UM SENTIMENTO RUIM

Todo ser humano tem a vantagem de lidar com algo que se chama livre arbítrio. Faz aquilo que sua consciência certa ou errada comanda. Ter o domínio sobre suas ações é algo único e exclusivamente do animal “humano”. Essa é a retorica que a igreja Crista achou para explicar ou talvez justificar ações erradas das pessoas. O livre arbítrio nos foi dado por Deus, e basta.

Mas existem sentimentos que desmoronam o ser humano e na minha opinião mexe não só com a parte física, mas principalmente com a moral, com o psique de alguém: A humilhação.

Humilhar alguém não é só xinga-la em publico, constrange-la numa fila, chama-la por nomes preconceituosos ou seja lá o que faz alguém sentir-se assim. Existe a humilhação calada, aquela que expõe sua fragilidade e dependência em alguns casos. Isso acontece muito entre casais. Maridos que fazem questão de mostrar a esposa o quanto ela é dependente, inútil e subserviente. E pode apostar que existe o contrario também.

Temos o tal livre arbítrio para nos fazer tomar decisões na nossa trajetória. Acerta-las ou não depende só do ponto de vista de cada um. Para algumas pessoas certas estradas são assustadoramente inviáveis, pra outras pura diversão. E por que estou falando de humilhação? Por que esse sentimento que nos faz pequeno perto de outros atrapalha demais as escolhas que fazemos.

Não há erro em tentar, não há problema em bater a cabeça, é natural do ser humano errar e corrigir, mas quando se esbarra numa parede intransponível de rejeição, impaciência, preconceito, nosso livre arbítrio se esvai pelo ralo, por que perdemos a noção do que é devido, do que é certo pra nós mesmos e passamos a rezar pela cartilha alheia. Aí vem a dependência moral, psíquica e financeira. A ultima, a mais terrível de todas. Não há humilhação maior para alguém do que a dependência financeira declarada, cobrada e exigida.

Por isso logo acima disse que entre casais isso é comum, por que já vi dezenas de maridos usarem da dependência financeira da esposa para trazê-la com cabresto, minimizando a sua inteligência, fazendo que se torne tão pequena quanto seu algoz. Dá-se aquilo que quer se for de coração. Quando se está num negócio, aí sim os juros são cobrados níquel a níquel.
Evitar esse sentimento é um exercício de autoestima incrível. O poder de não se abalar pelo que os outros pensam ou fazem contra você. Criar um escudo, uma carapaça é essencial para nos fazer fortes. E funciona. Poucas vezes na vida tive esse sentimento, e a isso dou graças.

O problema maior da nossa vida em sociedade é que nem sempre estamos com a guarda armada, um simples momento de fragilidade nos expõe e aí a pancada vem. De quem menos se espera, no momento indevido, e a bile do fígado sobe a boca para nos dizer: ta aí, você foi humilhado.

Menosprezar o outro é a forma mais acertada de sugar energia dele. Ganha-se “estamina” ( era uma espécie de vida nos games antigos) para se sentir vingado, ou só para continuar tendo o domínio da situação. O que não se enxerga é que o perdedor aos poucos ganha energia, e sem que se espere ele também da um golpe, as vezes levando o adversário ao nocaute. Na pratica, o Sr. Anderson Silva pode explicar o que isso significa.

Viver em sociedade é complicado demais.

Abraço e Boa semana a todos.




2 comentários:

Blog do Careca disse...

Ola Rafael... como você mesmo disse: "Criar um escudo, uma carapaça é essencial para nos fazer fortes. E funciona." Também faço isso. Aliás funciona mesmo. O que eu posso dizer é que o ser humano é o mais terrível de todos os seres! Nós temos essa capacidade de ferir o outro, apenas com palavras! Tem um livro que fala sobre o poder da língua. E nós podemos usar esse poder para abençoar como para amaldiçoar outro ser humano. Infelizmente temos visto inúmeros exemplos negativos por toda parte por onde andamos. O que eu tento fazer é não me deixar contaminar por "esse mau". Conto contigo! Mantenha a corrente do Bem! Grande abraço

Margot disse...

A humilhação é o pior das sensações que se pode sentir advinda de outrem. Já vivi esse tipo e não desejo nem para meu inimigo.
Uma discussão justa e aberta é aceitavel e muito mais digna do que sujeitar outros a uma horrivel humilhação de que tipo for. O que pode ajudar é que, sendo o humilhador uma pessoa com certa clareza de pensamento ele verá, mais cedo ou mais tarde, que tomou o caminho errado e saberá também o "humilhado" que, antes sofrer isso que impingir isso a uma outra pessoa. O peso será infinitamente menor.

Beijos Fael.