Oh coisinha tão bonitinha do pai....

Sou o caçula de três irmãos, nascido no auge da guerrilha contra o regime militar no Brasil, 1973.
Neste ano estreava na TV brasileira a primeira novela totalmente colorida, O Bem Amado, com o saudoso Paulo Gracindo como Odorico Paraguaçu.
Ano também que as famosas torres do World Trade Center ganharam vida e foram inauguradas. Augusto Pinochet através de um golpe militar tomou o poder e governou o Chile até 1990, foi para o inferno em 2006. No Vietnã a guerra chegava ao fim e mostrava um dos maiores fiascos que o EUA já tiveram que engolir.

Em meio a tudo isso nascia eu...rs rs rs...

Mas o teor desse post é outro. Como sou o ultimo da fila de irmãos, os pais não se preocuparam muito em registrar o desenvolvimento do pimpolho como fizeram com o primogênito. Assim, em busca de uma identidade de infância, busquei com parentes, amigos, vizinhos registros de minha passagem pela idade da inocência. Algumas fotos já chegaram as minhas mãos.

Ao vê-las, rs, não sei se continuo ou se paro aqui mesmo. Oh coisinha feinha e chata eu era quando criança. Um amigo ao ver algumas fotos disse que entenderia se hoje eu fosse um serial killer, um psicopata, um homem bomba...rs rs rs rs

Como não posso apenas falar, ta aí uma pequena ilustração do Rafinha, criança, mais precisamente aos 7 anos.
Agora, eu to aqui firme e forte, mas as torres se foram, Pinochet evaporou e o Gracindo, acho que nem pó existe. Só o Vietnã é que como eu, virou uma “ potencia” do turismo ( espero que ninguém discorde disso), lembre-se eu poderia ser um serial killer...rs rs rs

Abração a todos.

parabéns ao mestre

Se eu amo o meu semelhante? Sim. Mas onde encontrar o meu semelhante?

Mario Quintana (30 de julho de 1906 / 5 maio de 1994)

ado aado, cada um no seu quadrado

video

Ontem ( segunda-feira) passei algumas horas agradáveis na casa de uns amigos, jantando. Papo sempre divertido, cardápio simplesmente espetacular e boas cias, mas o que me chamou atenção foi um momento e uma frase.

Sobremesa servida. Dúvida entre vários recheios de uma tortinha feita na hora. Obvio, eu como um chato escolhi o que não combinava, rs rs rs. Em meio a justificativas sobre o porque dos ingredientes não funcionarem juntos, ouvi da minha amiga “gente, deixa ele, cada um no seu quadrado”.

Rs rs rs...parece bobagem isso, mas como minha cabeça fica trabalhando e bobagem é comigo mesmo elucubrei sobre o assunto e conclui que essa frase vai além de um funk bobinho que faz sucesso no You Tube.

O velho termo “cada um na sua” pode ser substituído pelo hit de “cada um no seu quadrado”. Isso exemplifica muito bem o deixar cada um viver sua vida, independente de qualquer classificação social, sexual, financeira, ideológica, religiosa ou seja lá o que for.

Seja EMO, Funkeiro, saci, cowboy, Gay ou Hetero, torça pro Corinthians ou flamengo, seja veganista, obeso ou magro, negro, branco, rico ou pobre, feio ou bonito, o importante é que cada fique no seu quadrado, e os demais respeitem isso.

E para alegrar o dia, a dança do quadrado...rs rs rs

Mas cá pra nós...tudo bem que cada um que cuide da sua vida, cada um no seu quadrado, mas esse vídeo é o que há de merrrrda na internet...rs rs rs rs

abração

Tchau !


Ouvi muitas piadas nos últimos dias a respeito da morte de Dercy Gonçalves.

Não sei até onde é natural ironizar, fazer chacota sobre esse assunto. Porém, sendo Dercy uma figura tão escrachada, até pode-se perdoar as piadinhas.

Lamento muito sua morte. Dercy foi o que sobrou de um período inocente do cinema brasileiro. As chanchadas protagonizadas por ela, Oscarito, Grande Otelo, e tantos outros mostravam um país simples, de pessoas simples, uma brejeirice cômica. Não se escancarava a pobreza. Ela estava ali, na dificuldade do cotidiano, na ignorância do povo, na rudes dos figurinos e cenários, mas ao mesmo tempo na alegria do carnaval, das marchinhas, na pureza de um tempo que não volta mais.
Lamento sim, por um ser humano que gostava de viver. Dercy apesar de centenária, ainda era a mesma mulher que aprendi a gostar quando criança, a mesma que adorava ouvir os palavrões. Parecia que a cada insulto, a cada palavra de baixo calão, eu como criança me soltava mais, ria, despreocupadamente, por que eu não podia falar essas coisas, mas Dercy se vingava por mim, e enchia a TV, o lar dos brasileiros com irreverência e muitas bobagens.

Que descanse em paz. Porra!




You Know I'm No Good

Hoje estava pensando sobre como as pessoas politicamente incorretas são noticias, e como em pouco tempo viram “Cult” no mundo social.

Não preciso repetir que adoro Amy Winehouse, não apenas pelo fato de ser uma das melhores cantoras que apareceram nas ultimas décadas, mas também pelo lado marginal dela. Claro que lamento isso ser tudo conseqüência do uso de drogas, mas o modo ousado com que ela encara o assedio de fotógrafos, a forma como ela diz” eu não sou boazinha”, em suas musicas. Isso é o que me encanta, o fato dela encarar que não presta...rs

Eu sempre fui o certinho da turma, o cara legal. Havia uma menina na faculdade que dizia que eu era um príncipe. Quantas vezes senti vontade de mandar essa menina se fuder. Sabe aquela coisa bem cafajeste? Olhar pra ela e dizer: Sou príncipe é, então pega aqui no bastão...rs rs rs

A educação é algo primordial em qualquer ser humano. Bons modos a mesa, gentileza com pessoas idosas, com mulheres, enfim, cordialidade é fundamental. Mas todo mundo já ouviu que são os cafajestes que se dão bem. Seja em qual esfera de relacionamento, entre heteros ou homossexuais, aquele que chega junto, pegando, é o que mais faz sucesso.


Meu bom e velho amigo Nelson Rodrigues, la nos primórdios da década de 50 já dizia “Toda mulher gosta de apanhar”. Não se deve encarar essa frase ao pé da letra. Claro, não faço apologia a violência contra mulher, pelo contrario, abomino toda e qualquer forma de violência, inclusive a psicológica. Mas nesta frase está implícito o fato da mulher gostar daquele cara bruto, do sem vergonha, daquele que bate, mas ela continua junto. Novamente, o cafajeste.

Os vilões da dramaturga, do cinema, da literatura, são os mais comentados, pode-se dizer que os mais “amados” do publico. Por que sabemos que ódio e amor são sentimentos paralelos, difíceis de distinguir. Uma pessoa que prega odiar outra, no mínimo, ama, e diz isso por puro despeito.

Só não confundam o que estou dizendo com falta de caráter. O “cafajeste” é o cara que se dá bem, mas nem sempre ele é amoral, tem la os suas convicções, ele pode pegar a mulher do amigo, mas jamais roubaria dinheiro de tal, ou faria algo que o prejudicasse moralmente.

Novamente digo: não estou fazendo apologia aos canalhas, aos políticos ladrões, aos psicopatas e ditadores sanguinários. Esses vilões são os que a história deveria apagar.

O “não” ser bonzinho que digo é apenas o não ser bobo. Não sei se compreendem onde quero chegar. Dou como exemplo uma celebridade da TV. Eduardo Guedes, um gentleman, um cara de educação refinada, aquele que faz questão de abrir e fechar portas para as damas. O típico príncipe. O cara casou com uma mulher rica, ( a boca torta da Eliana dedinhos), manteve o relacionamento longe da imprensa e tomou um puta de um pé na bunda, e ainda foi mal falado por ela na mesma imprensa, de onde ele tentou tanto se reservar. Por mim ele deveria era ter jogado merda no ventilador, dito que ela é uma megera e tal, mas manteve-se cavalheiro, e calou-se. Sorte ou não, hoje ele ta bem e vai ser papai. Mas muitos dos caras que são 100% cavalheiros tomam é no fiofó.

Eu claro, não vou sair por aí sendo um cafajeste nessa altura da vida, para isso você tem que exercitar desde cedo, mas gostaria de ser mais Amy Winehouse e dizer You Know I'm No Good. E ver a cara de horror das pessoas.

Quem sabe no fim de semana eu não saio por aí de camisa aberta, e cheio de correntes, com um palito no canto da boca e óculos de caminhoneiro...rs rs rs...quem sabe atraio mais do que bem vestido e educado.

Como sempre digo, se eu não falar merda aqui, esse não sou eu.



Abração a todos que passarem por aqui e bom fim de semana.

Drops da semana

Razi...atendendo ao seu pedido...um post só falando bem, coisas que gostei nos últimos tempos..rs rs rs

Em primeiro quero ressaltar o talento jovem e promissor de uma atriz ( que vejo pouco) mas quando assisto gosto do estilo. Trata-se de Isis Valverde ( Rakele de Beleza Pura). Menina doce, linda. Pegou um personagem estereotipado e não o deixou cair na palhaçada. Segura bem o texto, e chora que uma graça.
Sobre cinema, quero fazer uma recomendação. O Guru do Amor, com Mike Myers com o personagem Pikta. Como sempre ele da um banho de comédia. Não sei se todo mundo o acha bom, sei que eu adorei oi filme, tem passagens hilárias.
Um outro filme bom, assim pra férias escolares, é “ Viagem ao Centro da Terra”. Brandon Fraser faz a linha do descobridor cientista, muito parecido com o personagem de “ A Múmia”, mas tem bastante ação. Não sei como é a versão normal, mas digo que a em 3D é sensacional. Em alguns momentos fechei os olhos, por que a sensação é que o estomago vem à boca. Prestem atenção na seqüência do carrinho dentro da mina. É de arrepiar.
Apesar da imprensa em peso falar mal, eu acredito muito no texto de João Emanuel Carneiro em “A Favorita”. Acho a trama bem construída, com uma atuação nota dez de Claudia Raia. Mesmo Murilo Benicio dentro do seu jeito sempre igual está surpreendendo. Acho que há muito ainda pela frente, e o povo devia dar uma chance ao folhetim.
Inauguraram no fim de Junho ( aqui em Campinas) uma filial do Starbucks na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi. Tudo bem que um café custa R$12,00, mas vale a pena só ficar dentro, olhando, e experimentar um cookie...rs rs rs...o lugar é lindo. Um bom point pra ver gente bonita reunida.
Agora me xinguem de consumista, mas queima de estoque na ZARA é bom demais. Deixem-me ser fútil, pelo menos uma vez...rs rs rs rs.
E por ultimo, recomendo para quem curte coisas assim bem “sem noção” assistir alguns episódios, ou algumas partes do DVD de “Jackass”. Ta cheio de coisas absurdas, mas alguns momentos são tão engraçados que nos fazem quase chorar de rir. É pura falta do que fazer dos atores. Usar a mente pra pensar e executar barbaridades como eles, de certa forma é admirável. Vale a recomendação, e aqueles que acharem nojento, podem me xingar depois...rs

Abração a todos.

Histórias de Balsaquianas...

Conferi sábado a peça de Domingos de Oliveira, que foi sucesso na década de 90 e que teve uma remontagem há alguns anos, e continua em cartaz.

Primeiro quero falar do teatro. Campinas é uma cidade grande ( pra quem não conhece) de pouco mais de 1 milhão de hab. Tem das maiores rendas per captas do interior, mas não tem um puto de um bom teatro.

A peça em questão está em cartaz no teatro TIM, que fica acoplado num dos grandes shoppings do interior paulista. Infelizmente a casa é péssima. A acústica é meia boca e as poltronas desconfortáveis e rangem o tempo todo. Triste uma cidade como Campinas não ter um teatro bom, a altura de grandes espetáculos, enfim, quem sabe algum prefeito segue o exemplo de Paulínia ( cidade vizinha) que construiu um fenomenal teatro municipal. É torcer.

Falando da peça. O texto de Domingos de Oliveira é um apanhado de depoimentos de mulheres que passaram dos 30. Até aí tudo bem, se não fosse pelo fato de que o texto se baseia praticamente todinho (na 1 hora de espetáculo) em falar mal dos homens. Nenhum ficou de fora, nem o jovem, o maduro, o de meia idade, o velho, o gentil, o babaca, o romântico, nada. Cada um foi escrachado em algum momento do espetáculo.

A visão que se tem de uma mulher de 30 anos é que ela é louca pra casar, mas ao mesmo tempo se casada, quer a vida de solteira. Elas se preocupam sim, com a posição financeira do homem, sua performance sexual e sua beleza, além do tamanho do “garoto”. Essa história de que tamanho não importa, é conversa pra inglês ver.

Hora elas estão insatisfeitas com o cara cavalheiro, hora com o malandro, com os ex maridos, com os futuros maridos. Na verdade a mulher de 30 quer o príncipe encantado, e descarta qualquer um, pra quando se aproximar dos 40, aí sim, pegar o primeiro que encontra.

Quem muito escolhe, leva coisa podre pra casa.

No final das contas a mulher de 30 é uma incógnita. Homem nenhum vai conseguir agrada-las, por que estão na fase em que elas se completam por si só. Se a ciência progredir no quesito auto fecundação, teremos uma geração de mulheres baratas no futuro, se autoengravidando, sem a necessidade de um homem.

Se somos tão ruins, por que elas correm tanto atrás...rs rs rs...

É isso...o domingão foi pra falar mal das mulheres de 30.

Deveriam colher depoimentos dos homens de 30 também...Oras por que só as mulheres tem conflitos? Rs

Abraços e boa semana a todos.


Ser imbecil é Mara, Mara maravilha

A tv brasileira é cheia de lixos, e o pior que esses lixos tendem a perdurar, agarradas a qualquer oportunidade de ser noticia.

Não existe emissora mais desagradável e inconveniente que a Rede TV. Tudo o que se pode fazer para ser oportunista a emissora de São Paulo faz. Além de uma programação péssima, as “estrelas” da casa são um bando de profissionais decadentes que não tem mais espaço em outro meio de comunicação e se acotovelam para conseguir 1 minuto no ar.

Uma emissora que mantém a insossa, a insignificante Íris (ex-BBB, burra) mais de um ano apresentando um programa e ainda continuar falando como um robô, é para no mínimo perder o direito de transmissão. Além de Ronaldo Esper, Nelson Rubens e sei lá quem mais.

Passando pelo canal essa noite acabei esbarrando num enunciado de matéria ( TV Fama) dizendo que Mara Maravilha ( velha e chata e baranga ) estava prestes a revelar segredos. O que mais essa pessoa poderia falar se há pouco tempo já disse que havia abortado um filho, entre tantas outras coisas decadentes.

A Rede TV e a ex-apresentadora infantil imbecil acham que tem sim, algo a declarar. Mas numa sucessão de bobagens ela revela que surgiu antes da Xuxa, portanto não a imitava. Claro que não, Xuxa foi a rainha, deixou sua marca ( apesar de eu não ser muito fã, não nego que ela esteve presente na infância de boa parte dos jovens de hoje). Então não faz sentido requerer hoje um posto que foi e será de Xuxa, eternamente.

Em outro momento a vesga da Mara Maravilha afirmou que não fez “macumba” para Angélica, na época que ambas apresentavam programas infantis. Disse que isso foi coisa da mídia. Oras, tava na cara dela que isso foi verdade. Mas acho que o tiro saiu pela culatra. Angélica hoje é bem casada, mãe de dois filhos lindos, um marido competente, simpático e querido no meio artístico. Tem dois programas de sucesso na emissora de maior projeção do país e continua linda. Mara tem o que? Nem sei. Na verdade nem quero saber.

A Rede TV é como abutre, como aqueles peixinhos que vivem ao lado de tubarões, aproveitando as sobras do grandão. É uma varejeira que pula de bosta em bosta.

Triste, tanto dinheiro desperdiçado com tamanhas bobagens.

Só falta a emissora criar um programa para o Sergio Malandro apresentar junto de Gorete Milagres, aí sim a porcaria ta feita.

Que saudade da Aracy de Almeida, da Elke Maravilha, da Priscila do TV Colosso, do show do milhão...rs rs rs.

É isso. Eu sumo, mas vorrrto...