AMENIDADES NA TERÇA-FEIRA

Desde pequeno tenho uma imaginação terrivelmente fértil. Digo terrivelmente por que em alguns casos fantasiava coisas que não existiam, situações hipotéticas que dificilmente seriam realidades, mas sofria com a perspectiva de acontecerem.

Isso tudo graças a leitura que me acompanha desde pequeno.

Adoro comprar livros, e tenho um prazer enorme em folheá-los. Quando inicio uma leitura, vejo tudo, até os números de série da encadernação...rs...Como se fossem letreiro de um filme. Vejo tudo.

Mas o mundo literário evolui muito rápido, assim como o fonográfico. Me lembro quando comprei o primeiro LP, com dinheiro meu, guardado a duras penas. Foi o álbum do Legião Urbana – DOIS, por causa da música “Quase sem querer”. Não preciso dizer que o mantive intacto por anos a fio, digo o encarte, por que o vinil ficou todo riscado e furado. Quando se ouvia muito esses discos eles gastavam, acreditem...rs.

Em 1993, comprei meu aparelho de CD, e nas décadas seguintes milhões de CDs..rs. Nunca vivi sem musica e literatura. Mas não sou um Nerd chato, que só lê, lê, lê, e não faz mais nada. As minhas horas vagas tento fazer aquilo que me da prazer, e tudo isso ta incluído.

A internet rouba muito do nosso tempo ocioso, tenho que confessar. Poderia me dedicar mais a outras atividades, mas acabo sucumbindo a telinha e vou navegando e pesquisando, fuçando na vida alheia...rs rs rs. Manter um blog não é fácil. Ter assunto sempre requer pesquisas.


Com esse post que escrevo hoje completo a marca de 500 publicações no Baú do Jamal, que nasceu em agosto de 2007. Falar tanto me fez ter uma vasta biblioteca de fotos e possíveis temas. Por isso não deixo de comprar livros, de escutar CDs e ver as novidades que surgem com o piscar dos olhos nessa ferramenta perigosa chamada internet.

Sou um conversador de carteirinha. Se puder passo o dia com o MSN aberto falando com os meus amigos. Gosto de saber o que lêem, o que escutam, o que fazem pra se divertir. Adoro o ser humano, já falei isso aqui diversas vezes. Saber dos problemas, da vida das pessoas me encanta faz ter idéias para os meus textos. Um dia poderão ler o que escrevo, os contos, as novelas e os romances. Terei imensa satisfação em compartilhar isso com todo mundo.

Hoje não quis abordar tema nenhum, nem falar sério, só um breve relato do que gosto.

Abração a todos e boa terça feira.

UMA CARICATURA MINHA

Oda Moura (oblogdooda), é um garoto extremamente talentoso no desenho. Apesar de novinho, é perceptível a personalidade do seu traço.

Fui presenteado por ele com uma caricatura (pela primeira vez). Nunca havia me visto sobre os olhos de um artista, apenas os meus auto-retratos que ficam muito bem guardados...rs rs rs. Quem sabe daqui um século eles não valham alguma coisa.

Um dia ainda vou a um estúdio fotográfico e tiro fotos minhas também. Algo que me atrai. Não é um book...rs rs rs...de modelo...kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, apenas fotos com luz e lentes próprias, sem caras e bocas inchadas que os modelos fazem.

Vejam o meu presente aí embaixo.
Abração a todos e boa segunda.

VAI QUE É TUA RAFAAEEELLL

OBRIGADO A TODOS OS MEUS SEGUIDORES...HOJE ULTRAPASSEI A MARCA DE 100...

100 PESSOAS QUE ME SEGUEM, QUE LEEM O QUE ESCREVO...

OBRIGADO A VOCÊS TODOS QUE PASSAM POR AQUI...TIVE QUE ESCREVER ASSIM, GRITADO...PRA MOSTRAR O QUANTO ESTOU FELIZ POR ALCANÇAR A MARCA...RS RS RS.


ABRAÇÃO...VOLTEM, VOLTEM SEMPRE...

MUITO MAIS DO QUE SE IMAGINA

Tantos podem dizer que Glee é um seriadinho sem graça, sem futuro, comercial demais, mas independente de tudo isso, me emociona algumas vezes.

O vídeo abaixo fala mais do que inclusão, fala de solidariedade, de respeito, de sentimentos que temos deixado de lado com a vida corrida e desregrada de hoje. A imortal letra de John Lennon na voz e gestos de quem tem muito a dizer. Percam um tempinho e assistam.









Tive uma prima surda e muda que na minha infância me povoou de grandes ilusões, por que apesar de sua deficiência, o linguajar dela com uma criança de 5 anos era rico de detalhes. Ela nunca precisou esboçar nenhuma gesto a mais ou forçar uma palavra, eu a compreendia, dentro do mundo de fantasia que criava para brincar comigo.

As adversidades geram naqueles que não sentam e se lamentam uma força vital muito maior que a nossa tidos “normais”.

A beleza nasce no terreno mais árido, mais inóspito que se possa imaginar, basta que ali exista espaço. A vida brota de vãos minúsculos, por que viver é o que temos de mais especial.



Aos amigos que passam por infortúnios amorosos, que se sentem abatidos por um problema de saúde, financeiro ou que não entendem por que o mundo não lhes sorri, desejo que o dia de hoje e o final de semana seja repleto de boas novas, basta que parem no espelho e sorriem pra vocês mesmos. Se não se sentem felizes em ver o quanto são perfeitos, não esperem que outros o façam.

Abração...

Bom fim de semana

A TV QUE NÃO GOSTO

Opa...

Hoje é dia de descer a lenha. Quero falar do seguinte: O que, ou quem te faz mudar o canal de sua TV? Ultimamente não sei por que todo mundo quer falar daquele Rafinha Bastos do CQC. Vários programas puxam o saco do cara, e ele me parece arrogante, malcriado, e soberbo.

Astrid Fontanele parece àquela tia desquitada que tá se lixando pra todo mundo e quer falar o que vem a cabeça. Chata. Se segurasse um pouco a periquita ficaria melhor. E tá com síndrome de Faustão, atropela os outros quando fala.

Não quero mais ouvir falar do bendito vazamento de óleo no Golfo do México. Parece que ninguém faz nada e todos os dias os jornais dizem, são 37 dias de vazamento. Pô, to ficando agoniado. Daqui a pouco chega aqui em Itanhaem....rs rs rs...

A novela das sete, que no meu entender é a pior do horário desde “Mico Preto” no inicio da década de 90, ou da década de 80, não sei...mas considerada a pior novela que a globo já produziu. “Tempos Modernos” ta disputando por uma cabeça esse páreo.

Onde quer que apareça Mara Maravilha eu to fora.

Qualquer ex BBB me faz voar imediatamente de uma emissora, desesperado. Engraçado que enquanto passa o programa eu até curto, mas saíram de lá, viram persona non grata pra mim. Quer ver o estomago embrulhar, é dar de cara ao mesmo tempo com Max, Siri, Elieser...meu fígado não resiste. Minhas entranhas se reviram.

A voz de bingueira fumante da Ana Maria Braga tem me irritado nas manhãs enquanto tomo café. Não precisa falar daquele jeito todo grave...isso é chato. As irmãs da Marge Simpson que o digam.

Cristiana Oliveira. Não há novela, personagem que me faça engolir. Péssima!

Miriam Leitão. Poxa, a Globo tem mulheres lindíssimas no seu Staff. Não precisa deixar aquela mulher feia, que gagueja durante sua curta apresentação, falando todo dia. Alexandre Garcia da de dez nela.

A vergonha alheia da TV brasileira atende pelo nome de “A Praça é nossa”. Meu Deus, por que expor profissionais ao ridículo daquela forma. Silvio Santos tira do ar programas com mais conteúdo do que o que Carlos Alberto e Nóbrega apresenta. Não há nada que nos prenda ali, absolutamente nada, nem o apelo sexual de mulheres semi nuas. É preferível esperar o canal Multishow de madrugada se querem ver peladonas de graça.

Qualquer ex-biscate que encontrou Jesus e prega de boa moça na TV. Isso é irritante, desnecessário, e apelativo.

Amaury Jr. Quem se lembra dos áureos tempos dele como apresentador desse estilo de programa que arrastou por décadas sabe que ele não ta mais agüentando. Parece que fala alcoolizado o tempo todo. Ta com a cara torta e deve cuspir nos entrevistados.

Indo na mesma linha, Otavio Mesquita é outro que como Eri Johnson se acha engraçado e pode tudo em frente às câmeras. Já passou seu tempo também. Pra se manter na TV devia ter reciclado seus modos, e tudo mais. Ainda me lembro dele querendo mostrar celebridades peladas quando estava no SBT.

Otaviano Costa virou o mico de circo de uma hora pra outra. É tão forçada sua tentativa de ser engraçado que fico com pena da Flavia Alessandra. Ela faz uma cara de “me desculpem, ele é bobo” o tempo todo.

Bombom, Belo, Dudu Nobre, Dado Dolabela, Theo Becker, Adriane Galisteu, Claudia Rodrigues, Sorvetão e Conrado, Padre Marcelo Rossi, Mãe Dinah, Walter Mercado, Serginho (BB10), comercial de iogurte que funciona o intestino, Eliana dedinhos, Danielle Winits,estão todos numa lista das celebridades e acontecimentos que não faço a mínima questão de saber como funciona, por onde andam, o que fazem. Nada. Pra mim, tudo gentalha!!! Rs rs rs...

E como dizem: Pronto, Falei!!!

Agora posso ter uma quinta feliz...

Abração.

ACHEI ALGO PRA MIM FAZER!!!

Nenhum erro de português me irrita tanto quanto o linguajar Tarzan do povo.

Achei um site que fala legal a respeito disso. Vale a pena ler.

caso do MIM e do EU; do TU e do TE

É comum as pessoas dizerem:

Este livro é para mim ler.
Qual o equívoco? O certo é para eu ler. Simplesmente não observamos que o mim torna-se o sujeito de ler. Pelas leis da gramática, mim e te não funcionam como sujeitos da ação. Logo: Para eu fazer, para eu ler, para eu escrever. Mim e te não praticam ação. Logo, mim não passa no vestibular; mim não namora, mim não vai a jogo de futebol. Eu, sim, passo no vestibular. Estudo para eu passar no vestibular. Na verdade, isso parece língua de índio: Mim Jane, mim Tarzã...

Os alunos irão reclamar: Que diferença faz, todo o mundo entende quando a gente diz pra mim fazer? Ah, sim, vocês acham mesmo isso?

Então vejamos:

Imaginem que um colega faça o seguinte convite:


Vou-te convidar para tu comeres lá em casa.


Tu é sujeito de comer. Logo, praticará a ação de degustar o alimento cozido. Trata-se de pronome reto, digno feitor de ações. Trocando para o pronome oblíquo:


Vou-te convidar para te comer lá em casa.

Mudou alguma coisa? Penso que sim. Agora o convidado, de agente da ação de comer, passa a ser o cardápio. Moral da história: Quando convidarem vocês para comer, perguntem se é com o reto ou com o oblíquo. Gentilmente, vai-se primeiro com o reto e, depois, mete-se o oblíquo.

coladaweb

Abração que agora vou procurar algo pra mim fazer...tchau.

O MEME DO SELINHO


Bem...vamos ao meme do selinho que o Marcos ( meu pitaco) me indicou.

Segundo ele funciona da seguinte forma:
A- Postar o selo no seu blog;
B- Deixar um comentário nesse post com o link do seu post no seu blog;
C- Dizer 3 coisas que a maioria das pessoas não sabe sobre você.

1- Uma coisa que o seu amigo vai pensar: Humm, interessante!
Estou reunindo todos os meus textos para publicar uma coletânea, se der até o fim do ano.

2- Uma coisa que o seu amigo vai pensar: Uau, nunca ia saber isso!
Eu não curti nenhuma das amigas barangas que tentou me empurrar em todos esses anos de amizade...kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

3- Uma coisa que o seu amigo vai arregalar os olhos e dizer: O quê? (e vai ficar de boca aberta!)
Se é pra falar de cueca no ultimo item, então lá vai....Eu não uso cueca em casa nunca...nem que tenha visita de Freiras Carmelitas descalças...nem que me obriguem sob pena de lambido no rosto, coisa que odeio. Mas assim, não uso cueca, mas bermuda, shorts, pijama sim. Não sou adepto do naturalismo...rs

Tá bom assim?

E agora, quem vou indicar pra isso?

Vou mandar pro Cris do "TRES EGOS". Como ele tem tres pesonalidades distintas, vai ser facil...

Inté...abração

A VELHINHA

Desculpem, o texto é grande.

Dona Pequena nasceu e foi criada no sitio entre dezenas de irmãos que sobreviveram à falta de cuidados na infância. Não foi pobre, mas a ignorância “mater” fez com que entendesse que filhos se criam na base da porrada.

Cresceu, casou, apanhou do pai, dos irmãos e do marido. Não há uma alma feminina que não endureça após anos de violência doméstica, calada. Tempos em que problemas desse tipo se resolviam dentro de casa, sem que vizinhos e estranhos soubessem.

De suas sete gestações, cinco vingaram e sozinha os criou, a base de pancadas, claro, como estava acostumada. Viuvou cedo, por conta da bebida. Formou um por um, entregou as filha a bons homens, e os filhos a “pestes” como costumava chamar as noras.

Mas a velhice trás consigo alguns percalços que inevitavelmente atingem boa parte da população idosa, a esclerose.
Para os familiares a doença atinge mais do que a memória e a percepção de seus velhinhos, atinge a dignidade e abala o eixo familiar.

Dona Pequena após anos cometendo pequenos deslizes de memória, esquecendo panelas incendiadas na cozinha, escondendo pagamento em lugares nunca descobertos, foi diagnosticada com esclerose pelos médicos. Não Alzheimer, esclerose mesmo.

Os filhos, de bom coração, resolveram dividir-se nos cuidados com a mãe. Claro que as noras sentiram-se ultrajadas de terem que hospedar uma velha irritante, repetitiva e nos últimos tempos aleijada, por que Dona pequena, enfraquecida pela doença acabou numa cadeira de rodas.

Bons anos se passaram com ela indo de casa em casa, tendo suas “férias” em cidades diferentes, com pessoas sempre a serem apresentadas. Esquecia de todo mundo e cada vez que via um filho, fazia festa se apresentando como se nunca o tivesse visto. No inicio todos se sentiam mal com isso, alguns até choravam, mas aos poucos o que era drama, virou piada. As crianças brincavam com a falta de memória da avó, da bisavó, e assim por diante.

Da mesma forma que a doença atinge o idoso fazendo-o vitima de uma memória inexistente, o faz regredir também a fase da infância, e pessoas com esclerose viram pequenos travessos.

Uma das noras odiadas de Dona Pequena a hospedou pelo que seriam três meses, combinado com os outros filhos. Mesmo não se lembrando da moça, Dona Pequena com flashs de lucidez a xingava, olhava feio e fazia caretas. Numa manhã, irritadíssima com a cantoria repetitiva de dona Pequena, a nora a colocou na cozinha, fechou a porta e lá deixou por horas até que percebeu o silencio. Bem, alem de ter cansado de cantar, dona Pequena, munida e uma fralda suja de cocô, fez pequenas bolinhas ( em forma de brigadeiros) e atirou por toda a cozinha. Quem viu pode garantir, que não havia um canto de parede que não tinha um cocô pregado. Vingança n° 1.

Mandada para a casa de outro filho, Dona Pequena ficava insatisfeita com o vai e vem de pessoas na casa. Neste lugar a deixavam perto da televisão por que achavam que ela se distraia, sem saber que aquilo era uma tortura, por que filmes de bang-bang, por exemplo, a faziam desviar de balas aos gritos de medo. Numa manhã, ouve-se uma explosão na sala, e Dona pequena desaparecida dentro de uma nuvem de fumaça. O que havia acontecido?

Ao ventilarem a casa viram a podre sentada ao lado da TV com os olhos arregalados de pavor, e um copo vazio na mão. O liquido? Bem esse tava todo dentro da TV. Ela cansada do barulho, despejou todo o suco dentro da aparelho. Buuuuummmm...Vingança n°2.
Reunião entre filhos e a decisão que ela não mais viajaria, moraria daquela data em diante com uma das filhas, a mais velha, em quem Dona Pequena mais bateu na infância. Todos contribuiriam com dinheiro para mantê-la. A primeira indicação dos médicos fora um colchão d água para melhorar as dores lombares da probrezinha.

Filhos reunidos no quarto num dilema crucial de como encher a cama. Seguidas as instruções, tiraram Dona Pequena da cama, deitaram-na ao lado, agasalhada por conta do frio cortante e com uma mangueira acoplada ao colchão puseram em pratica o plano.

E ali ficaram conversando, rindo, e lembrando peripécias de Dona pequena. Não perceberam que alem de estar cheio, o colchão vazou, silenciosamente, sobre Dona Pequena. A pobre estava deitada no chão encharcada, num frio absurdo. Gritos de desespero...Peguem a mamãe e coloquem na cama!!!

Missão cumprida. Só não sabiam que camas de água tem que ser bem forradas. Colocaram-na sobre o que seria uma barra de gelo. Dona Pequena parecia um pedaço de madeira quando falaram com ela. Estava roxa, dura, e tremendo. Não morreu de hipotermia, por que realmente não era sua hora.

Judiou da filha que a acolheu. Cuspia remédios na sua cara. Jogava comida nos vasos de plantas. Apertava o Poodle da família à beira do estrangulamento. Acendeu um fósforo na cortina, tirou uma fileira enorme de tacos do chão da sala com os pés. Cantava por horas a mesma frase, gritava, chorava, não dormia a noite, esbofeteava a filha no banho, puxava seu cabelo e por aí a fora. Ao ponto dela ficar enlouquecida e pedir que levassem a velha embora.

Numa manhã sentada na cozinha de castigo, como faziam quando ela aprontava, Dona Pequena chamou a filha e com os braços abertos pediu um abraço. Disse que a amava, e que sentia falta dela. A moça emocionada, abraçou Dona Pequena, chorando pela reação inesperada, quando sentiu um cheiro ruim. Afastando-se percebeu que a mãe estava com os braços sujos de cocô, e que ao abraçá-la, a velhinha se limpou em suas costas. A filha sentou e chorou copiosamente por horas. O único afago de sua mãe fora um abraça cagado.

Dona Pequena faleceu 2 dias depois. A filha emocionada no enterro contou pra todos que a mãe a acariciou antes de morrer, só omitiu a parte do cocô.


Ter um velhinho doente em casa não é fácil. O amor tem que vir acima de tudo e em qualquer circunstância. Paciência e dedicação nos faz ao final da jornada ter a consciência de que tudo foi feito por ele, e que não há motivos para o remorso.


Abração e bom dia.

UMA MULHER INTERESSANTE

Pode ser que algumas pessoas não saibam, mas Maitê Proença é campineira, nascida e criada por boa parte de sua adolescência aqui, até as tragédias abaterem e a levarem embora.

Falo dela hoje, não com o orgulho de ser conterrâneo, não por isso, por que teria que dividir a atenção com Claudia Raia, Fausto Silva e tantas outras personalidades do mundo artístico, mas pela mulher que descobri que é ao longo desses anos.

Sua biografia, acreditem é um dos melhores livros que li ultimamente. Uma narrativa inteligente de uma experiência de vida passada aos leitores com tanta verdade que até nos faz questionar se fora ela mesmo que escreveu, ou se não passa de uma ficção.

A vejo as vezes no meio daquelas mulheres chatas do “Saia Justa” e fico dizendo: saia daí, vá pra outro lugar...mostre mais do que as pessoas vêem nesse programa tendencioso e vazio.

Pois Maitê saiu, e veio, e ta em Passione.

Não sei o que me faz admira-la hoje, sendo que conheço seu trabalho há tantos anos. Desde o inicio de sua carreira, do personagem que fez ao lado de Mario Gomes em “Guerra dos Sexos”, da sua “Dona Beija” da Marquesa de Santos que a fez ganhar as paginas da Playboy num ensaio como poucos, que trazia alem das paginas centrais, um encarte todo dedicado a ela.

Quando fiz desenho artístico os nus que desenhava para “aprender”...rs rs rs...eram sempre os seus, e da Sonia Braga. Não sei por que mas ambas me atraiam para o desenho, algo que chocava uma secretária evangélica da escola que devia me achar um adolescente tarado. O professor pelo contrario só incentivava.

Assistindo “Passione” esses dias, vi uma mulher linda, de meia idade, transbordando sensualidade e com um personagem que a remete a Sonia Braga nos áureos tempos. Pode ser que nada tenha a ver, mas a impressão que tenho de sua personagem na novela é a mesma do filme “ A dama do Lotação”, de 1978, baseado no texto de Nelson Rodrigues (de quem falarei em breve), direção de Neville de Almeida. Uma mulher decepcionada com o marido que faz sexo com homens estranhos usando sempre um tipo de ônibus (lotação era a denominação antiga para o transporte coletivo). Maitê é mais refinada, talvez a Solange (nome do personagem de Sonia Braga) do século 21.




Maitê Proença merece mais reconhecimento do que dão. È uma mulher inteligente, e vivida. Não se pode tirar isso dela. Viveu seus dramas como o assassinato de sua mãe pelo pai, e tantas outras coisas horríveis que presenciou, e sobreviveu. Teve seus homens, foi desejada por um país inteiro, foi e é uma das mulheres mais bonitas que a TV criou.

Nunca me esqueço de uma cena da novela “Jogo da Vida “, que Maitê e Carlos Augusto Strazzer ( morto, vitima de AIDS em 1993) sentados a meia luz numa sala protagonizam uma seqüência sensual/erótica com um pode de pêssegos em calda. Rs rs rs...confesso, que era uma novela das 7, mas aquilo pra mim foi mais que um pornô. E não apareceu nada alem de beijos e pêssegos...rs rs rs.

Abração a todos...boa terça

FELIZ NO RIO DE JANEIRO

Dentre tantos blogs que sigo diariamente, a Dama de Cinza (http://blogprarelaxar.blogspot.com/) é um dos que sinto prazer em ler, pela dinâmica da narrativa, senso de humor e coragem para abordar certos temas as vezes.
A dona do blog é carioca, e semana passada fez um post falando do por que não gosta do Rio de Janeiro, e indo na sua linha hoje vou escrever sobre o porque “amo” o Rio.

Já fui muitas vezes ao Rio de Janeiro, sempre a passeio, em férias. Não sofri nenhum tipo de violência ( espero que continue assim) nas vezes que estive por lá. Sempre muito bem tratado pelos cariocas e desfrutando do ar típico da cidade maravilhosa, algo que só lá encontramos.

Em 2000 estive em viagem com um casal de amigos, e como hospedávamos perto da Lagoa Rodrigo de Freitas, saiamos logo cedo e passávamos o dia na praia. Ver celebridades era constante, e para caipiras do interior de São Paulo, um luxo. Só que nunca corri atrás de nenhuma, exceto Monique Evans, gostosissima, que ficava sempre por perto deitada alguns metros da gente na praia. Certa vez, a esposa do meu amigo quis dar uma role e a acompanhei. Andamos por algum tempo na areai escaldante, e quando retornávamos ela parou em frente a Monique, e disse: Meu amigo te adora e quer conhecê-la...rs rs rs...Nem preciso dizer que virei uma berinjela no meio da praia. Monique Evans levantou-se parcialmente revelando parte do seu Top Less e disse: oi gatinho, que bom, fique feliz que você gosta de mim...e bla bla bla wiskas...não lembro de mais nada.

Essas e outras histórias fazem com que eu sinta no Rio de Janeiro um ambiente agradável, hospitaleiro, de pessoas bonitas que vivem suas vidas sem preocupação com tempo, vizinhos, e tudo que o paulistano neurótico se mata diariamente.
Sentado no MacDonald´s da Rua Visconde de Pirajá em Ipanema ( uma ria linda de comercio) almoçávamos eu e o Marcão (Meu Pitaco) enquanto a esposa dele passeava com uma amiga nossa numa feira de artesanato ali perto. Uma mulher de uns 40 anos, loira, com uma sacola gigante entrou na lanchonete, olhou para os lados e logo percebi por que se tratava de uma figura bizarra. A pessoa veio deireto da porta e sentou-se na minha frente como se me conhecesse e falou:
- Você mora por aqui. Perguntou a Dona.
- Sim. Respondi com a boca cheia.
- Posso morar com você? Eu faço de tudo. Tudo o que quiser, entendeu?
- Não obrigado. Não preciso
- Mas eu quero morar com você. Me leva pra sua casa. Eu quero.
- Não moro aqui.
- Não interessa, eu vou com você pra onde for. Só me leva junto.
- Olha moça, eu não moro aqui, já to até indo embora, mas ta vendo aquele homem naquela mesa ( apontei pra um cara sozinho), ele mora aqui perto, e tava louco procurando alguém pra morar, vai la falar com ele.
Disse isso, levantei e fui embora. Problemas de cariocas se resolvem com cariocas.

A viagem de Campinas ao Rio (de carro) dura em média 6 horas. É cansativa, mas prazerosa, por que passamos por lugares muito bonitos e com a expectativa de chegar a ansiedade aumenta. De avião são 40 minutos, mas com o inconveniente de ficar sem carro na cidade, dependendo de taxi, ou de um alugado.
Caminhando pelo calçadão numa tarde quente, vi de longe um rapaz de cueca gritando e gesticulando entre as pessoas que desviavam dele. Sou do tipo de pessoa que atraio qualquer inseto que estiver num ambiente.

Fique sossegado se estiver comigo e uma barata entrar voando, ela inevitavelmente pousara em mim, assim como abelhas, pernilongos, marimbondos e afins. Obvio que o sujeito caminhou gritando, drogado pela rua e mirou a mim. Tentei me esconder, mas não foi possível. O rapaz com a cueca caindo, com o rego de fora, parou na minha frente fazendo centenas de pessoas me olharem e gritou:

- Tá pensando o que ? olha aqui ( apontou a unha do indicador) Minha unha ta querendo falar com você.
Sumi. Ou melhor. Morri. Rs rs rs...

O Rio tem o Saara que é o equivalente a 25 de março, e tão bom de fuçar quanto. Os shoppings tem um tipo completamente diferente de roupas que estamos acostumados aqui em São Paulo. As cidades do Estado como Niterói, Petrópolis são lindas, principalmente as da serra. Há muito o que se ver no Rio. O Cristo Redentor é fascinante, a Rocinha é show de bola vendo da parte de baixo do morro. Os bondes de Santa Teresa e tantos outros locais, sem falar na arquitetura clássica da cidade que pra mim é emocionante. São praticamente todas as fases da nossa história arquitetônica espalhadas pela cidade.


O dia que encontrei Monique Evans na praia logo cedo, trombei com ela novamente no Jockey clube, num lugar chamada Babilônia Feira Hyppe. A noite fui a um shopping na barra da Tijuca, conhecer o local e nos vimos pelos corredores. No fim da noite, ao sair do cimena, novamente cruzei com ela no guichê do estacionamento. Ela me olhou e disse: Tá me perseguindo, fez os mesmos passeios que eu. Mas acho que pelo menos você comeu alguma coisa, eu to morrendo de fome. Bem, se estivesse sozinho, até convidava ela para um jantar, rs rs rs. Mas alem de não ser eu que dirigia, ela estava com uma mulher horrorosa, que possivelmente iria junto. Ficou pra depois né Monique.

Minha história com o Rio é tão grande que precisaria de vários posts para contá-la. Esse já ta enorme. O bom que assim que chego na cidade imediatamente absorvo o sotaque, como uma vez que esbarrei numa senhora e sem forçar nada disse: Perrrrrrdão...no maior estilo Alexandre Frota de falar...rs

Por essa e outras eu amo o Rio de Janeiro, e serei um velhinho carioca no futuro. Garanto!

Boa semana a todos.

FALTA DO QUE FAZER

Sempre que aparecem essas simulações de fotos na internet eu não me contenho e vou lá testar .

Um tempo atrás fiz um perfil no “My Heritage” e por mais que colocasse fotos diferentes , aparecia que era quase 80% parecido com Ronaldo fenômeno. Fiquei puto e joguei fora a simulação.

Voltei depois de um tempão e fiz de novo...rs rs rs...Desta vez me disseram que sou a cara do Papa João XXIII.



Não feliz coloquei uma foto toda zoada, com dentes podres, peruca e óculos escuro...Não é que fiquei a cara da Angelina Jolie e Jenifer Lopes...kkkkkkkkk....vai entender!!!

Outra simulação estranha é a que te envelhece. Claro, optei em ver como serei daqui 20 anos tendo uma vida saudável e como ficaria se me drogasse...rs rs rs...

O resultado. Se tiver uma vida saudável, serei gordo, se me drogar serei cadavérico...rs rs rs...Mas com a cara do José Maier.

IH...QUE MEDO!!!


Bizarro!!!

ABRAÇÃO A TODOS E BOM FIM DE SEMANA

PRO DIA NASCER FELIZ

Quando fiz faculdade não me permiti muitos arroubos de viagens e festas como faziam a maioria dos alunos do curso de arquitetura. Viviam em baladas, em congressos que sabíamos eram mais para farrear que praticamente estudar. Enfim, eu tinha outras importâncias na vida no momento como trabalhar para pagar meus estudos.
No ultimo semestre antes do termino do curso resolvi que faria uma matéria optativa que nos levaria a Brasília. Não havia melhor maneira de conhecer a capital que levado por professores experientes aos quais tinha grande amizade acadêmica.
Mas como era viagem de estudantes, claro buzão pra levar. Os professores e mais 2 ou 3 alunos nojentos foram de avião para deixar tudo organizado com hotel e roteiros. A viagem foi aquela que fumaram tanta maconha que o ar condicionado ficou empesteado, e como as janelas eram lacradas, cai num sono profundo que me proporcionou que uma viagem de 14 horas se transformasse em 1 hora.
Brasília é linda.
Conheci varias embaixadas, palácios e prédios desenhados por Niemeyer e respirei arquitetura moderna até me sufocar.
Numa das tardes sem muito que fazer, ja cansados, resolvemos conhecer o Teatro Nacional. Um prédio em forma de Piramide também desenhado por Niemeyer com ajuda de Burle Max e outra definições técnicas que não cabe ao post.
Andamos pelos corredores, coxias, casa de som e quando nos aventuramos pelos camarins deparamos com algo inusitado que nunca mais esqueci.
Num ambiente branco como comercial de molico iluminado por lâmpadas brancas com moveis brancos havia um impressionante elmo dourado repousando sobre uma mesa de centro. Estávamos num grupo pequeno por que os outros seguiram adiante. Chegamos perto para ver o objeto quando interpelados por uma senhora estacamos. Sem graças perguntamos sobre o elmo.
Pertencia a Ney Matogrosso que estava em turnê por Brasília e apresentaria seu ultimo show naquela noite.
Nunca fui fã de Ney Matogrosso. Lembrava das muitas vezes que minha mãe foi ao seu show aqui em Campinas, e como o amava, não fugindo a regra de toda mulher de meia idade que adorava o cantor por sua forma irreverente e gay. Lembro dela contando quando dançava de bunda de fora fazendo o ginásio vir abaixo. Mas isso acontecia nos meandros da década de 80.
Mesmo não sendo fãs, imediatamente nos vimos tietes querendo saber onde estava o cantor, como ele era e bla bla bla, quando recebemos do produtor a resposta que Ney estava chegando para passar o som. Ao saber informações de quem éramos nos convidou a ficar na platéia ouvindo-o testar a sonoridade da casa naquela tarde. Putz...imediatamente corremos para o local e la ficamos com a promessa de não falar com ninguém, não fotografar, aplaudir, para não atrapalhar o artista no seu trabalho.
Ney entrou mirrado da forma que é, magrinho, vestindo uma calça jeans, camiseta branca, comendo uma maça. Parou e nos olhou sentados. Cerca de 15 jovens forçadamente quietos. Só pudemos ouvir a voz de nossa professora dizendo: lindo!!!
A banda riu, Ney riu...e nós obviamente nos calamos mais.
Um show...simplesmente um show. Passou 5 musicas, fez comentário com a banda, o iluminador e deu umas broncas no produtor. Antes de deixar o local com tímidos aplausos nossos veio se agachou na ponta do palco e perguntou quem éramos. Nos desejou sorte com o curso e sorriu simpático e meigo, e se foi para a coxia. Parou, falou com o produtor, apontou para nós e saiu. A primeira impressão foi: o cara ficou puto de deixarem a gente aqui. O administrador do teatro já vinha nos enxotando grosseiramente quando o produtor gritou do meio do palco: Oh fulano...o Ney mandou dizer que o pessoal aí são seus convidados. Se tiver poltrona acomode-os, senão acredito que não irão se importar de sentar nas escadas.
Ficamos com cara de “hã?”
Saímos, fomos comer algo e voltamos depois dos pagantes do teatro terem se acomodado. Bendito Niemeyer que projetou um teatro tão confortável nas escadas quanto nas poltronas.
Em menos de meia hora a casa se apagou, lotada, e uma imagem vestida com um traje todo de franjas brancas surge com um Elmo dourado na cabeça brilhando como um raio de sol. Ney estava de volta com o mesmo tipo de show que minha mãe assistia há duas décadas antes. Na primeira rodopiada, eis que surge sua bunda, totalmente desnuda....a casa veio abaixo. Gritos histéricos das mulheres presentes.
Não houve duvida entre nós jovens, pós adolescentes: Ney Matogrosso era o cara.
Me tornei um fã pela obra musical, pela capacidade e domínio incríveis de palco que tem e por sua imensa generosidade de nos proporcionar um show gratuito. Na época com 58 anos, mas uma disposição invejavel, um bailado que impressionou a todos. Senhoras já na 3° idade o agarravam, beijam seus pés quando cantou “exagerado” de Cazuza deitado na escada de acesso ao palco se deixando apalpar pelas velhinhas.
Por isso quando vejo um artista ser simpático, amável com o publico, sem modéstias, digo: esse sabe ser artista.
Ney Matogrosso sabe. E pouco valor se dá ao grande interprete da nossa MPB. Nesse mesmo show fez sua primeira homenagem a Cazuza cantando “Poema”, musica inédita até então dada a ele de presente por Lucinha Araújo.


É assim que se constrói um ídolo.


E Ídolos não tem sexo.










abração

LEIAM -ME NO SEM TÉDIO

Estou no "SEM TÉDIO", site muito divulgado e visitado a convite do meu amigo Leandro (www.twitter.com/lecofaria) falando sobre o livro de Fernanda Young - O Pau.
Dêem uma passada por lá...uma lidinha no meu texto, e assim contribuindo para que o site continue sendo o sucesso que é.
Obrigado pessoal.
Ps.: ahhh vai ler lá vai...vai vai la...pô to pendindo, vai la...rs rs rs

MEDO DO ALISTAMENTO MILITAR

Todo homem normal nesse pais um dia questionou o fato de se “alistar no exercito”. Algo extremamente bizarro num país de pessoas pouco nacionalistas como Brasil. Sofri parte dos meus 17 anos pensando na proximidade do alistamento. Como faria 18 logo no inicio de fevereiro, eu teria que me alistar em breve.
A todo instante entrava aquele maldito comercial na TV, que dizia:

" Jovem, ao completar 18 anos,

aliste-se".

Putz, gelava quando ouvia isso. Nunca me imaginei soldado do exercito, nunca. Fui até numa benzedeira que minha cunhada conhecia. Uma tal de Dona Bila...tadinha, já foi dessa pra melhor. A mulher garantiu sem nenhuma sombra de dúvida que eu não iria pegar exercito.
Me alistei, fiquei horas esperando para fazer o teste, até que um soldado veio perto e disse:
- quer servir?
- não, não quero.
- então diz que tu tem problema de cabeça, fala que toma remédio de louco, ou que tem problema de coluna, que é torto.
- falow
Durante meu exame o médico pergunta:
- Algum problema de saúde?
- Sim, tenho a coluna torta, bem aqui. E apontei. Praticamente um Quasimodo.
O medico olhou, fez cara de nojo e me mandou embora.
Conclusão, 20 minutos depois fui dispensado por excesso de contingente.
Mas fuçando os blogs por aí, achei o desse garoto. Recomendo uma passada por lá. Criativo, debochado, e com um domínio de cena.
Como os vídeos dele são de domínio público, por que estão no You Tube, coloquei esse, no qual ele fala do drama do alistamento. Escrevi, pedi permissão e obtive.


http://ironiassociaisetais.blogspot.com/


Quem quiser conhecer o blog o endereço ta acima.

abração

A HISTÓRIA POR TRAS DA HISTÓRIA

Sabem aqueles velhos que apareciam no final dos Muppets e xingavam a todos, nunca gostavam de nada...rs rs rs...vou bancar um deles hoje, e vou falar sobre histórias infantis. Momento bobagens do Rafael..sorry! As vezes tenho dessas...rs.
Nunca achei graça na história do Corcunda de Notre Dame. Ah, vá fazer alguma coisa mais útil do que ficar babando por uma menina moreninha...pedófilo. Ao invés de vagabundear o dia todo e tocar o sino de 1 em 1 hora, devia arrumar um trabalho mais digno, ganhar uma grana, tratar a escoliose. Um colete ortopédico já ajudava. Além do que aquelas verrugas na boca torta são só pra deixar o povo com pena dele...não passa de um demagogo fingido.

Rapunzel é uma mulher imunda. Sozinha no alto daquela torre numa época que não existia bombeamento por pressão de água, como ela fazia pra tomar banho? O pior, lavar aquela cabeleira gigante que deixava o dia todo pra fora, caída pela janela com pássaros grudando nele, insetos. Vai me dizer que aquele torre cheia de limbo não tinha um monte de insetos repugnantes. A cabeleira devia ser toda cagada. Fedia pra carái. Depilação? o que seria isso mesmo? Tony Ramos.
Branca de neve é uma ingrata. Nunca estudou, ficava dia e noite fumada brincando com os bichos e achando que eles conversavam com ela. Certeza que estudava com a Bela Adormecida...dessa falo já já. Então Branca gostava de ficar sob as árvores da floresta sabe-se la fazendo o que. Aí quando a madrasta achou que já era demais sustentar uma preguiçosa ela fugiu e foi morar numa casa com sete homens, promiscua. Encarnou a Regininha Poltergeist deve ter feito um monte de filmes de sacanagem, depois se fingiu de morta e casou com um trouxa que tava passando na floresta. Ah...tremendo golpe do baú. Safada!

Então, essa tal Bela Adormecida. O nome já diz, fumada, movida a lexotan e cachaça. Dormia por quê? Por que varava a noite na putaria. Matava o empreguinho de costureira pra ficar na vadiagem junto da branca de neve. Foi outra que arrumou um bobo. Casou, encontrou Jesus, e agora quer pregar de boa moça.
A tal chapeuzinho vermelho também é um tipo que nunca me enganou. Cesta com guloseimas? Ah hã, tremendo aviãozinho do trafico. Menina perversa. Ela e o tal “caçador” que deve ser codinome de traficante usaram o pobre do lobo de laranja dizendo que ele comeu a vovozinha, tudo armação pra tomar a boca de fumo dele. Alguém algum dia deu uma olhadinha no que ela carregava na cesta? Não. E a mãe dessa menina tava onde, que não a via traficando? Pai então, nada. Quem é o pai dessa guria? Que falta faz uma FEBEM na floresta.He-man foi obrigado desde cedo a bancar o herói macho para que os pais não se envergonhassem do herdeiro. Tremenda discriminação. Pudera, e o medo que tinha de o mandarem embora como fizeram com a irmã lésbica a She-ha. Mas não adiantou ele acabou descobrindo a irmã em outro desenho e foi atrás dela. Lá ele pode andar com sua meia calça creme, sua blusinha rosa, e mostrar pra todo mundo que tinha uma amiguinha de vestidinho vermelho que flutuava. Só que nunca escondeu a atração que tinha pelo esqueleto. Isso é fato, faziam academia juntos. Aliás, o desenho todo fazia musculação na mesma academia. Só conseguiu se assumir por que a amiga Drag “Feiticeira” lhe deu uma espada. Pra família ele era Adam o espadaúdo e na boate “Castelo de Grayskull” ele era He-man o Master of Universe. Uns anos atras ele ainda vinha no Gala Gay aqui no Brasi e aparecia na TVl sempre entrevistado pela Monique Evans...rs

Pinóquio era um menino tarado. Se o velho Gepeto soubesse o quanto o garoto era sem vergonha, garanto que não o tinha adotado. Não podia ver uma menininha na frente que já crescia aquele “nariz”. Sei...nariz. Quer enganar a quem. Tudo bem, que ele arrumou uma namoradinha e deu fora, mas o velho foi atrás e o trouxe de volta, ainda disse pra todo mundo que o salvou da “baleia”. Coitada da menina ficou com fama de ser gorda e de o ter levado pro mau caminho. Ingratidão!

A bela e a Fera..., quem não vê que a tia casou com o cara feio por causa da grana, do castelo, dos empregados. Amor é cego mas o bolso ta cheio. Um cara peludo, com mal hálito e dentes horríveis. Mas...ela sempre sonhou em ser uma das Spice Girls.
Joãozinho e Maria nem vou comentar. Duas crianças mentirosas, malcriadas que se aproveitaram de uma bruxa indefesa e comeram a casa dela. Na verdade pra bom entendedor, venderam tudo o que a pobre aposentada tinha em troca de drogas. Sempre desejaram aquela casa!!!
E por ultimo a mais trambiqueira, 171 das histórias infantis, a gata borralheira, ou Cinderela. Nunca provaram que era filha legitima do veio que morreu no começo da história. Reza a lenda que era uma empregadinha e deu o golpe do DNA. Mas a pobre madrasta com suas filhinhas doentes ficou com a fama de megera, tudo por que Cinderela não se continha e comia da comida das patroas quando não estavam em casa, bebia todo o Danone, comia as bolachinhas passatempo além de usar o perfume importado das meninas e experimentar seus vestidos. Menina invejosa. Usou da sua influencia nefasta pra conseguir ingresso pra festa do príncipe, foi lá, deu o conhecido “boa noite cinderela” pro cara e deixou o sapatinho que roubou numa loja de lambuja, pro trouxa ir atrás dela depois. Se Branca de Neve e Bela Adormecida deram golpe do Baú, Cinderela deu foi um tremendo golpe do container, por que a esperta, alem de ter um castelo na Disney, coisa que só ela conseguiu, ainda entrou pra história com a mais coitadinha de todas. Tá no rol da fama junto de Elizabeth e tantas outras rainhas que tem seus próprio castelos. Depois dizem que são histórias infantis. Tá querendo enganar quem?

abração

VARIOS ASSUNTOS NUM POST SÓ

Falando de coisas aleatórias nessa segunda feira.
1 – Cd novo da Sandy “ Manuscrito” lançado esse mês. Nunca fui fã de Sandy & Jr., apesar de conhecê-los ( um dia faço um post sobre isso), e achar que a capacidade vocal dela vem se firmando com um tom mais adulto, achei o Cd uma mesmice. As faixas são muito iguais, acredito que quase 100% de autoria dela, mas chato. Atentei para uma musica chamada “esconderijo”, muito emblemática. Quando ouvirem, lembrem de mim, e vejam se entenderam da mesma forma que eu...rs.


2 – Assisti alguns episódios da volta de Glee esse ano. Gosto é como nariz, cada um tem o seu, e difícil recomendar alguma coisa que caia no gosto geral. Bem, o seriadinho americano que nem preciso dissertar sobre, por que todo mundo já sabe do que se trata, perdeu um pouco o impacto da temporada de 2009. Claro que excelentes escolhas musicais, clipes feitos com a mais pura criatividade televisiva americana, mas um pouco recheado de clichês. Não deixarei de acompanhar Glee por que há muitos anos não vejo um seriado desde o inicio. E isso me deu um gosto especial de quando ainda estudava e completava meu tempo de folga vendo os seriados que curtia. Se alguém disser que era Super Vicky, Alf, Casal 20, Dallas, vou sair dando voadora...rs
3 – Amanhã estréia um canal só de novelas, séries e programas da Globosat para atender o publico feminino das classes B e C. Bem, não entendo um canal que vai reprisar coisas que já passam em outros...se colocarem novelas antigas, bem antigas digo, aí sim fica interessante.
4 – Não sei por que mas to amarrando uma antipatia na candidata a presidência Dilma Roussef. Até gostaria de uma presidenta, mas a peruqueira ta demagoga demais.
5 – Wagner Moura definitivamente “NÃO CANTA”. Podem jogar confete nele como ator, alias um grande ator. Ontem o vi com Marília Gabriela. Gosto do tom de voz que Wagner tem, meio grave, pausado, um estilo baiano de falar. Hoje consigo entender melhor o que ele fala, mas cantar, rs rs rs...desculpe Wagner, não sou nenhum critico musical, mas não acho que tenha vocação pra isso.
6 – Vi que hoje é dia internacional contra a Homofobia. Será que se faz necessário um dia para que as pessoas parem e entendam que discriminar outros pela sua tendência, opção, desejo sexual ou seja lá como queiram descrevê-la, não faz sentido. Respeitar o seu semelhante é um ato que não deveria ser questionado. Um habito necessário para se viver em sociedade. Hoje acredito que homofobia está mais ligada a grupos religiosos do que pela formação de caráter de um individuo. Você não discrimina aquilo com o qual não tem contato, não opina diretamente. Mas quando um líder religioso prega aos quatro ventos que algo é discrepante, e fora do conceito de perfeição divina, os pseudo intelectuais e a camada ignorante da população passa a acreditar que é verdade. Pra mim exorcizar um demônio, cobrar dízimos exorbitantes, e clamar por vingança contra as pessoas é muito mais grave e abominável do que a opção sexual de um individuo.


7 – Tomei a vacina contra H1N1 no sábado. Ouvi que poucas pessoas da faixa etária de 30 a 39 anos ( a que pertenço...rs) procuraram os postos de saúde. A vacinação encerra na sexta dia 21 de maio. Pessoal, a bagaça não dói. Pedi a minha sem o tal adjuvante, que segundo médicos é o que causa a intolerância, e talvez, digo talvez dê ração. Caso aconteça, um resfenol ou um comprimido antigripal qualquer melhora e em menos de 48 horas tudo desaparece. As pessoas que tiveram reações mais sérias, disse o médico que conversei, estavam propensas a gripe, talvez com algum vírus encubado e com a vacina eclodiram dentro do organismo. Pensem que vale mais um dia e meio de desconforto do que semanas numa cama de hospital. Por que o negócio é mais sério do que imaginamos.
8 – Não agüento mais ver a Ana Maria Braga caindo da cadeira. Todos os programas humorísticos de humilhação alheia estão passando a cena à exaustão. Por falar nisso, o Pânico ta descambando de novo para o escracho ofensivo as celebridades. Brincar e fazer uma piadinha aqui ou ali é viável, por que o Casseta faz, o CQC, Legendários, mas humilhar celebridades da uma impressão de dor de cotovelo.
9 – Sábado fui ao centro de Campinas no comercio, e constatei que hoje uma pessoa dizer que não tem o que vestir é demagogia. Algumas lojas, que não tive coragem de entrar por que eram praticamente um show de horrores com pessoas se acotovelando pelas ofertas, vendiam roupas de frio por preços irrisórios. Logo imaginei que seriam produtos de confecção escrava, mas no frigir dos ovos possibilita que a camada mais baixa da população se vista com roupas quentes e de certa forma na “moda”. Rs rs rs. Mas também constatei outra coisa...algumas lojas vestem uma puta muito elegante. Bati o olho em três bancas e logo vesti uma mentalmente. Calça de lycra num tom dourado de oncinha ou outro bicho rajado que não dava pra distinguir por R$ 7,90, sapato também de bicho com salto gigante por R$ 11,00, e uma blusinha curta por R$ 5,90. Total do modelito “faço compreto por 20 real”, R$ 24,80. Digamos que num dia, da pra ela comprar esse luxuoso conjunto, se a clientela tiver recebido o pagamento.
10 – Chega...o post ficou enorme...tem gente que vai me xingar por isso.

Abração e boa semana a todos.

VIVEMOS ESSA VIDA?


“Viver a Vida” passou e não disse a que veio...

Manoel Carlos é um dos maiores e melhores autores da nossa dramaturgia. Uma inspiração divina que em algumas décadas nos brindou com grandes histórias, chamou atenção para problemas sociais, e fez de suas Helenas mártires do horário das oito.

Mas dessa vez pecou pela mesmice. Um elenco grande e mal encaixado, com personagens que não mostraram química no vídeo. O Leblon que tanto se faz presente nas suas histórias ficou como um pano de fundo desbotado, sem graça. Em outras novelas, o elenco realmente interagia com o ambiente, e nos mostrava a vida “classe média A” que desfila entre as ruas charmosas do bairro.

A Helena negra que escolheu para encabeçar a história foi sim muito bem representada por Taís Araújo, mas o problema não esteve nela, e sim nos seus partners que se fizeram presentes na sua história, ou melhor, não conseguiram convencer que a amavam.

No meu ponto de vista o maior erro, e que culminou para que não deslanchasse a história de Helena, foi a escalação de José Mayer para o protagonista, como já havia comentado há um tempo atrás.

Durante a novela notava-se um certo desconforto de Mayer, como se implorasse para que terminasse logo a novela. Um garanhão de meia idade que não convenceu. As senhoras fãs de José Mayer me desculpem, mas ele não consegue mais carregar o perfil do homem sedutor e irresistível. Quem sabe Humberto Martins não o faria com mais propriedade.

Histórias paralelas que não se desenvolveram, personagens que vieram a nada, e terminaram não dizendo por que existiam na trama. Não houve desperdícios de talentos, mas também não houve exploração de tais.

O enfoque principal que era fazer a sociedade pensar a respeito das limitações físicas de um deficiente também não atingiram o objetivo totalmente.

Mas nem de tudo “Viver a Vida” foi ruim. Alinne Moraes e sua ligação uterina com Lilia Cabral roubou a cena e se fez protagonista deixando a “Helena” mera coadjuvante. Alinne já havia mostrado talento em “Duas caras” e lá também roubou da insossa Marjore Estiano o papel principal.

Mateus Solano se meteu na maior encrenca de sua carreira. Os gêmeos foram uma perfeição, de uma capacidade que só na realidade veríamos, o que faz com que tenha que trabalhar três vezes mais numa próxima novela pra mostrar que realmente é bom. Desvincular-se de personagens como esses e fazer outro melhor será sua árdua tarefa.

Mas meu chapéu eu tiro a Lilia Cabral. Linda, serena, convincente, talentosa, solidária, participativa, e tudo que se pode dizer de uma mulher que esbanja capacidade interpretativa. Maneco um dia disse que ter Lila em suas novelas, é como ter uma grife trabalhando para ele. Como Fernanda Montenegro o é, Lilia, será em breve. Quando se falar que ela está no elenco, saberemos com toda certeza que momentos de grandes emoções virão pela frente.

Não se pode dizer que “Viver a Vida” foi um fracasso, não de forma alguma. Injusto dizer isso a Maneco. Por mais fraca que a trama tenha sido, não chega a ser fiasco.

Sinônimo de fracasso é “Tempos Modernos”, só analisar e comparar, que podemos ver que com os piores momentos da trama de Maneco não se compara ao melhor dia da novela das 7.
É isso...Passione vem e veremos o que Silvio de Abreu nos prepara.

Abraço e bom domingo.

UM COELHO PARA ALICE

Essa semana assisti finalmente a versão de Tim Burtton para “Alice no Pais das maravilhas”.

Adianto que gostei, mas com algumas ressalvas. Óculos 3D horrível, que no frigir dos ovos não fez tanta diferença. Filme escuro, e como diz o Marcão (Meu Pitaco) uma musica óhh óhhh óhhhh...o tempo todo enervando a gente...rs.

Belas atrizes, bela Fotografia, um chapeleiro que a todo momento me fazia lembrar de Nani People. Enfim, valeu, mas podia ser melhor.

Conheço a história de Alice desde pequeno, e digo, nunca foi a minha predileta. Achava estranho uma menininha que come coisas, estica, encolhe, vê um gato que vira fumaça. Na verdade essa guria é fumada!

Ou como dizem, trabalhada no Lexotan.

Quando estava de 6 para 7 anos, a criançada da minha rua resolveu que iria fazer um teatrinho, coisa que as mães aplaudiram, por que mães adoram filhos atores ( mirins) e como a minha não foge a regra, bateu palminhas pra isso....rs rs rs.

Como todos eram pequenos e não conseguiam decorar nada, um disquinho de historinhas resolveria. A menina mais velha da turma, dona do disquinho se incumbiu de dirigir a todos, e distribuir os personagens. Ela, claro, seria Alice.

Pra mim não sobrou outro senão o coelho, que na versão do disco, entrava em cena toda hora gritando “ É tarde, é tarde...” e saia sem falar com ninguém. Perfeito. Não precisaria olhar para o pessoal, e assim não morrer de vergonha!

Mentira. O figurino faria sim eu ser o alvo de risos daquela montagem.

Minha mãe não feliz em expor seu caçula ao ridículo providenciou uma meia calça branca, shorts branco, pulôver de gola rolê branco, uns pés de coelho, uma rabinho de pompom, e orelhas de coelho emprestados de uma prima mais nova, que o usara na sua apresentação de ballet.

Eu era um moleque esquelético, com perninhas finas que se acentuaram com a meia calça branca, tinha um cabeção que ficou maior com as orelhas sendo marcadas pela toca de coelho e um pompom na bunda que confesso, era a coisa mais degradante para um ser criança.

Quer coisa mais humilhação que isso?

Pois tem...minha mãe falou do teatro com a professora na minha escola, e tive que apresentar para todos numa semana de festas, e aparecer vestido daquela forma. Deve ter gente que ainda se lembra disso.

O bom da vida, é que certos traumas a mente bloqueia, e não me lembro de absolutamente nada de como foi essa apresentação escolar.

No bairro, ficamos em turnê com casa cheia, apresentando por semanas em vários locais onde a criançada pagada 10 centavos pelo ingresso e as mães mandavam um prato de guloseimas que era servido no final da apresentação.

Tudo bem, que esse mico vou carregar pro resto da vida, mas pelo menos comi muito bolo solado com cobertura de chocolate, bebi muito Qsuco, Maria-mole, torta de frango e coisas que as mães mandavam pro nosso deleite.

É um terror ser o caçula...Ainda conto outras histórias da minha infância.


Hoje fiz como o Oda, desenhei minha própria ilustração pro post.

Abração, bom fim de semana.

O QUE É O DIA 13 DE MAIO?

Um dia, uma princesa muito feia, pressionada politicamente por um bando de velhos de peruquinhas, com piolho, fedendo a sovaco sujo ( alguém duvida que a corte no Brasil era assim?), se viu obrigada a assinar um documento que abolia a escravidão no país.
A pena e o tinteiro estão expostos no museu imperial em Petrópolis, Rio de Janeiro. Ok.
São 122 anos de liberdade, e o que mudou? Não se pode ter um negro trancado no quintal te servindo a toda hora, como se fossemos ( nós brancos) Deuses superiores. Não se tem um negro para espancar por que pisou no tapete da sala sem querer. Não se tem um negro para humilhar quando se sente entediado.
Mas há sim, milhares de negros no país, sofrendo da mesma forma cruel que há 200 anos atrás, só que de uma forma velada.
Há escravidão no país, como mostrado há semanas atrás por um jornalístico da TV. Bolivianos trancados num lugar fétido, trabalhando 20 horas por dia costurando roupas que seriam vendidas na 25 de março, no Braz. Não são negros, mas são pobres coitados fugidos do seu país de origem, que subjugados por um dos seus ( o cara que os matinha presos também era Boliviano) não tinham perspectivas de vida apenas trabalhavam em troca de uma gosma nojenta para comer. Então temos escravidão, só que escondida!
E o negros? Estão livres?


Não, não estão. Continuam sendo humilhados em portas de bancos, sentados na calçada como indigentes, sendo queimados com gasolina no cair da madrugada. Continuam discriminados numa seleção de vestibular, tendo que apelar para uma cota ridícula imposta pelo governo. São escalados para um trabalho televisivo por que a lei obriga que haja negros numa teledramaturgia.
Se isso não é uma forma de escravidão, por favor, me corrijam.
Será que a sociedade brasileira acredita que com o fim das senzalas, dos quilombos nesses 122 anos, o povo negro, que ajudou a construir um país, que enriqueceu senhores feudais, barões de café, são vistos como iguais dentro de uma nação miscigenada como a nossa? Não acredito. Por que se o povo acreditasse e entendesse de verdade que não há cor de pele, religião, sexo, situação financeira, que nos distingue, não precisariam leis para proteger os humilhados.


Art 3º Recusar a venda de mercadorias e em lojas de qualquer gênero, ou atender clientes em restaurantes, bares, confeitarias e locais semelhantes, abertos ao público, onde se sirvam alimentos, bebidas, refrigerantes e guloseimas, por preconceito de raça ou de cor. Pena: prisão simples de quinze dias a três meses ou multa de Cr$500,00 (quinhentos cruzeiros) a Cr$5.000,00 (cinco mil cruzeiros).
LEI AFONSO ARINOS LEI Nº 1.390, DE 3 DE JULHO DE 1951
Que país mediocre o nosso, que necessita dizer que em lugares publicos não se pode impedir uma pessoa de comer por causa da cor de sua pele. Ainda por cima estipular uma multa para quem infrigi-la e ameaça-la de prisão.
Olhemos para nós mesmos e façamos uma analise profunda dos nossos atos. Somos preconceituosos com o negro ainda?
Muitos dirão que não e se isso for realmente verdade, parabéns. Se entre 10 de nós, 8 tiver a consciencia de que não tem preconceito, parabéns de novo, por que é prova de que um dia seremos uma nação melhor.
A Princesa feia, disse que não podia mais ter um negro sob o julgo de alguém, mas esqueceu de dar a esse negro um lar, um prato de comida. Esqueceu de dizer que os filhos destes que nasceriam livres, teriam direito ao estudo, a saude publica. Simplesmente mandaram que eles se fossem das fazendas de café, mas não disseram ao “canalha” que os mantinha presos que era sua obrigação dar essas pessoas uma vida digna, já que os tirou de suas raízes e os traficou para terras distantes, para usa-los como mulas de carga.
Infelizmente ainda somos um povo pequeno nas idéias. Claro que não generalizo, por que há muito avanço nas gerações que estão por vir, percebe-se isso, claramente.
Há o que se comemorar no dia da libertação dos escravos? Quem sabe.

Abração a todos...

DEDICO A VOCÊS

Estava pensando num post quando passei pelo blog 3 x 30 ( link ao lado), e vi que Isabela, uma das inteligentíssimas mulheres que escrevem nele falava de musicas bregas.
Eu tenho sim um lado brega, e atire o primeiro vinil do Magal quem não tiver. Até os mais novinhos tem seu lado Reginaldo Rossi, Rosana. Quem já se apaixonou foi brega um dia.
Por isso peço aos caros leitores, amigos virtuais desse mundo “internáutico” que desculpem a brincadeira, mas montei um Cd com clássicos do brega, e a cada um de vocês dediquei uma musica. Uns por que acho que combina com a personalidade, alguns por que tenho intimidade para brincar, outros por que é uma homenagem mesmo, sempre pensando na imagem criada através dos blogs. Aos que ficaram de fora, me perdoem, o CD tem um numero limitado de musicas.
Quem já passou dos 30 como eu conhecerá boa parte delas, e os novinhos(as) umA grande oportunidade de escutar o fino da MPB...rs rs rs...
Divirtam-se
1 – SIGA SEU RUMO – PIMPINELLA
CAMILA ( EM CIMA DO SALTO AGULHA) Acho a Camila, esposa do Diego dramática como a musica. Não sei por que, mas a vejo cantando. Seus textos são passionais, ela é intensa, quando ama, ama. Camila, dedico essa a você.
2 - TOTAL ECLIPSE DO AMOR - WILSON & SORAYA
DIEGO ( CASA DAS IDÉIAS) – pra não separar o casal, ele vem logo atrás com esse clássico maravilhoso que sei que ele adora, por que já confessou. Diego é brega..rs rs rs.
3 – GARÇON – REGINALDO ROSSI
DAMA DE CINZA – Não a conheço, mas garanto que curiosidade não falta. Uma das personalidades da blogosfera mais divertida, simpática, autentica. Como revelou que já teve inúmeros pileques, “Garçon” é dedicada a você.
4 – O AMOR E O PODER – ROSANA
ISABELA ( 3 X 30) – não conheço Isabela, mas pelos textos do seu blog, é divertida e essa tava na sua listinha de bregas preferidas.
5 – A CIGANA SANDRA ROSA MADALENA – SIDNEY MAGAL
ROBSON ( PENSADOUT) - O Robson é um cara divertido, espirituoso, casado, e tem um jeitão de que cantava Magal para seduzir a esposa...rs rs rs. Se errei, perdoa a imaginação fértil.
6 –SOU REBELDE – LILIAN & LENO
SERGINHO ( JUSTO & DIGNO) – O Serginho é um menino inteligente, com um senso critico muito próprio. As vezes ele discorda do meu ponto de vista, por isso...vc é um rebelde Serginho...rs.
7 - FUSCÃO PRETO – ALMIR ROGÉRIO
MARCÃO ( MEU PITACO ) – nem preciso dizer porque, Marcão adora fuscas...comprou um há pouco tempo e tá lá alisando o bichinho que nunca fica pronto. Além do mais é a cara dele.
8 - COISINHA ESTUPIDA - JANE & HERONDY
SANZINHA (JARDIM SECRETO DE SANZINHA) – A Sanzinha tá apaixonada, a gente percebe isso lendo o blog dela. Então uma das musiquinhas de quem ta assim amandinho...rs rs rs rs.
9 – CONGA LA CONGA – GRETCHEN
ARSÊNICO( GARÁLEO A4) – Arsênico acredito seria o único a dançar Conga la Conga entre os indicados aqui. Dou risada com seu blog, e a forma descontraída da narrativa. Um personagem, certeza. Por isso, Gretchen, e o seu clássico mais famoso, faria o arsênico dançar, certeza...
10 – FEITICIERA – CARLOS ALEXANDRE
ANDREA ( DEVANEIOS E INSTINTOS DISSONANTES) – Andrea, aposto um bonde que você ouvia essa. Dediquei feiticeira por que o cantor tem a língua presa, e ri muito com isso. Pra vc se divertir um pouco.
11 – BARRADOS NO BAILE – EDUARDO DUSSEK
SAL ( NUNCA SOUBE SE PRESTAVA) –Sal ta sempre se metendo em encrencas, situações hilariantes, mas na verdade ela só quer freqüentar. Salzinha, essa é pra você.
12 – FESTA DOS INSETOS – GILLIARD
CRIS ( TRÊS EGOS) - O Cris é um menino hiperativo devido a belíssima profissão que escolheu : a de médico. Por isso tem sempre algum inseto impedindo o descanso. Por ele ser novinho, a musica cai bem pra ele, assim meio ingênua...rs rs rs...vai Cris, xinga!!!
13 – MEU MEL – MARQUINHOS MOURA
FLAVIA ( AH! LIBANESA) – Acho que a Libanesa nunca leu meu blog, mas eu leio o dela e adoro. Como ela é elegantíssima, fina, chique, comissária de bordo viajada, tenho certeza que no iPod dela tem Marquinhos Moura...rs
14 – BEN – CALCINHA PRETA
DAND( CASTELOS DE AREIA) – Dand é um poeta...e pra sacaneá-lo, dedico essa tentativa de versão chique da musica de Michael Jackson ser bonita. Um verdadeiro Poema...rs. Digo o mesmo que disse ao Cris...me xinga!!!
15 – FERNANDO – PERLA
RUY – ( CINZEIRO LOTADO) O Ruy é um cara sério, mas espirituoso. A Versão do ABBA feita por Perla, tenta dar um certo ar de seriedade, mas sinceramente me faz rir. Ruy...pra você FERNANDOOOO.
16 – NÃO SE VÁ – JANE & HERONDY
RENATINHO( RÊ CONFESSION) O Retaninho tá meio sumido do blog...aparece só uma vez ou outra, então NÃO SE VÁAAAAA....RS RS RS...é outro que de tão jovem nem deve saber que é Jane & Herondy.
17 – AMANHÃ – ROBERTA MIRANDA & REGINALDO ROSSI
AUTOR ( CONFISSÕES A ESMO) O autor é o mais novo freqüentador do meu blog, mas mereceu a musica, pela simpatia com que abordou o meu espaço. Como ele vai logo viver o drama de passar dos 30...AMANHÃ EU VOU PENSAR NUMA NOVA VIDAAAAAA.....rs
18 – MORDIDAS DE AMOR – YAHOO
LOBO CINZENTO (UIVOS DO ALÉM) aí uma musica que combina com o dono...lobo, mordida...rs rs rs...fraquinha a piada né...bem, mas como falamos de coisas bregas, deixa eu ser brega na piadinha também. Pro Lobo Cinzento um sucesso dos anos 80....
19 – CHIQUITITA – PERLA
ODA MOURA ( BLOG DO ODA) o Oda Moura é um talento jovem do desenho, um menino com um futuro brilhante, e é novinho ainda, deve ter 18 ou 19 anos...essa musica faz lembrar de pessoas jovens. A Perla é brega, e adorava fazer versões do ABBA. Oda não deve saber quem é Perla e Abba...ou se sabe, certeza não tá no seu playlist....rs

É isso. Espero que tenham gostado das musicas, depois que baixarem o Cd ( caso o façam) dêem uma passada em cada um dos indicados aqui e vejam se as musicas combinam ou não. Essa é uma forma que achei de promover os blogs “amigos” que são sempre tão carinhosas comigo. Não fiquem bravos os que não ganharam musica tá, como disse, tinha que escolher...mas não deixem de me visitar...ok

O LINK TA AQUI:[BREGAS_DO_JAMAL.html]
Abração.

UNHÃÃÃÃÃOOOOO

Não sou podolatra, definitivamente. Na verdade “ô “ fetiche nojento. Namorei uma menina que o pé dela parecia uma patinha de dinossauro...rs rs rs rs...antes que as meninas me xinguem por estar falando algo assim de uma ex, aviso, ela tinha total consciência do fato, e tirava sarro do próprio pé, portanto eu posso. Recebi um e-mail com as imagens que seguem. Juro que se uma mulher tirasse o sapato e eu visse isso, eu dava com uma enxadada nela, bem estilo Norman Bates... Desafio qualquer um a beijar um pezinho desses...principalmente o que está todo molhadinho de leite...kkkkkkkkkkkkk....que nojo!!!!


Marcão ( meu Pitaco) comprou um fusca desa cor...rs rs rs rs. TENDENCIA!!!!

QUE COISA MAIS NOJENTA, ASQUEROSA, REPUGNANTE, ESSE PÉ MOLHADO...
35 centimetro de dedo. Pergunto: Sera que ela acha bonito isso?

Unhão de rica. Essa pode ser noiva da unha negra ( http://por-uma-unha-negra.blogspot.com/)

Navalha...se passar isso numa perna corta, decepa...



Hidratação no calcanhar tia. Por que unhão de macaco e calcanhar raxado, já é demais.


Viva o pé limpinho....

Ah...só pra constar, eu disse outro dia que teho impressão medonha e preguiça de lavar meus pés no banho, mas eu os lavo...rs rs rs...não tenho chulé, e as unhas são sempre bem cortadas...só pra constar...ok. bom dia a todos.

Boa Terça-feira a todos