O tiro sai pela Culatra

Jôyce Mara Abrantes, 56 anos, corpinho de 25, 1.68, 49 kg, cabelo Superclareado louro cinza n° 1511 R$34,00 TINTA COLOR KEUNE. Viúva, 1 filho, beirando os 40.
Pensão do marido falecido no valor de R$ 5.500,00, plano de saúde vitalício, também herança do marido.
Personalidade altiva, tipo cocotinha. Calças justas, sapatos de salto 15, blusas com o umbigo de fora para deixar a mostra o piercing de brilhante.
No mês de janeiro fez sua 6° aplicação de botox.
Jôyce Mara com sua vidinha de boates e viagens conheceu Aderilo de Brandão e Golveia, desembargador aposentado, ótima, ou melhor excelente situação financeira. Viúvo, 85 anos, lá em Caldas Novas.
Conclusão desse encontro. Amor sincero a primeira vista de Jôyce Mara e Aderilo. Que lindo!!!!
Alguns meses de namoro e ela torna-se a noiva mais feliz do mundo, com um casamento marcado para 2 semanas. Boda realizada entregou-se novamente a vida de casada, depois de quase duas décadas sem saber o que era isso.
Aderilo é um tanto surdo, tem dificuldades de andar por conta de uma artrose que lhe atacou os joelhos. Tem uma leve incontinência urinária, por conseqüência de uma cirurgia recente de próstata. Passa boa parte do dia cochilando e a noite assiste o jornal nacional, no qual da boa noite a William Bonner e retira-se para o quarto, onde tem o merecido sono dos justos.
Essa é a belíssima história de uma mulher de meia idade que jura de pés juntos que ama o marido. Do namoro ao casamento não se passou 3 meses.
Para que a cerimônia acontecesse Jôyce Mara precisaria abrir mão de sua pensão, do plano de saúde e mudar-se definitivamente para o apartamento de 500 m2 onde vivia nababescamente Aderilo e 6 empregados.
Cerimônia realizada por um amigo Juiz de paz num jantarzinho intimo para 20 pessoas.
Cerca de 45 dias após o casamento Jôyce Mara recebe dos filhos de Aderilo uma intimação para que deixasse a casa, pois haviam interditado o velho e na seqüência anulariam o casamento.
Jôyce Mara, que tinha uma vida tranqüila, recebia uma pensão ótima, que adicionado ao bom salário que ganhava num emprego de décadas garantia-lhe uma ótima situação financeira. Com o casamento deixou o emprego, abdicou da pensão e perdeu o plano de saúde.
A conclusão obvia que tiramos de Jôyce Mara é que ela acreditou que casando com um homem rico, de avançada idade teria no futuro uma situação muito melhor que a anterior. Só precisaria cuidar uns anos do marido e pronto.
Às vezes eu me surpreendo com a cara de pau de certas pessoas. Elas acreditam que ninguém vai perceber o golpe.
Pois bem, o casamento não pode ser anulado. Mas pode haver sim um divórcio, no qual ela reivindica uma pensão no mesmo valor da que tinha antes e mais o plano de saúde, afinal a idade também já chegou para ela e não está mais tão mocinha. A única coisa que não reaverá (claro, se o juiz decidir acatar o pedido de pensão) será o emprego, que deixou por livre e espontânea vontade.
Essa entra para minha lista “Tomou” em 1° lugar em 2009.
Bom feriado...abração a todos

2 comentários:

JuNiNhU disse...

Ahahahhaahahahahaha Joyce Mara quem é essa???


A tendência... Conheço várias.... é normal ta assim hj em dia. Uma verdadeira troca de interesses.

Jarbas disse...

aiin, que pena de joyce.