UMA GRANDE ATRIZ

Gosto de falar de algumas mulheres que admiro. Já fiz um post sobre Maitê Proença, e agora quero falar de outra que me dei conta, é uma atriz sensacional.

Assistia Ti Ti Ti ontem e vi Claudia Raia, com toda a sua exuberância roubando a cena e conclui que o tempo que está na TV já é suficiente para ser considerada uma das maiores estrelas da Globo.

Engraçado que é coincidência falar novamente de uma Campineira. Me dei conta quando senti vontade de falar dela. Claudia Raia é o tipo de pessoa que vive cada fase da vida intensamente. Quando surgiu lá na década de 80, perua, toda desengonçada, gigante, cabelão armado, não poderia ser um sinônimo melhor da época e suas excentricidades. O casamento com Alexandre Frota, que concluo eu, deve ter se arrependido muito, não durou, mas as lembranças do vestidão de noiva, a igreja e toda a badalação ficou guardada na memória, incluindo o tênis com que casou o noivo.

Claudia não é de uma beleza clássica como Maitê. Mas é bela como uma Julia Roberts por exemplo. Traços um tanto masculinizados, altura exagerada para uma mulher, pernas enormes e bem torneadas. Isso é uma verdade que a própria atriz reconhece, visto ter aceitado fazer um personagem transexual numa das novelas de Silvio de Abreu.


Cada momento de sua vida tá pontuado com um trabalho memorável. Cortes de cabelo diversos mudaram sua aparência, mas a língua levemente presa e olhar languido não muda. A serenidade que surgiu com o casamento de 17 anos com Edson Celulare, já da espaço a uma nova era, após a separação. É visível que Claudia volta às origens e se mostra perua novamente.

Tirando primeiro casamento desastroso, Claudia Raia nunca se envolveu em escândalos que fizessem a mídia e os paparazzos enlouquecerem. Acredito que boa parte disso vem da estabilidade do casamento com Edson e o fato de ser mãe. Claro que ambos não impediram que brilhasse nos palcos com suas pernas de fora em inúmeros musicais.

Claudia Raia provou ser engraçada. Desde TV Pirata que ela exercita seu lado “comédia”, muito bem no vídeo. Surpreendentemente encarnou uma das personagens mais famosas de Nelson Rodrigues e deu conta do recado. Anos depois viveu sua personagem mais forte em A Favorita. Uma parceria acertada com Patrícia Pillar e Mariana Ximenes.


Admiro Claudia Raia, pela sua capacidade de se fazer presente, de roubar a cena, de fotografar tão bem no vídeo, de ter amadurecido consciente do espaço que ocupa, continuar uma mulher elegante, divertida e atenciosa.

Claudia raia é o tipo de pessoa que não atrai a unanimidade. Já ouvi muita gente dizer que não vê graça alguma nela.

Pra mim, seu trabalho, sua beleza e seu talento são mais do que suficientes para considerá-la umas das melhores atrizes da sua geração. Uma geração que tem Malu Mader, Claudia Abreu, Deborah Bloch, Fernanda Torres e tantos outros talentos femininos.

Sua personagem Jaqueline é muito, centenas de vezes melhor que a primeira versão, ocupada por Sandra Brea.

Abração a todos, boa quinta-feira.

ME DA UM REMEDINHO?

Admiro profundamente pessoas que tem problemas de saúde e se comportam de maneira tranqüila, cuidando-se da forma como conseguem, e sem reclamar.

Sou muito chato, até com uma simples dor de garganta, fico irritado, como se o mundo fosse acabar. Quero arrancar minhas amígdalas, enfiar um ferro quente e cauterizá-las. Essa sensação que fico me tira o sono, me deixa insuportável. Apelo para todos os truques, mandingas, saravas e macumbas que existem. Durmo com pano embebido em álcool na garganta, gargarejo com malvona, não deixo a boca sem um Halls preto, fora as pastilhas próprias para o problema. Com a menor manifestação de gripe ou resfriado, me entupo de resfenol.

Quando o assunto é estomago, aí piorou. Entro num transe que só falta subir a escada de uma igreja suplicando por melhora. Não consigo vomitar. Esse é um drama que carrego na vida adulta, já que quando criança virava e mexia eu destripava o mico...hoje não possuo esse dom, então quando algo me atinge o estomago e cria um mal estar, apelo para os anti ácidos, folhas de boldo maceradas e tudo mais. Inclusive o chicletinho que ajuda na digestão. É por isso que não encho a cara, por que se passar mal do estomago, eu morro.

Tenho dores de cabeça freqüentes por tensão muscular. Não é enxaqueca, é dor muscular, que sobe pela nuca, e chega à testa. Consigo conviver com ela por algumas horas, mas chega um ponto que se não administrar um remedinho (dorflex) a dor causa náuseas, e já disse o que acontece comigo quando o estomago se manifesta.

Hoje estou escrevendo um post sobre como é duro envelhecer...rs rs rs. Quando era moleque nada disso me incomodava. Eu comia qualquer pedaço de barranco que não me fazia mal. Hoje um pedaço do mais delicioso doce me entorta. Dureza!!!!

O problema é a falta de controle quando tenho uma tensão muito grande o organismo se manifesta de forma agressiva. Piriri....rs

Mas, seja lá o que for, to fazendo pensamento forte. EU SOU FELIZ!!! Quem sabe ajuda.
Bom dia a todos.

UM ASSUNTO NADA A VER

A Globo estava muito brava por que a esposa do Ronaldo não atendia telefonemas de Patrícia Poeta para uma entrevista para o Fantástico, mas acabou por conceder uma a Marcia...

Fica brava não Patrícia....eles só dão entrevista para apresentadoras, assim...como posso dizer....com uma fisionomia meio....é...de....travesti...rs

abração a todos.

MEDO!!!!

Não sou um cara medroso, digamos que seja precavido. Não atravesso a rua costurando os carros, não o faço sem ser na faixa e com semáforo disponível para pedestres. Isso acredito ser até civilizado.

Não tenho medo de anões, tenho pânico, algo bem diferente. Não saio correndo quando vejo uma pessoa de estatura pequena, apenas fico nervoso. Talvez um dia algum psiquiatra esclareça isso.

Mas se há algo que abomino, que posso dizer ter medo, mesmo, é de palhaço. Não gosto, não acho graça, não vejo nada bonitinho neles. Inclusive os quadros que tem aquele palhaço com uma lagrima furtiva descendo pela face, é pra mim pacto com o demo...rs.

Odiava ir a circos justamente por conta dos palhaços. Gostava dos macacos, trapezistas, mas infelizmente não havia circo na minha infância que não tivesse palhaços e anões. Por que fazer da deficiência de estatura de alguém algo risível num circo? Por que? Pra que fazer campeonato de arremesso de anões? Cruel.

Enfim, outra hora discorro sobre anões, agora quero falar dos malditos palhaços. Eles são abomináveis...talvez seja a lenda que o palhaço é um cara triste coberto com maquiagem. Essa imagem melancólica me deprimia quando criança. Stephen King acabou de vez com minha ilusão quando no filme “IT” um palhaço seduzia crianças dentro do bueiro para assassiná-las. Tudo bem que a bobagem era que no fim uma aranha gigante quem devorava as criancinhas, mas mesmo assim, aquele palhaço me traumatizou.

Outra seqüência absurda é no filme Poltergiest que o menino tem um palhaço enorme na cadeira do quarto e num determinado momento ele olha e não está mais lá. Ao procurá-lo é agarrado pelos imensos braços do boneco e arrastado para debaixo da cama....CACILDA!!!

Nunca quis me fantasiar de palhaço. Festas com esse tema eram tortura. Não tive e nem tenho nada relacionado a isso. Não curto mesmo. Prefiro palhaços como o tiririca que se utiliza de um chapeuzinho, a sua banguela e pronto. Nada de perucas, rosto pintado, nariz vermelho, sapatos enormes, calças largas...pra que isso? Apenas para aumentar a minha ojeriza a figura.

Bart Simpson que o diga, o ajudante do palhaço krusty há muito tenta matá-lo. Certeza que a revolta do cara vem da sua fidelidade obrigatória ao chefe...rs

No Brasil, não assistia Bozo nem por um decreto presidencial. Nem em troca de um prato de comida. Nada. Sempre achei bozo ridículo. Vovó Mafalda e cia eram pessoas tolas, e sem graça ( na minha opinião, fique claro). Aquela coisa de um deles dizer que eram 5:60...achava isso tão bobo, sem sentido. Se o Bozo hoje vive em depressão, muito se deve há seus anos sem graça, tentando fazer as crianças rirem. Bocó...

Não sei se a molecada de hoje se encanta por palhaços. Os meus sobrinhos fiz questão de desmistificar a imagem desde cedo, tanto que nenhum deles se importa ou se atrai pela figura.

Parece um post revoltado...rs rs rs..mas não é, apenas a minha visão sobre algo que permeia a ilusão infantil de que palhaços são figuras doces, simpáticas, amáveis, e engraçadas.

Se tiver que escolher uma imagem pra infância, prefiro a loira do banheiro!!!

Boa semana a todos...

Boa semana a todos...abração

MINHA TV BRASILEIRA 5° PARTE - HUMOR

Para terminar a semana falemos de “Humoristicos”. Nada melhor do que rir, e isso tem ficado muito difícil nos últimos tempos em nossa Televisão brasileira.

Os programas, num nível baixíssimo, tem nos causado certa repudia. Programas como “ A Praça é nossa”, caquética, sem graça, presa num formato decrépito, causa-nos vergonha alheia, quando vemos Carlos Alberto de Nóbrega forçando uma gargalhada para na seqüência de uma piada sem sentido e mal contadas. Aí que mora o perigo. Tentar manter vivos programas e formulas já batidas, apenas para manter um profissional na ativa. Silvio Santos mexe tanto no SBT, será que a divida com Manuel de Nóbrega é tão alta que terá que manter o filho eternamente empregado?


A Rede Globo não fica atrás, com seu “Zorra Total”, fraco, desperdiçando excelentes humoristas. Maurício Sherman, repete há séculos ( por que ele deve ter 200 anos) as mesma formula dos bordões em fim de quadro, o balé que não sei a quem agrada, e inúmeros, digo inúmeros quadros gritados. Não se conta piada, ou faz humor no Zorra, se grita.


Saudade da inocência dos Trapalhões ( Didi atualmente está no rol dos que temos que ter pena), da inovação do TV Pirata, da astucia do Viva o Gordo. Eram programas que nos faziam rir, pelo simples fato de serem bem feitos, bem pensados, sem preocupação com cenários mirabolantes.


Posso dizer que muito pouco do que se vê hoje é engraçado. A grande Família, está entrando numa fase desgastada. Marieta Severo e Marco Nanini se esforçam para serem os mesmos de 10 anos atrás, mas tá difícil. Acredito ser hora de repensarem o horário, e inovar com algo mais moderno.


As ultimas tentativas de humor da Globo não deram certo, salvo “ os Caras de Pau” que fazem piadinhas infantis que as vezes de tão bobas nos fazem rir. Mas nada comparado aos “Nomais” que foi o grande apogeu de Fernanda Young na TV. Rui e Vani são o que há de melhor na memória dos seriados globais. ‘Separação” tenta ir na mesma linha, mas é um tanto aflitivo ver o casal protagonista brigando o tempo todo, que não consigo chegar ao fim de um episódio.


Nessas acabo por saltar da nossa programação nacional para os enlatados americanos que mesmo sendo algo batido, consegue inovar no humor. Infelizmente temos que admitir, mesmo num pais recheado de humoristas, nossa TV está a pé de bons programas.


Para finalizar, escolhi dois momentos hilários.


Bom fim de semana.




Abração.

MINHA TV BRASILEIRA 4° PARTE - CD

Hoje pra me desculpar do post gigante de ontem vou ser bem sucinto. Apenas um CD com aberturas de novela em ordem cronolgica. Musica nos faz voltar no tempo!!!


1975 - PECADO CAPITAL - Paulinho da Viola
1979 - FEIJÃO MARAVILHA - O PRETO QUE SATISFAZ - As Frenéticas
1979 - DANCIN DAYS - As Frenéticas
1980 - AGUA VIVA - MENINO DO RIO - Baby Consuelo
1982 - ELAS POR ELAS - The Fevers
1982 - SOL DE VERÃO - TÔ QUE TÔ - Simone
1983 - CHAMPAGNE– Casanova- Ritchie
1983 - FINAL FELIZ - FLAGRA - Rita Lee
1987 - BREGA E CHIQUE - PELADO - Ultraje a Rigor
1988 - VALE TUDO - BRASIL - Gal Costa
1989 - TIETA - Luiz Caldas
1990 - RAINHA DA SUCATA - ME CHAMA QUE EU VOU - Sidney Magal
1991 - BARRIGA DE ALUGUE - AGUENTA CORAÇÃO - José Augusto
1993 - FERA FERIDA - Maria Bethânia
1995 - HISTÓRIA DE AMOR - LEMBRA DE MIM - Ivan Lins
1997 - POR AMOR - FALANDO DE AMOR - Quarteto em Cy & MPB-4
2000 - O CRAVO E A ROSA - JURA - Zeca Pagodinho
2001 - LAÇOS DE FAMILIA - CORCOVADO - Astrid Gilberto
2003 - MULHERES APAIXONADAS-PELA LUZ DOS OLHOS TEUS-Miúcha/Tom Jobim
2004 - SENHORA DO DESTINO - ENCONTROS E DESENCONTROS - Maria Rita
2006 - ALMA GÊMEA - Fábio Jr.
2010 - ESCRITO NAS ESTRELAS - QUANDO A CHUVA PASSAR -
Paula Fernandes

baixe aqui ABERTURAS_DE_NOVELA.html


Abração - boa quinta - feira.

MINHA TV BRASILEIRA 3° PARTE

Quando Isaura sofrida, maltratada, pendurada num tronco e sendo açoitada por Leôncio gritou em Chinês que a libertassem, pode-se concluir que a telenovela brasileira havia ganhado o mundo. Os horizontes para as produções brasileiras atravessaram o planeta e nas mais longínquas aldeias e cidades do mundo se ouviu Lucélia Santos clamar aos céus por liberdade. A escrava Isaura ainda é considerada a novela mais vendida pela emissora.

A teledramaturgia nacional é o que temos de melhor. O cinema hoje desponta numa nova era, mas o que se produziu de novelas, minisséries, seriados, especiais, teleteatros e tantas outras formas de ficção levou nossa TV ao mérito de uma das melhores do mundo.

Sempre que falo sobre isso, menciono uma pessoa responsável por esse sucesso: José Bonifacio de Oliveira Sorinho, o Boni. Ele na idealização de uma TV de primeira, com carta branca de Roberto Marinho, produziu nas décadas de 70, 80 e parte de 90, o que de melhor se tem em novelas. É visível a decadência da teledramaturgia da Globo após seu afastamento.

Foram bons anos até que novas novelas se destacassem. Hoje as produções ganharam investimentos de cinema, com grandes cenários, externas em outros países, temas que fazem o publico debater, virar conversa de ponto de ônibus, de salão de beleza, de discussão em família.

Silvio de Abreu destacou-se com seus pastelões às sete da noite, depois no horário nobre fazendo-nos rir, com suas chanchadas sempre bem escritas. Impossível esquecer Dona Armênia, e a celebre cena de Fernanda Montenegro e Paulo Autran em “Guerra dos Sexos”. Até suas vilãs, como Laurinha Figueroa estão cravadas na memória televisiva.

Gilberto Braga despontou com a adaptação de Escrava Isaura, mencionada acima, e logo depois com Dancing Days, que revolucionou o estilo de folhetim na TV. Suas novelas sempre sofisticadas, com personagens milionários, vilãs elegantes em cenários chiques, talvez possa ser considerado um dos melhores do gênero. Existem personagens imortais, mas sua Odete Roitman será infinitamente lembrada. Já se passaram 22 anos e ela continua sendo a mais perversa de todas. Para quem tem o canal Viva, a partir de 04 de Outubro as 23:45 hs, teremos toda a sordidez de Maria de Fátima e o show de talento de Renata Sorrah, Regina Duarte, e grande elenco. Nenhum outro autor teve o luxo de composições particulares de Tom Jobim para suas novelas.
Dias Gomes foi o precursor da novela fantasia. O autor que criou os personagens mais folclóricos da nossa TV. Em o Bem Amado, primeira novela colorida, Odorico Paraguaçu queria de toda forma inaugurar seu cemitério superfaturado, mas ninguém na cidade morria. Sua pilantragem chegou a tal cumulo que ele mesmo no fim da trama, assassinado por Zeca Diabo, inaugura o tão sonhado cemitério. Roque Santeiro, com gritos da Viúva Porcina (talvez o melhor personagem de Regina Duarte em todos os tempos) numa cidade decrépita cheia de políticos corruptos chegou ao cumulo de atingir quase 100% dos televisores ligados em seu ultimo capitulo. Algo inimaginável hoje em dia. Dias Gomes também fez Saramandaia, com personagens surreais, como o homem que tossia formigas, a mulher que explodiu de tão gorda e tantos outros , fez dele um ícone copiado até hoje.
Janete Clair pode ser considerada a mais criativa autora de sua época. Criou. Nunca se importou com opinião publica. Se o mocinho tinha que morrer no fim...morria. Carlão de “Pecado Capital” que o diga. Por mais adorado que fosse pelo publico, no ultimo capitulo morreu, após uma saraivada de balas.

Manoel Carlos e Benedito Ruy Barbosa, foram responsáveis por grandes trabalhos na TV. Novelas belíssimas. O triste foi que perderam a mão com o tempo. Os últimos trabalhos de ambos não empolgaram o publico, e podem entrar na lista das piores novelas de todos os tempos.

Havia Cassiano Gabus Mendes que eternizou seu estilo, visto o remake de Ti Ti Ti considerado o melhor ibope da casa, graças a capacidade de Maria Adelaide Amaral. Que Rei sou Eu, uma fabula que revolucionou a TV.


Mas temos Gloria Perez e Agnaldo Silva. Na minha opinião grandes escritores com egos tão enormes que as vezes suplantam seus talentos. É inegável que escrevem bem e atraem atenção do publico, mas a vida pessoal , os palpites e pitacos dados nos bastidores tiram um pouco do encanto das suas tramas. Acho que quando um autor está em trabalho, com uma novela sendo exibida, simplesmente deve virar um fantasma. Não é certo ele querer disputar os holofotes com ele mesmo.

Mas não é só de Globo que a teledramaturgia sobrevive. Outras emissoras arriscaram nesses anos todos com produções mais “pobrezinhas” e que de certa forma ganharam o gosto do grande publico. A Rede Manchete talvez tenha sido a que mais incomodou a poderosa Rede Globo. O SBT, com “Éramos 6” deu um grande passo, mas ficou nisso. A Rede Record, que investiu milhões de reais acabou por sucumbir a produções chatas, e sem sentido.

Para finalizar o post de hoje falo da grandes obras literária adaptadas com muito esmero como “ O tempo e o Vento”, “ Memorial de Maria Moura”, “ Os Maias”, e outras criadas a partir de clássicos, como “Primo Basílio”, “ Grandes Sertões Vereda” e inúmeras obras dignas de Oscar, se assim o pudessem premia-las.

Listar os melhores personagens de novelas e minisséries é uma tarefa difícil, por que alguns ficarão de fora, inegavelmente. Então, para não ser injusto, farei uma lista com os meus preferidos.


Odete Roitman (Beatriz Segall ) Vale tudo – 1988

Nazareth Tedesco (Renata Sorrah) Senhora do Destino – 2004

Odorico Paraguaçú (Paulo Gracindo) O Bem Amado - 1973

Jacutinga (Fernanda Montenegro) Renascer – 1993

Nonô Correa (Ari Fontoura) Amor com Amor se Paga – 1984

Renato Villar (Tarcisio Meira) Roda de Fogo – 1986

Flora ( Patricia Pillar) A Favorita – 2008

Laurinha Figueroa ( Gloria Menezes ) Rainha da Sucata – 1990

Diadorim ( Bruna Lombardi) Grande Sertões Vereda – 1985

Rainha Valentine ( Tereza Raquel) Que rei sou Eu – 1989

Senhor de Montserrat (Carlos Vereza) Direito de Amar – 1987

Barão de Araruna ( Rubens de Falco) Sinhá Moça – 1986

Lurdinha ( Malu Mader) Anos Dourados – 1986

Ana de Assis ( Vera Fisher) – Desejo – 1990

Catarina Batista (Adriana Esteves) O cravo e a Rosa – 2000
Maria de Fatima Acioli ( Gloria Pire) Vale Tudo – 1988

Barbosa ( Ney Latorraca) TV Pirata – 1988 a 1992

Rafaela Alvaray ( Marilia Pera) Brega e Chique – 1987

Florisbela Freire/Mosca ( Marco Nanini) Um Sonho a Mais – 1985

Dona Beija ( Maitê Proença) Dona Beija - 1986

Sinhozinho Malta ( Lima Duarte) Roque Santeiro – 1985

Ilka Tibiriça ( Cassia Kiss) Fera Ferida – 1983

Dona Armênia ( Araci Balabanian) Rainha da Sucata – 1990

Tancinha (Claudia Ria) Sassaricando - 1987

E por aí vai. São milhares de bons personagens, inesquecíveis. Talentos que nossa TV brasileira criou e usufrui, eternizando-os em grandes obras.

Boa quarta –feira...abração

MINHA TV BRASILEIRA - 2° PARTE

Os programas de auditório não foram uma invenção da TV nos anos 80, já há muito, muito tempo, na era do rádio já existiam embates de calouros disputando um lugar ao sol.

A Record, ainda em preto e branco, realizava os festivais de musica que revelaram vozes como Gilberto Gil, Caetano e outros. Mas os programas da minha infância foram outros.
As quartas-feiras à noite Flavio Cavalcante apontava seu dedo em riste e chamava: Nossos comerciais, por favor. A Rede Bandeirantes dominava o horário, exibindo seu show de variedades logo após a novela das 8, obrigando a Rede Globo a criar minisséries e novelas as 22:00 hs no intuito de combater as outras emissoras.

Hebe Camargo, Jota Silvestre, Chacrinha, Faustão, Barros de Alencar eram grandes comandantes de auditório, sem deixar de lado o patrão Silvio Santos, que recheava os domingos da minha infância com programas para todas as idades. Lembro de iniciar o dia vendo domingo no parque e terminar numa TV preto e Branco portátil no quarto da minha mãe com Show de Calouros, por que a TV principal na sala, era do Fantástico com minha avó tomando conta da área. Adorava quando Aracy de Almeida dizia: Isso aí é um lixo, duzentos mango só!!!!
A evolução dos programas de auditório se deu quando a poderosa Rede Globo trouxe todos os grandes representantes do seguimento para sua grade horária. Chacrinha dominou a década de 80 aos sábados a tarde, atirando o bacalhau da Maria Bethânia, a mexerica da Elba Ramalho na platéia, enquanto suas gostosas chacretes eram filmadas num plano de corpo inteiro, muito diferente das bundas em zoom que se tem hoje. Em 1989 Fausto Silva passou a ser o Faustão, e a trazer um entretenimento diferente, com a presença de grandes astros da casa em participações semanais, combatendo pela primeira vez o Senor Abravanel, e jogando o SBT para uma posição de emissora B.
A rede Manchete apesar dos equipamentos de ultima geração com o qual estreou em 1983 não fazia frente às rivais, muito menos a Rede Bandeirantes que já demonstrava uma qualidade muito inferior as concorrentes. Globo X SBT ( TVS) disputavam o telespectador de forma limpa, sem apelações e imprensa marrom.

Xuxa, Angélica, Mara Maravilha, Simony, e outras mocréias criadas para entreter a criançada faziam das manhãs um show de horrores. No final da década de 90, o formato já estava esgotado, cansado e fadado a morte. Mesmo assim arrastou-se pelo novo século, dando seus últimos suspiros ainda na primeira década. Hoje o que se vê são crianças pernósticas apresentado desenhos e dando prêmios via telefone a criançada. Acabou definitivamente o contato corpo a corpo com a molecada. Claudia ainda deve estar sentada lá, esperando a tia Xuxa permitir que ela levante....rs.
Gostava muito das gincanas de Flavio Cavalcante, lembro de uns vizinhos gêmeos, casados com gêmeas serem chamados como aberrações a serem mostradas ao Brasil. Outra vizinha que ganhou um Scort 0 Km no roletrando do Silvio Santos. Amigos da minha irmã cantando no Show de Calouros. As caravanas das “amigas de auditório” que minha mãe freqüentou por anos. Histórias da vida anônima misturadas com a TV e suas atrações bizarras.

Hoje os programas têm uma sofisticação que nos deixa enfadonhos. Todo mundo quer reformar casa de pobre. E assim mostram que eles “milionários apresentadores” são pessoas comuns que entram na casa de necessitados, os abraçam, e sentam em sofás imundos como um ser normal. Desculpe, mas a mim isso não pega mais. Luciano Huck, nem Gugu Liberato muito menos Celso Portioli me comovem dando presentes a pessoas carentes. Prefiro o mico pago pelo dono do carro reformado no Caldeirão do Huck as casas mal feitas e maquiadas entregues a pessoas que não terão como mantê-las. Em momento algum se pensa na saúde, na boca desdentada, na falta de escolaridade deles. Uma vida digna começa com um teto digno...concordo. Mas dar a eles algo que não saberão como manter chega a ser uma crueldade.

Muito da falsa moralidade que a TV pregou nos 90 foram por água abaixo. Netinho de Paula beijava suas “princesas negras” , em casa batia na esposa. Gugu apelava até para integrantes do PCC para ter ibope aos domingos. Luciana Gimenes faz o que é de mais vergonhoso na TV, convida garotas(os) de programa ou subcelebridades para debater assuntos tão “importantes” quanto a cirurgia de reconstrução de hímen de Ângela Bismarchi.

O que quero dizer com isso, é que da pureza dos programas da minha infância a TV decaiu com uma apelação descabida em busca de audiência. Nesse ponto é que sinto falta de uma certa censura ( interna) das emissoras, algo que a Rede Globo tinha quando comandada por Boni. Posso ate trocar a palavra “censura” por “bom gosto”.

Sinto saudade da mandioca da Fafá de Belém que Chacrinha arremessava por sobre a cabeça dos seus jurados, que às vezes também eram pulverizados com farinha atirada pelo Russo, assistente de palco.

Mas a verdade é que se hoje o povo brasileiro gosta, assiste e tem o habito de sentar-se no sofá em família para ver TV, muito se deve a artistas como Hebe, Silvio Santos, Raul Gil, e outros nomes que ajudaram a criar a nossa cultura televisiva. É por causa deles e tantos outros que temos uma história linda e uma memória que ira transcender as décadas. Muito se fez de bonito, e uma fatia está ligada a teledramaturgia. Esse capitulo importante da nossa história, falarei amanhã.
Boa terça, abração

MINHA TV BRASILEIRA

Acredito ser um pleonasmo vicioso contar como surgiu a TV. Seria chover no molhado. Então ao invés de mencionar a criação e a inauguração desse nosso querido veículo de entretenimento e informação, falarei da minha memória televisiva, da minha modesta opinião do que se criou nesses anos todos em que tenho consciência televisiva.

Minha primeira imagem de TV data de 1980. Marília Gabriela nas manhãs de segunda a sexta apresentando “TV MULHER”. Talvez uma revolução no cotidiano feminino do país. Me lembro de assistir por que minha mãe não perdia um programa. Uma versão antiga do que Ana Maria Braga faz hoje, mas de uma forma mais informativa. Não existia tanta futilidade. Não havia a apelação de um boneco tolo dividindo o espaço. A bancada do programa contava com a presença de jornalistas como Ney Gonçalves Dias, Xênia, Marta Suplicy, o cartunista Enfil, Clodovil e outros que ajudaram Marília Gabriela a ser uma das figuras mais dinâmicas da televisão na época. Ela desde então dava credibilidade a um horário que só donas de casa e crianças assistiam, e fazia da informação da prestação de serviço o carro chefe da Rede Globo.


Desde cedo fui uma criança fascinada por TV. Nunca me obrigaram a sentar em frente ao aparelho e ali ficar por que não havia nada mais interessante pra fazer. Ficava por que adorava tudo o que ali passava. Na época existiam poucos canais e as programações eram quase que artesanais.

Concomitante a TV Mulher criou-se o Balão Mágico, e então eu, no fim da minha infância e inicio da pré-adolescência, vi Simony surgir como uma criança precoce, cheia de talento e carisma. Mas como muitas crianças não conseguem sucesso na vida adulta, prefiro guardar a lembrança dela banguelinha no idos de 1983.


A TV cultura me entretinha com dois programas lendários. Daniel Azulai ao qual nutria uma certa antipatia. Não ia com a cara dele, mas assistia. Mas havia também o “Bambalalão”, tão precário de cenários, brincadeiras e tudo mais que era encantador. Gigi Anheli era uma doce jovem que comandava um grupo de crianças no que seria mais tarde o modelo que Xuxa seguiria na sua estréia na TV Manchete. Havia também o Professor Parapopó, e suas invenções que claro, não deixava de testá-las, alem das dobraduras que Silvana Teixeira nos ensinava. Uma marcante presença na infância de muita gente.

Quando Xuxa surgiu, grosseira na TV Manchete, eu já vivia a adolescência, e não olhava mais os programas infantis com os mesmos olhos. Os interesses já eram outros, e me lembro bem de aproveitar a ausência dos pais e assistir escondido nas noites de sexta-feira, já na madrugada, “Sala Especial”, exibido pela Record, sem nem ter idéia de que um dia Edir Macedo seria seu proprietário.

Sala Especial apresentava filmes denominados de “Pornochanchadas”, com atrizes que não faço idéia por onde andam hoje como Zilda Mayo, Nicole Puzzi, Aldine Muller, Helena Ramos e tantas outras que povoaram minha memória erótica adolescente. Era um misto de medo e descoberta. Meus pais não faziam idéia que assistia algo tão depravado...rs, e se soubessem, garanto que seria um escândalo.


O cinema nacional desta época se misturava a pornochanchada. Não há um liame que os defina, tanto que atores consagrados como Tarcisio Meira, Vera Fisher, Sônia Braga, faziam filmes com cunho erótico tanto quanto David Cardoso, Nuno Leal Maia, considerados atores de segunda linha.

Nessa fase negra do cinema, ou digamos de produções apelativas, foi que conheci a obra de Nelson Rodrigues. Seus textos considerados “pornográficos” foram explorados ao extremo, mas também posso afirmar que foi uma fase sem hipocrisia, apesar de não sermos ainda um país totalmente democratico, e viver o fantasma da ditadura batendo a porta de todo mundo.

A TV começava a ter um lado B, uma produção de segunda linha, já que a Rede Globo despontava com sucessos em várias vertentes e aplicava o famoso “ padrão globo de produção”. As demais se esforçavam para criar programações que chamassem atenção, e então que surgiram os programas de auditório, que roubavam a cena durante a semana. Mas isso, é assunto para amanhã.

Boa segunda a todos, boa semana.

CONVERSA DE MOLEQUE

Não queria criar mais um post escatológico, mas preciso dividir o meu questionamento com as pessoas: Por que a molecada gosta tanto de falar de cocô, de fazer cocô?


Subia eu o elevador do escritório com dois moleques (não deviam passar dos 18 anos) quando um deles diz:

- Falei pra mina: guenta aí que vou lá cortar o rabo do macaco!

Os dois caem na gargalhada enquanto eu olhando o monitor do elevador vendo a cotação do dólar me perguntava, o que seria isso? Ainda bem que deu tempo deles esclarecerem, por que o amigo entre a gargalhada disse:

- Porra vei, cê mandou na lata que tava indo cagar?

Plin....meu andar.

Sempre ouvi histórias sobre pessoas tendo problemas para o ato de evacuar. Mas geralmente a molecada é mais desbocada quando se trata disso. Eu como tive uma educação onde nem cocô se falava perto do pai, aprendi desde cedo a ser muito discreto. Alias, não sou do tipo de pessoa que quando ouve a campainha do trem sai correndo para o primeiro banheiro que encontra. Posso passar um dia inteiro e só ir ao banheiro de casa a noite.

Mas a curiosidade me fez procurar se o termo que o moleque usou é comum, por que nunca tinha ouvido. Pasme, achei outros 100 “tipos” de frases que indicam idas ao banheiro.

Separei as mais, como posso dizer, engraçadas? Não sei, rs rs rs...só achei que eram as mais estranhas. Imagino alguém chegando pro outro e dizendo: guenta aí...

- Vou lá colocar a máquina de churros para funcionar;

- Vou mandar o elevador pro térreo;

- Vou lá murchar as flores do azulejo;

- Vou dar um tchau para um amigo meu que vem do interior e está indo para o rio;

- Sinto que é momento de dar uma tapa na centopéia;

- Vou inscrever o Robinho na natação;

- Assinar a carta de alforria;

- Afogar a Preta Gil;

- Escorregar o milkybar;

- Vou ali Libertar o Mandela;

- Trocar uma idéia com a Dona Celite;

- Vou mostrar pra privada quem é que manda aqui;

- Tirar o charuto do beiço;

- Vou ali fazer um depósito no Bank of Boston;

- Vou exercitar o esfíncter;

- Vou expulsar o Argentino que existe dentro de mim!

- Vou afogar o Maguila e quem sabe alguns sobrinhos dele;

- Vou fazer o parto da sucuri;

- Vou tirar o Mussum que vive dentro de mim;

- Vou romper com o tratado de Kyoto;

- Vou soltar um Bahuan;

- Está na hora de destampar a panela de barro;

- Vou lá fazer uma revisão no escapamento;

- Vou ali tirar o plástico da mortadela;

- Vou mandar um BBB pro paredão;

- Tá na hora de arrancar a cabeça do Playmobil;

- Chegou a hora de limpar o filtro do ar condicionado;

- Vou levar o Pele no Wet’n Wild;

- Chapiscar a louça;

- Só um momento que o negão já está beijando a cueca;

- Ensaiar o grupo de pagode;

- Passar um fax pra Sabesp;

- Vou na casa do Pedrinho;

- Fazer uma arte barroca;

- Vou fritar o acarajé;

- Vou negociar com o urubu, que já está bicando;

- Vou colocar o Obama na casa branca!

- Vou no show da Alcione.

Achei esses termos em alguns sites. Não sabia que existiam tantas formas de se manifestar, alem das que já conhecemos no dia a dia. Haviam xingamentos sobre racismo. Pode até ser, se não fosse o teor de brincadeira.

É isso aí. Hoje derrubei a extremidade do membro inferior do suporte central de uma das unidades de acampamento ou seja chutei o pau da barraca..rs.

Abração e bom fim de semana a todos.

Ps.: amanhã dia 18 de setembro a TV brasileira comemora 60 anos de exibição. Durante a próxima semana dedicarei cada dia para falar de algo relacionado ao nosso maior veiculo de comunicação.

UMA QUINTA-FEIRA DE BOBAGENS

Com a perspectiva de uma sexta feira chegando em breve, só postei bobagens hoje. Assim o povo ri, e esquece que ainda estamos na quinta-feira...rs.

Quando não se tem certeza das coisas, a melhor solução é calar a boca. Ser menor pro guri acima é apenas sinal de estatura...burro!

Não sei se a foto acima é da Narjata Turetta ( da uma pesquisadinha no google quem não souber quem é) com um corte super, mega moderno. Inspirado na Milena de Passione.

Olha que usar calça "santropeito" tem limite. No caso do rapaz acima, é muito evidente que o morto era três vezes maior que o cara.

Eu teria toda a segurança de mandar meu filho pra escola nessa perua. Vou deixar anotado, e quando for pra Índia, matricularei o pimpolho na Bal Mandir Public School. Será que tem um Glee por lá para o filhote cantar um pouco?

Esse Mercedes é top de linha. Multi combustível, cor original, assento do couro do próprio animal. Eu quero!!!

Como dizia a Parmalat: Tomô!!!

Essa garota é um compasso. Que abertura de pernas, ou sei lá, vai ver estão rasgando ela no meio, e nem percebi.

Essa dispensa comentários...rs rs rs.

Esse bailinho só tem gente "linda". Ohhhh...coisa doida da pésté...fim de sumana também .

Desafio alguém a achar uma pessoa que não seja só um bom coração nesse vídeo...rs rs rs. Isso se aguentar -lo até o fim.



Boa quinta-feira a todos. Abraços

EXISTEM MÃES E MÃES...

História veridica:

Menininha de 2 anos com quadro clinico de falta de apetite.

Medico: desde quando a Thaiany apresenta essa falta de apetite?

Mãe: Ah Dr. Alguns meses já. Desde que começou a comer pão.

Médico: Ok. A senhora já verificou se ela vomita após ingerir produtos a base de farinha de trigo?

Mãe: não..não, ela adora pão, só come pão.

Médico: Entendo, mas a dieta dela como é?

Mãe: Só quer comer pão com Tandy. Não quer mais sopa, nada, só pão com Tandy.

Médico: Sei. Tandy!!!

Mãe: Pois é, às vezes ela come puro até.

Médico: Mas o que é esse Tandy que ela come no pão? Não é isso que está tirando o apetite dela?

Mãe: ah não sei Dr. ,Se fosse ela não comia o pão com Tandy.

Médico: Mas o que é Tandy minha senhora, eu não conheço isso.

Mãe: Tandy Dr. ,Aquela pasta de dente pra criança com sabor de frutas.

AH!
Pão com pasta de dente!!!

Uma surra seria pouco pra uma mãe dessas!!!

Abração a todos. Boa quarta-feira.

DANÇA COMIGO?

Às vezes acredito que nasci e fui criado em época errada. Algumas coisas me deixam saudosista mesmo não sabendo porquê.

Recebi um e-mail hoje pela manhã com link para um site de “boleros”. Fui jogado violentamente no passado. Quando criança meus pais ouviam muito um LP com coletânea de boleros. E acabei de constatar que gosto, mais que isso, adoro bolero. Conhecia 80% das musicas do site. Isso quer dizer que sou uma pessoa velha, rs rs rs. Tem gente hoje que nem sabe o que é um bolero. Algumas meninas são capazes de achar que falo daquele casaquinho curto que elas usam sobre os vestidos...rs

Uma das minhas maiores frustrações é não saber dançar. E não digo o sacolejar epilético das boates, mas sim as danças de salão. Aquelas que se dançam em gafieiras, em salões do subúrbio. Boleros, tangos, samba...Por vezes já pensei em me matricular, mas nunca uma partner quis me acompanhar, e não tem coisa mais triste do que ir a uma escola de dança sem uma parceira. Fica-se a mercê de qualquer baranga que está sozinha. Aí ferrou, por que como você exercita o lado sexy abraçado a uma oferenda de Iemanjá.


Lembro do meu pai dizer que todo homem tinha que saber dançar para que uma mulher se interessasse por ele. Hoje a mulherada até se interessa por um homem que dança, mas outro tipo de ritmo. Elas gostam que eles dancem miudinho na palma da mão delas...rs.

Outro dia falei aqui sobre a minha sobrinha que dormia ao som de Nat King Cole, e como o tema hoje é bolero, aproveito para deixar - a quem se interessar ouvir - a sua versão de “Aquellos Ojos Verdes”.



É difícil para quem já passou dos 30 não conhecer nada de bolero. Quem tem pais que viveram nas décadas de 50 e 60 inevitavelmente ouviu um bolero em algum momento da vida.

Acho a qualidade da musica de hoje formidável, mas voltar um pouco no tempo e escutar essas versões orquestradas é um deleite. Saudosismo até a ultima gota de sangue...rs.

A todos uma ótima quarta feira. Eu vou baixar as minhas musicas preferidas e to indo la gravar um CD de Bolero pra escutar no carro.

Abração.

PESSOAS

Relações humanas não são fáceis em nenhuma esfera da sociedade. Sejam dentro de casa, no trabalho, amigos ou relacionamentos íntimos, acredito que exista sempre um código ético para que elas sejam duradouras.

Sempre comento que sou um apaixonado pelo ser humano, por suas variações e qualidades. Às vezes me fascino por determinadas “personalidades” tão distintas em algumas pessoas, e em outras me assusto com tamanha perversidade.

Conhecer gente nova, entrar em círculos desconhecidos de amizades me intimida um pouco. Não sou a pessoa mais comunicativa do mundo quando me deparo com desconhecidos, mas aos poucos, após estudar o terreno, me arrisco em alguns primeiros passos. Já fui taxado de antipático muitas vezes por ter um jeito comedido de me relacionar.

Não sou uma pessoa de toques fáceis, daquelas que abraçam e beijam todos em volta. Minha criação foi um tanto seca em relação ao contato físico. Sou extremamente afetuoso, mas há um bloqueio em relação a pegar, tocar nos outros, claro que não os de relacionamento intimo, digo, amigos e até familiares. Não beijo, e dificilmente abraço as pessoas por vontade própria. Geralmente retribuo, e não que isso seja incomodo pra mim, é que não fui acostumado a isso, então passa totalmente despercebido o toque espontâneo.

Mas isso não impede que adore as pessoas que fazem parte da minha vida. E sinto que algumas estejam longe, por que me é prazeroso demais saber deles, de suas vidas, de suas agonias e felicidades. Sinta mais ainda que certas pessoas que acabo de conhecer e i percebo reciprocidade no afeto, se vão, e interrompem o que poderia ser uma grande amizade.

Relações que já nascem com respeito mutuo, que no meu entendimento é a base para que se continue seguindo ao lado de alguém, tendem a se manter por décadas firmes e fortes. Respeito que deve permear toda uma vida compartilhada, entre irmão, pais, amigos e parceiros. Uma palavra mal colocada pode gerar uma cadeia de desrespeitos que inevitavelmente magoam um dos lados. Uso do clichê que diz que a palavra é como a flecha atirada, uma vez disparada, não se traz de volta. Posso ser do tipo que fala demais, mas não sou aquele que fere com insinuações. E pra mim o pior dos defeitos de um ser humano, é a incapacidade de pedir desculpas.

Isso é um dos itens que corroem a “base” de respeito que deveria existir num relacionamento. Mas cada um entende suas atitudes da forma que quer, então o que nos resta é tentar compreende-la, e dar menos intimidade para que não se torne freqüentes esses ataques.

Mas o incrível que quanto mais eu conheço o ser humano, mais descubro alguns seres maldosos. Talvez em algum post futuro conte uma passagem que ouvi ontem sobre um pai que morreu e o comportamento dos seus filhos. Algo difícil de acreditar.
Enfim, segunda feira sempre me deixa reflexivo sobre alguns assuntos...rs rs rs.


Bom semana a todos. Abraço

UMA LENDA "DELICADA"

Nota do autor: Antes de lerem o conteúdo abaixo entendam que as “aspas” são para enfatizar sarcasmos e ironias do texto e as muitas variações para designar o homossexual não são de forma alguma desrespeitosa ou de cunho preconceituoso, usadas apenas para dar um tom mais engraçado a narrativa. Obrigado.

Não deve ser segredo pra ninguém que Campinas é conhecida como cidade de ares “frescos”.

Há muito tempo quando se fala da cidade, alguém já da uma risadinha torta e puxa um “ui” você é de Campinas, cidade de viados? Ou: eu não tomo água quando vou a Campinas, é assim que se fazem baitolas por lá.

Pois é. Todos nós Campineiros somos obrigados a agüentar piadinhas a respeito disso, e creio, muitos não sabem nem o “porque” da fama adquirida pela cidade. Então vou fazer um breve relato do folclore criado sobre a cidade de campinas verdes e ventos frescos!!! ( ó, é verde limão, por que tá na moda...rs rs rs rs)....

Reza a lenda que o senhor Carlos Maia, filho do prefeito de Campinas Orozimbo Maia, formado em medicina no Rio de Janeiro, especializado em anestesia, e figura lendária do cenário cultural campineiro era na verdade uma “bichona”, conhecida por suas fantasias luxuosas que ele mesmo vestia nos carnavais do Rio de Janeiro.


NA FOTO : CARLITO MAIA E O ESTILISTA DENNER ( E MAIS ALGUNS POLICIAIS "ATRAS")

Numa das décadas do inicio do século passado ele muito “chique”, organizou uma caravana campineira com “meninas” da região para irem ao Rio num baile a fantasia, pré carnaval no hotel Gloria ou Monte Libano, já não tenho essa informação precisa. E lá foram “lindas, formosas e montadas” para a cidade maravilhosa.

Na época eram proibidas manifestações homossexuais em publico, visto que era crime ser travesti, ou pederasta como era definido o termo para “gays’ no primórdios do século XX, e assim Carlito Maia ( apelido carinhoso dado pelas amigas) foi de bandeira em punho divertir-se nas festas profanas cariocas.

Obvio, que uma caravana de bichonas e travestis felizes iria ser interceptada pela policia e logo viraria manchete, por que o cabeça da excursão era nada mais que o filho de um prefeito. E assim as manchetes pipocaram mostrando ele com seus amigos em fotos constrangedoras, presos e maltratados na então capital do Brasil.

Imaginem a cena...década de 30 ou 40, um monte de “bonecas” presas por vadiagem no Rio de Janeiro em pré carnaval o que não gerou de especulação e comentários maldosos no pais. Lembrando que naquela época tudo o que acontecia no Rio, virava manchete nacional.

Deste momento em diante Campinas ganhou fama de cidade de “viado”, por que todas as vezes que se falava dela logo vinha à mente das pessoas o escândalo de Carlito Maia. Sem deixar de mencionar que nesse período Campinas era uma cidade importante por que daqui saiam figuras ilustres que brilhavam no cenário nacional, como Carlos Gomes e Ramos de Azevedo ( arquiteto da Pinacoteca, mercadão e o Teatro Municipal de São Paulo, entre outros)

Existem documentos dizendo que Carlito foi importante para o município, principalmente na questão cultural. Ator de teatro, vangloriava-se de ter se apresentado mais de 300 vezes como Jesus Cristo, nos palcos nacionais. Rs rs rs...tá...Jesus Cristo!!! Ha hã!!!

Essa é uma das lendas criadas sobre Campinas. Outra é que no inicio o nome do municipio era "campinas dos viadeiros"...que convenhamos da na mesma, continuaria com a fama de terra de viado...

Agora existem outras cidades que também carregam a fama de “terra de mariconas”, como Pelotas no Rio Grande do Sul. Já não sei o porquê, aqui é apenas uma lenda, lá pode ser que seja verdade. Pelo menos o vídeo abaixo da a entender....rs rs rs.





Abração a todos...boa sexta – feira, bom fim de semana.

UM BOM FILME



Finalmente assisti “ A Origem” (Inception) – filme tão comentado nos últimos tempos e que confesso a curiosidade era pouca.
Mas preciso me redimir por que alem de uma ótima produção, ao estilo Matrix, Show de Truman e outros que mostram uma realidade virtual “A Origem” traz Leonardo Di Caprio, sóbrio, maduro, e com excelente desempenho.

Não nego que o roteiro seja complexo, e necessita de uma atenção extra para vagar pela loucura que propôs o diretor. No inicio há um tédio, o pensamento de “que filme chato”, mas aos poucos a história vai ganhando novos personagens e a trama vai crescendo e tomando uma proporção que nos aflige nos deixa tensos, de olhos presos e adrenalina a mil.

Mas a constatação maior alem do cuidado com cenografia, edição e escolha de elenco é ver um Leonardo di Caprio adulto, amadurecido, sem aquela carinha de modelo de revista “capricho”, muito longe do Jack de Titanic, e outros filmes comerciais feitos para adolescentes.

Leonardo caminha para se tornar um grande nome de Hollywood, daqueles que ao ser mencionado já nos fazem querer assistir pela garantia do sucesso. Basta apenas não se deixar enganar por roteiros fracos e comandar a carreira assim como faz Robert De Niro, que sabemos valer a pena o ingresso, mesmo que por uma participação pequena.

Desde “ Os infiltrados” já notava uma mudança de expressões em Di Caprio. As sobrancelhas levemente arqueadas dando o aspecto bravo, concentrado, já chamava atenção. Quando há o close no seu rosto, percebe-se claramente que o menino de capa de revista já é um homem, e o talento aflorou, assim como em Brad Pitt, Antonio Banderas e Keanu Reeves outros galãs que arrancavam gritos histéricos das fãs e souberam conduzir a carreira com escolhas acertadas que geram milhões de dólares para seus produtores. Sempre o achei fraco, aquém do que propunham para ele. Muitas vezes se percebia que a escolha era feita pelo nome do que pelo personagem, visto Titanic (como exemplo novamente) que exigia mais força física para pular de um lado a outro do que interpretação.

“A Origem” no final vale muito pela atuação de Leonardo que dá credibilidade ao personagem, que é o centro da trama principal e das secundarias. Um novelo de linha que se embaraça e nos faz achar que não terá solução. O fim, esse só assistindo para concluir.

Boa quinta-feria...abraço a todos

UM "CENSO" RIDICULO

“O CENSO 2010 ESTARÁ NO PREDIO HOJE AS 15:00 – PROGRAME-SE”.

Ok...o censo vem ao prédio fazer as entrevistas, no meio da semana, as 15:00 hs. Quem estará em casa além da velhinha que mora no apartamento em cima do meu, eu não sei. E como assim, programe-se.


Chego pro pessoal do escritório e digo: Oh, to indo lá em casa responder um questionário do Censo e volto já já. Quem acredita nisso?

Com um horário sem sentido desses, obvio que o rapaz não conseguiu conversar com ninguém. Então chego as 18:00 hs em casa e o porteiro avisa: O seu horário para responder ao questionário será as 20:00 hs, eu chamo pelo interfone.

Beleza, ninguém pergunta se eu quero responder ou não e já agendam um horário e tchau. Mas sou cívico ( acho que é assim que se fala), então na hora marcada desço e me prontifico a colaborar.

O rapaz com uma gripe absurda estende a mão depois de um espirro. Cumprimento-o pensando no monte de vírus e bactérias expelidas. Deixo a mão pendurada como se fosse algo repugnante. A mente trabalha mandando mensagens para que essa mão contaminada não suba ao rosto, não suba...não suba.

Da inicio a entrevista com o rapaz perguntando meu nome completo, nascimento e minha renda mensal.

Aí vem:

2° pergunta: Alguém que mora com o senhor viajou para o exterior nos últimos 6 meses?
R: Não

3° Pergunta: Alguém que mora com o senhor contraiu alguma doença grave nos últimos 6 meses?
R: não

4° pergunta: Alguém que mora com o senhor sofreu algum acidente nos últimos 6 meses e precisou de atendimento em hospitais públicos?
R: não

5° pergunta: Alguém que morava com o senhor morreu nos últimos 6 meses?
R: não

Obrigado, assine aqui.

Não entendi nada que tipo de censo é esse que fez cinco perguntas sobre pessoas que moram comigo sem antes questionar se por um acaso eu moro com alguém.

Senhor censo, EU MORO SOZINHO!!!!

Não sei qual estatística estou incluído. Talvez nos que tem pessoas saldáveis que não viajam e não morrem morando comigo.

- Quando subi pelo elevador, esqueci o cocei os olhos com a mão contaminada. Sorte, os vírus já tinham morrido.

Ótima quarta feira a todos.

UM OLHO QUE TUDO VÊ

Uma vez falei de verrugas aqui no blog causando estranhamento...então hoje vou mais fundo, vou falar de “olho de peixe”....kkkkkkkkkkkkkk....

Na verdade vou contar do meu olho de peixe.

Quando era moleque, uns 7 ou 8 anos, apareceu um bendito de um negócio desses no calcanhar direito. Não sei de onde vem nem pra onde vão essas coisas estranhas, e confesso que na época minha mãe nem se preocupou em dizer assim: deixa levar esse guri num dermatologista pra ver como tira isso.

Mesmo que ela quisesse eu não ia. Havia presenciado uma sessão de tortura com minha avó numa clinica, onde ela retirou dois desses da palma da mão. Terrível. Então me deixa com o olho de peixe que tudo bem...não me importo.

Mas aquilo incomodava. Quando corria de tênis a fricção machucava. Na escola batia com o calcanhar na cadeira e doía. E assim foi indo. Aquela coisa nojenta presa em mim. Aquele olho que tudo via, preso no calcanhar.

Não adiantava reclamar, por que se o fizesse, ou era tortura, ou uma pomadas de acido que corroeriam até os ossos da minha canela magrinha.

E aí como não tem jeito você acaba se adaptando e para uma criança é mais fácil. Por que depois de um tempo aquilo passa a fazer parte da sua vida e felizmente se esquece.

Certo dia estou eu participado de uma brincadeira comum da minha infância que se chamava “mamãe da rua”, que consistia em grupos ficarem de cada lado nas calçadas dentro de um espaço limitado onde a tarefa era atravessar para o outro lado sem ser agarrado por que estava na rua. Quando de repente deu-se o inesperado.

Minha irmã era a chefa da turma e eu sendo o caçula da casa não podia ser tocado por ninguém nas brincadeiras, como diziam, eu era café com leite....rs rs rs. Ela brinca comigo que fui café com leite até os dezoito anos...rs.

Enfim, eu batia em todo mundo que tentava me puxar pra rua, mas ninguém encostava a mão em mim. E tinha uma menininha insuportável daquelas que parecem pinto louco de galinheiro que corre de um lado pro outro sem noção de espaço, que trombou comigo fazendo com ambos caíssemos pra trás. Beleza, criança é de borracha mesmo, nada aconteceu.

Daqui a pouco todo mundo começou e me olhar com pânico, por que havia uma poça de sangue por onde eu passava. Minha irmã me acudiu e vazou comigo pra dentro de casa.
Eu, magrinho, branquelo e medroso, quase entrei em choque vendo aquele monte de sangue.

Após ser acudido pelas mulheres histéricas de casa, percebeu-se que meu “olho de peixe” havia sido arrancado inteiro, pela raiz. Aquela menininha cretina pisou com o seu tamanco de madeira no meu calcanhar sem que percebesse e extirpou meu irmão gêmeo fossilizado do calcanhar. Nunca mais nasceu nada. Sangrei litros, mas aquilo desapareceu. Uma semana depois, tudo cicatrizado e eu podendo correr de tênis a vontade, por que não havia mais empecilhos nos pés, me fez um garoto feliz!

Hoje não ouço mais falar que existam “olhos de peixe”. Acho que entraram em extinção.

Boa terça a todos...Abração

QUE DIA É HOJE?

Sou e sempre fui uma pessoa ligada a datas. Os feriados mais emblemáticos ( mesmo os criticados por serem de apelo comercial) sempre foram encarados como um dia especial.

Por isso gosto de Natal, Páscoa e etc. Os aniversários, incluindo o meu, são sempre muito comemorados. Não deixo de parabenizar aniversariantes, por que mesmo os que não gostam, tem que se render a questão de que completar um ano a mais de vida é sim sinônimo de alegria, de que se cumpriu mais uma etapa da vida, e obvio, continua-se vivo...rs.

Me lembro das datas de aniversario das pessoas próximas, de amigos distantes, inclusive tenho a mórbida mania de também registrar o dia de morte de muita gente, principalmente parentes.

Claro que não fico pontuando-os, mas por exemplo, nesse mês de agosto duas pessoas muito importantes da minha vida se foram, e não há como negar que há uns anos, muitos até, o dia em que aconteceu ficou marcado, infelizmente.

Lembro-me até das datas em que comecei a namorar e em que terminei namoros, fiz primeira comunhão, me formei no ginásio, no colegial. Guardo a data em que comecei amizades com pessoas que permanecem até hoje na minha vida, dos que estão longe, até aqueles que não tenho mais contato.

Pode ser um erro, apegar-se a datas, por que geralmente quando não se tem um retorno das pessoas mais próximas, acabo ficando magoado pelo esquecimento. Passa, mas que no momento aquilo machuca, pode ter certeza que sim.

Uma ex por dois anos seguidos viajou no dia dos namorados. Claro que o primeiro ano passou batido, era uma viagem internacional, e bla bla bla. Achei o fim da goiabada, mas tudo bem, relevei. No segundo ano a mesma coisa. Ai conclui que a falta de consideração era maior do que o normal. Tanto tempo para fazer uma viagem e calha bem nesse período. Então fique sozinha.

Certas datas como o dia dos namorados, ou aniversario de namoro se esquecidas geram sempre uma sensação de pouco caso do parceiro, por isso sempre me preocupo em não deixar passar, mesmo que seja apenas um afago. Esquecê-las é um perigo por que o outro jamais perdoará.

Questionam por que de eu me lembrar de datas. Primeiro por que faz parte da minha memória inútil, e segundo por que acho que para algumas pessoas lembrar-se de datas importantes “delas” e parabenizá-las, ou confortá-las é uma manifestação de carinho. É o mesmo que dizer: olha, naquele dia você sofreu, mas eu sei que passou, por mais que hoje você se lembre com melancolia, passou e eu to aqui, lembrando contigo.

Posso não ser mais um garoto, mas certas coisas em mim não mudam. Continuo me importando com o que chamo de “consideração”. As pessoas lembrarem-se de você nas datas que lhe são importantes, principalmente se essas datas são divididas, é primordial. É muito chato esperar uma palavra de afeto, e não ouvi-la. Mas da mesma forma que vem, passa.

Meio de feriadão prolongado é um saco. E eu acabei tendo que vir aqui, pro escritório, atender um cliente que provavelmente não tem o que fazer.

Abração a todos, e bom feriado.

GAFE

Gafes são coisas que geralmente fogem ao nosso controle. Eu como falo demais e dou bom dia a cavalo, preciso me segurar para não me meter em situações de saia justa. Na verdade herdei isso da mãe que como eu, não sabe segurar a língua na maioria das vezes.

Cena 1: 1° ano de colegial. Paquera linda vai se chegando aos poucos até um dia puxar papo.

(ela): oi rafa, acho você tão bonzinho. Você é crente?

(eu): Deus que me livre, nossa!!! Sou católico. (gargalhada) não sei de onde você tirou essa!!!

(ela): Por que? não sei pra que tanto espanto, eu sou crente e me orgulho muito disso.

CONCLUSÃO: nunca mais olhou na minha cara.

Cena 2: minha mãe conversando com a avó no casamento de um familiar.

(mãe): - Aquela santinha (apelido de uma prima) é uma cretina, ordinária. Tudo o que ela faz é por interesse, não passa de um FP.

- Oi !!! ( santinha parada atrás delas escutando a conversa).

(mãe): oi querida. Que bom que você também veio. Estávamos sentindo sua falta. Tudo bem? ( beijinhos estalados de cumprimento).

CONCLUSÃO: falsidade as vezes tenta minimizar a língua solta.

Cena 3: MSN com arquiteta sentada ao meu lado sobre a estagiária que ambos detestamos apelidada de “pulga”.

(eu): Putz, não guento mais, você viu a cara de bosta da pulga hoje?

(pulga): Quem é pulga?

(eu): ah!!! É...a fulana, não sei por que ela ta com uma cara de bosta hoje. ( querendo que chão abrisse pra entrar dentro).

CONCLUSÃO: olhe bem para quem você manda mensagem de MSN.

Cena 4: minha mãe no hospital em SP em companhia do meu pai.

(mãe): roubaram minha malha ontem, aposto que foi aquela enfermeira mal encarada que vem na parte da tarde. Eu tinha certeza que deixei a malha sobre esse sofá. Já procurei em tudo, no hotel, no carro, e nada. Aquela ladra que levou, certeza.

(enfermeira): Dona, esse agasalho é seu né? A Senhora deixou no refeitório ontem, eu guardei por que sabia que era seu.

(mãe): ahhh...que gentileza. E falando pro meu pai: essa enfermeira é um amor, a mais simpática daqui.

Cena 5: meu pai e um amigo quando eram jovens

(amigo): Você viu que fulano vai casar? Coitado, arrumou uma que é professora. Essas não valem nada, tudo mulher fácil.

(meu pai): A minha mulher é professora.

(amigo): mas aí é diferente, é sua mulher né. Cof cof cof ( tosse sem graça).

Cena 6: Entrega de projeto na faculdade

(eu): Nossa, não sei como os professores avaliam esses projetos. Olha aquele ali (apontando com o dedo) que coisa mais medonha. Quinto ano de faculdade e o pessoal faz esses lixos.

(amigo): Mas aquele é o meu projeto!!!

(eu): “vermelho de vergonha” – Não, aquele ali oh!! Desviando o dedo mais pra direita.

(amigo): ah, você é muito critico. Aquele tirou 10, o único que já tem nota.

(eu): achei um lixo.

CONCLUSÃO: não estenda demais o vexame, encerre o assunto e vai embora.



Minha avó tinha uma frase para esse tipo de situação. Ela dizia que não adiantava limpar o c* com a bosta. Uma vez cometida a Gafe, respira fundo e vaza.

Abração a todos, bom fim de semana, e bom feriado prolongado aos que puderem emendar.

CACHORRA !!!

Não sei se estou influenciado pelo personagem de Maitê Proença em “ Passione”, mas essa musica de Nina Simone (a que preciso confessar, gosto muito) me remete a mulheres ordinárias ( a que preciso confessar, gosto muito também)...rs rs rs.

Ela tem cara de sem vergonha...de mulher fácil...eita.

Tenho ou não razão?

Abraço a todos.