ALMAS PARTIDAS

A tristeza é uma doença da alma.

Todos em um determinado momento da vida nos despedaçamos por algum motivo. Seja pelo sofrimento de um amor que se foi, aquele não correspondido ou ignorado. Seja pela prematura passagem de um parente próximo que nunca mais veremos.  Seja pela critica que nos destrói mais que incentiva, ou pela simples fragilidade de estar vivo.

Não sei a que ponto chega o desespero de uma pessoa que mesmo numa estrutura familiar solida, com amigos fieis e um trabalho reconhecido tira a sua própria vida num momento de fraqueza.  Isso me perturba por que acho que antes desse ato impensado há centenas de possibilidades de se estruturar. Suicidar-se por vingança é uma idiotice sem precedentes.

Este ano uma jovem de 27 anos atirou-se da janela do 9º do edifício onde moro. Não me lembrava de tê-la visto, mas a sensação de que estava morta na garagem próxima do meu carro me perturbou por semanas. Na minha família guardou-se o segredo da morte de uma tia-avó por décadas, e no fim soube que ela envenenou-se com lisoforme e vinho após um aborto provocado no banheiro de sua casa.

A menina de 27 anos em questão disseram estava depressiva. A família a mandou para cá por que um tio morava no prédio em frente, no mesmo andar, e a controlava 24 hrs numa paranoia frenética. Ela atirou-se da janela enquanto discutia com ele por telefone. A tia-avó deu um mau passo no casamento, engravidou de outro, arrependeu-se, provocou a tragédia e destruiu sua vida e uma família inteira.

Nunca havia percebido a tristeza.  Sempre passei por ela de fininho. Hoje espero o dia que novamente sentirei uma sensação de felicidade. Parece que nunca mais isso acontecerá. Depois de certa idade você acumula uma sucessão de perdas que vão tirando de pouquinho em pouquinho a sua felicidade plena. Alias, acho que essa só existe na inocência da infância.

Mesmo assim, com os dias contados a partir da ultima grande desgraça da vida, não cogito abandonar a luta. Isso é que me faz curioso sobre as pessoas que se entregam em depressão, ou as que dramaticamente se matam. O fundo do poço ainda é um lugar solido pra pisar e com paredes para escalar. Por que acreditar que não haverá saída?

Também sei que cada um tem uma forma de lidar com as adversidades. Não são todos que encaram problemas de frente. Mesmo assim não julgo um suicida mártir. Pra mim são covardes e fracos que não souberam lutar. Toquei nesse assunto hoje por conta dos últimos acontecimentos na mídia. O rapaz da banda Charlie Brown que friamente deu um tiro na cabeça dentro de casa, com uma esposa gravida do lado de fora do cômodo. Isso é mais que covardia, é uma crueldade vingativa que nenhum problema pessoal, depressivo, ou seja la o for, que pode explicar.

As almas se partem um dia. Quando menos se espera ela se rompe em pedacinhos e a gente fica parado, catatônico esperando a força para reagir e juntar os pedaços. Mas é como um vaso de porcelana, uma vez partido, nunca mais terá a mesma beleza. Por mais que juntemos os cacos, eles ficarão visíveis a olho nu na peça montada. Parece clichê, mas é a forma mais simples de se enxergar a tristeza.

Hoje eu não sou plenamente feliz, apesar de tantas coisas boas que tenho na vida. Não é uma tristeza plena, aquela que ninguém pode fazer nada. É desamparo, uma sensação tão pessoal, que mesmo cercado por dezenas de pessoas e familiares, mesmo assim está lá, cutucando o pensamento e te contando que você não tem mais aquilo tudo que aprendeu a amar.

Mas eu sei que dias melhores virão. Ohhh se virão!!! Sempre tive fé que não há mal que perdure para sempre. A vida é uma balança, quanto mais te tiram, mais saldo terá para gastar no futuro.


Boa semana a todos.

8 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

ah! como sei o q é se sentir assim querido amigo ... mas o tempo é benévolo com a gente ... mas ele tem o seu curso ... eu só consigo me adequar depois de completado o ciclo de um ano e assim ter vivenciado todos os momentos até então compartilhados com a pessoa amada, agora sem ela ...

força aí meu amigo ...

Madame Mim disse...

Pensei sobre isso quando li sobre a reportagem da mãe que tentou se matar e matou as duas filhas adolescentes e o cachorro neste fim de semana em Sampa... Realmente não sei o que leva a este desespero de tirar a própria vida ou achar que a vida de filhas tão lindas e saudáveis, faz sua mãe praticar um ato destes... Tem dia que sinto um buraco no peito e que parecer que vai se alastrar, mas ai foco em que minhas filhas precisam de mim e que são totalmente dependentes e isso me dá força para seguir... Espero que essa nuvem cinza passe para eu e vc e a todos que estão com as almas pesadas... Bj e boa semana querido!

Latinha disse...

Essa é sempre uma questão delicada, pessoalmente, eu também não consigo entender como as pessoas chegam a esse ponto... Na verdade, as vezes eu acho que é uma questão de formação, de alicerce mesmo, penso que ter apoio da familia, acreditar, querer, é importante... em qualquer situação.

No mais, eu acho que só o tempo mesmo para nos permitir equilibrar essa equação, mas é legal tua postura de reconhecer as coisas boas que acontecem, apesar de tudo.

Até.

Dama de Cinzas disse...

Eu entendo e não entendo o suicídio. Depende da situação. No caso do cara da banda, eu acho que foi meio que covardia sim, não estava dentro dele para saber, mas acho que ele tinha muito no que se agarrar para não cometer esse ato. Já entendo mais em situações limites em que a pessoa está mesmo numa situação terrível, mas de forma alguma acho que justifica.

Eu já tentei o suicídio em momentos da minha vida em que não tinha nada em que me agarrar, hoje acho que não tentaria mais porque sinto que tenho no que me agarrar, eu construí uma vida. Naquela época eu tinha uma vida destroçada, tinha cacos para juntar.

Dias melhores virão querido, tenho certeza disso!

Gera Souza disse...

Sem dúvidas alguma, vivemos tempos difíceis nunca visto! O ser humano se mostra cada vez insano em suas atitudes...

Sinceramente fico pensando nesses acontecimentos e só uma coisa passa na minha mente: falta de amor próprio!

Acredito que enquanto estivermos lutando e correndo atras da nossa felicidade, uma força interior é capaz de nos guiar sempre pra cima e pro alto; até sairmos da inércia que muitas vezes tentam nos aprisionar!

Pra mim essa força tem um nome: o AMOR DE DEUS que habita em nós!!

Não desista de lutar!! Beijão

Sissym Mascarenhas disse...

Estimado Rafael,

Eu o compreendo, compartilho o mesmo pensamento.

Lamento a morte desta moça ainda tão jovem.

Eu tive uma grande amiga de infancia, como entender..., como?! Ela se matou. O pai era louco por ela, grande amigo. Estava cursando odontologia, era bonita, inteligente, todos gostavam dela. Como entender?!

Eu não aceito que o desespero vire um ato de covardia, se matar não é ter coragem e sim falta dela para enfrentar a vida.

A vida é dificil.

Estou tambem como voce atualmente, uma sensação pessoal que me cutuca para reagir.

Que os dias melhores venham para nós.

Beijinhos
Sissym
Blogzoom
A Verdade É Cruel
Masquerade

jair machado rodrigues disse...

Olá Rafael, adorei o post, uma leitura instigante, triste e curiosa. 'ela se jogou da janela do 5º andar, nada fácil de entender' legião urbana. A morte é uma constante nos meus escritos, gosto dessa morte abstrata e o suicído já fez parte de minha vida ou morte ? o que importa é que sobrevivi e quero viver, embora tenha a morte como tema, embora os momentos felizes estejam cada vez mais distantes um do outro. Atualmente, longge de postar algo, estou lendo muito, além dos blogs leio 'a menina que roubava livros', que é uma história contada pela Morte, fantástico.(divaguei). Mas acordar todo dia ainda é minha a maior dádiva oferecida por Deus, no mais vou chorando, sorrindo, vivendo...
ps. Meu carinho meu respeito meu abraço.

Mabe disse...

Tempos difíceis esses....entendo e já partilhei de teu pensamento.....mas o lance é erguer a cabeça, olhar para frente, para o céu azul e viver plenamente.

Grande abraço.