A CHANCHADA DAS 21:00 HS

O Programa Pânico satirizou a musica de abertura da Novela Amor a Vida gritando no refrão “Irrita, irrita, irrita” e estavam certos. A novela de Walcyr Carrasco começou como uma promessa de talvez, digo, talvez equiparar-se a Avenida Brasil, mas o nobre autor desbancou para suas conhecidas chanchadas costumeiras das 19:00 hs, e o que tem nos causado como telespectadores é irritação.

Faz tempo que não comento novelas, e senti vontade de fazê-lo agora por que percebi que aquele fogo todo que Walcyr ateou nos primeiros capítulos virou um traquezinho de  festa junina.

A trama é ótima, vista friamente. Um pai, uma figura austera e vitoriosa, dono de um hospital conceituado é na verdade a podridão de tudo. O personagem de Antônio Fagundes é o que há de mais destrutivo numa família. Um homem vil, dissimulado. Um sujeito “cabra macho” fora dos estereótipos do homem do século XXI. Um  Pai ausente, que mexe com a vida dos filhos de acordo com sua vontade. Fez a esposa criar sua filha bastarda. Casou o filho gay com uma prostituta e ainda por cima o faz criar o irmão como sendo filho. Realmente um emaranhado de situações criveis que na mão de Manoel Carlos seria um show.

Mas Walcyr escolheu mal os protagonistas. Paola Oliveira é assemblantica. Tem a mesma expressão pra dor, felicidade, pra cagar, e também para demostrar amor. Malvino Salvador tem cara de pobre, fala como pobre, e não é capaz de tirar emoção do telespectador numa cena dramática, algo que a pequena Clara Castanho faz brincando, se não tivesse aquela carinha entojada.

O restante do elenco patina com textos teatrais, que parecem testes para peça de Nelson Rodrigues. Caio Castro e sua partner já cansaram. A virgindade da gordinha já virou piada, e não tem graça. Alias Walcyr deve ter feito um estagio com Mauricio Shermann no Zorra Total por que criou situações e bordões que caberiam, como disse, nas chanchadas que escrevia para as 19:00 hs. Espero que Felix a qualquer momento diga: AHHHH como to bandida!

E finalmente quero falar desse Felix.

Mateus Solano é um dos melhores, se não o melhor, ator da sua geração. Conciso, pratico, afiado. Dê qualquer personagem ínfimo que ele transforma em obra prima da TV. Tem presença de câmera, sabe se comportar dentro de cena, não necessita de luzes especiais para forçar uma beleza que naturalmente tem. Mas o fato de Walcyr Carrasco obrigar os atores a seguirem religiosamente o texto, sem a possibilidade de cacos, fez com que se tornasse um personagem patético. Félix é engraçado, mas cansou. Os bordões a lá Zorra Total encheram. Pronto. Chega!!! Deixe Mateus ser a bicha má da vez, alias, ótimo existir uma bicha vilã. Um gay amoral, que prejudica as pessoas sem nem saber ao certo por que. Sua ambição em ser dono do hospital é pequena perto do que ele é. Uma pessoa infeliz. Ele não quer o hospital, ele quer destruir qualquer tido de felicidade que lhe vem aos olhos. Isso não é mérito do autor, e sim de Mateus, que nas expressões mostra a que veio.

E para finalizar, o grande achado do ano. Tatá Werneck. Impossível critica-la, mesmo já estando com o saco cheio das repetidas investidas dela par pegar barriga de famoso. Ela é sensacional e deveria poder criar suas próprias falas, que aí sim, faria de Amor a Vida a substituta de Avenida Brasil.

Liberdade aos atores, isso que falta. Não adianta ter um casting de estrelas se engessam o talento deles.

Quem salgou a santa ceia foi Walcyr...Pelas contas do Rosario!!!

Abraço a todos, boa semana


6 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

eu até abri uma concessão e comecei a assistir ... mas putz ... é muito chata ... já parei a muito tempo de ver ... definitivamente não dá para assistir novelas mais ...

bjão

Jose Antonio disse...

Confesso que depois da morte de Janete Clair eu desistí das novelas, mas preciso rever esse meu preconceito nem que seja para exercitar meu lado crítico!
bjs

Blog do Careca disse...

Cara, fantástico!! Não sou chegado em novelas. Já fui no passado... hoje em dia, não tenho mais saco. Mas "por coisas do destino" de vez em quando me pego assistindo alguns capítulos. E você sintetizou exatamente o que eu penso sobre tudo e todos nessa novela exagerada do Walcyr Carrasco! Adorei!! Abs

"Pitacos do Meloso" disse...

Adorei o texto! Concordo em gênero numero e grau!

Janaina Rubio disse...

Parei aqui por um acaso..Acasos existem? Bom! adorei seus comentários sobre a novela mexicana (ops!) Amor à vida!Virei seguidora ;) Beijo

Margot disse...

Rsrrsr... eu ja cansei. Maldade atras de maldade não sintetiza "amor nenhum à vida".

Vamos ver a próxima.

Beijos