COMO SURGEM AS HELENINHAS ROITMAN

Não sei qual a finalidade do vídeo abaixo. O que o produtores quiseram dizer com tudo isso? Talvez mostrar que crianças copiam os adultos, e possivelmente serão alcoólatras no futuro? Quem sabe.

Mas não quero olhar como critica, não quero ver o que está por trás de tudo isso. Quando assisti, só uma coisa vinha a cabeça: Ela é uma mini Heleninha Roitman...rs rs rs.

Ao mesmo tempo que encantador o modo como uma criança age, copiando adultos, fico pensando como pais estragam uma pessoinha dessa por toda uma vida.

Pego essa deixa pra falar sobre o personagem de Lazaro Ramos, que até então me incomodava profundamente, pelo tipo de atitude, arrogância que tinha. Não estava entendendo a escolha de Gilberto Braga, mas essa semana, compreendi por que escalação dele. Poucos atores conseguiriam passar tanta verdade num olhar triste, como fez Lazaro. Traumas de infância, novamente jogados na sua cara. To esperando por mais.

Quanto ao vídeo, não sei o que falar. Compartilho com vocês, e cada um tira a sua conclusão. Eu ri, depois fiquei chocado, depois achei tudo um lixo, e ri de novo....rs.





Abração e boa quinta-feira....vai um wiskinho aí?

MONSTROS

Muitas vezes consigo entender por que  amo crianças...



abração.

LA MÔME

Tenho uma afeição pela língua francesa. Sempre gostei da sonoridade, da fonética do idioma, dos biquinhos que se faz para falar. Talvez seja por isso que as musicas em francês me toquem de forma diferente.

Existem sequencias do cinema que são eternas, como Al Pacino chorando a morte da filha nas escadarias do teatro em Poderoso Chefão III, Julia Roberts e Hugh Grant ao som de “she” no final de Nothing Hill, Glen Close sendo morta por Anne Archer em Atração fatal de 1988, e Marion Clottilard na sequencia final de La Môme, de 2007.

O filme é belíssimo, com a interpretação grandiosa de uma merecedora do Oscar de melhor atriz. Quem quiser perder um tempinho e ver o vídeo abaixo, não se arrependerá. A musica é extraordinária. Non Je Ne Regrette Rien.



http://www.youtube.com/watch?v=tjmNgPkAp4g

Boa quarta feira

RANZINZA

Ahh...eu não sou uma pessoa que se irrita com pouco. Paciência é minha virtude, mas tem algumas coisas que me tiram do sério, que me fazem desejar garras do Wolverine pra picotar alguém.

No escritório há uma senhora (copeira) que fica de aventalzinho o dia todo esperando ser chamada para servir um café, uma agua, ou seja lá o que precisarem dela.

Tá. Nos momentos de folga ela senta próxima a secretaria e ali faz seu crochê ou lê um livro evangélico. Só que enquanto faz isso, fica dando umas assobiadas com os dentes. Sabe aquela coisa de tentar tirar carne que ficou presa no vão? Não sei se alguém já ouviu isso. Ela faz o tempo todo, me tirando do sério, quase me tornando um assassino. O resultado é que passo o dia com fones de ouvido escutando musica. Por que quando dá da véias sentar aqui do lado, “cacilda” eu preciso me controlar.

Morar em prédio é bom, mas sempre encontramos um povo folgado que acha que só eles moram lá. O edifício tem porteiro 24 horas. Só que às vezes quando chego tarde o bostinha ta trancado dentro da cabine dele, e nem a cara põe pra fora. Se um assaltante vier fazer algum mal enquanto espero o portão abrir, o problema é só meu. E sobre os folgados é o seguinte. Em cada piso de garagem tem um carrinho de mercado pra quem quiser levar as compras até o apartamento. Só que a cambada usa a p* do carrinho e deixa no elevador. Muitas vezes chego e quando vou entrar ta aquela coisa parada ali dentro. Tiro e deixo no meio do hall de entrada. Não fui eu que peguei, não preciso levar no lugar, por que quando uso, devolvo certinho no local onde fica.
A lei contra o fumo é uma das coisas mais dignas que criaram nos últimos anos. Poder comer num restaurante ou num bar sem a fumaça é algo pra se comemorar com fogos de artificio. Mesmo assim tem aqueles locais que as mesas do restaurante ficam divididas da calçada apenas por alguns vasos, e as pessoas que se sentam ali fumam como se estivessem em suas casas, o que é uma merda por que fumaça de cigarro procura o nariz de quem não gosta. E sabe o que percebo? Homens tem mais cuidado pra fumar. Geralmente levantam-se e vão até o meio fio da calçada e ali batem um papo enquanto fumam. Quem adora incomodar são as mulheres fumantes. Muitas vezes da vontade de falar: oh tia, é feio fumar, ainda mais mulher com uma cara igual a sua. Tu já é baranga, fumando, e achando que só existe você no mundo. Pô, vai pra casa véia...ta na hora de reforçar a corega da dentadura. Ou quando não é uma mocreia dessas são aquelas menininhas que acham lindo fumar, e nem sabem faze-lo direito. Soltam a fumaça pra qualquer lado empesteando tudo. Rezo para a lei se estender a qualquer lugar publico coberto ou não impedindo o fumante de exercer seu vicio ali.


Meu limite para pessoas fúteis ta tão curto, mas tão curto, que quando encontro alguém que adora bancar o “vip” saio de perto e não dou ouvidos. Quero pessoas com conteúdo ultimamente. Quer me ver irritado, é só olhar pra minha cara quando chega alguém e começa a contar sobre a viagem que fará no natal desse ano, tipo “vou pra Disney”...rs rs rs...meu, março, faltam 9 meses ainda. O duro desse povo artificial é que ele não viaja por que é habito, viaja pra tirar 40 mil fotos, jogar tudo no facebook e depois fazer pose de turista cansado. Quem tem habito de viajar não faz alarde, um dia ele diz: estou me ausentando, viajo amanhã. Isso é chique...rs rs rs.

O pior que esse tipo que adora falar das viagens, também fala dos restaurantes, das roupas e tudo mais. No mínimo devora a revista VIP e depois sai falando das melhores baladas e pessoas em evidencia, e na verdade nem conteúdo tem pra manter um papo. O que tem de gente burra querendo ser “in” não ta no gibi. Expressão antiga, mas que ajuda a exemplificar os tipos, que deveriam ter um nome para classifica-los.

Gente assim me lembra a musica “barrados no Baile” do Eduardo Dusek...aqueles que não conhecem, escutem qualquer dia, prestando atenção na letra.

É isso, meu humor está tão bom hoje....rs rs rs.

Abração a todos....

ASSUNTOS DESCONEXOS

A segunda feira pra mim tem cara de velório. Amanhecer e começar a rotina semanal é o mesmo que colocar uma roupa pra ir num enterros. Mas não pense que isso é um tipo de comparação negativa, por mais que não goste de segundas feiras e enterros, encaro numa boa, por que é só o começo da semana, e nunca tive medo de mortos, e nem problemas em vê-los duros, gelidos, roxos, cheios de algodão no nariz...kkkkkkkkkkkk...baixou a família Adams.

Dia desses estava parado no semáforo e uma borboleta branca entrou pela janela do passageiro que estava aberta, passou por mim e saiu pela outra extremidade. Aquilo me deixou feliz de certa forma, não sei explicar. Foi quando percebi que há anos eu não via uma borboleta. Quando era criança os jardins das casas tinham flores. Pelo menos era assim na rua em que morava. Existiam centenas delas voando, coloridas. Hoje não se vê mais. Algumas pessoas podem estar lendo isso e pensando: Que viadagem, o rafa falando de borboletas...rs rs rs...To nem aí.

Mas os insetos da minha infância, como borboletas, joaninhas, vitus, grilos, gafanhotos verdes gigantes, bicho pau, Maria fedida, parece que se extinguiram. Lá uma vez ou outra vejo uma Maria Fedida em algum lugar. Mesmo no condomínio onde meus pais moram, que tem jardins enormes com flores de todo tipo não há borboletas.

Engraçado que as crianças de hoje não tem esse contato com a natureza. Empinar marimbondo era uma brincadeira perversa, mas divertidíssima. Caçar siriri e dá-los para lagartixa comer era algo macabro e ao mesmo tempo cientifico.

Não fui o tipo de criança que matava passarinho, abria pra ver dentro e depois jogava fora. Sempre tive pena dos bichos. Mas pequenas maldades infantis confesso que fiz, como encher a orelha do cachorro de prendedor de roupas...ou colocar gatinhos dentro de uma caixa, cobrir com pano e ficar vendo a cabecinha deles formar saliência no tecido.

Ser criança hoje é tão diferente. Incrível, mas um bebe de 6 meses já manipula um controle remoto de TV como se soubesse que aquilo muda os canais, os dedinhos apertam os botões de maneira habilidosa. Há duas décadas a criança iria só lamber, babar e depois jogar fora.

Esses dias vi a esposa de um amigo montando lembrancinhas de aniversario e me surpreendi com o resgate que estava fazendo das brincadeiras da minha infância. O kit era composto de dominó, bola, e jogo de botão. Não sei se as crianças de hoje tem paciência de sentar e jogar botão como fazia quando criança. Preferem talvez se sacolejar na frente da TV com esses novos vídeo games interativos. Isso é muito triste, por que prevejo um bando de moleques com ótima coordenação motora, mas neuróticos, tensos e com problemas cardíacos. Por que não tentem me convencer que a tensão que uma criança sente em frente a um vídeo game é saudável.

E assim começa a segunda feira, com assuntos nada a ver, mas que estavam aqui guardados na cachola.

Abração e boa semana a todos.

QUE CULPA EU TENHO?:

Não queria falar sobre comportamento dois dias seguidos, mas é que hoje, logo cedo quando fui abastecer o carro, aconteceu algo que me fez refletir. O por que de pessoas serem extremistas.

Estava parado abastecendo quando do meu lado estacionou um “tempra” preto. Dele desceu uma pessoa que no primeiro momento não identifiquei o sexo, mas logo em seguida percebi ser uma mulher por causa dos seios.

Essa pessoa trombou comigo para pagar no cartão, me olhou feio, como se eu fosse um ser de outro planeta, e quando saiamos do posto quase atingiu meu caro, saindo cantando pneus, como se estivesse num dos filmes de velozes e furiosos. Aí conclui, por que algumas lesbicas odeiam homens, e por que alguns gays abominam mulheres?

Não entendo esse extremismo. Acho chato quando leio sobre mulheres em alguns blogs e vejo o termo “raxa” para designar uma mulher. É ofensivo. Aí vem aquela retórica do respeito, do direito de ser quem é, de não sofrer preconceito.

Li um texto do Danilo Gentili (o qual não concordo muitas vezes por achar que passa dos limites) muito apropriado para isso que estou dizendo aqui. Ele escreveu em seu twitter:

[ "King Kong, um macaco que, depois que vai para a cidade e fica famoso, pega uma loira. Quem ele acha que é? Jogador de futebol?"

Não preciso dizer que foi bombardeado por uma ONG de defesa dos negros que dizia:

"Nos próximos dias devemos fazer uma carta de repúdio. Estamos avaliando ainda uma representação criminal", diz José Vicente, presidente da ONG. "Isso foi indevido, inoportuno, de mau gosto e desrespeitoso. Desrespeitou todos os negros brasileiros e também a democracia. Democracia é você agir com responsabilidade"

A resposta de Danilo foi a seguinte ( colocarei trechos por que é enorme):

"Alguém pode me dar uma explicação razoável por que posso chamar gay de veado, gordo de baleia, branco de lagartixa, mas nunca um negro de macaco?" "Na piada do King Kong, não disse a cor do jogador. Disse que a loira saiu com o cara porque é famoso. A cabeça de vocês é que têm preconceito."

"Se você me disser que é da raça negra, preciso dizer que você também é racista, pois, assim como os criadores de cachorros, acredita que somos separados por raças. E se acredita nisso vai ter que confessar que uma raça é melhor ou pior que a outra, pois, se todas as raças são iguais, então a divisão por raça é estúpida e desnecessária. Pra que perder tempo separando algo se no fundo dá tudo no mesmo?

Cresci ouvindo que eu sou uma girafa. E também cresci chamando um dos meus melhores amigos de elefante. Já ouvi muita gente chamar loira caucasiana de burra, gay de v***** e ruivo de salsicha, que nada mais é do que ser chamado de restos de porco e boi misturados.

- O macaco é o pior de todos. Quando um humano se xinga de burro ou elefante dão risada. Mas quando xingam de macaco vão presos. Ser macaco é uma coisa terrível. Graças a Deus não somos macacos.

Prefiro ser chamado de macaco a ser chamado de girafa. Peça a um cientista que faça um teste de Q.I. com uma girafa e com um macaco. Veja quem tira a maior nota.

Agora peço que não sejam racistas comigo, por favor. Não é só porque eu sou branco que eu escravizei um preto. Eu juro que nunca fiz nada parecido com isso, nem mesmo em pensamento. Não tenham esse preconceito comigo. Na verdade, SOU ÍTALO-DESCENDENTE. ITALIANOS NÃO ESCRAVIZARAM AFRICANOS NO BRASIL. VIERAM PRA CÁ E, ASSIM COMO OS PRETOS, TRABALHARAM NA LAVOURA. A DIFERENÇA É QUE ESCRAVA ISAURA FEZ MAIS SUCESSO QUE TERRA NOSTRA.

Se é engraçado piada de gay e gordo, por que não é a de preto? Porque foram escravos no passado hoje são café com leite no mundo do humor? É isso? Eu posso fazer a piada com gay só porque seus ancestrais nunca foram escravos? Pense bem, talvez o gay na infância também tenha sofrido abusos de alguém mais velho com o chicote.

Se você acha que vai impor respeito me obrigando a usar o termo "negro" ou "afrodescendente" , tudo bem, eu posso fazer isso só pra agradar. Na minha cabeça, você será apenas preto e eu, branco, da mesma raça - a raça humana. E você nunca me verá por aí com uma camiseta escrita "100% humano", pois não tenho orgulho nenhum de ser dessa raça que discute coisas idiotas de uma forma superficial e discrimina o próprio irmão."]

Eu gostaria de dizer para uma lesbica que não precisa ter raiva de mim, eu não tenho culpa de ter nascido homem!!!

Abraço a todos e ótimo fim de semana.

INTRANSIGENCIA !!!

Pessoas intransigentes me irritam. Não curto quem acredita que suas opiniões são sempre certas e verdadeiras. O ser humano é uma espécie em evolução constante, e isso é que nos caracteriza e nos difere dos animais, a capacidade de raciocinar e se moldar ao meio.

Moral, caráter, amor, são obrigações de qualquer individuo nesse mundo. Base para que se viva bem, e respeite o semelhante.

Mas aquela pessoa que finca o pé no chão e não abre os olhos para enxergar o que está em volta não passa de um alienado. Acham que seus ideais são a verdade absoluta do mundo, mas a inexistência de uma capacidade de olhar do lado e perceber que não está sozinho no mundo falta a esse tipo de pessoa. Em minha opinião intransigência e ignorância caminham de mãos dadas.

Pessoas assim agem eternamente como adolescentes. Usam daquele artificio de que se não pode ser do seu jeito, então não quer mais. Durante uma fase da vida é até respeitável que se aja dessa forma, por que estão moldando sua personalidade e ser intransigente faz parte de uma doutrina para irritar pais, irmãos, namorados e amigos. Mas depois de um tempo isso perde a graça e quando se carrega para a vida adulta, transforma a pessoa num ser insuportável.
Obrigar pessoas a realizar os caprichos simplesmente por que colocou na cabeça que deveria ser de tal forma estressa até um cão. Muitas vezes temos que nos moldar a situações para que os outros possam compartilhar do nosso mundo.

Pessoas assim não tem amigos fieis. Tem aqueles pseudoamiguinhos que acredita dariam a vida por ele, e na menor oportunidade viram as costas, quando aquela pessoa se torna um peso para eles. Isso é muito comum de se ver.

Pessoas intransigentes são chatas, por que se tornam criticas por mero prazer. Numa simples conversa descontraída de bar, essa pessoa dará o contra em tudo o que for debatido. É sempre a opinião contraria. Muitas vezes escolhe alguém como vitima, e passa a rebater tudo o que aquela pessoa diz. Isso é cansativo e termina muitas vezes em frases ríspidas, ou discussões.

Sou um tipo de pessoa que detesto o embate com quem é intransigente. Como tenho meu conceito formado de que todo intransigente é na verdade medíocre, e pouco sabe de assuntos diversos, não entro na quizila, não bato boca. Quer fazer valer a opinião, beleza, vá em frente, na primeira curva a pessoa derrapa.

Meu pai sempre diz que o melhor exercício para se viver bem é fazer 10 coisas que você não gosta todos os dias. Uma forma simples de respeitar as pessoas e aprender a conviver e sobreviver nas tribos onde estamos inseridos.

O vicio de rebater as opiniões alheias torna-se tão insuportável que muitas vezes achamos que o problema é pessoal. Esse tipo que não arreda o pé e quer que o mundo gire ao seu redor dificilmente deixará de agir assim. E convenhamos, é chato pra c*.


Você se acha uma pessoa que respeita a opinião alheia ( mesmo não concordando) ou quer que o mundo siga a sua cartilha? Reflita.

Abraço e ótima quinta feira.

FECHARAM-SE OS OLHOS TURQUESA.

Cada vez que uma estrela se apaga, o mundo fica mais escuro.

SUSAN BOYLE A BRASILEIRA?

Não suporto ver crianças tendo sua infância devastada por pais que as querem adultas. Ninguém até hoje conseguiu me convencer de que elas gostam de holofotes e se sentem bem em frente as câmeras e concursos de beleza.

Criança tem que ser infantil, falar bobagem e pronto. Maisa, com tudo que a fazem ser mais madura que a idade permite ainda fala bobagens e faz confusões típicas de uma mente ainda em desenvolvimento. Simony foi uma criança linda estragada na adolescência por pais gananciosos.

Mas o mais ridículo de tudo vi domingo no programa do Gugu (Record). Estava almoçando na casa de amigos, e diz a boa educação que se a TV está ligada, deve-se assistir aquilo que os donos da casa veem. Pois é, então estou lá sentado, quando entra no palco uma menina de 13 anos, mais ou menos, vestida como uma velha, com cabelos presos num coque e cachos caindo pelo pescoço. Uma mulher cafona, diminuída.

Quando apresentada por Gugu, minha fúria aumentou ainda mais. “Susan Boyle brasileira”. Pelo amor de Deus, só pode ter uma explicação que justifique uma adolescente se expor na Tv mal vestida daquela forma: Oportunismo.

Ser cantor lírico é lindo, por que remete a um lado da musica e cultura pouco explorada. Há centenas de bons exemplos a serem seguidos. Teria sido muito mais valido, por exemplo, se ela se espelhasse em Edith Piaf.




Susan Boyle é uma artista passageira. Uma mulher estranha, que ganhou fama por causa de reality show. Tudo bem que a voz é bonita, mas seus discos são trabalhados em estúdio para que a voz fique limpa e as canções bem trabalhadas. Os próprios produtores disseram que o repertório dela era defasado, tanto que perdeu o programa por repetir a mesma musica que a levou ao estrelato. Tudo bem, a fama chegou, dois Cds lançados, e meu respeito a ela, por sua história de vida, e por ter vencido o preconceito de muita gente.

Agora, uma menina brasileira querer ser a Susan Boyle é muito pra cabeça. Quem tiver paciência de ver o vídeo, concordará comigo. Pernóstica, e se achando, a menina engrossa a voz pra parecer adulta. Se comporta de forma exagerada, e desafina varias vezes, por estar segura demais. Sucesso é bom e duradouro quando se é humilde. Mas a apresentação foi ridícula, por vezes constrangedora. Ao cantar o tema de Titanic, alegando ser a música preferida de Gugu, a garota o segura pela mão, obrigando-o a permanecer no palco ao seu lado. Algo extremamente desnecessário, e como disse, constrangedor.

Infância e adolescência não podem ser atropeladas, por que geram adultos problemáticos, visto Rafael Ilha e tantos que se afundaram sem chances de recuperação.

Essa menina deveria se apresentar um pouco menos espalhafatosa, mais segura do repertorio, com uma pronuncia do inglês mais trabalhado. O que se viu foi à caricatura de Susan Boyle que convenhamos já é uma caricatura.

Quando vejo essas coisas na TV logo me remete a lembrança daqueles concursos de miss nos EUA, com aquelas crianças que parecem adultas encolhidas.

Oh coisa feia!!!!

Abraço a todos e boa quarta-feira.




POR QUE O RODRIGÃO É A BOLA DA VEZ?

Apesar de não me envolver mais com os reality shows da TV brasileira, não torcer enfurecido pelos participantes que mais me identificava (a ultima vez que o fiz foi com a Siri, e me arrependo com vergonha disso), hoje me despertou a vontade de defender um dos integrantes. Não tomo partido dele, apenas analiso os gritos do publico sobre Rodrigão ser gay.

Ontem respondi sobre isso no blog Gabuh. Na verdade reproduzo um pouco do que lá disse.

No inicio do programa as atitudes suspeitas de Rodrigão até me deixaram desconfiado da sua sexualidade e clamei em coro com o publico que ele era gay. Ri das charges que fizeram sobre ele e das insinuações que a equipe de edição insistia em mostrar.

Li sobre isso numa coluna do uol e concordei com quem escrevia. Por que insistir para que o menino saia do armário? Por que colocar em pauta a sexualidade de um participante e “arregaçar” sua vida pelo simples prazer de fazê-lo? Não sou preconceituoso, isso deixei claro todas as vezes que precisei falar sobre esse assunto.

Mas pensando friamente. Rodrigão é um cara que desponta na mídia. Um menino bonito, vazio, talvez pela idade, narcisista, muitas vezes agressivo com as mulheres, mas nada disso conota que seja homossexual. E se for? Qual o problema dele resolver manter-se calado, sem se expor. Família, amigos, e tantos outros “porens” estão envolvidos nessa questão, e não é pelo fato do Deus todo poderoso do programa Senhor Boninho desejar que a vida de um participante irá desmoronar para agrada-lo.

O BBB é efêmero e todos sabem. É uma vida de 3 meses como o próprio Pedro Bial anuncia a todo instante. Pensar que o cara pode se prejudicar por uma vida inteira pessoal e profissionalmente é de se pensar. O publico quer que ele se mostre. Pra que? Para em seguida rechaça-lo? É só tomarmos como exemplo dezenas de galãs e cantores nacionais que se escondem, para manter a pecha de “machões” e assim continuar vendendo sua imagem

Um país onde um casal gay termina a historia romântica numa novela se cumprimentando com abraços e toques de mão como “manos” corintianos é tão hipócrita que não se pode querer que na realidade alguém tenha que sair do armário para agradar o publico. Que seja o publico simpatizante, o heterossexual e o gay, que precisa parar de achar e querer que todos sejam gays. Não é assim que irão disseminar a causa contra a homofobia.

Deixem Rodrigão ser aquilo que quiser !!! Quem sabe daqui uns anos, mais amadurecido como Ricky Martin ( se sua fama durar até lá) ele não tenha uma cabeça mais tranquila para enfrentar o mundo.

Fala-se demais dos outros a sem prestar atenção que por trás daquele menino bonito da TV tem uma mãe, um pai, uma família inteira que sofre com os comentários do publico. Independente da época, da cultura somos os mesmos romanos no coliseu torcendo para que o leões devorassem os cristãos aos poucos. O sadismo continua vivo em todos nós. Parece tão importante discutir a respeito da sexualidade de um cara, que em pouco tempo ninguém mais vai se lembrar, enquanto temos sérios problemas de segurança, dentro e fora das cadeias.

Sinceramente não me importa se Paulinha era gorda e manipuladora, se Diana é lesbica assumida ou não, e muito menos se todos ( digo todos ) os homens que entraram no programa esse ano eram gays. Acho que a Globo ao invés de apostar na diversidade em BBBs, deveria honrar mais os textos de seus autores de teledramaturgias. Ver uma Maria Adelaide Amaral ter que rebolar para fazer de um casal de gays algo crível, deveria ser muito mais importante do que em que time apita Rodrigão.

E tenho dito...

Abração....e boa terça feira

MARIA BETHÂNIA

Regina Casé se reinventa de tempos em tempos, mas hoje já não tem o mesmo folego que há 10 anos atrás.

O Brasil legal foi um grande programa da década de 90 que mostrava o povo brasileiro na sua mais humilde essência. Divertidíssimo! Hoje em reprise as sextas feiras no Canal Viva.

Mas “Esquenta” vem a cada domingo me surpreendendo com ótimas atrações. Me incomoda um pouco a edição mal feita, com cortes bruscos. Faria mais sentido se ele fosse ao vivo, e assim disfrutarmos um pouco do improviso e da irreverencia da apresentadora que continua com a TV Pirata no sangue.

Regina por vezes lembra Leci Brandão nos comentários e narrativas do carnaval carioca onde falava com tanta intimidade de pessoas que o publico não fazia a menor ideia de quem eram, que virou piada nacional. Em Esquenta, Regina traz pessoas desconhecidas e as trata como amigos de infância, o que deixa o programa mais intimista, mas é preciso tomar cuidado para não transformar aquilo tudo na pizzada do Faustão, com piadinhas internas que o publico não acompanha.

Deixando isso tudo de lado, os convidados tem sido de primeira linha. Tudo voltado ao samba. Bem, somos um povo com gingado nos pés, então manda ver no pagode que logo alguém sai arriscando uns passinhos.

No programa desse ultimo domingo a produção escalou Maria Bethânia, sempre tão exclusa da mídia, para uma breve participação, que culminou em quase um programa inteiro, e me fez parar o que estava fazendo para apreciar. Conclui ao vê-la, despojada, à vontade no meio de gente tão talentosa, que adoro essa mulher.

Não sou o tipo de pessoa que coleciona ídolos, pelo contrario, gosto de muitos artistas, mas idolatra-los é uma distancia muito grande a ser percorrida. Com Bethânia, posso dizer que beiro essa idolatria. Escuta-la me faz um bem que ainda não havia me dado conta.

Não falo do talento, por que seria chover no molhado. Uma grande dama da musica brasileira, com algo tão discrepante do restantes das artistas que tem-se a impressão de que Bethânia não é desse mundo. Uma presença tão forte em cena, uma teatralidade nas mãos enquanto fala, uma biblioteca musical ambulante, com memoria invejável.

Não se olha a beleza física da artista, nem o fato de manter-se descalça enquanto está em cena, algo muito pitoresco, mas a beleza que transcende a pessoa. Uma alma regida pelos orixás do bem, pelos espíritos de luz, pelos santos e anjos que transitam entre nós. Bethânia é aquele tipo de pessoa que se tem vontade de sentar ao lado e segurar a mão, apenas pra sentir o calor que emana dela.

Preso sua discrição pessoal, o fato de não se envolver em quizilas com a imprensa, em fazer escândalos ou pronunciamentos públicos que gerem catarse nos fãs. Sua simplicidade é algo herdado da matriarca sabia dona Canô, um doce de pessoa, iluminada e carismática.

Não me importo em ver Bethânia pipocando em programas de TV. Prefiro essa forma seletiva de escolher a hora e o local certo para suas aparições. Talvez seja por isso que me encanto também por Marisa Monte. Não são artistas excêntricos, apenas se reservam o direito de não virarem pipoca de cinema, que nos enjoa pelo excesso.

Boa segunda feira e ótima semana a todos.

QUANDO O ATOR VIRA UM CHATO!!!

Ontem assisti parte de Meu Nome não é Johnny na Globo, estrelado por Selton Mello e conclui que cansei dele.

Não tiro sua capacidade dramática, sua competência como ator, e nada que macule sua imagem. Apenas não acho mais graça em nada que faz.

Nos EUA o carro chefe das emissoras bem sucedidas são os seriados (siticons) que também desembarcam em terras tupiniquins transformando astros do cinema em grandes celebridades aclamadas e adoradas pelo publico brasileiro. Entendemos então que o produto principal deles é esse, e não há por parte de grandes estrelas nenhum problema em protagoniza-los ou fazer participações especiais.

No Brasil não é necessário dizer que vivemos da novela. Se não fosse assim, as emissoras não se atracariam em publico para produzirem seus folhetins e ganharem o aval do publico. Então ver um ator renegar as origens que o fez surgir é um tanto complicado de engolir.
Difícil um ator no Brasil se negar a fazer televisão. Selton apareceu recentemente numa microsserie estranha sobre um medico paranormal. Posso até estar sendo irônico, mas não vi em momento algum o ator a vontade no personagem. Me parece sempre que o faz por obrigação. E olha que já se passou mais de uma década que não fazia algo diferente na TV, além de pequenas participações em séries curtas. O que queria mesmo era vê-lo numa novela do começo ao fim e saber se ele ainda tem folego pra tal empreitada.

O que acontece com atores como Selton Mello que se negam a fazer TV é justamente esse distanciamento com o publico. Sabemos que o cinema deu uma guinada, mas como disse em post anterior, para a classe mais baixa que tem a TV como diversão, ir ao teatro ou cinema é algo surreal.

Fernanda Montenegro, dama do teatro, grande estrela dos cinemas nos brinda de tempos em tempos com suas participações em teledramaturgias da Globo, eternizando grandes personagens, como Jacutinga, da novela Renascer.

Sonia Braga deve se achar o máximo estrelando filmes e series americanas. Tudo bem se para ela fazer sempre o mesmo papel de “chica” latina e prostituta vale mais do que ser consagrada e aclamada pelo publico brasileiro. O que fez de Sonia Braga sucesso foram os poucos personagens que interpretou nas “novelas” nacionais.

Mas a tão poderosa estrela Hollywoodiana aparece a cada década e faz uma ponta em algo na TV cobrando exorbitâncias ou caindo do cavalo como na tentativa ridícula da rede TV em transformar Desperate Housewives em produto nacional. Enfim, Sonia está tão distante da nossa realidade que ao se deparar com um texto de novela, o interpreta tão mal como uma dona de casa parada por Luciano Huck num game na praça da Sé.

A ponte entre Selton e Sonia que faço nessa analise, é que quanto mais o ator se afasta das suas origens na TV, mais ele se torna excêntrico, e perde a capacidade de convencer o publico de sua competência diante das câmeras.

Acho Selton um chato, assim como Luana Piovani, Carolina Dieckmann e alguns outros que se julgam a melhor bolacha de um pacotinho pequeno. Prefiro Wagner Moura que faz da sua simpatia e carisma o produto necessário para nos fazer reverencia-lo como um dos grandes nomes do cinema novo, do teatro e da TV. Pluralismo da arte de representar.

Boa sexta feira a todos, ótimo fim de semana.

MEU XARÁ ELEGANTE

Quarta feira dia 16 de março é dia do Arcanjo Rafael...rs rs rs...Aleluia!!!

Mas li uma reportagem no UOL que me tirou um sorriso. Segue trecho da matéria publicada.

[...Por meio de votação popular, foi escolhido o nome de Jamal para o filhote de girafa macho, nascido dia 4 de fevereiro no Zoológico de São Paulo.

O nome Jamal, que significa “elegante” num dialeto africano, venceu com 47 mil votos. Dentre as opções, havia ainda Melman (31.344 votos), nome da girafa do desenho animado “Madagascar”.

A enquete vigorou por duas semanas e recebeu 155 mil votos. As pessoas podiam votar pelo site da instituição ou depositá-lo numa urna instalada no parque.

O resultado foi divulgado nesta quarta-feira (16), mesmo dia em que o Zoológico de São Paulo, localizado na zona sul da capital, comemora 53 anos de existência...]
FOTO EXTRAÍDA DO UOL : JAMAL O GIRAFINHA!!!
A coincidência do nome nem é tanta. O negócio é que o bonitão aí nasceu no dia do meu aniversario, 04 de fevereiro...rs rs rs

Saúde e vida longa pra você meu Irrrmão...rs

Abraço a todos e boa quinta feira.

EDUCAÇÃO, ELEGANCIA OU FRESCURA?

Evolução da espécie humana: HOMENS.

Até outro dia ouvíamos que homem não chora, não usa cor de rosa, é o provedor da casa, usa as roupas até rasgarem por puro descaso, e com o tempo ficam gordos, peludos, carecas e broxas. Era assim que nos víamos quando adolescentes aos passarmos da 3° idade.

Hoje tudo mudou. Chega-se a 3° idade muito bem de saúde, com um corpo bem trabalhado e os estereótipos de gordo e peludo hoje são apreciados por determinados grupos, valorizando-os física e esteticamente assim como outros tipos que antes eram marginalizados.

Há 20 anos atrás não passava pela cabeça de um homem colocar próteses nas nadegas, ou peitorais para parecerem fortes. Tudo bem que acho isso ridículo, mas hoje boa parte dos jovens cogitam a possibilidade. Há cirurgias de prótese de queixo, aquelas que no final deixa um furinho a lá Umberto Martins no sujeito, melhorando (ou não) a estética do rosto.

Quando se imaginaria homens depilando sobrancelhas, axilas? Apenas atletas o faziam, e mesmo assim eram alvos de chacota. Hoje o guri de 15 anos, já cresce odiando seus pelos e clamando a mãe que o leve a uma clinica de estética para tratamentos contra espinhas e depilações extras. Evolução? Não sei.

Chegaremos ao dia que homens e mulheres se parecerão de tal forma que vistos de costas será impossível distingui-los. Mulheres se masculinizando e homens se afeminando. Nesse ponto gostaria de ser bem claro dizendo que o “afeminado” não é sexualmente, e sim fisicamente. Garotões como o Rodrigão do BBB11 geram comentários pela sua obsessão com a vaidade. Olhares treinados no espelho, testa sendo franzida (teatralmente), caras e bocas no intuito de parecer sensual!!! E o pior, tomaram das mulheres ( modelos da década de 80) o posto de bonecos infláveis. Bonitos por fora e vazios por dentro.

Dia desses estive numa churrascaria para o almoço. Não curto muito, por que não como carne vermelha suficiente para justificar o preço pago, mas tudo bem, fui. Não como sem ter as mãos lavadas, então fui ao banheiro, que imaginei ser um lixo, por que convenhamos, numa churrascaria o que menos se pode encontrar são homens higiênicos. Minha surpresa foi tamanha que fiquei parado olhando o banheiro por um tempo antes de me servir dele. O ambiente era impecável. Torneiras ótimas, com papel ( e não aquela maquininha de vento medonha) para enxugar as mãos. No vaso sanitário aquele aparelho que cobre de plástico o assento quando apertado o botão ( protetor de acento numa churrascaria?) e pasmem, ao lado de cada mictório um porta papel para o sujeito “enxugar” seu bingulim após o xixi ( para quem não curte falar xixi, urinada, mijada, pipi, torcida de pano ou seja lá como queiram). Sem falar no fio dental e enxaguante bucal. Isso é evolução do espécie masculina.

Sou a favor desses costumes de higiene. Não acho que por ser homem deva escarrar no chão e dar aquela puxada no saco, dentro de estabelecimentos ou na frente de pessoas estranhas ( alias não se deve fazer isso em lugar algum). Uma coçadinha básica é suficiente....rs.

A higiene é fundamental, por que ela traz consigo a educação. Quem tem bons hábitos naturalmente também tem respeito e cuidados no modo de falar, de tratar os outros. Preso as mães que criam filhos homens com noção de que o mundo não é só deles. Existem pessoas que merecem respeito. Está um pouco longe de todos serem assim. Ainda há aquela mãe machista que julga que seu filho é “macho” e por isso pode se comportar como um ogro em locais públicos ou com pessoas do convívio.

Outro dia escutei de um garoto de 20 anos num jantar de família, quando ofereci salada a ele: não como isso, é coisa de viado!!! Bem, se um tipo de refeição saudável é algo que classifique a sexualidade de alguém, devo entender que os equívocos que cometerá na vida, o levarão a grandes conquistas...rs rs rs.

Mas no frigir dos ovos essa evolução do homem no século XXI tem sim lados positivos que nos ajudam a conviver harmoniosamente sem ter que corrigir constantemente as atitudes dos que nos rodeiam.

Abração e boa terça a todos

O QUE PIRATARIA?

Algumas pessoas julgam que baixar filmes na internet, grava-los e assistir no conforto do seu lar, é pirataria.

Num pais onde a cultura é um item elitizado, caro e desnecessário ( para um pai de família que ganha 2 salários mínimos) , onde museus são passatempos inúteis, por que quem os visita pensa mais em vandalismo do que descobrir a história, onde teatro é coisa de viado, e cinema só serve pra dar uns pegas na “mina”, é até ridículo alguém questionar o fato de baixar filmes via internet.

O mundo evoluiu. Há duas décadas diziam que o cinema ia acabar por que os vídeos cassetes estavam ganhando as casas dos brasileiros. Nada, o cinema continuou firme e forte. Na verdade obrigou as empresas a melhorarem as salas e jogarem para os shoppings onde há estacionamento e diversão extra para quem quer ver um filme.

Isso teve um preço, os ingressos são vendidos a preços exorbitantes. Ninguém me convence que R$ 23,00 para uma sessão aos sábados a noite justifique o valor. O que pode custar tão caro? Uma sala com 500 lugares projetando um mega sucesso fatura em 2 horas quase R$ 10.000,00, levando em conta que nos shoppings a media são de 7 a 10 salas projetando concomitantemente. Enfim inútil fazer cálculos do ganho de um cinema. Seja ele qual for, é absurdo e injustificável.

Há sites pipocando na internet com filmes novos, antigos, desenhos, séries, tudo o que se possa imaginar de entretenimento, ali, disponível. É muita hipocrisia dizer que baixar um filme é crime. A comercialização disso é crime. Baixar, reproduzir 1000 vezes e vender, isso é pirataria. Mas fazer downloads para uso próprio, isso não queriam me convencer que é crime, por que beira o ridículo. Um cara joga na imprensa segredos do mundo politico inteiro, faz fofoca sobre presidentes e ninguém fala que ele cometeu um crime. Agora por que alguém vai la e baixa um filminho, é considerado um facínora. Bem, aí já acredito que quem o diz, gosta muito de ficção.

Se gravo os meus filmes é pra meu próprio deleite. Mesmo assim não deixo de ir ao cinema, por que a telona e tudo que representa a sala escura, o som caprichado, tudo isso é fantasia, que pra quem curte a sétima arte, às vezes chega a ser impagável.

Mas não é só por isso que faço downloads. Tenho pais com certa idade, onde a locomoção frequente para um cinema é complicado. Não é por que estão idosos que deverão sentar em frente a TV e ver programas religiosos.

Ao invés das pessoas se preocuparem com downloads de filmes, deveria virar um pouco a cabeça, sabe, torcer um pouco o pescoço e olhar a sua própria bunda. É um bom conselho, para falsos puritanos.

Abraços, e boa semana.

O BARRACO DE HELENINHA

Simplesmente sensacional. Não se faz mais cenas como essa, não se tem mais atrizes na TV que se entregam num personagem como Renata Sorrah e sua Heleninha.

A cena é um misto de vexame, vergonha alheia, pena, tudo misturado.

Chama os diretores da Record, do SBT e mandem assistir a reprise de Vale Tudo no canal Viva. Quem sabe conseguem extrair um pouco de criatividade e talento.

Agradeço a Dama de Cinza que me avisou dessa sequencia. Não assisto regularmente a novela. Mas já deixei claro aqui, que para mim é a melhor obra de teledramaturgia de todos os tempos. E viva Odete Roitman.



Vale a pena ver o video todo. Caso não abra o endereço está aqui:
http://www.youtube.com/watch?v=YukyCxjCgEs&feature=fvwrel

abraço e bom fim de semana

CRISE DE CRIATIVIDADE

Nos últimos tempos me falta criatividade para escrever no blog. Engraçado como a mente trabalha de uma forma ordenada. Voltei a mexer nos meus texto, nos contos e livros. Existem tantos personagens ali, vivos, que saíram da minha cabeça, filhos da minha criatividade que sugam toda energia e idéias que poderiam estar aqui.

Desde que comecei com o blog que não escrevia paralelamente os meus textos, concentrei tudo aqui. Claro que no primeiro ano foi um marasmo, poucas pessoas, idéias desconexas, mas depois fui pegando gosto conforme conheci outros blogs e amigos.

Hoje estou nesse dilema. Não abandonarei meu blog por que adoro isso aqui. Não publicarei apenas vídeos e fotos por que quem me acompanha quando lê o que escrevo e comenta é como se batesse papo comigo. As vezes pergunto para os amigos, me dá uma dica, o que escrevo? Muitas vezes dizem: fale sobre pipoca. Isso já é o suficiente para que a cabeça trabalhe e desenvolva um texto sobre pipoca, por exemplo. Mas tenho me privado de perguntar para os outros.

Mas aqueles personagens, que um dia tenho certeza, todos aqui irão descobrir, me pedem atenção agora. Como dizia Tancinha: Me to divididinho!!!!

Mas essa fase passa. Acho que por conta do carnaval e dos dias que fiquei em casa morgando, a aproximação com os textos que estavam parados me causou essa falta de criatividade para o blog. Mas não deixarei de postar. Mesmo que sejam pequenos textos, estarei aqui diariamente, e da mesma forma com todos os que sigo, e aquele que escrevem para mim.

Li algumas coisas que tenho pronto...As vezes acho que sou retardado, que falta um parafuso na cabeça, ou talvez alguma possessão, por que nem eu sei de onde saíram alguns absurdos.

Só não publico meus textos aqui por que seriam cansativos, extensos e isso cansaria o leitor de blog. Mas o dia que forem publicados, terei prazer em dar a alguns de vocês um exemplar.

Enfim, hoje é sexta feira, achando ótimo que amanhã descanso de novo....rs rs rs..Coisa de vagabundo.

Abração a todos, e ótimo fim de semana.

PREGUIIIIIIIÇA

Antigamente as meninas desciam para o litoral com a finalidade de viver um grande amor no carnaval. Quantas e quantas histórias ouvi de meninas apaixonadas que nunca mais viram seus “namoradinhos” que se perderam mundo afora.

Bem, hoje a meninada vai pro litoral, transa com quem estiver disponível, e na quarta feira de cinzas já estão mandando mensagem pelo facebook, Twiter e o que mais estiver disponível. Difícil perder uma paquera hoje em dia. E mais difícil ainda é repetir a transa...rs rs rs.

Amor de carnaval não sobe a serra? Nunca subiu. Ele fica ali na areia da praia. Na roupa de banho lavada na torneira do tanque antes de deixar a casa. Assim foi e assim será.

Paixões de carnaval são tão efêmeras quanto a ilusão de no ano seguinte irão reencontrar a paquera. Até isso se perdeu hoje. Os bailes de carnaval nos salões nem existem mais. Sábado passeei pela cidade e todos os clubes estavam fechados. Alguns anos atrás era impossível transitar no bairro onde moro pela concentração de carros e pessoas felizes indo para os salões. Fiquei decepcionado com o modo como se encara o carnaval nas cidades do interior.

Engraçado que mesmo tendo ficado em casa os 5 dias, sinto ressaca na quinta feira. Parece que enchi a cara. Talvez seja ressaca de não fazer nada, por que assisti muitos filmes, li meus bons livros, fucei na internet e comi, comi, comi...

Preguiça absurda de escrever um post. Por isso esse aqui é curtinho e no fim do dia. Amanhã faço algo mais elaborado. Só pra não acharem que eu sumi.

Abração a todos...












MADAME SATÃ

Falei mal de Lazaro Ramos em seu personagem de Insensato Coração e fiquei com a consciência pesada, por que gosto muito do ator. Espero que ele ainda venha a me surpreender com seu André.

Mas o talento inegável de um ator o faz brilhar em personagens que alguns não passariam perto.

Madame Satã é um dos grandes filmes da nossa cinemateca nacional. Um show de talento que Lazaro esbanja sem pudor. Um filme forte, com passagens realistas demais.  E é ambientando na Lapa dos anos 40 e representa o amor ao carnaval.

O trailer mostra um pouco do que se espera do filme, e na sequencia, uma das hilárias cenas em que Madame Satã briga com Fatima (o ator Flávio Bauraqui), desculpem o tom do video, mas é que caracteriza o personagem.







o verdadeiro Madame Satã

Vale a pena para quem curte cinema nacional, dar uma espiada. Não esperem um clássico romântico. Madame Satã é a dura realidade de um negro gay, na Lapa dos anos 40.


Abração e bom carnaval.



OLHA O POVO RIDICULOOO AÍ GEEENTE!!!

Pra muita gente carnaval é tudo de bom, pra mim é um saco. Me sinto a Hiena do desenho lamentando tudo. Sabe aquela síndrome de “Janaina do BBB” , gente feliz demais. Então isso me incomoda. Rs rs rs.

Já fui a carnavais quando era moleque, aproveitei bastante. A primeira vez que pude ir a um baile a noite me senti adulto pra c*, mas aos poucos fui perdendo o interesse. Os bailes de salão que hoje em dia nem sei se existem mais, era repletos de famílias, com menininhas cheirosinhas, loucas pra dar uns amassos embaixo da escada sem que os pais vissem, e disso não passava.

Um dos bailes que fui “ainda acompanhado dos pais”, uma velha bingueira, amiga da família, me puxou pro meio do salão, e por mais que eu tentasse me livrar, ela me girou tanto que podem ter certeza, tive uma crise de labirintite...kkkkkkkkk...o jovem garoto idoso. Sempre que lembro dessa passagem me vem a cabeça o apelido de uma velha que escutei: A peito de meia. (né Wilson e San?). Essa era a própria peito de meia.

Terríveis devem ser os trios elétricos da Bahia. Nunca fui pra lá nesse período, mas já ouvi centenas de histórias, inclusive de que pisar em cocô e xixi e típico. Putz, ainda se fosse no sul da Itália, brincando de pisar em uvas pra fazer vinho tudo bem, mas amassar merda no paralelepípedo é muito pra cabeça. Agora, certeza que o Braccini pensou “Odete Roitman”...rs rs rs.

Mas o pior de tudo são as fantasias. Se um amigo meu aparece vestido como nas fotos abaixo pra me acompanhar num baile de carnaval, eu corto com a minha Burza ( pra quem não se lembra, minha faca hiper afiada), ou taco gasolina e ponho fogo...rs rs rs.







Mas na verdade, o post é mais pra falar que o carnaval não é mais o mesmo. Antigamente tinha aquela diversão que reunia a família nas terças a noite (o gala gay). Pois é, minha mãe adorava isso, e sentávamos todos na sala pra rir das figuras. Por mais que houvesse um tom “sexual”, era muito divertido ver Monique Evans e grande elenco entrevistando as travecas. Hoje com Vesgo do Pânico ridicularizando o povo, perdeu a graça.

Riamos muito quando Clovis Bornay aparecia com as sua “pagafernalia” de paetês e plumas, nos desfiles do Hotel Gloria. Talvez fosse a inocência da infância, mas isso era muito engraçado. Outra coisa que a família não perdia.

Hoje o excesso de coxas malhadas, mulheres modificadas por hormônios masculinos, tiraram do carnaval na TV aquela sensação de festa. Parece tudo comercio de carnes. Artistas se estapeando pra aparecer mais que os outros. As pseudocelebridades estranhas que a mídia mostra e eu nem sei de onde desembocou.

E que me perdoem os religiosos, mas passar quatro dias em retiro espiritual numa fazenda com som de passarinho também não dá. Ficar lá rezando pela putaria que os outros estão fazendo é o cumulo. Posso não brincar o carnaval, mas também to me lixando se o povo ta na fornicação ou não...rs. Alias, os bares de campinas, por iniciativa da prefeitura e do governo federal, oferecem preservativos grátis dentro dos banheiros. Fica uma urna pregada na parede ao lado do listerine...rs rs rs...é isso, bom hálito e segurança na hora da paquera. Isso eu aprovo.

Aos que vão cair na farra, boa sorte, boa diversão, não façam filhos pra dezembro. Aos que ficarão em suas casas, bom descanso, ótimo carnaval. E aos que vão pro retiro espiritual, da uma olhadinha em volta, pega a mais bonitinha ( o) e bora pro mato...rs rs rs. Vamos dar a festa pagã o devido respeito.

Abração a todos.

ELES EXISTEM !!!

Era tão chata que na sua festa de aniversario trancaram-na dentro da despensa.

Era tão pusilânime que não urinava em banheiro publico por que seu jato de xixi era fraco. Sentia inveja do barulho forte da urinada alheia.

Tinha tanta baixa autoestima que chamava o elevador sozinha no ultimo andar pra ter certeza que ele ia até lá só pra busca-la.

Era tão feia, que o dia que um cara lhe deu uma cantada, quebrou-o no caratê.

Era tão má que se rasgou toda quando viu o genro pisar no seu tapete.

Era tão racista que no dia da sua formatura agradeceu os inúmeros negros de “alma branca” que estudaram com ela.

Era tão tarado que prendeu o bingulim na linha do trem tentando fazer sexo com o trilho.

Era tão azarado que o dia que ganhou na loteria lembrou que não havia jogado.

Era tão gorda que vivia sentada no sofá da sala, e dela saiam pequenas larvas brancas.

Era tão lumbriguenta que quando engravidou comia pedaços de barranco vermelho, tamanha a fome.

Era tão desligado que num sermão agradeceu o pessoal de curralinho e pau grande que estavam na igreja.

Era tão detestada que ao tentar se matar tomou uma caixa de calmante, dormiu 3 dias e ninguém percebeu.

Era tão burra, que tentou se matar tomando duas caixas de Voltarem.

Era tão burrinho que comprou pomada de assadura da mônica e escovou os dentes achando que era pasta.

Tava tão estragada que o dia que foi visitar a mãe no hospital acharam que a velha era sua filha.

Era tão esnobe que recebia os convidados para jantar na sua casa vestido com túnica de faraó.

Era tão econômica que cozinhava arroz para vinte dias e adorava quando o sentia crocante.

Era tão mentiroso que comentou com afinco o enterro de um cara que nem tinha morrido.

Era tão maconhado que um dia teimou com todo mundo que uma sereia havia cantado pra ele.

Era tão caipira que tinha certeza que quando criança foi num baile de saci.

Era tão burro que ao nomear seu exame de fezes colocou – MERDA.

Era tão porco que enxugava folha de alface na calça e apagava cigarro na palma da mão.

Era tão neurótica que batia nos filhos com cabo de vassoura, um dia cresceram e quebraram ela na marreta.

Era tão imbecil que cumprimentou a viúva com : E aí tudo bem, pronta pra outra?

Se achava tão lindo que se mordia todo tamanha gostosura.

Era tão gulosa que um dia acharam caixas guardadas no guarda-roupas cheio de pão com mortadela.

Era tão estranho que roía as unhas das mãos, dos pés. Quando acabavam as suas fazia o mesmo com a irmã.

Era tão miserável que comprava papel higiênico com folhas duplas e dividia ele inteiro.

Confesso que conheci cada uma das pessoas descritas acima. Esse mundo só tem maluco!!!


Abração e boa terça-feira.