SE AQUI NÃO EXISTE LEIS, NA INDONÉSIA HÁ.

Retornando os trabalhos em 2015. Gostaria em primeiro lugar desejar a todos um ano com menos tragédias pessoais, com mais saúde, menos dissabores e mais poder de decisões associado a muita grana.

Há centenas de assuntos pipocando por aí, mas quero falar sobre um especifico, assim encerro minha indignação e ponho uma pedra sobre o assunto.

A imprensa ficou rodeando, como mosca varejeira que são, os familiares e quem pudesse falar ou dar detalhes sobre o condenado a morte na Indonésia Marco Archer. De todos os que se manifestaram dentro desse governo podre, corrupto que temos no Brasil a única que parece ter clareza nessa vida é a ex-Ministra dos direitos Humanos Maria do Rosário afirmando que ele e não é um herói, é um traficante,

É assustadora a incapacidade do brasileiro de julgar o certo do errado. O rapaz sai do Brasil com 13 kg de cocaína enfurnados em equipamentos de voo, é preso pelo governo de um país que o Brasil mantem relações diplomáticas e que imprime nos seus tickets de voo que trafico de drogas é passível de condenação à morte e mesmo assim o cara  tenta burlar a segurança, leis e trafica, desculpe não há o que discutir.

Ontem o Fantástico ( que vem melhorando as matérias a cada domingo) mostrou passo a passo o que aconteceu com Archer nos dias que antecederam sua execução. Mostrou ainda a família de outro condenado a morte que espera seu final trágico para os próximos 2 meses. A mãe do seguindo rapaz preso há dez anos alega que o crime do filho não é tão grave, ele não matou ninguém. Minha senhora, eu perdoo suas palavras por que é mãe, e deve ser horrível saber que um filho será executado a tiros num pais distante, mas seu filho É SIM ASSASSINO. Ele não fez o primeiro trafico da vida indo pra Indonésia. Aqui mesmo ele já devia estar envolvido, e a cada grama de cocaína vendida por traficantes uma vida é perdida. São assassinos mascarados, que destroem famílias, deixam crianças órfãs, pais inconsoláveis.

O Fantástico em seguida a reportagem de Archer mostrou os irmãos brasileiros que foram “curtir” no México e acabaram numa grande tragédia. Qual foi o motivo de tudo? Drogas. Então para nossa presidenta que se mostrou “indignada” com a execução de Archer, eu pergunto: Sua hipocrisia é tamanha, que a senhora passa por cima de centenas de milhares de brasileiros, estrangeiros e pessoas do mundo todo que penam por causa de drogas, para se mostrar “legalzinha” para meia dúzia que acreditam que trafico não é crime, ou será que realmente a senhora não acredita que isso seja crime? Me deixou preocupado que a comandante do país se sinta indignada com a condenação de um criminoso.

Não sou a favor da pena de morte, sempre disse isso, mas sou a favor de respeitar as leis que cada pais implanta desde que não seja absurda. Não dá para comparar a pena de morte por trafico na Indonésia com a mutilação de meninas em países da África. Não se pode sair daqui e ir desrespeitar as leis dos vizinhos simplesmente por que sou brasileiro. Se aqui se permite a balburdia de estrangeiros, em outros lugares existem regras. Não se pode entrar na casa de estranhos sentar no sofá e colocar o pé sobre a mesa como se aquilo fosse normal.

Archer errou. Errou consciente. Não há o que reclamar!

Me indigna mais ter uma presidente obtusa do que um criminoso seguir as regras do pais que desrespeitou. O que seria do Cerveró em países com leis rígidas? Aqui o incrível homem que derreteu, vai passar um tempinho nas nababescas instalações da policia federal, depois da um jeitinho e desaparece. Faz uma plastiquinha naquele olho torto, e vive maravilhosamente num pais qualquer que não tenha leis de extradição com o Brasil...simples assim.

Eu gostaria realmente que o Brasil parasse para eu descer...não da mais.

Boa semana a todos.


3 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Querido Fael ... você foi fundo e colocou o dedo na ferida ... uma ferida podre ... eu tb não sou a favor da pena de morte mas daí criar este discurso hipócrita, falacioso, ridículo chega às raias do absurdo. Assino em baixo e aplaudo de pé. O cara não é herói, é bandido, fez o q fez de forma pensada e se ferrou, só isto. Não lamentei e nem lamentarei nada. Não teno pena. Pelo contrário, vejo como um bandido a menos. Problemas resolvidos? Claro q não ... mas é um a menos e isto conta muito em um país onde o bandidismo ganha status a cada dia.
Sem querer desejar mal aos outros, quero ver estas pessoas q hoje discursam estas hipocrisias no dia em q uma mãe, uma irmã, uma filha, um filho for assassinado, estuprado, cair no vício das drogas se manterão com o mesmo entusiasmo este discurso ridíulo. Teoria é linda enquanto teoria ...
Eu tb gostaria realmente que o Brasil parasse para eu descer... não da mais.

Beijão

jair machado rodrigues disse...

Olá Fael, nesta overdose de reportagens sobre este traficante, alguém perguntou se era Indonésia muito rigorosa com as leis ou o Brasil muito mole (mais ou menos assim rs). A resposta é clara, O Brasil há muito se deixou corromper por tudod de ruím,neste páís só o crime é organizado. Quanto a Dilma,eu só lamento que uma presidente se preocupe tanto com um marginal internacional nascido aqui no nosso país, do que com a saúde, a educação, a agricultura e tantas mazelas na adminstração deste país. Deve ser bem doloroso para os familiares, mas o que posso fazer se ele escolheu este caminho, e foi as últimas consequencias. Ele só colheu o que plantou. Ótimo post, começo afiadissimo 2015.
ps. Carinho respeito e abraço.

FOXX disse...

vc está acusando a Dilma, mas eu a vi numa sinuca de bico, porque estavam cobrando que ela se manifestasse, que salvasse o traficante, ela, se podemos criticá-la, foi populista porque atendeu os apelos de quem cobrava uma posição dela. Faltou pulso, novamente, que é um problema dela mesmo, basta ver os casos da Comissão de Direitos Humanos e do material de combate a homofobia nas escolas, para afirmar que ela não tinha poder e não devia interferir em assuntos internos de outro pais. Faltou o caráter de dizer que nem tudo é responsabilidade dela.