoje. O Silvio Santos peca pela falta de criatividade.
Mas anseio por mais surras em vilões. Ou melhor, anseio por vilões pérfidos, por Marias de Fatima, Floras, Nazareths, Perpetuas, Barão de Araruna, Laurinhas Figueroa e tantas outras personagens más que nos fizeram sentir ódio e o gosto da vingança. Prefiro vilões, por que os mocinhos são chatos.
É isso...té mais.
abraço a todos

4 comentários:

Gustavo disse...

Ai adoooooooro essas brigas nas novelas!!

Babado, tumulto e confusão!!!

Amo³¹²³¹²³¹³²

André Mans disse...

não assisto novela já faz uns 10 anos...

Serginho Tavares disse...

tambem adoro teledramturgia mas não vejo com tanta frequencia como via antes. perdeu o encanto
e estes vilões que você se refere não existem mais!
estão todos no congresso


e você sumiu do meu blog
BUÁÁÁÁÁÁ

Renato Fierce disse...

Ah, eu gosto de algumas novelas de hoje, mas estão realmente muito fraquinhas, eu sou novo, mas antes gostava mais... não me lembro de muitos vilões, mas hoje eu realmente não tenho tanta raiva da Yvone, eu gosto menos da Melissa do que dela por exemplo rs, por não ver o filho doente... Estranho isso rs.