DA SÉRIE - CINCO MINUTOS PARA PECAR


A MÃE ZELOSA


AMAR É SER FIEL A QUEM NOS TRAI...”
 (Nelson Rodrigues – Flor de Obsessão)

Necreto levou a última colherada de sopa à boca e fez o seu gesto rotineiro esfregando o estômago em sinal de satisfação. Deu dois arrotos, limpou a boca na toalha de mesa e levantou-se em direção a sala onde sua mãe lhe serviria a gelatina espumosa que ele tanto gostava. Sentou-se apertou o botão do controle e pôs-se a assistir seu programa de esportes predileto.
Aos trinta e dois anos de idade Necreto era um rapaz que ainda não estava pronto para casar. Filho único e mimado pela mãe! Namorava uma garota há quase quinze anos e até então não manifestara vontade de unir-se em matrimônio. Amelinha o encontrava todos os dias perto da hora do jantar e depois ia lecionar numa escola distante. Boa moça, de formação adequada, era perdida de amores pelo rapazote. Mas a culpada de tudo estava na cozinha preparando um copo de milk-shake para o filhão. Soraia Monterrey trazia o garoto num zelo o qual só ela era capaz de manter. Nunca chamava sua atenção e defendia-o com unhas e dentes.
Mudaram-se para o bairro há mais de trinta anos, quando o pequeno Necreto ainda engatinhava. Sozinha no mundo criou o pequeno sem ajuda de ninguém. Matriculou-o nos melhores colégios por que exigia uma educação modelo. Diziam às línguas ferinas que viviam de uma herança que recebera dos pais. Mas o grande segredo sempre girou em torno de quem seria o pai do pequeno Necreto. Mistério!
Com o passar dos anos os vizinhos esqueceram o fato e passaram a ter Soraia como uma grande amiga. Estava sempre disposta na organização de festas beneficentes, bingos para igreja ou mesmo uma simples quermesse. Mulher de bom gosto, decorava tudo com bandeirolas coloridas e balões de gás. No carnaval ninguém a segurava, descia a avenida em salto quinze fantasiada com muitas plumas e brilhos. As pessoas amavam Soraia e conseqüentemente Necreto.
Aos quinze anos o pimpolho ganhou uma caderneta de poupança gorda da mãe caridosa. Manteve o dinheiro aplicado e hoje tem uma pequena fortuna, algo que o impede de trabalhar, já que consegue tudo o que quer vivendo dos juros de sua gorda economia. Nunca deixou o país, mas um dia, segundo ele, verá uma corrida de fórmula 1 em Mônaco, sentado ao lado de gente muito rica. A namorada servia-lhe apenas de aperitivo, as noites mais calmas saia à caça de mulheres mais voluptuosas, e sempre terminava a noite nos braços de três ou quatro, era um pervertido, mas a mãe o perdoava, afinal ele ainda estava com os hormônios à flor da pele.
A casa era toda decorada com cortinas de veludo azul marinho, sofás de couro branco e dezenas de peças de porcelana espalhadas pelos ambientes. Na copa onde religiosamente servia as refeições do filho havia uma parede coberta de pratos pintados por ela. Eximia artista na Arte da pintura de porcelana. O quarto com almofadas vermelhas contrapunha com os móveis Luiz quinze e tapetes persas, comprados no mercado negro.
Eram duas pessoas a viver no luxo que só o dinheiro podia proporcionar. Sempre diziam que não estavam numa cobertura de frente para o mar porque tinham receio de chamar atenção. Soraia era uma mulher que se preocupava apenascom o bem estar do filho. Mais do que o normal, por isso preferia estar num lugar simples, com pessoas simples, assim poderia sentir-se superior, sempre.
Mas como a felicidade eterna é apenas fantasia de histórias infantis, Necreto um belo dia voltou a questionar a mãe sobre o seu pai. Foi num jantar onde cozinhara um belo pato com farofa de miúdos de frango. Ela quase engasgou. Fitou-o e pediu para conversarem sobre isso numa outra ocasião.  Fazia muito tempo que o filho não tocava neste assunto. Desde a formatura no ginásio, ele nunca mais questionara a presença do pai. Soraia sentia-se aliviada por isso, mas agora o pesadelo voltara. Na idade que o filho estava, seria difícil esconder o destino do pai. Mas com muito jogo de cintura contou-lhe a mesma história sobre o piloto de aviões que a engravidou e depois fugiu.
Necreto desta vez foi mais longe, quis a descrição física e o nome do elemento que a engravidara. Suando frio ela mencionou um nome qualquer. No dia seguinte, no cartório da cidade, Necreto estava procurando pelo pai. Não obteve êxito, porque como previra, era um nome fictício. Isso o encabulou. Era um rapaz que não fazia nada, na verdade um vagabundo, mas uma coisa ninguém tirava dele, a inteligência. Por pura falta do que fazer pôs na cabeça que desvendaria o caso do seu pai sumido.
Não contou nada a mãe, mas passou a investigar os lugares por onde passaram. Foi ao antigo trabalho dela, e não encontrou nada. Nunca houve uma Soraia naquele lugar, muito menos o estabelecimento que ela sempre jurara trabalhar. Os vizinhos interrogados não ajudaram em nada. Conheciam a pobre mulher pelo esforço de educar um rapaz sozinha. Algumas velhinhas até xingavam Necreto por ele querer remexer num passado que magoava a santinha da sua mãe. Dava de ombros com os comentários. Queria mais que as velhas morressem! O interesse agora era o de bancar o Sherlock.
Desesperada Soraia descobriu através de uma amiga o intuito do filho em apurar a verdade. Passou a cozinhar guloseimas mais apetitosas para ele. Comprava-lhe roupas novas quase todas as semanas. Chamava os amigos que ele não tinha, para comerem em casa e sempre era a mesma cena patética, aquele monte de homem sentado na sala sem abrir a boca. Ela solicita, andava de um lado a outro servindo salgadinhos e cerveja geladinha. Os camaradas iam por conta da comida, porque pouco se importavam com o tonto do Necreto.
Fez dois pulôveres de lã inglesa para ele quando estava chegando o inverno e quanto mais passava o tempo, mais o jovem ficava convencido que havia um segredo grande na vida de sua mãe.
Necreto não conseguia tirar informação alguma da pobre mulher. Pensou, raciocinou e decidiu que afastaria a mãe de casa para poder investigar-lhe os pertences particulares. Somente assim descobriria a verdade. Arrumou com a namoradinha sem graça um passeio ao zoológico. Mandou que mantivesse a velha fora por algumas horas. E como sempre conseguia o que pedia, pode vasculhar tudo da mãe, à vontade.
Não descobriu muita coisa, apenas algumas fotos dela vestida com fantasias de carnaval ao lado de outras mulheres horrorosas. Conseguiu concluir que talvez a mãe tivesse sido uma prostituta no passado e tinha receio de contar-lhe. Não se importaria se isso fosse verdade. Só não gostaria de saber que o pai fora um cliente.
Naquele dia quando a mãe voltou toda enfeitada de brinquedinhos infantis e cheia de doces para o filho, Necreto a interrogou sobre as fotos. Nada novamente, as datas e lugares batiam, só não conseguia algo que lhe indicasse o pai. Ficou receoso de perguntar sobre a possível prostituição e calou-se.
Um ano se passou e Necreto ainda tinha a obsessão em descobrir de onde veio. Começou um tratamento psiquiátrico por conta de um distúrbio emocional. A namoradinha junto de Soraia o convenceram. Foi muito apropriado, pois o médico o ajudou traçar um plano que possibilitaria a descoberta do pai, muito em breve.
Na noite de Natal, Necretinho após desembrulhar as dúzias de presentes que a mãe lhe dera, sentou-se ao seu lado na mesa de jantar para cearem. Nunca mais mencionara o maldito pai e isso era uma dádiva. Só que Necreto despejou um calmante no vinho de Soaria, e em pouco tempo viu a pobre cambalear. Sentou-a na cadeira da sala e pôs-se a interroga-la. Entre um soluço e outro ela começou a contar sobre sua vida. Excitado com o que estava fazendo, correu e trouxe para perto dela uma câmera de vídeo e um gravador. Era um verdadeiro interrogatório policial. A cada pergunta ele balançava o lustre acima de suas cabeças movimentando a luz e confundindo a pobre mulher. Ela sorridente contou-lhe sobre a boate onde trabalhava e muitas outras coisas. Definitivamente tinha sido uma prostituta. Que horror!!! Pensou o rapaz.
Depois de quase meia hora de interrogatório, a namoradinha entrou e sentou-se ao lado do inquiridor. Estava um pouco embaraçada com a situação, mas o jovem fez com que calasse a boca. Soraia tagarelava sobre os homens que havia conhecido e em determinado momento levantou-se e começou a falar gesticulando com os braços. Definitivamente a bebida e o tranqüilizante não fizeram bem a pobre mulher. Enlouquecida, falava alto e gritava palavrões quando mencionava algum homem que poderia ter passado por sua vida.
Um pouco desconcertado Necreto investiu sobre sua paternidade e acabou por descobrir o maior segredo de toda a sua vida.
Soraia Monterrey quando inquirida sobre o pai de Necreto gargalhou de forma estridente e olhando o rapaz meio caolha, por que não conseguia distinguir qual das imagens era realmente a dele, levantou o vestido que usava naquela noite tumultuada de natal e bateu entre as pernas, dizendo. Você saiu foi daqui.
Constrangido ele tentou segurar a mãe para que não desbancasse em gestos obscenos na frente da namoradinha, mas nada impedia Soraia de falar. Ele cutucara uma onça e agora experimentava o sabor do escândalo. Não demorou muito para que algumas cabeças apontassem na janela. Impedido de tocar todos para longe ofereceu de graça o espetáculo de sua vida.
Soraia andava de um lado para outro proferindo palavrões e praguejando sobre as mulheres. Disse coisas absurdas e novamente voltou-se para o filho. Acusou-o de ingrato e convenceu aos que ouviam que o esforço em lhe dar boa vida, educação não fora suficiente. Então se queria saber mesmo a verdade, revelaria.
Pôs-se de pé com certa dificuldade sobre a mesa de centro da sala de estar daquela casa empetecada de enfeites e mostrou para o jovem e toda a platéia o que escondia debaixo do vestido. Baixou a calça e deixou que todos vissem seu órgão sexual. Masculino...
Foi geral a vaia que deram a Soraia. Necreto caiu para trás no sofá numa crise asmática que quase levou sua vida. Quando acordou estava deitado sobre sobre almofadas macias, com a namoradinha a chorar do seu lado. Olhou para cima e viu pelo espelho da parede a mãe sentada de pernas abertas, arriada na cadeira de balanço.
Apenas olhou-a, quando ainda estava deitado. Saiu da sala.
Uma hora depois a polícia bateu a porta de Necreto. Dois oficiais entraram e algemaram Soraia Monterrey. Levaram-na embora em meio a aplausos dos vizinhos. O filho a denunciara por tê-lo enganado uma vida toda. Cabisbaixa ela não olhou para ninguém. Era um elemento procurado. Soraia Monterrey ou Genésio da Silva como constava em sua certidão de nascimento, assassinara a esposa ha mais de trinta anos despejando chumbo derretido em seu ouvido. Sumira como o filho ainda bebê e nunca mais fora visto. Travestira-se no início para despistar a polícia, mas um desvio de comportamento o fez acreditar que era realmente a mãe de Necreto. As provas de que Soraia era um assassino vieram de um recorte de jornal que Necreto achara dentro dos pertences particulares dela. Quando revelado a identidade masculina de sua progenitora o rapaz concluiu rapidamente que se tratavam da mesma pessoa.
Falsidade ideológica, assassinato, prostituição. Genésio ainda roubara o dinheiro de uma boate onde se apresentava travestido nos primeiros anos. Longe criou o filho sendo a mãe que todos os jovens desejavam ter.
Os garotos gritavam palavrões enquanto os policiais com as sirenes do camburão ligadas a colocavam para dentro. Os vizinhos incrédulos! Necreto parado no espaldar da porta da frente via sua mãe, ou seu pai sendo levado como um bandido. Odiava aquela mulher. De dentro do carro da polícia Soraia gritava para Necreto.
       - Vai para dentro filhinho! Ponha um agasalho, senão você fica constipado. Virando-se para os policiais comentou:
       - Essas crianças não tomam jeito. Ah Necretinho!!!

2 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Fael
Absolutamente surpreendente. Amei.
Bjux

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Jesus toma conta ... qta imaginação ... nem Nelson Rodrigues engendraria uma trama destas ... gostei e muito ...

bjão