LEMBRANÇAS DE UMA VOZ

Recomendo ligar o video e escutar a musica enquanto ler o post.

Sempre que fico em casa meio ocioso gosto de pesquisar minhas musicas. CDs antigos que gravei. Triagens que deixo guardadas pra um dia virarem uma compilação, por que se há algo que curto muito, mas muito mesmo é musica.

Uma chuva muito chata me prendeu em casa num sabadão à noite, e nada melhor do que um ar melancólico, que há muito não me dava de presente para passar as horas. Assisti a novela das nove inteirinha e durante a semana falo sobre ela e minhas impressões.

O post de uma noite de sábado é para discorrer sobre uma voz linda, melodiosa, triste, que está carimbada lá na minha infância, depois me acompanhou pela adolescência e hoje adulto me encanta e entristece ao mesmo tempo por saber que há tantas décadas partiu. Karen Carpenter.
Os mais jovens talvez não compreendam quem foram os The Carpenters ( dupla musical de Karen e o irmão Richard Carpenter), e não entendam o que significa para alguns trintões saudosos como eu.

Karen embalou muitos namoros e momentos de pura fossa dos jovens das décadas de 70 e 80 e já naquela época sofria de um mal tão presente hoje nas jovens, a anorexia. Causadora de sua morte ( aos 32 anos) no exato dia que completava meus 10 anos de vida, 04 de fevereiro de 1983.Talvez seja esse o motivo que me faça ser fã dela quase 3 décadas depois de desaparecer.

São por pessoas como Karen que às vezes lamento a partida prematura. Penso no tanto que teria produzido se continuasse entre nós. Mas o legado, o trabalho deixado se imortaliza entre os que com sensibilidade entendem o quanto esse mundo era estranho pra ela.

KAREN E RICHARD CARPENTER

Hoje com tantas Lady Gaga, Kate Perry, Rhianna, os jovens não param para ouvir o que foi produzido lá trás. Até compreendo, as gerações evoluem e crêem que tudo que faz parte de um passado que não o seu é careta. Mas um dia,  quando amadurecerem, ou se apaixonarem talvez ( que é o momento que qualquer ser humano fica bobão) a voz encantadora de Karen os atinjam direto no coração.

Duas décadas após a morte de Karen uma reportagem sobre o quanto os Carpenters foram importantes para a America começava assim:

"Eles eram lindos com seus sorrisos de creme dental; limpinhos, tanto por dentro como por fora. Eram tudo que a América precisava no final dos anos sessenta, quando valores estabelecidos ruíam com o surgimento dos hippies piolhentos e uma música movida a ácido lisérgico. A América já podia respirar aliviada; os irmãos Karen e Richard Carpenter eram o seu "verdadeiro" retrato: o rapaz para levar nossa irmã ao cinema sem lhe fazer mal, e aquela moça que era a doçura em pessoa, confiável, alguém a que confidenciar nossos segredos mesmo que ela nunca parasse de cantar para ouvi-los..."

KAREN JÁ COM OS EFEITOS DA ANOREXIA

E para encerrar esse post um de seus grandes sucessos, algo a ver com o dia de hoje, e muito a ver comigo: Rainy Days And Mondays (Dias Chuvosos E Segundas-feiras)...o refrão é pra mim:

...Rainy days and Mondays always get me down

...Dias chuvosos e segundas-feiras sempre me deixam pra baixo



BOM DOMINGO.

8 comentários:

Sandes disse...

Rafael, seu post me atingiu o coração! Sou muito fã dos Carpenters e também me questiono todo santo dia o porquê de ela ter partido tão prematuramente. Também já fiz um post em homenagem a eles e penso ainda em fazer outro, tamanho é o meu amor pela obra e a saudade dela. Rainy days and mondays também é a minha canção predileta. É meu ringtone. [...] O engraçado é que vc postou o mesmo vídeo que eu postei em meu blog, rsrsr Abraço meu amigo!

Edilson Cravo disse...

Maravilhoso teu post. Eu acho Carpenters um luxo e os acho atemporais. Marcaram minha adolescência pois os ouvia bastante. Sempre bom lembrar de coisas boas. Parabéns. Lindo fim de semana. Abraços.

Hugo de Oliveira disse...

Gostei da dica.
Te desejo um ótimo domingo.

Karina disse...

Não cheguei a pegar a época de sucesso dos Carpenters, mas aprendi a arolar a música deles e principalmente a voz dela, que para mim está dentre as dez melhores (porque eu acho que voz bonita é aquela em que o cantor o cantora mostra que tem potência sem gritar). Mas que noite de sábado melancólica, hein? Bjs, Karina.

o Humberto disse...

Eu adoro esse seu blog, Rafael. Muito mesmo. Você é um cara que tem o que falar, parece aquele amigo que dá gosto ter por perto porque tem sempre algo a falar, conhece muita coisa. É uma pessoa ilimitada.

Eu fui ouvir os Carpenters por conta própria, nos anos 80 mesmo (eu era uma criança com fascinação pelos anos 70). Karen era mesmo uma figura que marcou uma época.

Enfim, relembrar o passado é bom pra ver como andamos aproveitando (ou não) o presente.

Abraços, amigo, boa semana pra vc!

P.S.: Tb amo música, tenho que dizer.

Paulo Braccini disse...

Lembranças memoráveis ... adooro mesmo!

Cristiane A. Fetter disse...

Amo-os. A voz dela é cristalina, pena que ela não se via linda assim, mas...
Aqui em New Jersey tem rádios que tocam muito as músicas deles.
bjks

Papai Urso disse...

O pior é ela ter morrido numa época em que não se sabia o tanto de coisa que se sabe hoje em dia sobre anorexia... Praticamente morreu de algo que só veio a ser elucidado anos mais tarde, que triste... Lembro do irmão dela falando em um dos muitos documentários que ela nunca brigava com ninguém, era a doçura em pessoa, mas se alguém lhe oferecesse comida, ela xingava a pessoa e a partir dali a ignorava por completo, um horror, né?