PSICOPATAS VIRTUAIS

A grande maioria das pessoas que convivem em sociedade tem a necessidade de se fazer presente, de serem aceitas, adoradas, elogiadas e com isso muitas perdem a noção do ridículo e em casos mais sérios ultrapassam o limite do bom senso e da lei.

A internet hoje é o grande celeiro das deformidades de caráter e moral. Num passado não tão distante os psicopatas (não os de instinto assassino, por que esses sempre agiram independentes do cenário e da época), mas aquela maioria que possuem esse distúrbio ficavam escondidos talvez por uma vida toda sem meios de poder exercer sua loucura. Hoje a tela do computador protege esse tipo de individuo. Antigamente os golpes eram menores e mais certeiros por que o cara que fingia uma identidade atacava pessoalmente, levando grana de senhorinhas indefesas, ludibriando até as  autoridades.

Nesses talvez 19 ou 20 anos que mexo com internet já vi, escutei e presenciei vários casos de falsa identidade. Nada me atingiu financeiramente ou psicologicamente. Afirmo que sou cético a respeito de gente que não conheço, que não vejo o rosto, mas como acredito na humanidade acabo por também acreditar que não haja maldade nos “tipos” que conhecemos virtualmente.

Não uso a internet para fins que não sejam trabalho e lazer. Minha vida pessoal está muito bem, obrigado, e talvez por isso nunca tenha caído no conto do vigário. Mas nesses  anos todos, como disse, vi e ouvi muita coisa. Destacarei 3 histórias que a mim não prejudicaram nada, mas foi tremendamente nefasta para outros.

Logo que criei meu blog comecei a circular por esse universo extremamente rico, criativo, apaixonante, de pessoas inteligentes, sagazes e muitos de índole ilibada. Fiz amizade com um cara que morava em Londres. Um sujeito sensacional, divertido, inteligente, casado com uma oriental, pai prematuro de um filho de 8 anos. Tinha um sobrenome conhecido no Brasil, herdeiro de algo relevante que não entrarei em detalhes. Por quase 3 anos conversei com esse cara. Ficou meu amigo mesmo. Mandava fotos da família e identificava os personagens da história. Compartilhava os dessabores com a esposa temperamental e os sucessos na carreira de publicitário. Uma pessoa real em todos os sentidos. Porem, nunca pedi para vê-lo ao vivo, não me interessava isso, como ainda não me interessa ver gente através de webcam. Mas como todo cadáver vem à tona, um dia descobri através dessa mesma oriental que ele dizia ser sua esposa a verdadeira história. Tanto eu como ela e outras dezenas de pessoas conversávamos com uma mulher. Sim, uma garota que se apropriou da identidade física de um modelo catarinense e em cima das suas fotos ( surrupiadas do Orkut) criou uma vida falsa, com datas, acontecimentos, tristezas e felicidades. Talvez o sentimento que tenha ficado dessa pessoa seja pena. Isso faz mais de 5 anos, e nunca quis falar por um motivo: a gente se sente ridículo em acreditar, extorquido na inteligência. Parece que nos roubaram a capacidade de discernir sobre verdade e mentira. Hoje tenho a certeza que ela era apenas uma coitada.

Essas coisas acontecem sempre através de blogs, por que não abro minha vida pessoal e não frequento e nem frequentei nenhum outro tipo de canal de amizade que não seja o facebook ( Orkut no passado) que possa me trazer prejuízo. Mesmo assim logo depois dessa bazófia da menina/homem, um casal apaixonado também começou a frequentar meu blog. A história de ambos era cinematográfica o que já me deixou com pé atrás. Até hoje não tenho certeza da realidade deles. Ela me ajudou muito, corrigindo meus textos, algo que fez com muita competência. Ele, um PHD em teologia. Muito me explicou e ensinou. No mais, desisti do contato com ambos por que percebi ser a mesma pessoa. Novamente uma dupla personalidade. Se me enganei com isso, não sei. Mas cachorro mordido por cobra tem medo de linguiça!

A ultima e menos importante para mim foi à descoberta de um sujeito que frequentava ativamente os blogs conhecidos, e provavelmente quem me lê deva ter caído também na sua lábia. Um médico, residente, com um emocional estável, aparentemente competente na sua profissão, por que os textos que escrevia mostravam o quanto sabia o que estava falando e também meio tímido. A mim receitou um remédio homeopático para refluxo que praticamente me curou. Como não sou tolo, procurei um especialista aqui e mencionei o remédio. Ele deu aval e dai em diante passei a toma-lo. Mas soube que outras pessoas tiveram prejuízos emocionais com o rapaz que se dizia Doutor.

Ao mesmo tempo em que compreendo também me falta vocabulário para descrever esse tipo de pessoa. A infelicidade pessoal é tamanha, que precisam criar um personagem e dar uma vida mentirosa a ele. Essas pessoas não entendem que não se pode carregar uma mentira a vida toda. Há sempre alguém que capta pequenos deslizes e certamente os colocará a prova. Quanta infelicidade existe nesse tipo de gente? Para que mentir, ludibriar se seria muito mais fácil ser honesto e criar verdadeiros amigos e quem sabe um relacionamento amoroso solido. Por que a maioria, como esse Doutor aí, vai atrás de parceiros, de pessoas de verdade para relacionamento. Mas como se ele é uma fraude? Um circulo vicioso de psicopatia, de loucura e esquizofrenia.

Como disse, eu acredito no ser humano, mas os de carne e osso.

Cuidado com aqueles que só existem na tela do computador, ou que são apenas uma voz atrás de um celular. Esse tipo pode ser apenas um personagem fictício, fruto de uma mente doentia.

Boa quinta feira a todos.

8 comentários:

Fred disse...

Bahhhhhhhhhh... a coisa é ten-sa mesmo! Mas eu como sou #dasantigas confio, desconfiando... afinal, a gente nunca sabe quem está do outro lado da tela, nzé?
Agora... que bapho é esse do médico que nã era médico?!? Será que estou pensando na pessoa certa?!? Divide essa fofoca, meu querido!!! Hehehehehe!
Hugzão!!!

FOXX disse...

ah, eu também não entendo, porque?
para quê serve enganar e magoar tantas pessoas? que baixa auto-estima essas pessoas possuem que eles enganam os outros mentindo que são pessoas diferentes?

Dama de Cinzas disse...

Mesmo tendo "casado" com um homem que conheci na net, vivido uma paixão louca com outro e tendo amizades vindas da internet. Mesmo assim não consigo levar fé nisso aqui, exatamente por tudo que você colocou no post.

Beijocas

Latinha disse...

Oi!

Bom, assim como você eu nunca tive "problemas", já estive em situações parecidas com as que você descreveu, mas isso não me trouxe efetivamente um prejuízo... confesso que fico intrigado em saber o que leva um pessoa fazer esse tipo de coisas. Por um tempo, vá lá... vergonha, medo, mas permanentemente já é caso de doença mesmo.

Bom... tudo bem que eu estou aqui... como Latinha, né?! cof cof cof... Mas na época que eu comecei o blogue, acho que eu nem sabia o que estava fazendo direito, e por medo, vergonha, e para não ter que mentir eu preferi usar um "apelido".

Isso nunca impediu que as pessoas me conhecem, algumas pessoas "passaram" para o mundo real. Alguns viraram amigões de almoçar junto e tudo mais. Você provavelmente já me viu no perfil de algum amigo seu, temos alguns em comum (Lucas, Margot, Matheus, ...), qualquer hora dessas eu me apresento "oficialmente" :-)

Mas acredito que como sempre o mundo virtual, só "mostra" aquilo que acontece as vezes em nosso dia-a-dia...

Bom final de semana!

Marcos Campos disse...

Realmente, tem louco pra tudo nessa internet, mas como diz minha mãe, e citado de outra forma por vc aqui: Mentira tem perna curta !
As pessoas andam perdendo um pouco a noção do que é legal abrir pra todo mundo na rede e o que não é, a superexposição também alimenta a loucura dessas pessoas !

Abraço !

Gera Souza disse...

Amigo Rafa,
Infelizmente a gente cai nessas armadilhas...eu passei poucas e boas navegando por sites de encontros e afins. Em muitos encontros paguei mico adoiado; em pouquíssimos tive siucesso e consegui até fazer bons amigos. Devo confessar também que já inventei histórias que ficaram apenas no mundo virtual e sabia que nem iria levar adiante. Mas nunca usurpei o direito do outro. Quando entrei no mundo do blogsville eu já tava calejado de tudo e então decidi me abrir e criar meu espaço real. Nele sou eu, de carne, osso, alma e sentimentos. Faço questão de mostrar minha vida (passado e presente). Não tenho medo de nada! Já não perco mais tempo fuçando aqui ou ali! Já passei dessa fase. Quem me conhece, conhece uma pessoa de verdade!
Grande abraço!

Lucí disse...

Queria eu ter a cabeça que tenho hj, aos 20, teria evitado esses atrasos de vida.

Porem, so adquiri essa maturidade atraves dos meus erros.

Hoje, nao tenho mais tempo para perder.

Konigvs disse...

Eu não corroboro nada dessa visão diabólica da internet. Não sei se o facto de ser homem possa ter algo a ver com isso pois sei que grande parte das mulheres é abordada sexualmente. O que eu acho é que a internet é o espelho da vida real. Todas as pessoas que estão na internet estão também na vida real. E tal como na vida real temos de fazer escolhas, com quem nos queremos dar ou não, na internet acontece o mesmo. Eu já conheci umas quantas pessoas na internet, pessoas essas que trouxe para a vida real e que hoje são minhas amigas, e grosso modo devo dizer que quase só tive boas experiências. É tudo uma questão de filtrar o que se quer.
Psicopatas, manipuladores, hipócritas, invejosos, gente que aparenta uma coisa e é outra está em todo o lado. São nossos vizinhos, colegas de trabalho... No mundo real também não damos logo confiança a quem acabamos de conhecer certo? O mesmo tem de acontecer na internet. Mas é só isso. Não temos de diabolizar, só temos de saber o que queremos.
Bucólico-anónimo
Multi-resistente