AMAR OS FILHOS IGUALMENTE

Sem exceção todos os pais afirmam amar os filhos na mesma proporção. Eu não vejo dessa forma.

Sou o caçula de três como já disse varias vezes por aqui. Esse texto não é um desabafo, muito menos prerrogativa pra reclamar de falta de atenção ou qualquer que seja a ideia de quem o lê. O intuito é dizer que não há mal algum em pais gostarem mais, ou se dedicarem mais a um filho do que a outros.

Voltando a minha vida pessoal. Somos dois homens, um mais velho e um mais novo, entre nós uma menina. Sempre foi evidente a preferencia do pai pelo filho mais velho. Algo que um dia incomodou muito, mas que com o tempo se amenizou. Dia desses debatia com a menina do meio o assunto, e concluímos que sempre houve essa predileção.

Não me faltou amor, atenção, presentes, educação e nada que pudesse gerar alguma carência afetiva. Não apanhei quando criança, por mais peralta que tenha sido, mas fui injustiçado nas quizilas entre irmãos durante muito tempo. Hoje analisando as situações concluímos que desde cedo, sem perceber os pais davam ao mais velho uma autonomia e um tratamento diferenciado.

Em todas os discussões da infância o irmão mais velho (sempre com uma língua afiada e ferina) discorria ofensas e palavrões aos outros dois irmãos, e assim que saciava sua ira, saia de nariz em pé, por que tanto o caçula quanto a filha do meio eram impedidos pelo pai de retrucar. Isso não aconteceu uma vez, foram varias, sempre.

Como disse, isso não me deixou sequelas psicológicas, mas gerou em mim e na irmã uma animosidade desnecessária com o irmão, e vice –versa. Certa vez ele disse a mãe que não tinha afinidade com os irmãos, e que não conseguia mudar isso.

Hoje somos adultos, responsáveis pelo bem estar dos pais idosos. Cada um na sua casa, com seus problemas, suas famílias, e suas lembranças.

Conforme analisamos o comportamento dos pais em relação ao mais velho, temos cada vez mais certeza dessa predileção. Há algo neles que não se explica. Não é amor demais, nem preferencia, se assim pode dizer, mas uma atenção especial, que aos outros não é dada. Sutil, mas perceptível aos olhos dos filhos, apenas.

Isso é comum em todas as famílias. Já percebi, já ouvi da mãe de um amigo: Não é que não goste de todos os meus filhos da mesma forma, é que um deles precisa mais de mim.

Então pode ser isso, aquele filho, num determinado momento da vida precisou mais dos pais, por algum motivo, até desconhecido, e fez-se nele um hiato para os outros filhos.

Não adianta dizerem que não há isso, que filhos são amados da mesma forma. Concordo que pais não deixariam de amar os seus filhos numa mesma proporção, ou melhor, jamais perceberiam isso, ou confessariam. Há aquele incomodo em dizer que não gostar de um filho, pai, mãe ou irmão é pecado.

Conheço filhos que abominam os pais, ou irmãos que se odeiam. Errado? Não sei. Só acho que não somos obrigados a adorar aqueles de mesmo sangue por convenções sociais.

Isso não quer dizer que não ame os meus...além de gostar, admiro profundamente os dois. Mas é um assunto extenso, talvez difícil de se fazer compreensivo.

Abração e boa terça feira a todos.

11 comentários:

Andreza disse...

...isso tem aqui tbm entre os 8 filhos,a mais velha tem toda uma atenção por ter ajudado nas horas difíceis e o filho de número 5 por ser o bom filho,aquele que não retrucava...mãe gosta de todos,mas sempre haverá aquele por quem tem mais apreço...vejo isso com normalidade...por isso optei por ter apenas 1 filha...ela não vai poder dizer lá na frente que foi tratada com indiferença...rsrsrs
bjks doce ♥

Edu disse...

Pode ser assunto longo e difícil de colocar no papel. Mas todo mundo que tem irmãos sabe exatamente do que você está falando. :-)

Cler .**.**.**.**.** disse...

Oi, Rafael...
A minha mãe tem 03 filhos homens e 03 filhas mulheres, e fico ás vezes muito chateada com ela, a preferência que tem pelo meu irmão mais jovem chega ser doideira...Meu irmão não é nada carinhoso com ela, rebelde, e vive preferindo as namoradas, os amigos a ela... e qto mais ele a faz sofrer mais ela o prefere...
Eu tenho três filhos o Juliano com 23 anos, a Benvinda com 15 anos e a Rafaela com 01 ano - não sei, se a diferença grande de idade entre um e o outro fez com que eu não desenvolvesse a tal preferência, ou por ter sofrido na "carne" isso de minha mãe, que eu literalmente amo os três de maneira igual, e aí que não haja respeito entre eles, claro que a bebê dá muitos beijos babados nos irmãos mais velhos rs rs mas isso com o tempo irá melhorar :)))
ora ou outra sempre me pego lendo seus escritos ^^
gde abraço

Paulo Braccini disse...

Perfeita a sua perspectiva ... todos somos filhos de alguém e quase todos temos irmãos, então sabemos bem o q é isto.

Não existe amor igual... FATO! isto é do SER. Uma questão de identidade ... bateu valeu ... Pais amam os filhos ... uma verdade na maioria dos casos inquestionável ... mas amor igual ... NOT ... sempre existem as identidades maiores e menores ... o mesmo vale para filhos em relação aos pais e entre irmãos ...
Eu tenho um vínculo muito forte com relação à minha mãe, mas tenho certeza q se meu pai fosse vivo nós seríamos a maior dupla de amigos da face da terra ... detalhe: qdo eu o perdi não achava isto ...

Obrigado querido pelo belíssimo coment deixado por lá ...

bjão

Cris disse...

Ah, meu Querido, todos nós somos vítimas. Somos todos em algum momento injustiçados por aqueles que jamais poderiam nos injustiçar. Filho esquece que pai e mãe são seres humanos. Sou filha. Sou mãe.
Eu erroooooooooo e erroooooooo !
Sabe, não amo mais a Bel ou o João, mas quando um está precisando mais de mim do que o outro, minha asa de forma diferente o "pintinho" ferido! Até que tudo cicatrize, fico do lado, lambendo as feridas. Depois, tudo volta ao normal!......rs Pintinhos lado a lado seguindo a galinha..kkkkkkkkk

Amor não é infalível mesmo quando é o maior amor do mundo. O maior amor do mundo é sentido por um ser humano: a mãe !

To com saudade daqui....rs
Logo, logo to voltando....beijo enorme!

Euzer Lopes disse...

Eu tive um irmão. Tive. Ele era 11 anos mais velho e eu sempre tive a percepção de uma tal predileção do meu pai e da minha mãe por ele. Eu com 7, ele com 18. Eu com 18, ele com 29. Eu com 29, ele com 40. Quando eu estava com 40, ele não estava com 51. E eu levei muitos anos para perceber uma coisa:
o amor dos dois por nós era I-G-U-A-L sim. Eles apenas nos tratavam de acordo com a idade que tínhamos.
Precisei ficar "velho" para entender isso. E também para me sentir culpado por ter pensado que meus pais tinham mais amor por ele que por mim. E me dói ver que minha mãe sofre a perda do primogênito. Sofre calada. Sofre sorrindo. Afinal, para a mãe, ter um filho é ter um coração batendo fora do peito. E um dos corações fora do peito dela parou de bater há quatro anos.
Bem, esse é meu caso, não posso generalizar a partir do que aconteceu em minha família.

www.meioameioblog.blogspot.com
UMA FILHA PRA CHAMAR DE MINHA

Lobo disse...

Os pais podiam parar de tentar limpar a barra deles dizendo que não tem um predileto. Todo mundo sabe que tem. Só que é feio assumir isso. Mas não vai traumatizar mais ou menos a criança, porque ela já sabe disso.

Abração Rafa!

..::voy::.. disse...

eu msm nao acredito nessa de q pais amam por igual... acho meio descabido, sem sentido!
claro q gera mta 'guerrinha' entre os irmãos, mas né? pelo menos têm amor incondicional pelos filhos...

abraços do voy

o Humberto disse...

Triplique o número de filhos na sua casa e vc chega à situação aqui. E era a mesma coisa. E eu achei curioso quando vc falou que seu irmaão mais velho falou que não havia a afinidade com os demais -- Igualzinho aqui!

Eu confesso que com os demais irmão tudo foi-se acertando, mas o filho mais velho da minha mãe e do meu pai parece um estranho completo pra mim.

No mais, concordo com vc, pai e mãe têm direito de gostar mais de quem quiser. Todo mundo é humano.

Só pra constar, sou o oitavo, então vc avalia o tiquinho de história pra contar, rs...

Papai Urso disse...

Lá em casa papai é omisso e mamãe não consegue disfarçar (daria uma péssima atriz) que seu favorito é o mais novo, eu e meu irmão do meio somos "afeto por obrigação do cargo vitalício MÃE" ou receio do que possam dizer os outros, então é sempre presente por obrigação, feliz aniversário, páscoa, natal e ano-novo como parte do protocolo, tudo muito formal e simpatico... Por um tempo na aborrecencia queria morrer por causa isso, mas passou (eta estradão que é essa vida, a gente passa, só passa nunca fica) hj em dia nem ligo mais!

Carla disse...

A minha mãe tb usa ess argumento de que certos filhos precisam mais dela. Pura mentira. Tem pais que amam sim alguns filhos mais do que outros e essa de "precisam mais de mim" é uma forma de se enganarem a si mesmos e nunca assumirem a verdade. Eu não lembro com que idade a minha mãe me comprou a última peça de roupa. Eu lembro apenas de ter 16 anos e vestir roupa isada que me davam e a minha irmã mais nova ter o armário cheio de roupa nova, chantagear que queria mais.. ela sempre tinha tudo da minha mãe e quando a minha mãe não tinha se endividava para dar. Essa minha irmã é o pior ser humano que eu conheço e no entando é a mais amada de um monte de filhos. Eu que engravidei aos 17 anos (acredito que por pura falta de atenção em casa) e precisei muito da minha mãe fui empurrada literalmente para o meu namorado e praticamente colocada no olho da rua. Quem precisava mais dela? a minha irmã mimada, fútil e que odiava as irmãs? Não creio.