A MENINA E AS BOLHAS

Essa menininha gordinha, bonitinha com suas bolas de sabão é uma gracinha, se não fosse pela sequencia de fotos....rs

Ela gosta de Perigo....


















UM BOM FIM DE SEMANA A TODOS....E ÓTIMO FERIADO....

Momento de Fama

O minuto de fama na internet não acontece apenas com brasileiros desinibidos e sem noção. A sequencia do seriado Glee, em que a personagem Quinn faz uma audição ao som de "Say a Little Prayer for You", tem dezenas, dezenas e dezenas de cópias no you tube. Selecionei algumas e ponho em votação...rs...

Sequencia original: um pouco ruim, por que a cena do filme é indisponivel para download. Quem quiser conferir o video com boa resolução clica aqui: http://www.youtube.com/watch?v=4yjBMlqPnZE&feature=related

video

1 - Gordinha desengonçada, menino fazendo a protagonista...moda isso, a maioria dos videos tem menino no papel de Quinn, virou sonho dos "meninos".


video

2 - Muquifo a brasileira. Fizeram dupla e não trio. A terceira desisitiu na ultima hora...rs


video

3 - Barbudos sensiveis. A barriga da "protagonista" fica a mostra em alguns momentos.

video

4 - Gordinho não decorou a coreografia, ficou parecendo o personagem de Fafy Siqueira que contava a coreografia, 1, 2, 3..vira, 4, 5, 6...sobe....


video

5 - Tremendamente desajeitadas. Em alguns momentos parecem aquele boneco de posto de gasolina que balança os braços.

video


É isso...se tiveram paciencia de assisitir, deixem um voto, para o melhor video. Eu ainda acho que os barbudos ganharam dos outros, fizeram tudo direitinho...rs rs rs

abração a todos...

ADOLESCÊNCIA

“ Nos dias de hoje, ser anônimo, é pior que ser pobre”Rachel Berry, personagem do seriado Glee ( Fox).
Após inúmeras matérias, posts, sobre esse novo seriado americano, produzido pela Fox, resolvi dar uma conferida. E não é que o negócio é bom mesmo!!!
Uma turminha de “deslocados” da escola se juntam para cantar num coro, os conhecidos High School Band. É a mesma mistura que vemos em dezenas de outros filmes: losers, cheerleaders, jogadores de futebol americano. Mas em Glee, é engraçado e você acaba se envolvendo com a história.
Sobre a frase que abre o post, é inacreditável como isso é global. Realmente ser anônimo é pior que ser pobre, por que vemos as pencas sites com fotos, apresentações, vídeos de gente desconhecida. É nítido no cenário, que se tratam de pessoas pouco abastadas, mas a câmera digital está ali, mais o note book, a internet, e a linguagem universal dos sites de relacionamentos. Incrível.
Há um blog chamado PGA que mostra algumas imagens captadas de facebook, Orkut e outras fontes que desconheço. Nela percebe-se claramente, assim como no You Tube, que o que vale é ter seus 15 minutos de fama. O mais triste, é que senhoras de idade avançada, também posam como periguetes, em fotos “sensuais”..rs. Como já li neste blog, trata-se do advento da câmera digital, associados ao fechamento dos bingos...rs rs rs.
Ser um adolescente anônimo é terrível num mundo globalizado. Quando estive no ginásio e colegial ( que hoje tem outro nome), não fui o mais popular, mas também não era o loser que ficava nos porões da escola. Era o cara que ficava na sua, bom aluno, amigo de todos...mas de jeito nenhum me arriscava em competições, olimpíadas e o que fosse para projetar os alunos. Era melhor ficar no meu cantinho do que ser alvo de chacota. Adolescente é cruel, em qualquer tempo.
Vale a pena conferir Glee, que encerrou sua primeira temporada. Os sites de donwload já tem disponível os 8 primeiros episódios, com boa definição e legendas muito bem traduzidas. Pra quem quer algo leve, sem ter que se preocupar com grandes interpretações assista, a diversidade do grupo é marcante, temos uma oriental que possui um problema de gagueira, um cadeirante nerd, uma aspirante a estrela, o jogador bonitinho, o menino gay, a professora desiludida, o professor que já experimentou o sucesso na adolescência, tudo misturado. Mas essa diversidade alfineta o conservadorismo da sociedade (e não apenas na sociedade estadunidense, não sejamos hipócritas, ela nos atinge também.
Tá dito...bom divertimento.

Abraço a todos

Vitimas infantis

Li esses dias que blog é um ferramenta de comunicação nos dias de hoje, mais ágil que jornais, isto é, pessoas acessam blogs diariamente, e se informam sobre acontecimentos, política, entretenimento, muito mais do que por jornais e revistas impressas.
Para quem circula pela internet não é preciso dizer que o conteúdo dos blogs vão desde pura informação e cultura, diários pessoais, até putarias sem precedentes. É o mundo globalizado.
Gosto do meu espaço. Acredito que o Baú do Jamal, é um blog diversificado, e até hoje me deu prazer em te-lo. Digo isso, por que vejo muitos espaços deixando de existir. Seus donos abandonando o barco, e deixando-os de lado, por falta de tempo, problemas pessoais e coisas que não vem ao caso.
Não sei se a maioria das pessoas que lêem meu blog concordam comigo, ou gostam do que vêem, mas o fato que muitas vezes uso o espaço como forma de protesto. Se há algo que me incomoda profundamente é ver, ouvir ou presenciar qualquer tipo de preconceito. Já disse isso milhares de vezes aqui.
Nesse fim de semana, vi e ouvi duas passagens que me deixaram revoltado.
Uma delas foi a matéria do “Domingo Espetacular” ( Record) que mostrou um jovem com uma limitação intelectual ( um pequeno retardamento), que teve todos os seus dentes arrancados por um cretino cirurgião, dentro de um hospital. O rapaz iria fazer a remoção de dois dentes posteriores e o cara arrancou 28 dentes do menino, deixando sem nada.
O garoto que não é de família tão humilde ( classe média típica brasileira) não sai mais de casa, não vai a escola ( especial, a qual freqüenta) e chora todas as vezes que se lembra do ocorrido.
Ok...a prefeitura da cidade, a policia todo mundo saiu a caça do médico, que foi demitido, e há a promessa de devolver os dentes do garoto. Beleza...mas e a dor, que sentiu após a extração, e a que sentirá para repor todos os dentes novamente, fora a dor psicológica de um adolescente que sente inferiorizado pela sociedade. A única coisa que me deixou feliz nisso tudo, é que dentro da instituição que freqüenta e estuda, há uma garota, que se diz namorada dele, e o ama, da forma como ele é. Ambos com limitações, mas muito mais dignos que qualquer ser intelectualmente capaz...diga-se médicos.
Outro momento, foi quando ouvi de uma amiga uma critica feita por sua cunhada, também “médica”, sobre casais homossexuais que dividem uma casa, vivem juntos e constroem uma vida a dois, como qualquer casal normal, com filhos, cachorro, e todos os problemas que envolvem o cotidiano de uma família.
Sobre crianças adotadas por casais gays, ela disse: Se meu filho tiver um amiguinho que é filho de dois homens, jamais deixarei que ele freqüente a casa deles. Não sei o que podem fazer com meu filho sozinho lá dentro.
Ok tia...deixa seu filho viver a vida dele, absorto do que acontece no mundo. No futuro você vai entender o mal que fez para ele. Não desejo que a criança tenha tendências homossexuais, por que isso não é algo que se deseje, não é uma doença que você simplesmente pragueja sobre outra pessoa. O fato de duas pessoas do mesmo sexo adotarem um filho, é muito mais digno do que casais heteros que os tem para criá-los arraigados a preconceitos, visões deturpadas sobre a sociedade. Tenho pena desse menino, por viver uma vida sobre os cuidados e a educação de uma mãe como essa.
Pra terminar, lembrei de outra cena que vi. Essa foi na casa da minha irmã. Minha sobrinha brincava com suas bonecas e bonecos, e sentei ao seu lado. Num canto tinham dois bonecos sentados ( versão masculina da Barbie, que nunca sei o nome), ambos carregavam umas bonequinhas no colo, uma parecida com as barbies e outra antiga, que era da minha irmã, chamada fofolete. Quando a inquiri sobre os dois estarem com essas pequenas bonecas no colo, ela respondeu:
- ah, esse aqui ta tomando conta da filha enquanto a mulher trabalha, e esse outro adotou a bonequinha que estava abandonada. Ninguém a queria, por que ela é diferente, e a roupa dela ta suja.
Minha sobrinha tem 6 anos.

Abraço a todos...e boa semana.

BARBOSA NÃO MORREU, ELE É ETERNO.

Nos últimos tempos me sinto envergonhado pela qualidade baixa da Tv brasileira aberta.

Ver Datena e tantos outros repórteres transformarem um telejornal numa edição de “noticias populares” ( pra quem não chegou a conhecer, era um jornal de circulação diária que se torcido pingava sangue), alardeando justiça, gritando e se comportando de forma sensacionalista em frente as câmeras, realmente me enoja. E não falo só dele, coloco no mesmo patamar, Márcia Goldsmith, Geraldo Luis, e outros inconvenientes da mídia em geral, sem deixar de mencionar a baixaria das Pegadinhas Picantes, no ar, pela TV do Patrão, Silvio Santos, lamentável.

Mas nem sempre a TV foi assim. Na era Boni, tudo tinha qualidade, até mesmo outras emissoras preocupavam-se com o conteúdo, mesmo não havendo na época tanta preocupação com atos discriminatórios, se usava o bom senso.

E uma das pérolas saudosas da TV, é Barbosa, criado por Ney Latorraca, e imortalizado na memória da geração pré-adolescente dos anos 80.
TV Pirata foi e será sempre o melhor que a Rede Globo criou em termos de humorístico.

Deixo uma das seqüências hilárias de “Fogo no Rabo”, novela que satirizava a obra de Lauro Cesar Muniz ( atualmente no ar, pela Record, com Poder Paralelo).
Valer a pena, se não pelo conteúdo, pelo elenco grandioso que compunha TV Pirata.

video

Abração, bom fim de semana.

A PROFESSORINHA QUE CANTA

Algumas coisas me remetem ao passado, a infancia, a um tempo tão bom. O video postado hoje não é da minha geração. Rita Pavone é uma italianinha com cara de professora do primário. Quem tem mais de 30, entende o que eu digo. Nossas professoras tinham esse tipo, pelo menos por aqui.

A Musica é divertida, e a imagem está ótima.

Datemi un martello - 1964.

video

Abração a todos

MUDANÇA

Não sou de ler, nem de passar adiante textos sobre auto-ajuda, nem mesmo correntes e similares, mas lendo uma mensagem de Lya Luft dia desses, deixei-o separado para um futuro post. estou colocando hoje, segundona, quase no fim do ano já. É interessante...quem tiver paciencia, leia até o fim.
"Mês passado participei de um evento sobre o Dia da Mulher. Era um bate-papo com uma platéia composta de umas 250 mulheres de todas as raças, credos e idades. E por falar em idade, lá pelas tantas, fui questionada sobre a minha e, como não me envergonho dela, respondi. Foi um momento inesquecível... A platéia inteira fez um 'oooohh' de descrédito. Aí fiquei pensando: 'pô, estou neste auditório há quase uma hora exibindo minha inteligência, e a única coisa que provocou uma reação calorosa da mulherada foi o fato de eu não aparentar a idade que tenho? Onde é que nós estamos?'Onde não sei, mas estamos correndo atrás de algo caquético chamado 'juventude eterna'. Estão todos em busca da reversão do tempo..
Acho ótimo, porque decrepitude também não é meu sonho de consumo, mas cirurgias estéticas não dão conta desse assunto sozinhas. Há um outro truque que faz com que continuemos a ser chamadas de senhoritas mesmo em idade avançada. A fonte da juventude chama-se "mudança". De fato, quem é escravo da repetição está condenado a virar cadáver antes da hora. A única maneira de ser idoso sem envelhecer é não se opor a novos comportamentos, é ter disposição para guinadas. Eu pretendo morrer jovem aos 120 anos. Mudança, o que vem a ser tal coisa?
Minha mãe recentemente mudou do apartamento enorme em que morou a vida toda para um bem menorzinho. Teve que vender e doar mais da metade dos móveis e tranqueiras, que havia guardado e, mesmo tendo feito isso com certa dor, ao conquistar uma vida mais compacta e simplificada, rejuvenesceu.
Uma amiga casada há 38 anos cansou das galinhagens do marido e o mandou passear, sem temer ficar sozinha aos 65 anos. Rejuvenesceu. Um outro amigo cansou da pauleira urbana e trocou um baita emprego por um não tão bom, só que em Florianópolis, onde ele vai à praia sempre que tem sol. Rejuvenesceu. Toda mudança cobra um alto preço emocional. Antes de se tomar uma decisão difícil, e durante a tomada, chora-se muito, os questionamentos são inúmeros, a vida se desestabiliza. Mas então chega o depois, a coisa feita, e aí a recompensa fica escancarada na face.Mudanças fazem milagres por nossos olhos, e é no olhar que se percebe a tal juventude eterna. Um olhar opaco pode ser puxado e repuxado por um cirurgião a ponto de as rugas sumirem, só que continuará opaco porque não existe plástica que resgate seu brilho. Quem dá brilho ao olhar é a vida que a gente optou por levar.
Olhe-se no espelho..."
Lya Luft
abraço a todos, boa semana

ELE É UM BASTARDO

Ser reconhecido através de características de sua obra deve ser o ápice para um artista. Reconhecer um Van Gogh hoje é fácil até para um leigo, ler obras de Jorge Amado é deleitar-se com a brejeirice da mulher extremamente feminina e baiana que fazem parte de sua obra.

Falo disso por que há poucos diretores de cinema que conseguem fazer-se reconhecer através de um filme. Tim Burtton ( Edward Mãos de Tesoura, Batman) e o inenarrável Quent Tarantino.

Escrevo este post ainda no calor da emoção…rs

Volto do cinema após 153 minutos de genialidade de Kent Tarantino e sua mais nova obra “ Bastardos Inglórios”.

Tarantino segue o mesmo ritmo de suas produções anteriores. Facilmente reconhecido, e dificilmente repetitivo. Há momentos em que Pulp Fiction aparece no acorde de um trompete, em seguida a impressão é que Uma Thurman entrará em cena para matar Bill. Muito sangue, violência e homens enraivecidos. Tudo isso numa dose caricata dos grandes filmes de ação, suspense e violência.

Tarantino não poupa o mocinho da história, que, diga-se de passagem, em Bastardos Inglórios contou com uma brilhante atuação de Brad Pitt. Um personagem sarcástico, bufão, o que Pitt tem feito de melhor em sua carreira nos últimos anos, talvez inspirado por La Jolie.

Entender Quentin Tarantino requer conhecê-lo do inicio da década de 90, e suas aspirações cinematográficas que demoraram a ganhar o gosto popular, tomo como exemplo “Assassinos por Natureza”, que muitos alegam ser violência sem razão, e daí em diante.

Mas tudo mudou com Pulp Fiction, as indicações e os prêmios conseguidos ( Oscars ), e o público agora pode sim desfrutar de uma produção bem cuidada, visivelmente bem acabada, em termos de roteiro, cenografia, direção, edição e tudo mais que envolve um bom filme.

Recomendo assisti-lo, sem pretensões, sem esperar nada, simplesmente sentem-se no cinema ( é um filme pra ser visto na telona) e deixe o tempo passar.

Tarantino consegue o que o mundo e a história sempre almejaram.

Abraço, Bom divertimento


NOVELÃO


Um mês após a estréia de Viver a Vida, acredito ser o momento de fazer um balanço da trama de Manoel Carlos.
A sensação que temos ao sentarmos em frente a TV e assistirmos aos 50 minutos do folhetim, é de que estamos na sala de visita de um vizinho, de um parente, um amigo chegado. A forma clássica dos textos de Manoel Carlos segue sempre o mesmo padrão. Cenas casuais, misturadas com uma proximidade do real com doses de ficção, realidade e esperança.
Sou fã de carterinha desse tipo de texto. Acho o surrealismo de Agnaldo Silva ( na época de Tieta, Pedra sobre Pedra e afins) com os sotaques nordestinos, extremamente cansativos e enfadonhos. As novelas da vida real, podem receber criticas por mostrarem o mundo de uma forma crua, sem eufemismos, mas quando isso cai na mão de um gênio da teledramaturgia, digerimos como se fosse um filme Cult.
Sobre os personagens, a única menção a fazer é a quantidade de atores que a novela carrega em seu casting. Mita gente boa, muitas histórias paralelas que rendem assunto, mas que no frigir dos ovos acabam em segundo, terceiro ou até quarto planos, muitas vezes sumindo e perdendo o sentido na trama, como já aconteceram outras vezes com Maneco.
Lilian Cabral e Alinne Moraes formam um par em cena, onde química vaza pelos poros. Poucas vezes vi duas atrizes de gerações diferentes serem tão reais em cena, com tamanho entrosamento. Na verdade o núcleo onde estão Lilian e as filhas dificilmente foge da realidade. A impressão é sim, de uma mãe e suas filhas, mas a forma certa de ser, com atenção, brigas, discussões e diferenças.
José Mayer no seu tradicional papel de garanhão me incomoda um pouco. Talvez pela sátira um tanto chata do Casseta sobre o ator, fico com má impressão.
Não há um núcleo pobre, debochado e briguento como nas novelas de Agnaldo e Gloria Perez. Há um linha tênue de classes sociais. A impressão é que todos vivem bem, financeiramente.
A protagonista Tais Araújo boazinha, meiga, ainda não mostrou a que veio.
A novela é cheia de rostos lindos, figurinos e cenários impecáveis. Na verdade apesar de nada ter acontecido realmente de inovador, de dramático, sinto um enorme prazer em assistir Viver a Vida.
Faço uma ressalva a dois grandes nomes que despontam na trama. Mateus Solano simplesmente espetacular com seus gêmeos. E Barbara Paz, que finalmente conseguiu um personagem de destaque, a altura do talento.
Gosto de Manoel Carlos, e fico feliz por ele não ter trazido Regina Duarte para esse novo trabalho, que na minha opinião, é o único pecado cometido nas ultimas novelas de sua autoria.
Sorte ao elenco.
Abraço a todos.

O livro das Misses

O livro “Pequeno Principe” sempre foi piada quando se trata de misses no mundo todo. Em algum momento surgiu este estigma para as candidatas, alguma deve ter falado, ou sido orientada a falar.
Realmente Saint-Exupéry quando escreveu sua obra, o fez para crianças, mas o texto é cheio de revelações, de reflexões sobre a infância. É uma obra adulta, e compreende-la faz do leitor um ser inteligente.
Ontem sem querer me lembrei de um trecho do livro, e busquei na memória para rever e ver se o que havia pensado realmente estava certo.
[..."Você deve ser muito paciente", disse a raposa. "Primeiro você vai sentar a uma pequena distância de mim e não vai dizer nada. Palavras são as fontes de desentendimento. Mas você se sentará um pouco mais perto de mim todo dia.

"Então o Pequeno Príncipe cativou a raposa.

"E agora eu vou contar a você um segredo: nós só podemos ver perfeitamente com o coração; o que é essencial é invisível aos olhos. Os homens têm esquecido esta verdade. Mas você não deve esquecê-la. Você se torna eternamente responsável por aquilo que cativa."...]

Mais ou menos isso. Não sei se as frases estão reproduzidas com exatidão, mas o conteúdo é esse.
Eu sou como a raposa. Não sou fácil de ser conquistado. Não gosto de pessoas extremamente simpáticas que depois de uma hora sentado ao seu lado viram amigos de infância. Claro que existem pessoas que por alguma ligação espiritual, que não se tem conhecimento, tornam-se rapidamente amigos sinceros e insubstituíveis, mas a experiência de vida diz que isso acontece muito esporadicamente.
Gosto das pessoas que se chegam aos poucos, que se permitem conhecer em doses homeopáticas. E uma vez que adentrou meu universo, será responsável pelo que cativou...rs.
Cada um de nós cria expectativas sobre outros que muitas vezes não são capazes de retribuir. Sempre disse isso a minha mãe, que tem esse problema, projetar planos e expectativas em pessoas, e quando não se concretizavam, fica arrasada.
Cresci com esse exemplo e por muito tempo fui igual, mas a vida, o mundo e as pessoas te ensinam as duras penas que essa maneira de enxergar o outro é errada. Claro que sou sim responsável pelo que cativo, não me eximo disso, pelo contrario, sou atento a tudo que abracei pra mim.
Sou a raposa, e como ela, aberto a tudo e a todos que queiram me cativar. Se chegarem de mansinho, como o Pequeno Príncipe, certamente ganharam mais que a confiança, ganharão um pedaço do coração.
Boa terça, boa semana pós feriado.
Abraço a todos.

Absoluta Stefhany

A internet já rendeu frutos a personalidades anônimas do mundo todo, Susan Boyle, é um grande exemplo. O You tube fez dela uma unanimidade internacional.
Mas as terras tupiniquins também tem a sua musa, que atende pelo nome de Stefhany, é piauense e nem é preciso apresentações mais detalhadas, por que todos que circulam pelo mundo virtual a conhecem.
Stefhany galgou sua fama e com isso o stress da vida de celebridade começa a aparecer. Em recente ida ao programa de Hebe Camargo foi seqüestrada pelos apresentadores do “Esquadrão da Moda” para remodelar seu look. Constrangimentos a parte, por que o figurino da cantora é feito por sua mãe, que obvio ajuda a filha da melhor forma que consegue, costurando os figurinos para shows que faz pelo nordeste.
Mérito, aplausos, e reconhecimento para uma senhora que dentro de suas limitações conseguiu contribuir para o sucesso da filha. Achincalhar uma pessoa assim chega a ser pecado.
Bem, Stefhany desistiu do programa na metade. Não aceitou a mudança pelos R$ 10.000,00 que oferecem. Um anônimo se sujeita a avacalhação em cadeia nacional. Stefhany já atingiu um patamar próximo ao de Joelma, que é brega até a alma, mas não muda o estilo que a consagrou. Fez bem em pular fora dessa.
Pode ser que no futuro, ela tenha um bom Personal Stylist, que evolua seu modo de vestir aos poucos, sem grandes alardes. O que não dá é para ser o bobo da vez num programa que tem por finalidade humilhar participantes ao extremo, para depois levá-los a idéia de que ficaram melhores. O programa acerta em 80% dos casos, mas nem todo mundo ta disposto a isso.

O Bom disso tudo é que a garota saiu das pequenas telas do You tube para os grandes holofotes da fama. Já havia se apresentado em programas de auditório, mas sempre como a imagem da zebra que deu certo. Agora rumores que estaria na próxima edição de “A Fazenda”, foram desmentidos, mas esse buchicho todo rendeu a informação que participará sim de um especial de Renato Aragão na GLOBO, inclusive suas musicas estão sendo analisadas para entrar nas trilhas sonoras da casa.

Convenhamos que o salto da guria foi alem do esperado, por que não há artista nesse pais que não almeje uma oportunidade na Globo, que o diga Barbara Paz, radiante e esfuziante na novela das 9.
Se duvidar até eu quero fazer novela na Globo...rs rs
Oh Paulo Ricardo, muda aí a letra da sua musica "OLhar 43", por que essa Guria promete.
...Não sei se é caça ou caçadora
Se é Diana ou Afrodite
Ou se é Brigite
Stefhany do Piaui
Aqui estou!
Inteiro ao seu dispor(Princesa!)
Quanta bobagem...rs rs rs rs
Abração a todos, bom fim de semana, feliz dia das crianças....e que tal uma prainha?

Que dia é hoje?

...A partir desse ano, uma ONG quer instituir ( como nos EUA) a data de 11 de outubro como o dia de sair do armário. O objetivo do grupo é fazer com que a comunidade homossexual do Brasil possa viver a sua sexualidade longe da "mentira" e da "omissão". Almejam também mobilizar os LGBT para que se construa uma nova realidade, onde as pessoas gays possam viver tranquilamente sendo o que são...

Meu, não acredito que fixar uma data pra isso seja solução ou ajude alguma coisa, porém, hoje em dia tudo tem uma data comemotiva. Já não bastava o dia da perdura, da mentira, do amante, dos namorados, da sogra, da avó, mãe, pai, criança, cachorro, papagaio...putz, é data que não acaba mais.
Agora também teremos data comemorativa para:
- dia de acender e apagar a luz duas vezes,
- dia internacional de lamber tampa de iogurte,
- dia internacional de pular amarelinha,
- dia internacional do bob esponja,
- dia internacional do saquinho de chá
- dia internacional de colocar minancura em frieira,
- dia internacional de lavar a mão três vezes
- dia internacional de cochichar no ouvido,
- dia internacional de catar cocô de cachorro, tirar piolho de pomba, pentear macaco, empinar marimbondo, escovar dente de girafa....e por aí vai.
Não se cria uma sociedade livre de preconceitos enquanto não houver leis severas que punam os discriminadores. Pra que fazer a molecada sair do armário? Isso me soa como tentativa política de agregar grupos.
A luta pela discriminação não se cura com dias específicos, e sim com uma educação de base, dentro dos lares, na escola. Ter um dia para o filho contar para a família que é gay, é tão vexatório e sem sentido como se criassem o “ dia de apertar a mão de um negro”, “ o dia de chamar um judeu de amigo”, o dia “ de devolver miçangas aos índio”. Sinceramente, as ONGs deveriam preocupar-se com a exposição desnecessária de crianças na internet, ou mesmo correr atrás de apoio para a lei da castração química para pedófilos, isso sim seria uma causa justa.
Quanta ladainha perdida que não leva a nada.
Abraço a todos. Boa terça.

QUANDO FAZER HUMOR VALE A PENA

Confesso que me inspirei no post do Celso Dossi e coloquei dois momentos brilhantes do Pânico na TV.

Atuações de GabriHerpes, interpretado por um dos mais completos humoristas da TV brasileira, o Ceará.

Se o Pânico na TV se livrasse do Vesgo e do insuportavel bola, garanto que chegariam ao ápice de melhor programa de humor que já foi criado para a TV aberta.

Como nada é perfeito, assistam os videos...são ótimos.

video



video

Abraço, boa sexta, bom fim de semana.