O QUE ESTÁ ACONTECENDO COM A PODEROSA?

Não sou o tipo de cidadão que acredita que o mal existente no país vem da Rede Globo. Não acredito que seja o satã personificado querendo induzir o povo a comprar ideais ditadas por ela, mas sei que há em certos momentos manipulação exacerbada sobre determinados assuntos. Até ai, como um ser pensante, posso simplesmente mudar de canal, ou não assisti-la, por isso vivo num pais democrático.

Conheço pessoas, que num passado recente frequentava minha casa, mas após o deflagração do impeachment viraram radicais islâmicos pregando que qualquer um a favor da saída da presidenta era um excomungado apátrida. Pois bem, esses acusadores da rede globo manipuladora são gays, e clamavam aos ventos que a emissora era preconceituosa e homofobica. 

Queria eu agora, sentado na minha poltrona ouvir deles o que estão achando da crescente campanha da emissora em desvendar mistérios como  a transgenia no programa numero da casa ( Fantástico), ou na forma respeitosa e não mais caricata que apresentar o gay masculino em suas produções. E aí comunas, dissertem sobre isso?

O Ta no Ar, é um programa inteligente, perspicaz e de humor direto, sem as lengas lengas dançantes que Mauricio Sherman metia goela abaixo em bordões sem graça anos a fio. Ontem o clipe de encerramento teve sua paródia clássica (quase sempre cantada e escrita por Marcelo Adnet) dizendo o quanto é bom ser gay. Risível e pensante. Hoje foi postado e comentado por Jean Wyllys em sua pagina do Twitter. Esse, defensor dos gays e oprimidos, herói autointitulado contra o satânico Dr. Bolsonaro. Não gosto dele, não o sigo, mas vi sua publicação:

[Nada + diferente de um gay do que outro gay, ainda assim, partilhamos o sentimento de pertencimento a uma mesma comunidade. Valeu, #TáNoAr!]

Queria muito ver a cara desses amigos que idolatram Jean e escarneiam a Rede Globo. Fala aí, a toda poderosa não era a culpada pela intolerância a gays por que proibiu Bruno Gagliasso de beijar um cara em 2005?

Não quero e nem farei apologia a emissora, apenas gostaria de entender algo que ainda me foge. Essa tendência a explicar e minimizar a presença de homossexuais em suas programações. Qual interesse? O Canal GNT do Grupo Globosat já havia feito uma serie, diga-se de passagem, é sensacional, explicando a “liberdade de Gêneros”. Em canal aberto coloca Fernanda Lima idolatrando a classe GLBT e travestindo seu marido, galã, numa Drag Queen Exuberante!

Será que esse é um caminho sem volta, e a rede Globo quer mostrar que evoluiu? Será que algum dos caciques do alto escalão resolveu sair do armário nas produções? Será que isso é uma afronta ao Canal religioso que prega a homossexualidade como doença?

Enfim, se alguém tiver uma explicação, me avise. Por que tenho feito essa pergunta, o que terá acontecido a Baby Jane...oops, O que terá acontecido a rede Globo.

Não, não estou biruta, o Baby Jane é tema de um próximo post, apenas fazendo uma chamada...rs.

Abraços.

video

3 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Também não sei responder a estas questões. Só sei que toda mídia tem seus prós e seus contras. Toda mídia tem seu fundamento filosófico, antropológico, sociológico, religioso e cultural em sua gama mais extensa. Mesmo tendo isto todas elas têm a sua mola propulsora, a ECONÔMICA.
A Globo, principalmente em sua mídia aberta de TV e sem sua mídia escrita sempre esteve tendenciosa em sua trajetória segundo seus princípios. Aliou-se à ditadura, sempre esteve aliada ao conservadorismo, mas não titubeou um segundo ao aderir ao Lulo-petismo quando ele se mostrou inevitável e se instalou no poder. Os gays vêm se mostrando como um segmento social extremamente atraente na perspectiva de mercado, fato já percebido por redes de hotéis, turismo, cultura e algumas marcas e grifes internacionais de todos os segmentos. O que move tudo isto é o DINHEIRO. Da mesma forma a Folha de São Paulo ainda segue sua linha esquerdista até quando não sei, mas já já cederá ao novo canto da sereia econômica, assim como foi garota propaganda de Mário Covas na primeira eleição presidencial depois da ditadura, foi parceira do PSDB no primeiro mandato de FHC. Os evangélicos em sua mídia oficial não deixa por menos, Muito mais por questões ECONÔMICAS do que RELIGIOSAS ela mantém sua linha e com isto a fidelidade se seus crentes em sua missão de salvação do mundo em nome do Senhor Jesus.
Agora uma pequena dica quando ao Deputado Jean e todos os militantes da Pseudo-causa Gay: Todos os vermelhos passaram suas vidas com este discurso de defesa das minorias, mas o que fizeram nestes 13 anos de poder? Respondo: NADA. Aliás, o que fizeram pela pseudo-causa gay todos os governos de esquerda radical, moderada ou light em todo o mundo? Alguns, além de não fazerem nada, perseguiram, mataram, torturaram da mesma forma que outros de Direita e outros de cunho FUNDAMENTALISTA RELIGIOSO.
É mais ou menos por aí meu caro amigo FAEL!

Parabéns pela temática altamente reflexiva.

Beijo grande queridão.

Nick disse...

Não apoiei nem apoio a saída de Dilma, abomino o governo Temer, não votei Dilma primeiro turno, mas votei segundo. Você e Paulo podem me chamar de COMUNA por isso, como eu posso chamar vocês de FASCISTAS por terem apoiado o impedimento, mas sei que não são. O Paulo disse que " o que fizeram pela pseudo-causa gay todos os governos de esquerda radical, moderada ou light em todo o mundo". Uma pesquisa rápida na internet mostra que os países que leis "pró-gays" foram votadas, foram os em que a centro-esquerda estava no poder e os Países Nórdicos são há tempos governados pelas esquerdas, a Noruega atualmente não! E esses países são conhecidos por serem ótimos países! Mesmo não apoiando o impedimento e sabendo da manipulação da globo assisto sua programação e quando não estou contente com o que ela está mostrando, mudo de canal, como você. Curiosidade: o departamento de dramaturgia da globo é mais "esquerdista", você que é noveleiro já deve ter percebido isso. E o departamento jornalístico mais de direita, desde a defesa da ditadura militar! kkk; "The social conscience that defines Brazil’s telenovelas began, paradoxically, with the military dictatorship that ruled the country from 1964 to 1985. The government hounded leftist actors, writers and directors who worked in the theater and film and shut down productions it deemed inimical. With nowhere else to work, these artists turned to Globo, a safe haven because the company had a cozy relationship with the government." em https://www.nytimes.com/2016/06/12/business/media/greed-passion-lust-betrayal-and-the-olympics-in-between.html?_r=0
Apesar das divergências políticas sigo lendo seu blog, que achei graças a blogs gays, e gostei, mesmo você nao sendo (mas é gostosinho, que pena kkk) e continuo seguindo o Paulo.
E já que tenho que votar, continuo com a mesma filosofia: votar menos pior. No caso um embate entre Bolsonaro e Jean, votaria Jean. Do mesmo modo que Dilmax Aécio, votei na Dilma! E mesmo com essa onda de desfazer da política e dos políticos, com pessoas que nunca foram políticos ganhando eleição como Trump e Dória, continuo votando nós que acho menos piores e sei que a política faz parte de um país e não quero acabar com ela, como algumas pessoas"
Nick

Margot disse...

Só gostaria que essa "evolução" da Globo se estendesse à politica. É muito partidária, e nisso ela perde muita audiência.
O clip ficou legal, apesar dos esteriótipos que de uma certa forma ridicularizam a pessoa.
Beijo Fael