MINH´ALMA VELHA

Sou um Peter Pan às avessas. Desde que me conheço por gente tenho um gosto para a vida diferente dos da minha idade. Ou quem sabe sou Benjamin Button, que ao envelhecer vou tendo hábitos mais jovens. Sei que na adolescência detestava minha idade cronológica e sonhava o dia que enfim teria 30 anos.

Pois é, os 30 anos já se foram a mais de uma década. Finalmente reconheço que ter me tornado adulto foi ótimo. Depois daquela fase que as pessoas te olham sem respeito por que não tem idade para se impor vem o regalo de através da barba espessa mostrar que já é “homem” feito.

Fui criado entre velhos, por ser o caçula em tudo. Não me importo. Hoje sei que essa carga me transformou numa pessoa criativa e atenta ao que se passa em volta. Enquanto os meninos estavam no futebol de rua se atracando e brigando, estava mirabolando algum plano e criando alguma coisa. Não perdi tempo da minha adolescência com futilidades. Certo ou errado, não sei! O tempo não volta para que possa comprovar, apenas vejo que tanto física como sentimentalmente eu evolui, mas não fiquei marcado pelo tempo. Graças alguma genética indígena lá dos antepassados eu e meus irmãos não aparentamos a idade. Mas psicologicamente minha alma é anciã. Tantos e tantos anos carregando histórias, vendo desgraças familiares ( nem tanto na minha geração) e tendo essa proximidade com velhos acredito ter um espirito de 80 anos.

Às vezes fico surpreso, por exemplo, de saber cantar o Ébrio de Vicente Celestino, saber as falas de “E o Vento Levou”, ter lido o Cortiço com 12 anos ( a 3º edição com um português cheio de phs) e não entender o significado de termos como Hipstes e Mainstream ( que obviamente procurei no google para saber do que se tratava, e mesmo assim me mantenho confuso). Acredito que a cultura que adquiri, e para muitos, inútil, me alegra e me da à sensação de que não sou um alienado. É tão necessário termos conhecimento do que já passou, como também estar alinhado ao que se passa ao redor. Não há coisa mais chata do que conversar com alguém sobre um assunto atual e a pessoa te olhar com cara de paisagem. Apoio o bom o humor sem que esbarre na imbecilidade ou infantilidade de adultos que não cresceram. Isso me irrita. O mais grave é comentar sobre Vicente Celestino e a pessoa nunca ter ouvido falar...rs rs rs.
Dia desses conversando num mesa de almoço soube que em São Paulo há um local que toca musicas antigas, clássicos das décadas de 40 e 50, num ambiente decadente, com decoração de bordel antigo. Simplesmente sensacional, e não há duvidas que conhecerei. Uma amiga presente no assunto e que já esteve lá adorou. Sentiu-se em casa e ainda brincou: devo ter sido puta em outra encarnação.

Não sei se fui uma puta também, mas sei que esses ambientes são ricos de informações. Gostaria muito de viajar no tempo para entrar nesses bares da década de 50 regados a bebida e gente desiludida. Não queria viver isso, apenas ver, por que deles saem personagens incríveis para escrita. Boemia aqui me têm de regresso!!!

Sempre afirmo que pessoas que não respeitam o passado estão fadadas a infelicidade. Quando se esquecem ou ignoram o que se viveu, ou mesmo o que outros viveram, corre o risco de se tornarem fúteis, ralas, e acharem que o mundo consiste em balada, academia, porre, pó, bala, carro do ano e sexo sem compromisso. No final de uma década, tenho certeza que estarão mais velhos que Chiquinho Scarpa ( alguém sabe a idade desse faraó Egípcio?)

“Saudade, palavra triste, quando se perde um grande amor....”


Desculpe-me quem não gosta, mas para mim é deleite ouvir isso, no original. Bora pro fim de semana que preciso azeitar as juntas para as festas juninas.

Abração a todos e bom fim de semana.



11 comentários:

Mabe disse...

Belo texto, como sempre...e idade cronológica e mental não precisam ser iguais....as minhas tb não são...e foi-se a época em que eu me preocupava com isso, hoje procuro apenas curtir a vida como eu acho que deve ser...livre, leve e alegre.
Abraços meu caro!

jair machado rodrigues disse...



Sempre gostei do Peter Pan, mas foi com o Caio Fernando Abreu qye descobri que tínhamos o mesmo sonho, voar com ele. Sem a Wendy e sem Sininho, aquela ciumenta rs, mas eu só queria voar, era muito pequeno para pensar o que penso hoje rs. Taí um conto que me impressionou, o caso de Jeramim Button, de F Scott Fitzgerald, que virou fime...agora entendo a frustração infantil de não ser levada a sério por adultos, por isso hoje tenho um postura amigável e séria e carinhosa com as crianças da família e respeito, elas precisam saber que são respeitadas, não imposição como foi no meu tempo, mas para mim foi bom, hoje me considero um adulto honesto e do lado do bem. Cultura inútil costumo dizer das coisas que me interessam e nem todos gostam ou dão algum valor, mas eu preciso disso, quero saber de filmes, livros, amo música, enfim...enquanto negro aprendi nos estudos que precisei fazer após concluir o colegial, que o passado é passado, mas precisa ser lembrado (rimou rs), para vivermos um presente e trilharmos um futuro melhor. Costumo me definir com idade entre 8 e 80 (música da pitty), um pensamento de velho, atitudes infantis, me dou bem com criança, embora tenha medo rs.
Amo música, todas, quer dizer quase todas rs, as antigas, como eu, devo ter vivido também nos anos 20, 30 e 40, mas estou por aqui, senão me tornaria um ébrio (bela e estranha canção rs). Cara, muito bom este post, tou num computador que não dá pra ver filminho, então terei de fazer outro comentário rs.
ps. Meu carinho meu respeito meu abraço




Antonio de Castro disse...

só pra vc saber: os hipsters adoram estar antenado tb nas coisas antigas.

esse texto me fez pensar mais uma vez no meu medo de ficar velho, o que não é seu caso, já que vc era velho mesmo qd novo.

imagina ter que se adaptar a tds as novidades que surgem em 90 anos. é muita novidade pra minha cabeça.

Renatx Fênix disse...

Ao ler esse texto fiquei com a impressão de que ele foi escrito com uma nostalgia gostosa, eu fiquei com uma nostalgia gostosa, aquele lado saudosista em destaque.
Duas frases me vieram a cabeça quando lia o texto, frases contraditórias, não reflete sobre, deixo este espaço para você, visto que é um texto seu: "Mas é você que ama o passado e que não vê que o novo sempre vem". "Eu vejo o futuro repetir o passado, eu vejo um museu de grandes novidades".
Me identifiquei muito com esse texto, sempre fui cercadx de pessoas mais velhas e preferir me relacionar com pessoas mais velhas, nunca me adaptei a pessoas da minha idade, costuma e ainda costumo dizer que parece que eu nasci com 200 anos, mas sei lá, deve ser coisa de quem tem ascendente em capricórnio, rsrs

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Eu adoro as coisas antigas e tb as undergrounds ... por mim fico com a certeza ... em outras vidas eu sempre fui puta ... rs ... neta eu sou só meia puta ... rs

Esdras disse...

Chorei com Cascatinha e Inhana!
Acho que tô sensível.
Bjos!

FOXX disse...

Ah, eu tb fui puta. Adoro esses ambientes, sou louco pra morar na região do porto aqui de Natal, tem uma decadência tão charmosa.
Interessante que nessa semana me deram 40 anos, não achei ruim, mas eu sinceramente me sinto extremamente inexperiente, como se eu tivesse 20 anos, mas pensando nas coisas que eu sei, que eu já aprendi, é normal que as pessoas pensem que sou mais velho, eu tb não fui um adolescente idiota, eu preferia ir a biblioteca ler ou ficar em casa assistindo documentários na TV. Eu poderia dizer que fiz escolhas, mas não fiz (eu não tinha amigos, então me refugiei nos livros), mas não me arrependo, gosto de quem sou e se tivesse acontecido diferente eu não seria o homem que sou hoje.

Gera Souza disse...

Também não sei o significado de termos como Hipstes e Mainstream! Anyway!!!
De qualquer forma adoro coisas antigas, muitas vezes sonho que estou em outra dimensão de tempo... até mesmo na Antiguidade!
Agora, falando sério... fiquei com a pulguinha atrás da orelha... será que fui puta em outra vida?
kkkkkkkkkkkkkk

Dih Melo disse...

A verdade é que uma putariazinha
de vez em quando não faz mal pra ninguém. Então vamos a ela! Que saber adoro uma boa putaria. Pronto falei!!! kkkkkk
Abraços

Fred disse...

#Superteentendo e tb vivo um pouco nessa vibe. E se e chamam de velho eu logo corrijo dizendo: não sou velho, não. Sou vintage. Hahahahaha!

Hugzão pra ti Benjamin Pan! Tb conhecido como "Brendha Vendramini" - minha "prima"!!! Hahahaha!

jair machado rodrigues disse...

"Saudade, palavra triste
Quando se perde um grande amor
Na estrada longa da vida
Eu vou chorando a minha dor
Igual uma borboleta
Vagando triste por sobre a flor
Seu nome sempre em meus lábios
Irei chamando por onde for..."

Meu querido amigo, se não fosse teu amigo, eu gostaria de ser...muito doce, e claro, eu conheço a música, mas nunca antes. Obrigado por este blog que gosto tanto.
ps. Carinho respeito e abraço.